Paisagens que a Arqueologia me proporcionou

Quando eu era criança o meu único interesse em ser arqueóloga estava no fato de que eu iria escavar “coisas antigas”. Eu sabia que ia precisar fazer “grandes reflexões sobre o passado”, mas não sabia que a maior parte seria baseada em discussões teóricas ou realizando revisões bibliográficas. Naturalmente na cabeça de uma criança a Arqueologia é mais simplória e romântica.

Visita ao MASP (SP)

Foi quando ingressei na graduação que comecei a ter uma ideia da dimensão de pessoas e lugares que eu poderia conhecer pessoalmente. Tudo bem que é um grande fato que o meio acadêmico pode limitar nossas experiências — quantos de vocês não já ouviram “não leiam este livro”, “esta revista não é tão boa”, “não vai para o campo deste cara, não gosto dele”, “esquece este site e vai pensar em algo útil”… Sim, este último foi comigo —, mas ao mesmo tempo, se você souber como aproveitar, passará por coisas incríveis.

Fazenda São Félix em Santa Luzia. Foto: Evaney Simões. 2015.

Na época da universidade conheci alguns lugares que eu jamais imaginei que iria pisar um dia e com o fim dela e o crescimento do Arqueologia Egípcia os meus horizontes se expandiram mais ainda com trabalhos de campo e os vídeos que andei gravando por aí para o canal do A.E. Isso só me empolga e me faz imaginar o que mais virá pela frente.

“Visitando ao Museu Egípcio Itinerante”, vídeo para o canal do A.E.

“Um mergulho da Arqueologia Subaquática”, vídeo para o canal do A.E.

Visita ao povoado Crasto (SE).

Visita à Casa da Torre Garcia D’Avila.

Atualmente tenho me divertido também conhecendo o público que assiste aos meus vídeos. A internet é um espaço realmente maravilhoso e é interessante notar que mesmo não tendo relação alguma com a mídia tradicional o Arqueologia Egípcia não só virou espaço para a obtenção de conhecimento para algumas pessoas, mas de entretenimento também.

Preparando o espaço para jóias e adornos do Egito Antigo

E lá vamos nós novamente! Tenho que preparar dois vídeos especiais. O primeiro é sobre jóias e adornos na antiguidade egípcia. O roteiro já está na metade e por hora está ficando exatamente como eu quero. Estou tranquila acerca da elaboração dele, o que me preocupa são os problemas técnicos: tem algo muito estranho com o meu microfone. Não sei se ele quer se aposentar, mas estou achando que ele está começando a gravar mais baixo que o normal. Que medo! A gente compra os produtos e esquece que eles não são eternos!

Claro que enquanto eu não descubro o que está acontecendo e não termino o roteiro estou já separando algumas imagens. Ok que muitas nem irei usar, mas elas servem como inspiração para o que eu espero trazer para o vídeo. Foi assim que surgiu a ideia das maquetes do vídeo sobre arquitetura, o primeiro destes especiais.

Nos outros vídeos especiais eu sempre quis gravar a elaboração deles. Até porque usualmente a gente precisou por a mão na massa… Lembram do vídeo sobre amuletos e as réplicas de biscuit? Então, agora como eu tenho uma segunda câmera (que ganhei de aniversário! Obrigada mãe!!) será possível fazer isso. Inclusive o primeiro vídeo já saiu. Nele tenho uma breve conversa com vocês:

Não sei se trarei algum objeto em jóias e adornos para vocês. Provavelmente não já que… bem… não sei como seria possível trazer réplicas de jóias ou adornos para vocês. 😅 Mas, tentarei ilustrar este vídeo o máximo possível. Juro!!!

Terei mesmo que colocar esta minha cabecinha para funcionar 🤔

 

O vídeo sobre Amuletos Egípcios: a edição “mais longa que a eternidade”!

O que você vai ler aqui neste post não será exagero. Gravar e editar o vídeo sobre amuletos egípcios em homenagem a nossa meta de 3000 inscritos foi um verdadeiro parto. Não importa quantos vídeos longos eu tenha gravado, aparentemente eu ainda não me acostumei com o formato e sempre me afogo no processo. Para quem ainda está perdido, eu prometi que ia instaurar metas de inscrições. Por exemplo, quando chegamos aos 2.000 inscritos publiquei um vídeo sobre Arquitetura Egípcia e com a chegada dos 3.000 foi sobre Amuletos Egípcios.

Pensei que o tema sobre amuletos seria relativamente fácil, mas não foi. Para a minha tortura os egípcios adotaram dezenas deste tipo de artefatos, alguns contendo sincretismos entre divindades, sem contar os tipos de materiais utilizados e as cores. Precisei realmente organizar todo o tipo de informação de uma forma que fizesse algum sentido em um vídeo de 20 minutos. Acredite, não foi fácil realizar uma série de cortes no roteiro para que o tema chegasse enxuto para vocês, contudo, a organização dele em si foi mais fácil que o de Arquitetura Egípcia… Bem mais fácil!

A elaboração dos amuletos utilizados como referência também não foi tão complicada: como não sou o melhor exemplo em termos de trabalhos manuais quem fez a maior parte deles foi a @marciasandrine, que é licencianda em Artes Visuais e ilustradora. Os únicos que fiz foram o escaravelho, o nefer e o sapinho. Mas, não toquei nas pinturas. Isso seria abusar de mais da sorte. Estas réplicas foram feitas com biscuit e pintadas com tinta acrílica.

Até este ponto tudo estava praticamente tranquilo. As complicações só começaram mesmo durante as gravações que foram divididas em duas partes, as quais eu esperava gravar na mesma semana, mas por conta de uma viagem de um mês da cameragirl o vídeo ficou parado durante este tempo. Depois foi a Era da edição. Está aí um vídeo que parecia que nunca iria ficar pronto. Eu não lembro quantos dias duraram o processo de cortes de imagens, remanejamento, legendas, animações, etc, mas foram vários! Ok que desta vez foram incluídas ilustrações animadas, mas deu muito mais trabalho do que eu esperava.

Altamente concentrada.

 

Falando em ilustrações, elas também foram responsabilidade da @marciasandrine. Eu só falei o que eu queria e dei referências, o restante foi com ela e o resultado final ficou muito bom. Enriqueceu muito mais o vídeo.

Bom, mas agora foi alcançada a meta dos 4.000 inscritos, então é a vez das “Joias e adornos egípcios”. Até já dei início a pesquisa bibliográfica, só estou preocupada em como torná-lo especial já que no de arquitetura egípcia foram feitas maquetes, no de amuletos foram feitas pequenas replicas, mas e no de joias e adornos? Para a gente fazer algumas réplicas é bem provável que ficará bem caro. Enfim, não sei como resolver isso.

Continuem nos dando amor e suporte. Assistam e compartilhem estes vídeos porque tendo tanto trabalho assim é claro que a gente quer que cada vez mais pessoas possam prestigiá-lo. E caso não sejam inscritos no canal se inscrevam; leva somente alguns segundos e é de graça 😀 Clique aqui para conhecer.

 

Gravando o vídeo sobre o Festival da Bebedeira

Sabe quando você está esperando uma coisa por muito tempo? Foi mais ou menos isso que aconteceu comigo em relação ao vídeo sobre o Festival da Bebedeira.

Em 2016 eu tinha gravado para o Arqueologia Egípcia um vídeo sobre o tema, porém foi naquela fase do canal em que tudo estava bem no começo e eu ainda não tinha um microfone. Daí eu tinha que gravar o som externamente com um aplicativo no meu tablet. Contudo, um dia eu resolvi usar o mesmo aplicativo no celular e não deu muito certo, mas eu ainda não sabia disso. Acabou que o vídeo foi gravado com o áudio muito baixo e eu somente fui perceber quando ele tinha sido publicado no YouTube. Foi aí que eu prometi para os leitores que iria regravar o vídeo. Um ano depois o fiz, mas desta vez dei uma desenvolvida no roteiro incluindo umas curiosidades bem legais. No final o vídeo ficou muito melhor que o original, que por acaso não está mais disponível online.

Mas como tudo o que envolve o Arqueologia Egípcia esta não seria uma gravação normal se não rolasse um draminha: precisei gravar o vídeo da versão de 2017 duas vezes. No primeiro eu estava com uma inflamação em um dos meus olhos e que ficou muito mais nítida em vídeo. Mas graças ao apoio dos explorers no Twitter e no Snapchat consegui reunir forças e gravar tudo novamente em um outro dia.

Segunda tentativa. Agora tudo ok.

E também ao contrário do original resolvi dar uma incrementada no cenário, já que eu o publiquei na época do carnaval. Mas em vez de utilizar enfeites que lembram essa época do ano, resolvi fazer algo diferente usando tons de azul e alaranjado para relacionar com cor do céu e do Sol — uma analogia a viagem do deus sol em Nuit — e fizemos imagens da deusa Hathor: uma em forma de vaca com estrelas em seu corpo e outra em forma de mulher. Modéstia à parte o resultado ficou muito legal.

Eu ia usar este colar, mas na segunda gravação esqueci dele… Uma pena, ia ficar tão bonito em vídeo.

Eu escolhi justamente a época do carnaval para falar sobre o Festival da Bebedeira porque apesar de serem comemorados em épocas diferentes, essas festas possuem alguns pontos bem parecidos, então achei legal fazer essa analogia.

O passo a passo para fazer esses enfeites eu mostrei no meu Snapchat (aegipcia), mas publiquei também algumas coisas na página daqui do blog lá no Facebook (Blog AEgípcia). Tudo foi feito com EVA coberto por glitter, canetinhas dourada e prata e fitilho branco. Veja abaixo um vídeo da Sandra trabalhando na vaca:

Quem me segue no Snapchat e no Instagram viram uma misteriosa vaquinha azul sendo confeccionada. Ela representa a deusa Hathor e fará parte de um dos próximos vídeos do Arqueologia Egípcia. Os cortes dela foram feitos por mim, mas os detalhes da pintura foi a Sandrine (https://goo.gl/1g41p0). O lado bom de ter alguém das artes visuais entre os explorers <3

Publicado por AEgípcia em Domingo, 19 de fevereiro de 2017

 

E aí? O que vocês acharam?

Sinceramente eu gosto muito de gravar esses vídeos temáticos, pena que costumam custar um pouquinho caro. Mas é legal ver todo mundo aqui se dedicando a fazer algo bacana, algo que no final vocês irão gostar muito.

E por fim, para quem ainda não viu o vídeo sobre o festival ele está logo abaixo:

Como foi gravar o vídeo sobre Arquitetura Egípcia

Setembro e outubro foram bem agitados, mas não por conta de postagens frenéticas e vídeos publicados, pelo contrário, o Arqueologia Egípcia ficou mais parado que o normal. O motivo? O vídeo especial em comemoração aos mais de 2.000 inscritos no canal.

Há um bom tempo comentei aqui sobre as metas para o canal, onde determinei que a cada mil inscritos eu gravaria um vídeo especial. Pois bem, quando batemos os 2.000 (o que foi muito mais rápido que o esperado) começou uma corrida para gravar o tal vídeo. Contudo, uma coisa é gravar um material com pouco mais de quatro minutos (que gera cerca de 1 hora em imagens para ser editadas), outra, totalmente diferente, é um vídeo com mais de vinte minutos, e que faça sentido para os espectadores. Foi um verdadeiro pesadelo organizar o roteiro que foi cortado, revisado e complementado várias vezes. E ainda na hora das gravações (que foram divididas em 3 dias, com direito a problemas com um grilo apaixonado) e edições foram realizadas mais mudanças. No total, precisei editar quase 5 horas de material.

Sem contar a confecção das maquetes, que foi de longe a parte mais fácil de todo o trabalho. Originalmente seria feito um porto também e um pequeno farol, mas desisti para deixar o roteiro mais limpo. Uma pena, mas de qualquer forma planejo falar mais sobre esse tipo de construção em um outro momento. Abaixo confira como ficaram as maquetes de perto:

Um toque especial foi disponibilizado pela Edições Del Prado (uma editora especializada na confecção e venda de modelos colecionáveis; Já falei sobre ela por aqui) e a sua cena de construção de uma pirâmide. Sinceramente sou apaixonada pelo o homenzinho caindo. Que dó!! Infelizmente, por conta do tal grilo, a parte em que ela e as maquetes aparecem foram gravadas durante a tarde, então não saíram como eu queria. De qualquer forma é um material que irei aproveitar no Descobrindo o Passado.

Ah! Sem contar na camiseta e colar incríveis que estou usando. No caso da roupa ela foi customizada e pintada pela Márcia Sandrine (@marciasandrine). O “Olho de Hórus” foi um pedido meu. Gostei tanto dela que devo tê-la usado umas 300 vezes durante a semana. Já o pingente foi feito pelo arqueólogo Adolfo Yugi (@adolfookuyama). É uma réplica de uma ponta de machado da Pré-História. Gosto muito dele <3

O abençoado (sim, estou falando do vídeo) foi publicado no dia 29 de outubro (2016) e assim que saiu um peso enorme sumiu das minhas costas. Ele foi extremamente trabalhoso, mas foi tão bom ver que todo o trabalho valeu. Estou incrivelmente feliz com tantas reações positivas acerca do vídeo. Só me faz pensar que foi a ação mais prudente ter demorado tanto para organizar o roteiro, o espaço, as maquetes e ter tirado dias para a edição. Valeu realmente muito a pena. O vídeo não é o mais perfeito, mas passou bem a mensagem. Se eu tivesse tomado somente uma ou duas semanas para tentar entregá-lo no prazo tenho certeza que não ia sair com a qualidade que ele chegou até vocês. Abaixo o resultado:

Conheça a meta do canal “Arqueologia Egípcia” para os 3.000 inscritos

E aqui estou novamente falando sobre as metas do canal do “Arqueologia Egípcia” no YouTube 😊 Em maio deste ano (2016) liberei aqui no blog uma lista com os temas para os vídeos especiais que serão gravados e publicados  a cada 1.000 inscrições realizadas no canal. Como as ideias para as metas ainda não tinham surgido na época dos primeiros 1.000 nada foi gravado. Porém, com os 2.000, foi liberado um vídeo sobre Arquitetura Egípcia, que, a propósito, está muito legal! Assistam lá!

The Great Pyramid: Last of the Seven Wonders

O dos 3.000 inscritos estava aberto para sugestões, mas agora já está definido: falarei sobre amuletos egípcios. Sim! O famoso “Olho de Hórus”, a Ankh, o escaravelho e outros que não são tão conhecidos assim do público comum. Como já estamos chegando nesse número (atualmente o canal soma 2.790 inscritos) estou realizando as pesquisas e preparando o roteiro. Nem preciso dizer que estou muito empolgada!

Egyptian Amulets

Ankh

A exemplo do vídeo sobre arquitetura é claro que estarei trazendo umas coisinhas bem legais para mostrar para vocês 💜. Então aguardem!

Se quiser se inscrever lá no canal é só clicar aqui ou no botão abaixo:


Whindersson Nunes e a campanha #SalveASerraDaCapivara

Esta madrugada tive o prazer de assistir a um vídeo do youtuber Whindersson Nunes sobre uma viagem que fez ao Chile. E não é que fui surpreendida ao vê-lo falando sobre a importância de se preservar os sítios arqueológicos do Parque Nacional Serra da Capivara? E ele ainda pediu para a sua audiência levantar a hashtag #SalveASerraDaCapivara.

Whindersson tem mais de 12 milhões de inscritos — o que o torna o segundo maior canal do Youtube no Brasil —. No vídeo ele comenta a viagem que fez a dois países estrangeiros e sobre os sítios arqueológicos que visitou. É então quando começa a lamentar o descaso com que o Parque Nacional Serra da Capivara (Piauí) tem sido tratado e ainda enfatiza a importância da nossa cultura. Assista o vídeo abaixo:

Contextualizando: O Parque Nacional Serra da Capivara está com problemas econômicos graves. Graças a isso a arqueóloga Niéde Guidon comunicou para a UNESCO a sua saída de lá. E o pior é que mesmo com o parque sendo abandonado sumariamente pelo governo ele ainda foi homenageado durante o encerramento da Rio 2016.

#SalveASerraDaCapivara

Revista sobre pesquisas arqueológicas no Egito na década de 80

Quando chega aqui algo enviado por vocês eu sempre sinto muita ansiedade porque eu sei que cada correspondência está recheada de sentimentos, seja de respeito ou gratidão. Foi assim quando recebi o pacote do leitor Elvis Monteiro, que logo desconfiei que se tratava de uma revista e ao abrir e sentir o cheirinho de papel antigo notei que poderia ser algo muito especial. Eu nem esperei o dia de gravações, o abri assim que cheguei em casa.

E realmente é uma revista muito legal, afinal, ela é uma “O Correio da UNESCO” e foi publicada em 1980, ou seja, nem tinha se passado uma década da transposição dos templos de Assuã, tais como Abu Simbel, Philae, dentre outros. Exatamente por isso resolvi gravar um vídeo para vocês:

Espero usá-la em muitos posts para o Arqueologia Egípcia, principalmente porque possui algumas fotografias históricas, além de ter sido escrita por pesquisadores especialistas na história egípcia e sudanesa. Abaixo algumas fotografias:

Na época também foram estudadas estes lindos murais bizantinos encontrados na Catedral de Faras, na Núbia:

A fotografia abaixo mostra a transposição de colossos de tebas para Cartum:

Quando pensamos nestas transposições não é difícil lembrar especificamente do complexo de templos de Abu Simbel, que foi construído na divisa entre as terras do Egito e o antigo território núbio (hoje Sudão), por Ramsés II. Tratam-se de estruturas gigantes cavadas nas rochas na margem ocidental do Nilo: uma menor dedicada à rainha Nefertari e uma maior, para o próprio Ramsés II.

É dentro do Templo de Ramsés II que ocorre duas vezes no ano um famoso evento solar onde o Sol ilumina um trio de estátuas onde a do próprio rei está inclusa. É um acontecimento muito interessante que já cheguei a citar em um vídeo do Arqueologia Egípcia.

— Assista também: Alinhamento Solar no Templo de Abu Simbel.

Quer ver o que mais já chegou na minha Caixa Postal? Então clique aqui.

Vamos conhecer mais sobre a esposa de Tutankhamon?

Tutankhamon já uma figura bem versada entre os amantes da civilização egípcia, mas incrivelmente a sua esposa, a rainha Ankhesenamon, não é tão conhecida assim. Neta do faraó Amenhotep III com a rainha Tiye, Ankhesenamon foi filha de Akhenaton com Nefertiti.

Nos últimos 10 anos algumas notáveis pesquisas acerca desta rainha foram realizadas, infelizmente algumas nem sequer foram apresentadas para o público de fora do meio acadêmico.
No próximo dia 13 de setembro (2016) estará disponível online a palestra “A rainha Ankhesenamon: Neta, filha e esposa de faraós”. Nela comentarei sobre os estudos da posição das mulheres no Egito (do ponto de vista da Arqueologia), a vida de Ankhesenamon e algumas pesquisas relacionadas a ela.

Os leitores inscritos receberão uma senha que irá funcionar do dia 13 de setembro até o dia 19 do mesmo mês.

As inscrições irão até o domingo (11/09). Para participar vocês podem fazê-lo por aqui ou diretamente aqui.