A Estranha Tribo dos Arqueólogos

Infelizmente não consigo lembrar o nome do arqueólogo que escreveu isto, mas ele tinha um blog bem interessante, é uma pena que tenha fechado a página. O endereço era http://colunistas.ig.com.br/indianasilva/ e exista um texto, inclusive, em que ele falava da diferença entre os homens e as mulheres em campo e as relações dos arqueólogos (as) com suas famílias ao longo dos anos. Eram artigos com visões pessoais das quais algumas eu não concordava, mas eram divertidos de ler.

O texto abaixo é o único que deixei salvo, ele fala um pouco sobre os “novatos” em campo e as aspirações de jovens no mundo “louco” da Arqueologia:

A Estranha Tribo dos Arqueólogos

Todos os anos, em verdade a cada semestre, centenas de jovens em idade universitária desembarcam no centro oeste do país, nas florestas amazônicas, no sertão nordestino, nas praias de Santa Catarina. Seu objetivo imediato: passar algumas semanas numa escavação arqueológica de verdade, entre trincheiras, sondagens, aparelhos GPS, pás, peneiras, baldes, trenas, metros, barro e mosquitos, muitos mosquitos.

Aqueles que estão ali pela segunda vez talvez tenham aprendido algumas lições práticas e tenham providenciado também roupas longas – mesmo sob o sol escaldante – largos chapéus de palha, protetor solar, repelente de insetos, botas resistentes, capas de chuva, aparelhos tocadores de MP3.

Mas boa parte deles estará ali pela primeira vez e, mesmo com os demais sabendo do sofrimento alheio, terão de passar sozinhos pelas provações de seu primeiro campo.

Por incrível que pareça as garotas – em geral mais inteligentes do que os rapazes – gostam tanto dessa experiência quanto eles e chegam em quantidade equivalente. Todas muito meninas, tanto quanto os rapazes (embora alguns exibam vastas cabeleiras e barbas, conquistadas a custo durante seus primeiros anos de curso universitário em humanidades).

Com algum tempo vão aprender também que barbas e cabelos longos tem benefícios e desvantagens. Se estiver sendo atacado por insetos ou sob um sol de rachar mamona a barba e o cabelo vão te proteger e diminuir a área exposta. Por outro lado, o calor será maior e se trombar com um cacho de formigas, carrapatos, micuins ou qualquer coisa que entranhe em seus pelos se arrependerá amargamente de não ter raspado até o último fio do seu corpo.

Pergunto a um deles: O que te fez buscar a arqueologia?

“Nenhuma outra atividade me ofereceria a oportunidade de conhecer lugares tão distantes sem ter de gastar nada, aprendendo e ainda ganhando alguma coisa. Além do mais os campos de arqueologia são o mais próximo que você terá de uma experiência comunitária com gente da sua idade.”

A verdade é que alguém que sobreviva aos dois primeiros anos da arqueologia tem grandes chances de se tornar um grande conhecedor do país e mesmo de lugares mais distantes, como América Latina, Oriente Médio, Grécia. E isso sem ter que depender dos recursos familiares.

Mas há sempre num acampamento de arqueólogos – ou mesmo numa pensãozinha pouco recomendável perdida no oco do mundo – muita gente que foi atraída pelos filmes de aventura. Tesouros, templos escondidos, canibais e coisas do tipo ainda povoam as cabecinhas juvenis de muitos que chegam as salas de aula de arqueologia, mas, mesmo depois de um ou dois semestres de aula, os sonhos não se dissipam totalmente. Nunca vi nenhum destes jovens não ficar absolutamente eufórico diante da escavação de uma urna funerária, de um enterramento. Sem contar os que se dedicam à arqueologia clássica, à egiptologia ou à subaquática, escavando navios afundados, resgatando “tesouros de pirata” (embora não possam ficar com um dobrãozinho sequer).

Eles levantam de manhã, por volta das seis da matina, põem roupa surrada, tomam café, passam protetor nas partes expostas, arruma ma roupa de modo a não deixar espaço para insetos entrarem, tomam um banho de repelente, arrumam a mochila, preparam o lanche, conferem o equipamento pessoal, as anotações, metem o chapéu na cabeça e vão para o transporte coletivo, em geral uma Kombi caindo aos pedaços. Muito tempo sacolejando até o ponto mais próximo da escavação, dividindo espaço com trabalhadores braçais contratados na região, para fazerem o esforço mais bruto. Chegam ao lugar, e então mais uma longa caminhada, que pode durar até hora ou mais. Por volta das oito ou nove da manhã estão finalmente escavando.

Depois de algum tempo cada um está ensimesmado em sua tarefa. No ouvido os fones tocando em geral heavy metal, um ou outro com um gosto musical mais alternativo, MPB, música etnica, Banda Calypso, já ouvi de tudo nos fones de companheiros.

Mas há sempre os hiperativos.

Daniel, turismólogo de formação abandonou a carreira de preparação de viagens para se meter no meio do mato. Mineiro do sul, de sotaque curioso, pula de um lado para outro nas escavações. Barbudo, cabeludo, sempre de macacão, pula numa trincheira, anota algo, pula pra fora, corre atrás de uma trena, bate uma foto da escavação, faz anotações, corre e comenta algo com o chefe de campo, pula de novo pra dentro da trincheira e vai assim até o horário do almoço, quando para por vinte minutos para rapidamente engolir seu sanduíche.

Se deu bem na arqueologia, passa suas temporadas, apesar de ainda não ser um “arqueólogo ao pé da letra”, entre o Chile, Estados Unidos e os sertões do Brasil, apesar da ausência do diploma (o que o impossibilita de “assinar” os relatórios de campo) é bastante respeitado na tribo.

Há outros, como Levi, de família judaica que sabe lá Deus porque veio parar na arqueologia, embora seja um caso que poderíamos chamar de “vocação”. Desde pequeno fantasiava com escavações milagrosas. Depois rodou a Europa, América Latina e foi parar nos Estados Unidos. Levi é “low profile” no trabalho, embora seja o tipo esquentado, do que dá uma cadeirada na cabeça de um caboclo que tenha lhe ofendido num bailão no centro oeste. Além do mais é fã incondicional de todo tipo de música tida como “brega”. Seu MP3 nunca é disputado pelos demais (talvez seja uma estratégia dele).

Gilberto, por outro lado, é um caso especial. Morador de Carapicuiba em São Paulo, negro, se tornou um especialista em Grécia do período clássico, lê grego e latim, fala fluentemente francês, inglês, espanhol e grego moderno. É um lorde inglês que venceu todas as apostas contrárias que a vida fez a seu respeito. Esteve na Grécia mais vezes do que a maioria dos classicistas de sua idade – e muitos até bem mais velhos.

Mas, curiosamente, essa massa disforme de personalidades convive – nem sempre pacificamente – numa escavação. E sem contar com os que acabaram de chegar e tem a nítida impressão de que foram embarcados por engano num Navio Pirata, cheio de gente mal encarada, suja e falando um dialeto próprio cheio de brincadeiras particulares, extraídas de episódios lendários compartilhados pela tribo.

Por incrível que pareça esta turba de gente estranha está ali para fazer ciência, embora quase nenhum tenha a principio partido para esta vida para “fazer ciência”. A ciência é uma consequência de uma escolha de “estilo de vida”, o que se assemelha, em verdade, muito ao mundo dos alpinistas. Ninguém vai se tornar alpinista por que quer desenvolver novas técnicas, novos equipamentos, mas porque quer abraçar uma “idéia” a respeito da vida.

E tanto quanto a escalada a pratica de campo na arqueologia pode se tornar um vício, capaz de destruir relações pessoais, de criar problemas sérios de ordem psicologica e social, mas são casos extremos.

Mas, ainda assim, verá, no final do dia, aqueles mesmos sujeitos, ainda mais sujos, mais cansados, mais barbudos e cabeludos, mais estropiados voltarem também mais felizes em Kombis precárias para seu alojamento, alimentar o anedotário arqueológico e as lendas.

 

E para finalizar acho que este texto merece uma imagem especial:

 

A nada mole vida de um estudante de Arqueologia voltando para o alojamento. Foto meramente ilustrativa. Imagem disponível em < http://maringa.odiario.com/blogs/paicandublognews/2011/11/28/expresso-sardinha/onibus-lotado/ >. Acesso em 9 de Março de 2012.

 

 

 

 

Avatar

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia.

6 thoughts on “A Estranha Tribo dos Arqueólogos

  1. Esse texto deve ser relativamente antigo mesmo… fala do Gerson-Levi, do Gilberto Franc, todos em campo e rodando! Muito bom o texto! Queria saber quem escrevia, pois com certeza é algum arqueólogo fanfarrão! =)

  2. Marcia,
    Nunca havia lido este texto. Eu gostaria de saber quem escreveu, pois seguramente conviveu muito comigo na Documento e de fato retrata um intenso periodo da minha vida, antes de ir para o Doutorado nos EUA.
    Obrigado por compartilhar, eu relembrei otimos momentos de minha carreira no Centro-Oeste e Amazonia. Nunca usei MP3, mas acho que reagiria assim mesmo.
    Incentivo todos a seguirem pelo caminho da arqueologia como ciencia colaborativa, e que construa laços com as comunidades em que atua.
    Quem quiser falar comigo, meu email g.lazzaris.doc@gmail.com
    Abraços,
    Gerson Levi Lazzaris

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *