Lançamento de livro sobre o Antigo Egito: Êxodo

Êxodo (Will Adams):

Não é um lançamento recente (estreou no Brasil em outubro), mas está valendo: “Ao observar um comerciante vendendo um vaso de cerâmica pelas ruas de Alexandria, o arqueólogo Daniel Knox acredita ter encontrado vestígios de uma antiga seita que coloca em dúvida os acontecimentos relacionados à fuga do povo judeu do Egito. As investigações de Knox, no entanto, o levam às escavações do reverendo Ernest Peterson, que não deixará que atrapalhem sua missão sagrada. Ao mesmo tempo, ele toma conhecimento de que sua amiga Gaille Bonnard foi sequestrada por um grupo de policiais, caçadores de tesouros, após ajudá-los com sua descoberta. Agora, o arqueólogo precisa correr contra o tempo para salvá-la, mas não imagina que, no caminho, irá se deparar com segredos que podem mudar para sempre a História.

• Para leitores de Dan Brown e Steve Berry.
• Publicado pela Editora Record, O enigma de Alexandre, o romance anterior de Will Adams, e também protagonizado pelo arqueólogo Daniel Knox, foi traduzido para mais de 12 idiomas.
• ‘Fãs de thrillers que levam os leitores de volta ao passado não podem deixar de ler este livro de jeito nenhum!'” – Booklist

E então… O Natal chegou! E o que eu andei fazendo?

E então, o Natal finalmente chegou e com ele toda uma programação de TV voltada para o tema, postagens no Facebook mostrando a união — ou desunião — de famílias, imagens de ceias, presentes etc. Bom, mas qual o motivo para eu estar escrevendo um post sobre e entrar nas estatísticas de postagens Natalinas? Porque é a primeira vez, depois de uns 6 ou 7 anos que passei o Natal com a minha família sem ter que me preocupar com alguma atividade da Universidade.

Além deste significativo detalhe está o próprio Arqueologia Egípcia, que todos os anos durante esta época eu coloco um detalhe natalino: ano passado não só o lay, mas uma das imagens laterais receberam o efeito de neve, mas este ano além da neve no topo a nossa logo ganhou um gorro do Papai Noel. Assim que o lay foi mudado anunciei no meu Instagram:

Uma foto publicada por @marciajamille em

Continue reading

Dando um UP nos sites que relataram minha passagem por Blumenau (2014)

Finalmente comecei a reunir minhas breves passagens pela imprensa aqui no blog, o que será de todo útil para uma série de pessoas, inclusive para mim, que posso ter próximo lembranças das atividades que andei realizando por aí.

Quando estive em Blumenau (SC) fui alertada por um dos ouvintes (e posteriormente por um leitor via Facebook) que minha viagem tinha sido comentada na imprensa. Eu tinha achado interessante, mas confesso que não tinha dado muita bola, até que, após uma breve pesquisa no Google por textos meus me deparei com estes três sites abaixo:

http://www.oblumenauense.com.br/site/acontece-em-blumenau-um-seminario-sobre-o-egito-faraonico/

http://www.blumenews.com.br/site/index.php/entretenimento/item/12641-furb-sedia-semin%C3%A1rio-sobre-egito-fara%C3%B4nico

E claro, no site da própria instituição:

http://www.furb.br/web/1704/noticias/arquivo/2014/05/furb-sedia-seminario-sobre-egito-faraonico/3151

Quer saber como foram as palestras lá? Leia Palestra em Blumenau e apresentação do livro “Uma viagem pelo Nilo” ou Alguns dos dias mais especiais da minha vida: Apresentações do meu livro.

Se vocês forem encontrando outras coisas podem enviar para mim. Pode ser através do meu Twitter (@MJamille), Instagram (marciajamille), Facebook (Marcia Jamille – Arqueologia Egípcia) ou por e-mail (sitearqueologiaegipcia@gmail.com).

Lançamento de livros sobre o Antigo Egito: Hieroglifos e a vida no Egito Antigo

Gramática Fundamental de Egípcio Hieroglífico para o estudo do estágio inicial da língua egípcia (de 3000 a 1300 a.C.) (Ronaldo Gurgel Pereira)

“Quando pensamos em Egiptologia, normalmente ligamos a palavra a arqueólogos ocupados em alguma escavação à sombra de antigas ruínas de templos e pirâmides. De facto, nos dias de hoje, a Egiptologia tornou-se quase um sinónimo de arqueologia egípcia. Praticamente todos os departamentos de Egiptologia das universidades pelo mundo possui ao menos um mandato no Egipto ou no Sudão onde professores e alunos podem desenvolver seus conhecimentos em campo.
Entretanto, se a Egiptologia deixou de ser uma ocupação da aristocracia e tornou-se uma ciência de facto, ela assim o fez em virtude dos esforços de filólogos e linguistas. Assim, não há nenhum exagero ao afirmar-se que a Egiptologia é na realidade uma ciência ligada às letras. Somente após o longo e árduo processo de decifração dos hieróglifos é que foi possível, enfim, dar início ao processo de reconstituição da história egípcia, sua cultura, mentalidade, identidade, sempre descritos em primeira pessoa” (Início da Introdução do livro).

MEUS COMENTÁRIOS: O Ronaldo disponibilizou para mim a introdução da obra e pude ter uma ideia do que podemos encontrar. A primeira parte faz um passeio pelo surgimento da escrita egípcia e a decifração da mesma com o uso da Pedra de Rosetta, além de apresentar as noções básicas da gramática como os complementos fonéticos e fonologia versus pronúncia. A segunda parte é dedicada a discutir elementos da frase como o substantivo, adjetivos, preposições, pronomes, advérbios, numerais etc. No mesmo esquema é a terceira parte, mas desta vez se aprofundando em sintaxe. E por fim a quarta explica sobre o sistema verbal.
O livro também é composto por exercícios (e suas respectivas respostas) e uma lista de hieróglifos ao final.

 


O povo da Esfinge (Margaret Marchiori Bakos)

O povo da esfinge resgata fatos que nos permitem conhecer os sentimentos daquelas pessoas em relação a outras criaturas, a coisas, a acontecimentos e a entes divinos. Ressalta gestos e palavras espontâneos: os toques pessoais que faziam os dias do Egito Antigo especiais e diferentes. Ao tratar dos antigos egípcios, esta obra penetra no mundo enigmático da esfinge e no culto à imortalidade (Sinopse: EdiPucrs).

 

 

 

 

 

Links de Arqueologia: 17 novos sítios arqueológicos em Sergipe, castelo de Anchieta, cela em Igreja e crianças na guerra

Este texto ficou guardado como rascunho por um bom tempo (por isso algumas notícias aqui serão um pouco antigas), mas mesmo assim não custa nada repassar estes links para vocês.

Para abrir o post está a divulgação da descoberta de 17 sítios arqueológicos em Sergipe, trabalho o qual participei por um período (lembro das picadas dos insetos como se fosse hoje!). A maioria das peças são de caráter indígena, mas encontramos algumas faianças (louças) que “usualmente” (entre aspas porque existem casos e mais casos) significam presença europeia.

☥ Ana Lúcia parabeniza Governo de Sergipe pela descoberta de sítios arqueológicos

O segundo link é sobre o achado de uma cela eclesiástica no porão da Igreja e Convento de Santa Maria dos Anjos, localizada no centro histórico de Penedo (AL). Por acaso Penedo é um local lindíssimo, vale a visita e o potencial arqueológico é de cair o queixo.

☥ Arqueólogos acham prisão eclesiástica do século 17 em igreja de Penedo (AL)

Já no próximo link temos o Instituto de Pesquisa Histórica e Arqueológica do Rio de Janeiro (Ipharj) como um dos possíveis destaques culturais durante dos jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 e que também está concorrendo ao prêmio Aga Khan.

☥ Em castelo de arquitetura islâmica, museu em Anchieta tem mais de 60 mil itens arqueológicos

O último link é sobre os adolescentes (para mim crianças) que lutaram na 1ª Guerra Mundial. Estes grupos de meninos se alistavam esperando fugir do desemprego e com um deturpado senso de dever para com o seu país. Acerca deste assunto acho que a citação abaixo, retirada de uma carta de um destes garotos para a mãe, já responde muito o que poderia significar a ida para o campo de batalha:

“Querida mãe, eu estive nas trincheiras quatro vezes e saí em segurança. Nós descemos às trincheiras por seis dias e depois recebemos seis dias de descanso. Querida mãe, eu não gosto das trincheiras. Nós vamos descer a elas novamente nesta semana”.

☥ Os adolescentes de 14 anos que lutaram nas trincheiras da 1ª Guerra

Páginas de Arqueologia no Facebook interessantes para seguir

Graças à internet muita gente está podendo apresentar os seus trabalhos ou ideias com mais facilidade. Hoje vocês podem ler sobre pesquisas da Arqueologia diretamente com o próprio profissional ou equipe que realizou a mesma e até tirar dúvidas ou trocar informações. Pensando nisso resolvi indicar algumas páginas que talvez seja do interesse de vocês:

Almir Brito Jr Photography: Esta é do meu colega e amigo Almir Brito Jr., que além de arqueólogo é fotografo. Ele sempre está registrando as paisagens por onde passa quando está trabalhando, então esta é uma oportunidade de ver o mundo pelo os olhos de um arqueólogo. Guardem bem este nome porque quem sabe um dia ele estará fotografando para alguma matéria da National Geographic. Clique aqui e curta a página.


Movimento Mulheres na Arqueologia: Esta é uma página bem bacana voltada para mostrar a presença das mulheres na Arqueologia, que embora sejam muitas ainda tem quem insista que esta disciplina trata-se de uma profissão masculina.  O que acho excelente é que alguns dos posts trazem perfis de arqueólogas. Clique aqui e curta a página.


Contextos Arqueologia: Já participei de dois trabalhos nesta empresa e ela foi um dos organizadores do lançamento do meu livro “Uma viagem pelo Nilo”. Constantemente eles realizam oficinas de especialização e possuem muito interesse pela Arqueologia Pública, então vale a pena dar uma olhada. Clique aqui e curta a página.


Laboratório de Arqueologia Pública “Paulo Duarte” (LAP): Este laboratório tem várias propostas de eventos bem interessantes e o melhor é que são voltados tanto para o público acadêmico como o comum. Outra coisa que gosto muito é que eles abrem sempre vagas para estágio. Clique aqui e curta a página.