FAQ: As perguntas frequentes realizadas pelos leitores do A.E.

Criei este FAQ inspirada em algumas das questões que já recebi de algumas (ns) leitoras (es) do A.E.. Caso seja necessário farei up-dates.
As respostas que coloquei aqui são superficiais. Não procurei destacar as visões e contribuições de escolas teóricas porque o intuito desta lista é sanar dúvidas iniciais acerca da Arqueologia, especialmente para aquelas (es) que não possuem muita noção da disciplina.

  1. O que é Arqueologia?

Ela encontra-se na enseada das Ciências Humanas. A definição varia de acordo com a escola teórica ou a política de gestão do artefato. A que eu sigo a define como o estudo do passado humano através da sua Cultura Material e Imaterial. A ideia de “passado” também varia com a escola, para alguns é válido somente aquele de cem (100) anos atrás, mas na minha definição, como de muitos outros colegas, o “passado” se constrói a cada segundo, assim, deste ponto de vista, não é feita uma distinção onde “o mais antigo é o mais importante”, mas que devemos tratar todos os artefatos com respeito e dedicação.

Limpeza de urnas funerárias egípcias. Imagem disponível em . Acesso em 21 de setembro de 2013.

Limpeza de urnas funerárias egípcias. Imagem disponível em < http://minufiyeh.tumblr.com/post/30410299584/a-good-days-work >. Acesso em 21 de setembro de 2013.

Uma das coisas que o interessado na Arqueologia precisa manter clara é que esta ciência estuda as relações humanas, ou seja, tudo o que tem a ver/esteve em contato com o ser humano entra no campo de estudo da Arqueologia.

  1. O que são artefatos?

Eles são os produtos das mãos e mente humanas e as principais evidências utilizadas para as análises (as quais se espera que sejam sistemáticas). Não é totalmente aceito, mas algumas escolas teóricas definem como artefatos ossos trabalhados (que foram pintados, raspados, etc), múmias e paisagens (fisicamente modificadas ou que atendem um propósito simbólico).

  1. O que são sítios arqueológicos?

São os lugares onde estão os artefatos, mas embora pareça simples defini-los, o seu conceito, assim como a Arqueologia, depende da escola teórica e também da política de gestão de artefatos do país. A UNESCO só considera sítios arqueólogos os espaços que tenham se formado em um intervalo anterior a cem (100) anos, o que é um problema, uma vez que auxilia nas atividades de Caçadores de Tesouros. Um exemplo foi o que sofreu o Titanic que antes do naufrágio ser transformado em um sítio arqueológico recebia visitas de saqueadores. No próprio filme “Titanic”, de 1997, os homens que estão atrás do colar “Coração do Oceano” são saqueadores de sítios (existe inclusive um pequeno debate moral no filme do personagem do caçador Brock Lovett que se mostrava somente interessado na joia que procurava, mas nunca tinha parado para pensar na história das pessoas que tinham morrido no naufrágio).

Sítio arqueológico submerso em Alexandria (Egito). Imagem disponível em . Acesso em 21 de setembro de 2013.

Sítio arqueológico submerso em Alexandria (Egito). Imagem disponível em < https://www.facebook.com/photo. php?fbid=151769511413&set=a. 151764136413.141030.150542331413 &type=3&theater >. Acesso em 21 de setembro de 2013.

Sítio arqueologico na área de Quesna (Egito). Imagem disponível em . Acesso em 21 de setembro de 2013.

Sítio arqueologico na área de Quesna (Egito). Imagem disponível em < http://minufiyeh.tumblr.com/post/30264937911/walkabout-at-quesna >. Acesso em 21 de setembro de 2013.

O senso comum considera sítios arqueológicos espaços de amplas necrópoles como o platô de Gizé, mas isto é um erro comum. A presença de somente um artefato já define o local como um sítio arqueológico.

  1. Arqueólogos (as) escavam dinossauros?

Sinto muito, mas não escava dinossauros, este é o trabalho dos (as) Paleontólogos (as). Felizmente eu raramente escuto/leio esta pergunta, na verdade como estou estudando tudo voltado mais para o Antigo Egito a pergunta mais corriqueira é se “Ainda tem o que se descobrir?”, mas os meus colegas das demais Arqueologias são sempre questionados acerca dos dinossauros. Eu até que gosto de ossos de dinossauros, mas o máximo que cheguei perto foi em um museu. Definitivamente não faz parte da enseada da Arqueologia.

  1. Onde posso estudar Arqueologia?

Aqui no Arqueologia Egípcia disponibilizei uma lista de Universidades onde é possível cursar. Não coloquei um link direto para os Núcleos e Departamentos porque não é incomum que os endereços mudem: http://arqueologiaegipcia.com.br/category/onde-estudar/cursos-de-arqueologia%E3%80%8C-brasil-%E3%80%8D/

  1. Como faço para entrar nestas Universidades?

Depende. Na página de cada uma delas provavelmente existe uma explicação acerca do meio de ingresso e se elas são pagas.

  1. Qual a melhor Universidade para se estudar Arqueologia no Brasil?

Depende do que você planeja estudar. Naturalmente não conheço o nível de todas as Universidades e não sei dizer qual é a melhor porque é relativo. Acho a Universidade onde estudei maravilhosa, mas outros acreditam que ela é horrível, então é subjetivo.

  1. O que precisamos fazer para ser um (a) bom (boa) arqueólogo (a)?

Isto também é subjetivo. Particularmente acredito que para ser um (a) bom (a) arqueólogo (a) primeiramente tem que ter ética, já que na maioria das vezes somos as vozes de pessoas que já morreram. Em segundo tem que estudar muito porque a Arqueologia não é somente escavar, é todo um trabalho que envolve conhecimentos de bases legais, teóricas, metodológicas e técnicas. Por último tem que ter engajamento para aprender com os seus próprios erros e os erros dos outros.

Mohamed Abd el-Maguid em sua palestra acerca das escavações em Alexandria. Imagem disponível em . Acesso em 21 de setembro de 2013.

Mohamed Abd el-Maguid em sua palestra acerca das escavações em Alexandria. Imagem disponível em < http://deltasurvey.tumblr.com/post/46073975675/the-problems-of-archaeology-in-alexandria >. Acesso em 21 de setembro de 2013.

  1. Qual a diferença entre Egiptologia e Arqueologia?

Já expliquei isto neste texto: http://arqueologiaegipcia.com.br/2013/08/31/egiptologia/

  1. Preciso cursar uma Universidade para me especializar em Egiptologia?

Claro, caso contrário você será considerado um (a) amador (a). No Brasil não existe uma cadeira de Egiptologia, mas é possível se especializar na área apresentando uma conclusão de curso com um assunto da Egiptologia.

  1. E no Brasil existem sítios Arqueológicos?

Naturalmente qualquer lugar que foi ou é habitado por humanos possuem sítios arqueológicos.

  1. Quanto ganha um profissional da Arqueologia?

De uma forma generalista entre R$1.300,00 a R$3.000,00.

  1. Devo estudar História primeiro para depois cursar Arqueologia?

Antigamente era assim porque não existiam graduações em Arqueologia (exceto o extinto curso da Estácio de Sá), mas a verdade era que um (a) graduado (a) em qualquer área poderia ingressar em uma Pós-Graduação em Arqueologia. História era o comumente escolhida devido ao objeto de estudo em comum, o passado. Porém é mito acreditar que ambas estas disciplinas são iguais. História e Arqueologia são diferentes, especialmente nos métodos de trabalho. Somado a isto atualmente com as graduações não existem mais justificativas em se adentrar em um curso aleatório para somente depois ir para a Arqueologia.

  1. Só homens podem estudar Arqueologia?

Este é mais um mito. Qualquer um pode estudar Arqueologia. Além do mais é surpreendente notar que a maioria dos profissionais da Arqueologia costuma ser do sexo feminino (muito se comenta acerca, mas isto é dedução, seria interessante a realização de uma pesquisa), mas mesmo assim é considerada pelo senso comum uma profissão exclusivamente masculina.

Lisa Yeomans (zooarqueologa). Exploration Society's Expedition. Imagem disponível em . Acesso em 21 de setembro de 2013.

Lisa Yeomans (zooarqueologa). Exploration Society’s Expedition. Imagem disponível em < http://minufiyeh.tumblr.com/post/31815542135/a-busy-first-week >. Acesso em 21 de setembro de 2013.

Na ordem: Joanne Rowland, Salima Ikram e Lisa Yeomans. Todas arqueólogas. Imagem disponível em . Acesso em 21 de setembro de 2013.

Na ordem: Joanne Rowland, Salima Ikram e Lisa Yeomans. Todas arqueólogas. Imagem disponível em < http://minufiyeh.tumblr.com/post/32825953749/the-last-week >. Acesso em 21 de setembro de 2013.

  1. Encontrei um artefato que acredito ser antigo. O que devo fazer?

Entrar em contato com o órgão responsável pela fiscalização dos sítios arqueológicos do país. No Brasil é o IPHAN, no Egito é o MSA.

  1. Mas o meu interesse é vender este artefato.

O comércio e posse de artefatos arqueológicos é um crime previsto por lei tanto no Brasil, como no Egito. Por tanto, quando você encontrar pessoas em sites de compras tentando vender o que alega ser um artefato deve denunciar o mesmo. Sites como Ebay e Mercado Livre possuem tópicos para denúncia mais ou menos assim: “Tentativa de venda de objetos cujo comércio é proibido”. No MASP (São Paulo) possuem feiras que alegam ser de antiguidades, o que é antiético. Eu ainda não entendo qual o motivo delas ainda serem permitidas, e justamente em um dos cartões postais da cidade.

  1. Mas quero muito vender artefatos, comprei até um detector de metais. Eu assisti programas na TV em que as pessoas comercializam coisas antigas.

O comércio de artefatos arqueológicos é considerado amoral. Eles fazem parte da história de toda uma comunidade, desta forma é egoísmo comprá-los e mantê-los como um objeto de apresso pessoal. Além do mais, estes artefatos costumam ser frutos de roubos ou lavagem de dinheiro. Para variar os saqueadores (Caçadores de Souvenir ou Caçadores de Tesouros) sempre deixam um rastro de destruição em sítios arqueológicos e comprometem parcialmente ou totalmente a interpretação do passado. Tanto os saqueadores, como os compradores fazem um desfavor para a Ciência e para a Humanidade.

Porém existem casos em que as peças faziam parte de um acervo adquirido antes da Convenção da UNESCO de 1972, o que permite seu comércio. Alguns colecionadores responsáveis e de acordo com a lei são capazes de manter a integridade de um artefato arqueológico.

Existem pessoas que se entregam ao fascínio de ter uma peça antiga em casa, mas raramente se dão conta de que alguns objetos necessitam de uma manutenção constante e não dificilmente cara, uma vez que deve ser realizada por profissionais.

 18. Tenho uma graduação em outra área, mas eu quero trabalhar com Arqueologia. Devo fazer vestibular novamente?

Depende:

a)      Você pode optar por uma formação base em Arqueologia, então naturalmente tem que prestar vestibular para cursar Arqueologia.

b)      Ou você observa nos editais dos cursos de Pós-graduação se é possível se inscrever mesmo sendo de outra área. No entanto, alguns cursos pedem que o aluno apresente um projeto de pesquisa no ato da matrícula, desta forma, um conhecimento prévio de Arqueologia se faz necessário.

 

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]