Egito reabre aeroportos e recebe turistas em pirâmides

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Atenção: não é porque alguns países estão reabrindo que quer dizer que o Brasil tem condições de reabrir também. Fique em casa, obedeça a quarentena. Assim você ajudará a salvar várias vidas. Assista a esse vídeo para entender como até a arqueologia aponta a importância do isolamento social: Qual A Mais Antiga Epidemia?.

Foto: REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

Após mais de 3 meses em quarentena devido à pandemia da COVID-19 (o novo coronavírus), o Egito reiniciou o recebimento de voos internacionais e reabriu alguns sítios arqueológicos para visitação turística, um deles é o platô de Gizé, onde se encontra a Grande Pirâmide.

O país tinha fechado aeroportos e atrações turísticas em meados de março e iniciou uma extensa campanha de conscientização e prevenção contra o coronavírus, incluindo o isolamento social para conter a propagação do vírus e higienização de sítios arqueológicos e hotéis. É importante salientar que parte da economia do Egito gira em torno do turismo, mais especificamente do turismo arqueológico.

Foto: REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

De acordo com a agência de notícias Reuters, os voos que estão chegando ao país ainda são poucos, assim como poucos visitantes passaram pelo Platô de Gizé. O ministro do turismo e antiguidades, Khaled al-Anany, disse que dois voos fretados chegaram na manhã da quarta-feira (01/07) a aeroportos no Sinai do Sul e no Mar Vermelho. Eles transportavam turistas da Ucrânia. Essas áreas ao longo da costa do Mar Vermelho e Marsa Matrouh, no Mediterrâneo, foram autorizadas a reabrir, pois possuem os números mais baixos de infectados até agora. Até o momento em que escrevo essa notícia o Ministério da Saúde egípcio registrou 71.299 casos de infectados pelo novo coronavírus e 3.120 mortes.

Desde o início de junho o ministro afirmava que estava esperando a curva de contágio do país se estabilizar e, aparentemente, esse momento chegou.
Dentre as medidas de segurança para essa abertura gradual do país está um regulamento explicando como as equipes de arqueologia devem se portar. Já os hotéis devem fornecer máscaras e desinfetantes a todos os hóspedes, enquanto as áreas comuns devem ser desinfetadas regularmente e o uso de elevadores limitado a 50% da capacidade.

Auxílio emergencial:

De acordo com o portal Middle East, o governo egípcio preferiu manter os hotéis fechados no auge da pandemia no país, acrescentando em comunicado que “não poderia correr o risco” de abrir qualquer coisa considerada imprópria. “Prefiro apoiar esses hotéis do que abri-los”, declarou o ministro de turismo e antiguidades.

Não foram liberados os dados oficiais sobre perdas econômicas este ano, mas o ministro do planejamento, Hala al-Saeed, disse em abril que essas perdas poderiam chegar a US$ 5 bilhões.

Ainda de acordo com o portal, o banco central destinou até 50 bilhões de libras egípcias em empréstimos para apoiar o setor de turismo. Os recursos foram destinados ao pagamento de salários dos funcionários que ficaram em casa em quarentena e a reforma de hotéis, ônibus, navios de cruzeiro e agências de viagens. Em soma, o Egito garantiu um pacote de ajuda urgente de US$ 2,8 bilhões do Fundo Monetário Internacional para compensar a crise econômica. Também concordou com o FMI em outro acordo de reserva de US$ 5,2 bilhões “para manter a estabilidade macroeconômica em meio ao impacto da COVID-19”.

Em 2021, as autoridades contam com a inauguração do Grande Museu Egípcio, que fica no no platô de Gizé, para estimular o turismo.

Fontes:
Egypt gearing up to welcome back tourists. Disponível em < https://middle-east-online.com/en/egypt-gearing-welcome-back-tourists >. Acesso em 10 de junho de 2020.

Egypt reopens airports and welcomes tourists to pyramids after COVID closure. Disponível em < https://www.reuters.com/article/us-health-coronavirus-egypt-idUSKBN2426VX >. Acesso em 1 de julho de 2020.

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]