Antiga tumba egípcia é desmontada pelo governo e gera revolta: entenda!

Em maio deste ano anunciei aqui no Arqueologia Egípcia a descoberta de uma tumba ricamente pintada na cidade de Sohag (cerca de 390 quilômetros ao sul do Cairo). Datada do Período Ptolomaico, esta sepultura pertencia a um casal: a mulher era Ta-Shirit-Iziz e o homem Tutu [1].

Foto: Reuters.

É descoberta no Egito tumba ricamente colorida e repleta de múmias

As imagens parietais retratam os donos da tumba, assim como imagens de procissões fúnebres e a genealogia da família escrita em hieróglifos. O outro grande detalhe é a presença de várias múmias: duas são humanas — um menino com 12 ou 14 anos de idade e  uma mulher de 35 a 50 anos —. [1]

Zahi Hawass e Tutankhamon estarão no Brasil

Mas, a história desta descoberta não acabou por aí, já que este mês o Ministério das Antiguidades do Egito tomou uma decisão que para muitos foi polêmica: o governo resolveu retirar a câmara funerária do seu local original (Sohag,) e transferi-la para o Museu da Nova Capital Administrativa [2].   

Através de um comunicado para imprensa o Ministro disse que esta mudança foi aprovada pelo comitê permanente das Antiguidades Egípcias Antigas. Ele igualmente salientou que as paredes da câmara funerária já foram cortadas [2].

Foto: Reuters.

Ainda de acordo com ele a decisão foi tomada porque o local original da tumba é muito remoto, isolado e suscetível a furtos [1]. Vale lembrar que esta tumba estava sendo saqueada em 2018 e o crime felizmente foi descoberto antes que mais estragos fossem realizados [3].

Mas nem todos concordam que esta foi uma boa decisão, a exemplo da arqueóloga Monica Hanna, que apontou que a tumba não está longe de uma área povoada de Sohag. “A realocação desta tumba é uma clara violação à Carta de Veneza para a restauração de lugares históricos; e o que o ministério está fazendo é destruir essa antiguidade, em vez de salvá-la ”, disse a arqueóloga ao portal ao Daily News. De acordo com a citada carta, “um monumento é inseparável da história a que testemunha e do cenário em que ocorre. A movimentação de todo ou parte de um monumento não pode ser permitida, exceto quando a salvaguarda desse monumento o exigir ou onde for justificado pelo interesse nacional ou internacional de importância primordial”.

Moustafa Waziri, secretário geral do Supremo Conselho de Antiguidades, declarou que no museu no qual a tumba será transferida ela irá atrair uma quantidade maior de turistas do que em sua localização atual. 

Ficarei no aguardo por mais informações. 

   

Fontes: 

[1] Mummified Mice and Falcons Are Found in Egyptian Tomb. Disponível em < https://www.nytimes.com/2019/04/06/world/middleeast/mummified-mice-egypt.html >. Acesso em 07 de  abril de 2019. 

[2]  Relocation of Ptolemaic burial chamber from Sohag to New Administrative Capital faces heavy criticism. Disponível em < https://dailynewsegypt.com/2019/08/07/relocation-of-ptolemaic-burial-chamber-from-sohag-to-new-administrative-capital-faces-heavy-criticism/?fbclid=IwAR1jj1S0RzAo8aj7I4_jBJSlGmMU_gEwnsG-sBvI2jlY_N-Tkkd-W9RLF48 >. Acesso em 12 de agosto de 2019. 

[3] Mummified mice found in ‘beautiful, colourful’ Egyptian tomb. Disponível em < https://www.theguardian.com/world/2019/apr/06/mummified-mice-found-in-beautiful-colourful-egyptian-tomb >. Acesso em 04 de maio de 2019.

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]