Livros, cópias de artefatos e revistas antigas sobre o Egito Antigo!

E temos mais um unboxing em mãos! Desta vez abri um pacote enviado pelo João Carlos, um amigo arqueólogo. Ele comprou algumas coisas relacionadas com o Egito Antigo durante as suas andanças por aí, além de ter feito uma cópia de uma faca egípcia (cujo modelo beira o Pré-dinástico e a 2º Dinastia). Ele incluiu igualmente um experimento de faiança egípcia. Abaixo vocês podem conferir o unboxing:

Eu juro que pensei que ele ia enviar para a minha Caixa-Postal um pacotinho, mas foi uma grande (literalmente) surpresa quando a funcionária dos Correios me entregou esta caixa:

Estou sorrindo e ao mesmo tempo tonificando os músculos dos braços.

Ele enviou três fascículos da coleção “O Antigo Egito”, organizados pela Life na década de 1960. Apesar de antigo os temas ainda estão modernos:

Também estão inclusos dois livros infantis: o “Mistérios do Egito” (Ciranda Cultural) e “Cleópatra” da Adèle Geras que, apesar de possuir muita Egiptomania, ainda assim é um material interessante:

Folha do livro “Cleópatra”.

O legal do “Mistérios do Egito” é que ele é tipo uma caixinha que quando é aberta mostra uma pirâmide, onde cada degrau é uma folha. Não mentirei, sou muito infantiloide e gosto de coisas assim:

Outro livro que veio é uma edição de “O Egípcio” (Mika Waltari) de 1956. Provavelmente terei que encher o saco de algum restaurador por conta da capa, mas as folhas estão perfeitas. Ele certamente terá um espaço muito especial na área que estou separando na minha casa para guardar os presentes enviados pelos explorers.

E por fim estão a faiança e a faca egípcia. Deixei para falar mais detalhes sobre eles no nosso perfil no Apoia.se. Mals aê! 

Sobre esta faquinha de pedra só posso dizer uma coisa: acho que é o sinal de que devo fazer um vídeo sobre o Período Pré-Dinástico, não é mesmo?

E só uma nota! O João possui uma loja virtual onde ele vende réplicas de artefatos arqueológicos pré-históricos. Ou seja, esta é uma oportunidade para vocês de conhecer produtos que imitam peças arqueológicas. Sem contar que é muito mais digno ter uma cópia de uma artefato arqueológico em casa do que uma antiguidade de procedência duvidosa. Clique aqui para conferir.

Quer ver o que mais chegou na minha Caixa Postal? Então clique aqui.

Meu endereço:

Márcia Jamille
Caixa Postal 1702
CEP 49046970
Aracaju – SE

Recebi réplicas (incríveis) de artefatos egípcios

Se tem uma coisa que apoio muito é a confecção de réplicas de artefatos, uma vez que sou TOTALMENTE CONTRA a venda de objetos arqueológicos. E quando são coisas usáveis melhor ainda 😀

Então, há alguns meses um amigo e colega da arqueologia, o Adolfo Okuyama, enviou para mim dois pingentes inspirados em artefatos arqueológicos: um semi-lunar e uma ponta de flecha (clique aqui para ver fotos deles). O Adolfo manda muito bem fazendo esses tipos de objetos e desta vez ele fez dois inspirados na Antiguidade egípcia, então aproveitei para fazer um unboxing.

Gostei muito de ambas as peças. O escaravelho, como já cansei de falar, é uma das minhas formas amuléticas egípcias favoritas. Eu sinceramente não sei explicar o quão legal eu os considero. Os pequeninos detalhes estão lá. Foi necessário o olhar analítico de um arqueólogo para reproduzir algo tão bem. Não me canso de olhá-lo.

Ah! E a melhor parte: ele é um carimbo com o símbolo do AE:

Já o tiyet tornou-se o meu bebê. Esta forma amulética não é muito usada nas reproduções atuais, por isso que fiquei muito feliz de ter uma em mãos. Este objeto é vulgarmente chamado de “nó de Ísis” e tinha na antiguidade algumas finalidades de cunho funerário, entre elas a de proteger o corpo.

Quer ver o que mais chegou na minha Caixa Postal? Então clique aqui.

Meu endereço:

Márcia Jamille
Caixa Postal 1702
CEP 49046970
Aracaju – SE

A “Maldição da Múmia” e o Halloween

Que o Halloween é uma festa peculiar isso ninguém tem dúvidas. Possuindo raízes entre os celtas, atravessando a Idade Média na Europa, cruzando o Oceano Atlântico e chegando ao Novo Mundo na bagagem dos Puritanos, essa festividade tinha como objetivo comemorar uma passagem de estação, mas, ao ser incorporada pela Igreja Católica, passou a celebrar o “Dia de Todos os Santos”, antecedendo o “Dia de Finados” (2 de Novembro).

É difícil datar todas as brincadeiras comuns desse dia, mas certamente o costume de vestir fantasias assustadoras tornou-se mais popular no século XX, quando o folguedo ganhou um caráter cada vez mais comercial. Foi nessa época também que as múmias foram incorporadas como fantasias. Essa inclusão tem paralelo com o uso do tema “maldição da múmia” por Hollywood, como já comentei no post “Múmias, múmias e mais múmias no cinema”.

Só publiquei esta foto porque achei legal.

E foi com esse assunto em mente que gravei o vídeo “A Maldição da Múmia” para o especial de Halloween deste ano. Espero muito que vocês gostem 😀 Aproveitem para compartilhá-lo com os seus amigos 👻

Tem um determinado momento em que mostro uma foto muito especial. Por culpa dela demorei alguns dias para gravar (eu realmente gostaria de tê-la presente). Bom, só digo que valeu a pena ter passado três dias procurando a fia.