Caçador de Múmias: 01 – Presa

“Este é o Dr. Zahi Hawass. Egiptólogo e uma lenda. Os amigos de Zahi o chamam de faraó e você vai ver por quê!”, são com estas palavras que Leslie Greif, produtor do programa “Caçador de Múmias” (Chasing Mummies, no original, e produtor também da famosa série “Gene Simmons: Family Jewels” que passa no canal A&E) do The History Channel começa a descrever o arqueólogo, egiptólogo, ex-secretário do Supremo Conselho de Antiguidades do Egito e ex-ministro das antiguidades, Zahi Hawass.

Caçador de Múmias com Zahi Hawass na The History Channel. Imagem divulgação.

Veja abaixo o Trailer do programa:

 

O programa tinha tudo para ser um sucesso: um famoso arqueólogo que trabalha no Egito seria seguido dia e noite pelas sempre atentas câmeras do canal que filmariam seus passos e estudos, porém, o que era para ser um Reality Show soou como forçado e sem muito sentido, como é o caso das câmeras incrivelmente bem posicionadas em momentos dramáticos. E o Hawass, que corriqueiramente era visto como uma figura carismática entre os seus fãs acabou demonstrando um ar perverso (embora nunca tenha sido ocultado de ninguém a sua fama de esquentado para com os seus funcionários, como foi mostrado no documentário “Zahi Hawass” da National Geographic Channel, que foi produzido e posto no ar faz alguns anos) e equivocado no que diz respeito a como tratar os artefatos arqueológicos.

Agora alguém me diz: Quantos arqueólogos apareceram em um Outdoor? O programa “Caçador de Múmias” tinha tudo para ser um ótimo canal para divulgar a Arqueologia, mas já no primeiro capítulo virou piada entre os pesquisadores e alguns fãs da disciplina.

 

O primeiro capítulo: Presa

ATENÇÃO: o texto abaixo contém spoiler.

O primeiro capítulo é uma apresentação dos estagiários de Hawass e o acontecimento inusitado com um deles, que acaba ficando preso dentro da Pirâmide Escalonada (também chamada de Pirâmide Step ou Pirâmide de Degraus): a bolsista canadense, Zoe D’Amanto, que por algum motivo acaba indo para o Egito no lugar de alguém chamada Clear Johnson, ao ver a possibilidade de ter que ser enviada de volta para casa pede que ao menos possa visitar a Pirâmide Escalonada. Com a permissão do arqueólogo Alan Morton ela visita a câmara funerária do faraó Djoser e permanece lá acompanhada somente pelo cinegrafista. Porém as luzes dos corredores da pirâmide são desligadas, sugerindo que ambos acabaram sendo trancados no local.

No mesmo dia Hawass está lançando um dos seus livros quando recebe a ligação de Leslie Greif que reporta a situação. Começa então uma corrida para tentar salvar os dois que estão trancados a mais de cinco horas a 30 metros de profundidade.

Neste momento que deveria ser tenso as câmeras estão todas posicionadas, o que levantou dúvidas se o programa realmente se trata de um Reality ou pura armação, e o fato da estagiaria Zoe D’Amanto ser atriz não ajudou neste quesito.

Zoe D’Amanto em imagem do primeiro capítulo de “Caçador de Múmias”.

Após este acontecido, na manhã seguinte Hawass e sua equipe vão para o oásis de Barariya (onde foram encontradas necrópoles subterrâneas, já contei sobre uma destas descobertas neste tópico: A tumba do governador de Bahariya) onde está ocorrendo um salvamento de um sítio. Os funcionários precisam derrubar uma casa para escavar logo abaixo na esperança de poder pesquisar. Este procedimento é normal não só no Egito, mas inclusive aqui no Brasil, um exemplo são as construções de hidrelétricas onde as pessoas são retiradas de suas casas e (ao menos é o que se espera) indenizadas. Só a título de curiosidade, o ator Wagner Moura ( de ambos os “Tropa de Elite”) já passou por esta experiência na infância.

Uma tumba é encontrada e Hawass precisa fazer a escavação a noite para evitar que durante a madrugada o local seja saqueado.

Hawass dá uma roupagem irreal para a Arqueologia, criando fantasias. Para quem viu este capítulo sabe que em um dado momento ele comenta sobre os túneis e passagens que o arqueólogo enfrenta. De fato existem tais túneis e passagens mais a forma como ele passa é como se quem trabalha na área vivesse a cada dia em perigo imediato. Então, só para fazer uma brincadeirinha:

Nem o Confúcio expressaria algo tão puro…

Para quem tem interesse em saber mais do programa e horários de exibição: Caçador de MúmiasChasing Mummies e Chasing Mummies – IMDB.

A imagem do Outdoor foi retirado deste link.

 

 

Avatar

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia.

28 thoughts on “Caçador de Múmias: 01 – Presa

  1. Eu sempre amei arqueologia e sempre adimirei o Sr Hawass,sempre me interessei por artefatos e hitorias do Egito, meu sonho sempre foi ir até as piramedes, mas não vou poder nunca estar lá bem agora parece que acabou um pouco o encanto ,não importa bem eu continuo gostando,outra coisa, me decepsionei com Sr Hawass destratando aquela gente que trabalha com ele ,eu achei ele meio soberbo,mas efim agora que eu vi as reportagem sobre ele eu pude entender uma porção de coisas,vou ficar ligada no seu facebook pra ver as novidades,Abraços.

    • Oi Doroti, obrigada pelo comentário.
      Não liga para o Hawass, tudo bem que ele tem vários aspectos ruins, mas ele também fez coisas valorosas.
      Vamos esperar por um julgamento justo e se ele for culpado de tudo, que seja preso.

  2. 「MODERAÇÃO」O seguinte comentário do leito Enoch foi editado por estar escrito em caixa alta:

    Gosto demais do Caçador de Múmias, pois é um programa que ensina e diverte a todos.

  3. O programa é tão forçado que nunca dá pra saber em que informação confiar.A Zoe por exemplo,é atriz(como você citou) e até está no elenco do filme Salt,com Angelina Jolie;a outra bolsista Lindsay,também é atriz(procurem no site do IMDB).
    Sinceramente,perdi totalmente o respeito pelo Dr.Hawass,que por outros documentários considerei ser grande autoridade em arqueologia;não admira que atualmente nem ocupe mais seu antigo cargo…que tipo de profissional sério se submeteria a um “reality” fake como esse?Mesmo não sendo esse o motivo de sua demissão,pois li que ele estava metido em maracutaias e até mesmo escondia descobertas para serem (re)descobertas em momentos mais propícios(a ele,claro).

  4. Olá, Márcia.
    Pelo visto, no Brasil há estudiosos em arqueologia e museulogia como você graças a universidades de Norte a Sul.
    Eu só tinha tomado conhecimento deste curso no Sul, em Pelotas, onde fui visitar. Fica junto ao curso de restauro e conservação de patrimônio histórico. Parece que estes dois cursos têm muito no que se relacionar.

    Eu comecei a assistir à série no Discovery Channel, e fui procurar saber mais sobre o professor Hawass.
    De fato, o que há de mais aparente são sua personalidade forte e o fato de ele ser um showman. Adora os holofotes, adora ser estrela e graças a ele a lojinha de souvenirs ampliou o estoque em 10 vezes, inclusive com a venda do chapéu dele, de aba larga.
    Dito isto, fica estranho que ele tenha preferido não divulgar as descobertas para as câmeras que repassariam para o mundo todo. Não entendi onde isto o beneficiaria. Ele era o descobridor, jamais a equipe de televisão iria levar qualquer crédito.
    Bom, sobre o caso de corrupção, não tem muito o que dizer. Ele fez estas escolhar, enquanto poderia ter permanecido incólume. Mas vai ver ganhou muitas vantagens como partidário de Mubarak e Ministro de Egiptologia.
    Certamente entre estas vantagens estava o que possibilitou

    • Olá Fabiano, obrigada pela visita e comentário.

      Eu prefiro não falar sobre as acusações de corrupção porque ele ainda está em processo de julgamento. É importante lembrar que ele não é o homem mais querido no ramo da Arqueologia e turismo e na época das revoluções teve gente que tentou puxar o tapete dele descaradamente. Vamos esperar ver o que o tribunal egípcio conclui e se for culpado é claro que é cadeia na certa!

      Abraços!

  5. a recuperação de milhares de artefatos Égípcios para o Egito.
    Útil, mas que não justifica a escolha pela corrupção.
    Talvez explique mais do modo como ele não aceita qualquer obstáculo. Nem a cordialidade.

    Muito bom conhecer seu blog,

  6. Adoro Caçador de Múmias!!! Sempre assisto!!!
    Sou fisioterapêuta, apaixonado por história, inclusive, pretendo inicair a faculdade no ano q vem para tentar ingressar na arqueologia.
    No episódio que assisti, onde umas das bolsistas (não me recordo o nome) toma a decisão de ir embora por não estar se sentindo valorizada, eu perdi o fôlego. JAMAIS que eu tomaria uma decisão dessas e abandonar uma oportunidade incrível como a que ela teve.
    Eu mesmo vivo sonhando acordado em conhecer um sitio arqueológico desses e até fazer parte!!
    SOnhar fa bem, né 😉

  7. Oi,

    Parabéns pelo site. muito bom mesmo. Descobri hoje, por acaso.

    Hawass é uma prima dona por excelência…Difícil simpatizar. Mas tem um legado enormemente importante, que não pode ser desqualificado por suas conexões com o governo Mubarak. É o ônus de servir a um ditador.

    Corrupto? Possível, mas deve ser provado não? O problema é que sua personalidade, poder e relações políticas criaram tantas inimizades que será difícil separar joio do trigo na sua avaliação. E há o risco de que seu sucessor, mais fraco, seja mais leniente no trato dos projetos de pesquisa e áreas sensíveis, o que colocaria em risco todo legado histórico-arqueológico do país (será que seu sucessor fechará as piramides aos turistas quando as condições de humidade não forem adequadas?).

    Sobre o programa, acho legal, mas não sabia que as estagiárias eram atrizes… Qual foi a repercussão fora do Brasil? Teve quantas temporadas? Começou quando?

    • Oi Manoel.

      Aceitei o seu comentário, mas nem entendo porque não respondi, mas vamos lá:

      Sobre sua colocação acerca do Hawass nem tenho o que comentar, foi bem justa. Sou bem pragmática, não acredito em julgamentos sumários. Eu espero que assim que se provar a inocência ou indecência dele que ele receba o tratamento adequado.

      Sobre o programa: teve somente uma temporada, começou em julho de 2010 (eu acho) e a repercussão fora do Brasil não foi uma das melhores, recebeu várias críticas não só do meio acadêmico como do público que é fã da Arqueologia Egípcia. Eu acredito que depois que o programa foi ao ar o Hawass perdeu parte da credibilidade acadêmica dele.

      Abraços.

  8. Oi Marcia,

    Adoro essa série e sou fã de Zahi Hawass, sei que ele é grosso, porém é uma autoridade quando se fala de Arqueologia Egípcia. Sei que foi acusado de corrupção porém continuo sendo sua fã e não sou a única, tenho duas amigas na minha sala que são suas fãs. Seu site esta lindo e muito bem estruturado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *