Faraó Merenptah: O 13º filho de Ramsés II

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

Ramsés II morreu aos 90 anos, após um reinado de 67, sobrevivendo a doze dos seus filhos mais velhos. Embora sua esposa favorita fosse Nefertari, nenhum dos filhos dela viveram para ter a oportunidade de assumir o trono. Desta forma foi o 13º herdeiro, Merenptah (ou Merneptah) (Novo Império; XIX Dinastia), dos cerca de noventa filhos do faraó, quem recebeu o direito de reinar quando tinha entre cinquenta e sessenta anos de idade. Sua mãe era a rainha Ísis-Nofret (DAVID; DAVID, 1992; O’CONNOR et al, 2007).

 

Faraó Merenptah. Imagem disponível em < http://www.absolutegipto.com/merenptah-el-rey-anciano/ >. Acesso em 03 de junho de 2013.

 

O reinado de Ramsés II é conhecido pelas incursões militares nos primeiros anos do seu governo e a uma aparente paz nos anos tardios, porém, após assumir o trono, Merenptah precisou enfrenta uma ameaça a autoridade egípcia no Canaã e sul da Síria, a qual abafou com o auxilio do exército. Com a sua vitória celebrou o feito em vários relevos nos muros de Karnak (O’CONNOR et al, 2007).

No seu 5º ano de reinado, os líbios (que já tinham tentado tomar o país no reinado de Seti I) e os Povos do Mar (que posteriormente dominariam parte das sociedades do Mediterrâneo) ultrapassaram a fronteira egípcia ocidental, planejando manter assentamento, levando consigo familiares e posses. Eles foram encontrados no Delta (o local especifico não se sabe – ver mapa) pelo exercito do faraó e durante seis horas os estrangeiros sofreram um massacre cujo número de vítimas fatais contou-se cerca de 6 000, de acordo com as fontes egípcias, que levantavam os dados através das mãos cortadas dos circuncisos ou pelos pênis coletados dos incircuncisos (DAVID; DAVID, 1992; O’CONNOR et al, 2007; BAINES; MALEK, 2008).

 

Provável local de confronto do faraó Merenptah contra os líbios e os Povos do Mar. Mapa: Márcia Jamille Costa. 2013.

 

De acordo este mesmo relato o líder líbio, Merire, conseguiu escapar. As fontes descrevem o que teria ocorrido:

O miserável chefe dos líbios tinha o coração paralisado pelo medo, parou, ajoelhou-se e deixou o arco, a alijava e suas sandálias para trás (O’CONNOR et al, 2007).

Aproveitando desta batalhavam no norte, os servos núbios ao sul, que permaneceram acalmados nas últimas décadas por Ramsés II, se rebelaram contra o faraó (O’CONNOR et al, 2007). Os povos núbios da antiguidade eram descritos como exímios soldados, especialmente graças aos kermanos. Foi esta tradição bélica e as frequentes rebeliões contra os seus mestres egípcios que levaria estes povos sulistas a tomar o poder das duas terras posteriormente, durante o chamado Terceiro Período Intermediário.

 

Esfinge do faraó Merenptah no Penn Museum. Imagem disponível em < http://edtrayes.com/2011/03/lower-egyptian-gallery-penn-museum-philadelphia-pennsylvania-usa/dsc_9883-original-exposure-slphinx-lion-with-human-head-palace-of-merenptah-memphis-egypt-penn-museum-philadelphia-pennsylvania-usa/ >. Acesso em 03 de junho de 2013.

 

Aparentemente Merenptah teve sucesso em sufocar todos os motins que precisou enfrentar em sua gestão, mas embora viesse a ser conhecido como o faraó que liquidou os invasores do norte ele fez questão de deixar registrado um ato de caridade, ao realizar uma doação de cereal aos hititas durante um período de fome (BAINES; MALEK, 2008).

Um dos seus palácios encontrava-se em Mit Rahina, na colina Kom el-Qala, o qual atualmente só existem ruínas. Ele foi escavado por Clarence Stanley Fisher (1876 – 1941) e a missão de arqueologia do University Museum, da Filadélfia (BAINES; MALEK, 2008).

 

Sucessão:

Merenptah reinou por dez anos e foi substituído por Amenemés, que possivelmente não era seu herdeiro direto, mas um dos filhos ainda vivos de Ramsés II ou descendente dos mesmos. De todo modo uma das características do governo de Amenemés foram as constantes lutas familiares e após quatro anos de administração ele foi substituído por Seti-Merenptah, coroado como Seti (II), cujo trono foi herdado por sua esposa Tauseret, que foi coroada faraó (DAVID; DAVID, 1992; O’CONNOR et al, 2007; BAINES; MALEK, 2008).

 

Sepultamento:

Originalmente Merenptah teria sido sepultado em Tebas, na KV-8, mas a sua múmia foi encontrada pelo arqueólogo francês Vitor Loret (1859-1946) em 1898 no esconderijo real locado na tumba do faraó Amenhotep II, no Vale dos Reis (DAVID; DAVID, 1992). Um dos seus sarcófagos foi reutilizado por Psusene I e só foi identificado porque dentre os seus cartuchos apagados somente um na tampa ainda possuía o nome do antigo dono (O’CONNOR et al, 2007).

 

Fragmentos do sarcófago de granito vermelho do faraó Merenptah. Foto disponível em O’CONNOR, David; FREED, Rita; KITCHEN, Kenneth. Ramsés II (Tradução de Francisco Manhães, Marcelo Neves). Barcelona: Fólio, 2007. Pág. 138.

 

A “Estela de Merenptah”:

Em seu templo mortuário foi encontrada uma estela comemorativa enaltecendo as vitórias do faraó em batalhas contra países estrangeiros. Presunçosamente ela é chamada de “Estela de Israel” devido a imagem de dois hieróglifos que representam um homem e uma mulher caminhando e foi deduzido que se trataria de uma comunidade nômade. Permanecendo no caráter subjetivista, foi sugerido que poderia se tratar do povo de Israel, porém a teoria permanece uma especulação.

 

Estela de Merenptah. Retirado de Merneptah Stele. Disponível em < http://www.flickr.com/photos/frankrytell/2155909119/ > Acesso em 24 de Abril de 2011.

 

Originalmente esta estela pertencia ao faraó Amenhotep III (Amenofis III), da XVIII dinastia.

 

Referências:

BAINES, John; MALEK, Jaromir. Deuses, templos e faraós: Atlas cultural do Antigo Egito (Tradução de Francisco Manhães, Maria Julia Braga, Michael Teixeira, Carlos Nougué). Barcelona: Fólio, 2008.

DAVID, Rosalie; DAVID, Antony. A Biographical Dictionary of Ancient Egypt. London: Steaby, 1992.

O’CONNOR, David; FREED, Rita; KITCHEN, Kenneth. Ramsés II (Tradução de Francisco Manhães, Marcelo Neves). Barcelona: Fólio, 2007.

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]

8 comentários sobre “Faraó Merenptah: O 13º filho de Ramsés II

  1. o Farao Merenptah foi o mesmo que reinou na epoca de moises?ou seja,foi esse faraó que Moises negocia a saida dos hebreus no Egito,conforme a biblia retrata?

  2. OBRIGADA PELA CULTURA EM GERAL…OS TEXTOS, OS ACONTECIMENTOS TUDO É FANTÁSTICO. UMA COISA PUXA A OUTRA E A CURIOSIDADE NÃO PÁRA. PARABÉNS E MAIS UMA VEZ OBRIGADA .

Os comentários estão desativados.