A maldição das maldições

Comentei recentemente aqui sobre o meu segundo livro, Tutankhamon, 1922 e o Vale dos Reis. Como alguns de vocês bem sabem ele já está praticamente pronto deste 2013 e este ano fiz algumas revisões em alguns assuntos. Entretanto nas últimas semanas resolvi realizar a adição de um novo capítulo cujo tema é a famosa “maldição de Tutankhamon”.

“O medo da maldição dos faraós leva nobre idoso para a morte”

Já cheguei a comentar em entrevistas e no próprio Arqueologia Egípcia sobre o fascínio causado pelo assunto. Independente de qual o nível de interesse pelo o Antigo Egito, qualquer pessoa provavelmente já conhece o mito. Contudo, por levar somente em consideração que a lenda da maldição só se alimenta da curiosidade frívola, em 2013 a julguei desnecessária para o conhecimento arqueológico, ou seja, a deixei de fora do material, mas atualmente, depois de uma breve ponderação, resolvi inclui-la no livro.

Confesso que foi ridículo ter acreditado que seria um tema banal, justamente esse relacionado tanto com as práticas orientalistas como com a egiptomania (se bem que é difícil dissociar uma coisa da outra), mas amadurecimento acadêmico é assim, gradual.

Tutankhamon. Foto: Harry Burton.

Conhecer sobre como foi criada e como se desenvolveu a “maldição de Tutankhamon” nos auxilia a entender muito dos aspectos que o senso comum costuma associar com a antiguidade egípcia. Imaginem que se os jornais não tivessem inventado e propagado a estória da maldição não teríamos nenhum dos filmes de terror/aventura clássicos tais como “A Múmia” de 1932 ou “A Múmia” de 1999 (um reboot do de 1932). Ou mesmo as populares fantasias de Halloween.

“A Múmia” de 1932.

Estou muito feliz por ter notado a importância da inclusão deste capítulo a tempo. Imagino que o meu livro ficaria bem vazio se eu não resolvesse tecer uma análise sobre o fenômeno do “mau agouro” que teria matado aqueles que tiveram algum envolvimento com as pesquisas realizadas na tumba do faraó Tutankhamon. Sinceramente fiquei bem satisfeita com o resultado e vou confessar que até olhando a lista de mortes no fundo quase acreditei que o falecimento daquelas pessoas realmente estavam associadas ao faraó. Mas acho que faz parte do deslumbre acreditar que de alguma forma os deuses egípcios ainda estão com seus olhos vigilantes de olho na modernidade.

Avatar

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *