Bora de home office juntos!

Nos últimos meses, devido a esse contexto em que estamos vivendo, muitos estão realizando home office, ou seja, trabalhando em casa. Eu sou uma dessas pessoas. Desde o início da pandemia eu não saí de casa para gravar, tudo o que foi publicado no Arqueologia pelo Mundo foi feito através de recursos digitais, desde entrevistas a pesquisas.

Mas, esse isolamento não tem nos deixado bem: ele tem nos deixado ansiosos e tristes. 

Alguns de vocês devem saber exatamente bem do que estou falando e é por isso que desde fevereiro estive realizando um projeto de Home office em minha twitch onde basicamente eu entro em live com um cronômetro e nesse momento eu e vocês devemos largar as redes sociais ou outra coisa que te distraia e foque em alguma atividade que você precisa começar ou terminar. E quando o cronômetro para é o momento da gente bater um papo.

Iniciei esse projeto porque eu quero inspirar as pessoas a focar em algo nessa pandemia. Não precisa estudar ou algo assim, mas dar uma motivada para responder aqueles e-mails encalhados, ler um livro ou aprender algo novo. Então, caso queira participar é só chegar! Será legal te ter com agente.

E só entrar nesse link aqui e passar a seguir ou se inscrever gratuitamente, caso você tenha Amazon Prime, beleza?

Umas das lives: https://www.twitch.tv/videos/1052037846

E mais uma vez Aventuras na Arqueologia está pegando fogo… E temos personagens novos!

Pois é gente, no quarto capítulo de Aventuras na Arqueologia eu fui recebida com um incêndio na república. Parece que The Sims 4 não gosta de dar sossego para a gente mesmo! 

Mas, tirando esse momento dramático, basicamente todos os personagens — Juliana, Maria Jamily e toda a república —  visitaram um sítio arqueológico inspirado em um templo egípcio (é um templo bem bonito, vale a pena vocês darem uma olhada). Lá foram realizadas algumas escavações arqueológicas e alguns achados.

Depois Juliana e Maria foram para um segundo sítio arqueológico e esse eu estava louca para mostrar para vocês, porque eu sinceramente o achei muito bonito. Lá elas acamparam e fizeram até um piquenique, foi bem legal.

Acabadas as atividades de campo, eu trouxe uma novidade para vocês: a inclusão de mais dois personagens na história. Para saber quem são, assista ao vídeo! 

Essa série está sendo totalmente patrocinada pelos membros e apoiadores do Catarse do Arqueologia pelo Mundo. Se quiser apoiar também o projeto clique aqui (para se tornar membro do canal) ou aqui (para se tornar um apoiador no Catarse). E o nosso Discord, Tumba dos Maluqueiros, está aberto para receber sugestões!

Mas, olha só quem apareceu em Aventuras na Arqueologia!

A série Aventuras na Arqueologia, do canal Arqueologia pelo Mundo, já está no seu quinto capítulo e eu simplesmente esqueci de ir comentando aqui o que já rolou por lá. Falha minha, desculpa!

Basicamente no terceiro capítulo a nossa Juliana Archaia, além de explorar um pouco mais do ambiente da Universidade de Arqueologia, conheceu a arqueóloga Maria Jamily, é exatamente isso que vocês estão pensando, a minha personagem é a Maria Jamily. Na companhia dela, a Juliana finalmente conseguiu terminar todos os livros básicos de arqueologia que ela precisava ler. Depois disso a preparamos para sua primeira escavação arqueológica:

E a escavação foi bem legal porque eu mesma criei o ambiente do sítio arqueológico e foi possível colocar a personagem para escavar um pouquinho. Bateu uma pequena nostalgia, confesso! 

Essa série está sendo totalmente patrocinada pelos membros e apoiadores do Catarse do Arqueologia pelo Mundo. Se quiser apoiar também o projeto clique aqui (para se tornar membro do canal) ou aqui (para se tornar um apoiador no Catarse). E o nosso Discord, Tumba dos Maluqueiros, está aberto para receber sugestões!

Grande geoglifo foi destruído no Acre: o que sabemos até agora?

E mais uma vez lá no Arqueologia pelo Mundo falei da destruição de um patrimônio arqueológico brasileiro. Trata-se do geoglifo do sítio arqueológico Fazenda Crixá II, em Capixaba, no Acre.

Geoglifos, falando de forma extremamente básica, são grandes imagens feitas no solo. Os mais famosos são as linhas de Nazca, no Peru. Os espécimes daqui do Brasil possuem formas geométricas como quadrados, losangos e círculos. Alguns são do tamanho de um campo de futebol e suas valas podem ter até 2 metros de profundidade.

Não se sabe os motivos para os antigos povos indígenas terem feito essas imagens. A proposta é de que os geoglifos tenham sido espaços ritualísticos e de socialização e tenham sido feitos a partir de uns 2 mil anos e suas construções tenham se seguido até o século 16 ou 17.

No caso desse da Fazenda Crixá II, a sua destruição foi descoberta por um paleontólogo chamado Alceu Ranzi. E sabe como ele descobriu? Checando imagens de satélites. O pior é que nós estamos sabendo disso só agora, mas a destruição ocorreu no final de 2019!

Imagem: comparativo da destruição do geoglifo do sítio Fazenda Crixá II.

A National Geographic entrou em contato com o dono da fazenda: Trata-se do pecuarista Assuero Doca Veronez, que é o presidente a Federação da Agricultura e Agropecuária do Acre. De acordo com a reportagem realizada, Assuero defende a expansão da conversão de novas áreas de florestas para o agronegócio. Em declaração para a reportagem ele disse o seguinte “o sítio arqueológico é semelhante a centenas de outros existentes na região. Se existem centenas de geoglifos semelhantes, no meu entendimento a gravidade do fato tem uma importância relativa.”. Bom, isso não é verdade! Uma vez que cada geoglifo conta um pedaço da história e da multiplicidade de povos que existiram no nosso território antes da invasão portuguesa.

Como resposta a essa destruição, no último dia 11/09/20 o Museu Universitário da Universidade Federal do Acre (UFAC), em conjunto com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e a Universidade de São Paulo (USP) realizaram uma reunião onde decidiram de qual forma esperam preservar os geoglifos. A reunião foi coordenada pelo diretor do museu universitário, o professor Gerson Albuquerque e a ideia é criar uma frente de defesa composta por pesquisadores, assim como a construção de um observatório permanente.

Paralelamente, o Ministério Público Federal no Acre (MPF-AC) instaurou um inquérito civil público para investigar os danos causados aos sítios arqueológicos da Fazenda Crixa II e a Polícia Federal no Acre (PF-AC) também abriu um inquérito.

Para você saber mais:

O que são os geoglifos milenares destruídos por trator na Amazônia acreana

https://www.nationalgeographicbrasil.com/historia/2020/08/o-que-sao-os-geoglifos-milenares-destruidos-por-trator-na-amazonia-acreana

Pesquisadores montam frente para evitar destruição de geoglifos e querem observatório permanente: ‘nossa memória’

https://g1.globo.com/ac/acre/natureza/amazonia/noticia/2020/09/14/pesquisadores-montam-frente-para-evitar-destruicao-de-geoglifos-e-querem-observatorio-permanente-nossa-memoria.ghtml

E não é que visitamos um sítio arqueológico em The Sims 4?

É até exagero falar dessa forma, até porque o sítio arqueológico em questão foi feito por mim exclusivamente para a série “Aventuras na Arqueologia“. E deixa eu falar rapidinho sobre ela para quem caiu aqui de paraquedas: “Aventuras na Arqueologia é uma série do meu canal Arqueologia pelo Mundo. Nela o público acompanhará uma jovem estudante, a Juliana Archaia, desde a sua formação, até a sua busca por grandes descobertas arqueológicas.

Basicamente no 2º capítulo acompanhamos todos os personagens da república, entretanto, a Juliana sempre foi o nosso foco no jogo. Daí, as metas que defini são que ela treine escrita — já que faz parte da profissão de arqueologia escrever artigos e relatórios — e que ela torne-se arqueóloga, participando de escavações, analisando artefatos e interagindo com outros arqueólogos. Mas, para quem conferiu esse vídeo já deu para sacar que ela prefere dormir e jogar videogame do que estudar… Puts Ju! O mais engraçado foram os comentários do pessoal se identificando 😂.

E como já é o esperado em The Sims 4, SEMPRE rolam algumas surpresas né? Uma delas foi a de que o nosso Takata-San quase morreu em um incêndio! Isso enquanto eu tinha me distraído no momento em que dava algumas dicas de leituras de arqueologia para vocês. Pensem o susto!

Essa série está sendo totalmente patrocinada pelos membros e apoiadores do Catarse do Arqueologia pelo Mundo. Se quiser apoiar também o projeto clique aqui (para se tornar membro do canal) ou aqui (para se tornar um apoiador no Catarse). E o nosso Discord, Tumba dos Maluqueiros, está aberto para receber sugestões!

E vamos torcer para que não ocorra nenhuma morte no próximo episódio.

Visitando sítios arqueológicos submersos em Assassin’s Creed Odyssey

Finalmente lá no canal abordei um dos conteúdos mais pedidos pela comunidade do Arqueologia pelo Mundo: O jogo Assassin’s Creed Odyssey!
E sim, eu sei que alguns de vocês querem que eu comente também o Origins, mas não se preocupem, irei fazer isso… Só precisam ter um pouco de paciência com meu pc galera… Quem já assistiu ao vídeo viu que sofri altos perrengues com meu computador, mas até que isso deu certo charme 😅.

Esse vídeo não é uma gameplay clássica. O que faço é passear pela ilha de Cefalônia mostrando alguns detalhes curiosos em termos de arqueologia, especialmente arqueologia subaquática.

O jogo se passa durante a época da Guerra do Peloponeso, travada entre as cidades de Atenas e Esparta. A Ubisoft mandou muito bem na ambientação histórica e foi exatamente por isso que resolvi usar esse jogo como guia para mostrar alguns tipos de sítios arqueológicos. E de bônus ainda visitamos uma doca seca! Eu realmente nunca tinha visto uma no jogo e foi legal poder mostrá-la para vocês.

*Aquele momento delícia em que o jogo travou 😂”

E a reação de alguns de vocês foi simplesmente ótima!

Sim! NASA, se prepara que o Arqueologia pelo Mundo terá seu momento de glória!
Fico feliz por ter te feito feliz!
💜

E o meu amigo, o Vini, deu um exemplo bem interessante de como construções acabam ficando submersas de forma bem parecida ao que mostro no jogo:

E só lembrando! Se vocês gostam de games e Arqueologia, eu iniciei a série “Aventuras na Arqueologia” lá no canal! Segue a playlist:

“Aventuras na Arqueologia”: conheça os personagens iniciais

A pandemia do novo coronavírus (covid-19), tem mudado a rotina de várias pessoas, empresas e claro, canais de YouTube. E um dos canais que têm passado por essas mudanças é o “Arqueologia pelo Mundo”, que mudou parte de sua programação para atender e entreter as pessoas que estão obedecendo a quarentena. Graças a isso, a série “Aventuras na Arqueologia” foi anunciada (e iniciada) com antecedência; anteriormente esperava-se que ela fosse lançada somente em meados de julho.

O primeiro capítulo já está disponível no canal e a perdido dos seguidores foi feita a apresentação dos personagens da fase inicial. Assim como da ambientação da universidade em que a personagem principal, a Juliana Archaia, frequentará:

Juliana é uma estudante de arqueologia que está vivendo em uma república. O público poderá assistir ao desenvolvimento dela na profissão, porém, a ideia não é ser somente uma gameplay: a proposta central é apresentar alguns dos aspectos principais da arqueologia, desmistificando o que é visto na ficção, onde arqueólogos são caçadores de relíquias, o que está longe da realidade.

Vale lembrar que alguns dos personagens da república foram inspirados em nomes da divulgação científica brasileira: Takata-san (Takata do Gene Repórter), Vivi e Camila Peixe (Vivi e Camilia do canal Peixe Babel), Pilula o Paleontólogo (Pirula), Laura Microbiologia e Ana da Fisiologia (Laura e Ana do canal Nunca Vi 1 Cientista).

Essa série está sendo totalmente patrocinada por alguns dos seguidores do Arqueologia pelo Mundo. Se quiser apoiar também o projeto clique aqui (para se tornar membro do canal) ou aqui (para se tornar um apoiador no Catarse). E o nosso Discord, Tumba dos Maluqueiros, está aberto para receber sugestões!

Saiba como ter totalmente de graça o jogo Civilization VI

Não é incomum que a Epic Games distribua alguns jogos gratuitamente para sua comunidade por tempo limitado. Bom, o jogo da vez é Civilization VI, cuja premissa é levar o jogador a expandir seu império pelo mapa, avançar sua cultura e competir com os maiores líderes da história para criar uma civilização que resistirá ao tempo. Esse jogo usualmente é vendido na Epic por R$129,00, mas estará disponível de graça até o dia 28 de maio. E outra coisa! O que está gratuito é o jogo base, os conteúdos acionais, a exemplo do “Pacote Maia e Grande Colômbia”, não entraram nessa campanha.

Saiba como ter Civilization VI para ser jogado em seu PC:

1 . Baixe o launcher da Epic Games (entre no site https://www.epicgames.com/store/pt-BR/ e clique no botão “Baixar Epic Games”):

2 . Vá até o menu “store” e procure pela aba “Jogos grátis”. Clique na imagem do “Civilization VI”:

3 . No canto direito estará um botão azul escrito “obtenha” (na minha imagem está “adquirido” porque eu já tenho o jogo):

4 . Note que você será enviado para uma página de compra. Porém, o valor do game estará descontado e o valor total será “R$0.00”. Clique para comprar.

Pronto! Mesmo que você não tenham um PC bom para rodar jogos, “Civilization VI” ficará guardadinho no seu perfil da Epic Games esperando uma oportunidade para que você possa baixá-lo e jogá-lo.

“Aventuras na Arqueologia”, nossa série no The Sims 4

Foi no final do ano passado (2019), que durante uma conversa com seguidores através do meu Twitter, que surgiu a ideia de criarmos uma série para o meu canal. A proposta era criar um RP de Arqueologia ambientado no The Sims 4, um jogo de simulação desenvolvido pela Maxis e publicado pela Electronic Arts.

Reconheço que essa é uma ideia ousada, visto que meu canal, como bem diz o nome, Arqueologia pelo Mundo, é voltado para a divulgação da Arqueologia. Porém, ainda assim resolvi levar a sugestão a sério e a série foi programada para estrear em julho deste ano. Contudo, algo muito terrível aconteceu: a pandemia da COVID19 (coronavírus).

Eu já tenho minha própria personagem no jogo, mas não serei a protagonista 😊

Devido às medidas de distanciamento social e pelo fato de recebermos constantemente notícias extremamente tristes nos últimos dias, achei que seria interessante ter mais uma possibilidade de uma distração saudável nesses tempos sombrios; enquanto escrevia esse post fiquei sabendo que somente hoje (19 de maio) o Brasil contabilizou mil cento e setenta e nove vidas perdidas, todas vítimas desse vírus. Então, realmente eu gostaria de dar um entretenimento leve para vocês… E para mim mesma.

Você pode enviar seu próprio personagem para fazer parte do nosso mundo. Isso é bem fácil: ao o criar (use somente o jogo base e Aventuras na Selva), na descrição coloque #jogacomigoarqueologa e clique na nuvem para liberar seu personagem na galeria pública.

Como falei, a série se passará no The Sims 4. Chamada de “Aventuras na Arqueologia“, a primeira parte será dedicada à formação acadêmica da personagem principal, a qual viverá em uma república. A decisão pela república foi feita através de uma votação no Instagram. E só dando um spoiler: nas redondezas viverão algumas personalidades da divulgação científica brasileira.

A série será semanal e o público acompanhará uma jovem arqueóloga — já adianto que não será eu — desde a sua formação, até a sua busca por descobertas arqueológicas. Claro que aproveitarei o mundo de Selvadorada, a qual explorarei acompanhada de vocês em vídeo. 

Ok que The Sims 4 não apresenta a Arqueologia como de fato ela é, uma ciência, mas como uma prática de aventura e caça a tesouros. Entretanto, a ideia é que além de divertir o público, possamos aproveitar para contar alguns dos aspectos curiosos dessa profissão.

Essa série está sendo totalmente patrocinada por alguns dos seguidores do Arqueologia pelo Mundo. Se quiser apoiar também o projeto clique aqui (para se tornar membro do canal) ou aqui (para se tornar um apoiador no Catarse). E o nosso Discord, Tumba dos Maluqueiros, está aberto para receber sugestões!

Em breve trarei mais novidades. 

Como são alguns dos lugares arqueológicos mais famosos do mundo vistos do céu?

Eu amaria viajar o mundo todo, conhecer lugares, pessoas e culturas novas. Porém, como diz um velho ditado, “querer não é poder”. Então eu, assim como certamente muitos de vocês que estão lendo este post, temos que nos contentar com fotos, documentários e vlogs de viagens de terceiros. Contudo, felizmente a tecnologia está do nosso lado e cada vez mais pessoas estão disponibilizando na internet passeios virtuais. Daí os menos privilegiados acabam tendo a oportunidade de dar uma espiada em lugares do planeta que gostariam de conhecer, mas nunca tiveram a oportunidade.  

Desde 2006 o site AirPano reúne fotos, vídeos e imagens em 360º de alguns dos lugares mais interessantes da terra, lugares estes que costumam ser pouco acessíveis tanto no sentido logístico, como financeiro. E algumas dessas localidades são sítios arqueológicos. Então, achei que seria legal gravar um vídeo onde dou algumas sugestões de passeios virtuais em 360º em sítios arqueológicos de diferentes lugares do mundo, indo desde a Ilha de Páscoa à Muralha da China: 

Linhas de Nazca

https://www.airpano.com/360photo/Nazca-Lines-Peru/

As linhas estão localizadas em uma província peruana chamada Nazca. E a história da descoberta delas, ou melhor, a história de como começaram a perceber a presença delas, é bem longa, remetendo ao século 16. Contudo, naquela época as pessoas achavam que eram somente trilhas. Até que em 1927 finalmente elas foram entendidas como um indício arqueológico e até os dias de hoje linhas continuam a ser descobertas. 

Petra

https://www.airpano.com/360photo/Petra-Best-Jordan/

Petra localiza-se na Jordânia e o que eu acho mais legal nela é que foi construída em meio a formações rochosas. O edifício mais famoso da região é o Khazneh, o qual atualmente é apelidado de “o tesouro”, mas no passado foi um mausoléu.     

Muralha da China

https://www.airpano.com/360photo/China-Great-Wall-Jiankou-Jiaoshan/

localizada na China, nós nos habituamos a chamá-la no singular, mas tratam-se de uma série de fortificações que foram construídas visando proteger o território do antigo Império Chinês. 

Machu Picchu

https://www.airpano.com/360photo/Machu-Picchu-Peru/

Este é mais um exemplo peruano. Esta cidade se encontra a 3 mil metros de altitude e as paredes de seus edifícios foram feitas com pedra polida. Ela foi construída para ser uma residência real, mas não durou muito, já que foi abandonada tempos depois a sua construção. 

Moais

https://www.airpano.com/360photo/Easter-Island/

Moais são figuras humanas monolíticas esculpidas pelo povo Rapa Nui na Ilha de Páscoa, que se encontra no Oceano Pacífico. Algumas teorias do que seriam esses moais é a de que eram a representação dos ancestrais dos antigos polinésios e que estariam ali para vigiar e proteger as pessoas.

Pirâmides do Egito

https://www.airpano.com/360photo/Egypt-Cairo-Pyramids/

Construídas há mais de 4 mil anos, as pirâmides do platô de Gizé, em verdade é um amplo complexo funerário que envolvem sepultamentos de reis, rainhas, nobres e construtores das pirâmides. 

Angkor

https://www.airpano.com/360photo/Angkor-Wat-Cambodia/

As ruínas de Angkor, que no passado era a capital do império Kemer, estão localizadas nas florestas do Camboja.