Escrevi um capítulo para o livro “Género y Ciencias Sociales: Arqueologías y cartografías de fronteras”

Faz um tempinho que comentei em vídeo que eu tinha sido convidada para escrever um capítulo para um livro colombiano que visa debater questões de gênero. Pois bem, ontem fui informada que a capa do livro foi liberada:

Como vocês podem observar este livro, “Género y Ciencias Sociales: Arqueologías y cartografías de fronteras“, foi escrito a várias mãos e adianto que por pesquisadores de diferentes Universidades e países. É uma obra bilíngue, contendo alguns artigos em espanhol e outros em português.

No meu caso fui convidada para falar sobre as mulheres na antiguidade egípcia, mas optei em ir por um caminho levemente diferente, debatendo sobre a insistência dos (as) pesquisadores (as) em dar para as mulheres egípcias que viveram no faraônico sempre um papel secundário, enquanto que a cultura material mostra um cenário diferente.

Em livros de coletâneas usualmente é realizada uma introdução sobre cada autor. Aí está a que fizeram para mim:

Desegmentar arqueológicamente las relaciones de poder para dar paso a lecturas de visibilización de mujeres egipcias, sus actividades y respectivos roles em el pasado, es el propósito de Márcia Jamille Nascimento en el que presenta a las mujeres del Antiguo Egipto carentes de una identidad señalando cómo la arqueología ha minimizado y cambia la participación tanto de grandes líderes de Egipto como de las mujeres comunes en la historia valiéndose de conceptos androcéntricos como marco estratégico y así beneficiar la función de género de la jerarquía de las antigüedades faraónicas.

O meu capítulo é o 7º, “Gênero Invisível? Como a Arqueologia tem minimizado a participação histórica das mulheres egípcias durante a Antiguidade faraônica”, e nele falo sobre mulheres no poder e as comuns, oficio dos faraós, as diferenças pensadas para homens e mulheres durante as pesquisas arqueológicas e Arqueologia de gênero.

Género y Ciencias Sociales: Arqueologías y cartografías de fronteras foi editado pela Ediciones Universidad Simón Bolívar. É um livro pensado para ser distribuído gratuitamente, por isso vocês podem baixar meu capítulo clicando aqui ou ler a obra completa clicando aqui.

Boa leitura!

Lançamento de livro sobre Arqueologia: Arqueologia de gênero

Arqueologia de gênero:

Arqueologia de gênero_Karla Fredel“Arqueologia de Gênero nas cidades de Pelotas – RS – Brasil E Habana Vieja – Habana – Cuba / Século XIX”. É o título da tese de doutorado de Karla Maria Fredel. Assim as cidades envolvidas no trabalho, abrigavam as unidades domésticas onde estavam o material arqueológico, a louça colonial, objeto de estúdio da autora. Em Pelotas , a residência Francisco Antunes Maciel e em Habana Vieja, a casa Prat Puig. Para este trabalho, Karla Fredel definiu como objetivo geral,a obtenção de entendimento sobre a vida cotidiana de sociedades oitocentistas situadas nas localidades citadas, através de analises de sua louça doméstica. Neste sentido foram analisados os artefatos pertencentes a cada segmento humano, bem como os espaços pertinentes aos mesmos dentro das edificações, caracterizando esta ultima abordagem, em uma pratica da Arqueologia da Arquitetura. Ainda, dentro da contextualização histórica, a obra traz enfoques sobre as realidades socioeconômicas e culturais da época, quando ambas sociedades iniciavam-se em uma nova etapa dentro da ótica capitalista.

Dentro desta realidade histórica, a autora definiu alguns aspectos como temas importantes, como:

  • Sociedades edificadas/patrimônio edificados /poder (arqueologia da arquitetura);
  • Diversidades sociais (estratificação social);
  • Códigos e comportamentos sociais e culturais;
  • Realidades femininas e subalternas dentro das sociedades patriarcas;
  • Realidades domésticas e cotidianas;
  • Sistemas produtivas e consumistas;
  • Características das espacialidades internas e externas das edificações.

A obra, portanto, contribui na interação da história e da arqueologia nas sociedades modernas dentro das realidades temporais e espaciais das localidades contextualizadas (Sinopse: Habilispress).