Fui para um colóquio de Arqueologia e descobri que eu morreria na Pré-História

No último dia 24/02/17 participei como ouvinte do I Colóquio sobre Ferramentas Arqueológicas, que foi organizado por alguns dos meus ex-colegas da época da minha graduação em Arqueologia. Como prometido, mostrei algumas das coisas que rolaram lá através do Snapchat e do Instastories (veja o vídeo abaixo). Os participantes tinham que se inscrever antecipadamente pela internet para garantir uma vaga no evento. No ato do credenciamento recebemos uma pastinha do Museu de Arqueologia de Xingó (MAX) contendo um flyer do mesmo, o cronograma, uma caneta e algumas folhas para anotação. Também nos foi entregue óculos de segurança, já que o evento seria fechado com uma atividade de lascamento.

O colóquio começou de fato às 09h00 com a primeira palestra do dia realizada pelo professor Luydy Fernandes (UFRB). O professor basicamente fez uma introdução acerca dos tipos de análises para artefatos líticos (aqueles famosos instrumentos feitos de pedra citados nos livros didáticos de história) e sobre a questão dos sítios líticos serem muito mais numerosos, todavia, bem mais difíceis de serem identificados por leigos e mesmo por alguns profissionais da arqueologia. Isso se dá, usando as palavras do próprio professor, porque eles não são tão distinguíveis, uma vez que não fazem parte do nosso cotidiano. Por exemplo: uma ponta de flecha inteira datada da Pré-História é reconhecível tanto entre profissionais como entre leigos porque a sua forma já nos é particular. Contudo, temos uma variedade de artefatos líticos os quais nem sequer entendemos o real uso e nem possuímos uma imagem atual como referência, a exemplo das “lesmas”.

Depois foram apresentadas cinco comunicações, onde foram exibidos para o público diferentes estudos de caso, questionamentos e situações “incomuns” encontradas em laboratórios. A minha favorita foi a apresentada por Everaldo dos Santos Junior, “Objetos sobre vidros lascados em contexto de senzala da Amazônia Oriental brasileira: uma proposta de macro e microanálise”, porque se valendo dos registros escritos ele pontuou a possibilidade de pessoas negras escravizadas no Brasil, especificamente na Amazônia, terem criado ferramentas usando refugos de vidro. Ele também realizou estudos de arqueologia experimental para tentar entender se as marcas encontradas em algumas das peças seriam ocorrências naturais (causadas por danos não propositais, como é o caso do pisoteamento) ou intencionais.

A palestra de encerramento ficou por conta do Prof. Paulo Jobim, que inclusive foi meu professor na universidade (sim, ele teve que me suportar por alguns anos). E logo depois ocorreu a atividade de lascamento. Infelizmente a essa altura eu já estava muito cansada e com um senhor sono (eu tinha tido gravação na noite anterior), então eu realmente precisei fazer um grande esforço mental para conseguir executar a atividade. Mas ok, usando os meus óculos de proteção parti para o ataque.

Porém, foi a partir deste ponto que descobri que se eu tivesse vivido na Pré-História eu teria morrido em três atos: demorei 84 anos para conseguir tirar uma lasquinha. UMA LASQUINHA. A foto abaixo mostra a minha frustração anterior as minhas primeiras tentativas. A minha cara já estava prevendo o desastre:

Foto: Almir Brito Jr.

Aqui é só a tristeza e desolação:

Foto: Fernanda Libório.

Tenho certeza que a última vez que fiz esta cara eu estava jogando Kuon:

Foto: Almir Brito Jr.

Qualquer semelhança com esse gif não é coincidência:

A ideia é que eu conseguisse fazer isso:

Mas só consegui dois pesos de papel e minha autoestima temporariamente no lixo. Meu comentário no Snapchat está aí para provar:

Aqui está o meu amigo Almir, um dos organizadores do evento, tentando realizar um milagre, que era me ensinar o que fazer:

Foto: Fernanda Libório.

Uma amiga, também organizadora do evento, a Fernanda, igualmente tentou um ato divino e me deu dicas de como trabalhar com a pedra. No final, depois de algumas tentativas frustradas e o sonho de conseguir criar uma ponta Clovis jogado na sarjeta, o Everaldo Jr., o mesmo da comunicação, lascou uma pedra para mim para que eu pudesse utilizar como material de consulta:

Obrigada Everaldo!

Então, sobre esse evento eu tenho algumas considerações: a primeira é que eu gostaria de fazer novamente uma atividade de lascamento, acho que realmente aprendi muito, apesar da minha óbvia falta de talento; a segunda é que definitivamente passei a respeitar muito mais as pessoas que viveram durante a Pré-História; e terceira é que eles me inspiraram a estudar mais sobre o tema não só porque qualquer um que trabalha com arqueologia vai se deparar, em algum momento, com um sítio lítico, mas porque passei a achar o tema fascinante.

 

(Comentários) I Semana de Arqueologia da CAJUFS

Desde a abertura do curso de Arqueologia na UFS tornou-se comum a elaboração de eventos para mostrar e discutir os aspectos plurais da Arqueologia do nosso país. Posso rememorar com alegria que participei da maioria como ouvinte e em ao menos três deles apresentando as atividades para o público, então fiquei imensamente feliz quando recebi o convite da empresa júnior CAJUFS para participar da “I Semana de Arqueologia da CAJUFS”, que ocorreu entre os dias 13 e 18 de abril na cidade de Laranjeiras (SE).

No evento ocorreram palestras, mesas redondas, apresentações de comunicações, minicursos, uma assembléia de estudantes, exposição de banners e passeios guiados. Em relação a minha participação eu estava lá para expor para a venda o meu livro, Uma viagem pelo Nilo. Como não existia a possibilidade do evento conseguir um staff para mim o João Carlos (Museu Nacional) foi extremamente simpático e auxiliou nas vendas, assim como a Dalila Souza (Universidade Federal de Sergipe) e o Roberval Jr.. O pessoal da Contextos Arqueologia também ajudou muito, não só montando todo o espaço como também cuidando do transporte dos livros.

Por conta desta minha atividade eu não assisti todas as comunicações e nem vi todas as palestras, mas estava óbvio que existem alguns alunos extremamente interessados em discutir as questões acadêmicas que os rodeiam, entretanto só lamento que durante a assembléia de estudantes poucas foram as pessoas que compareceram e para variar de todo o departamento somente dois professores estavam presentes.

Retomando ao assunto das palestras: assisti somente três (não compareci na quarta e na quinta-feira), mas achei que alguns dos temas abordados eram maduros de mais para estudantes recém-ingressos na graduação. A de abertura foi com a arqueóloga e presidenta da SAB, Marcia Bezerra, que nos falou sobre as peculiaridades da Arqueologia Pública e a Educação Patrimonial, embora, sinceramente, eu — e acredito que metade dos ouvintes — estivesse esperando que ela falasse bem mais da IN do IPHAN, mas foram palavras realmente instrutivas.

A segunda palestra foi com o arqueólogo Gilson Rambelli, com “A versão molhada da Arqueologia” e que ao final deixou disponíveis aparelhos de mergulho e algumas das ferramentas utilizadas para a realização da Arqueologia subaquática para os alunos poderem dar uma olhada.  A da quarta e da quinta não participei e a da sexta só assisti da metade para o final.

Gostei de todas as mesas redondas as quais participei, mas especialmente a “Z-14: Pescando memórias”, onde um dos membros da associação de pescadores de Laranjeiras (SE) relatou como a Educação Patrimonial mudou a sua vida, fazendo-o perceber que ele tinha uma identidade cultural. Eu gravei um vídeo sobre o momento em que ele relata isso e verei posteriormente como disponibilizarei para vocês.

As comunicações dos estudantes foram com temas bem plurais (rolou até Arqueologia dos fantasmas!), o que eu gosto muito na verdade porque o evento vira uma “feira de novidades” e não um monólogo.

Eu estava morta de saudades de assistir eventos de Arqueologia e espero que os alunos da UFS continuem com esta energia (e que continuem a receber apoio) para realizar mais outras atividades.


Agradeço a organização da CAJUFS, especialmente a figura da Érika Castro, pelo o convite para participar da semana. 😀

(Comentários) III Semana Internacional de Arqueologia “André Penin”

Ocorrida entre os dias 22 e 27 de abril no prédio da História e Geografia (FFLCH) da USP, a III Semana Internacional de Arqueologia “André Penin” do MAE-USP buscou levantar discussões de âmbito interdisciplinar acerca dos caminhos que a Arqueologia está seguindo tanto no Brasil, como no mundo. Além dos debates acadêmicos, o evento efetuou uma homenagem ao falecido Prof. Dr. André Penni, que deixou como legado uma louvável produção acadêmica. Como não tirei nenhuma fotografia postarei aqui aquelas que foram efetuadas pela organização e que estão disponíveis na página do Facebook da mesma.

No evento ocorreram atividades como mesas redondas, palestras, comunicações, um workshop, exposições de fotografias, um passeio pela reserva técnica e mostra de cinema. Aqueles que estavam previamente inscritos ganharam uma bolsa com a programação do evento, folders, mapas da universidade e um cartão com a lista de materiais que podem ser analisados pelos testes de Carbono 14.

 

Apresentação de comunicação na III Semana Internacional de Arqueologia “André Penin”. Foto: Evento (Divulgação).

 

Em termos gerais foi uma semana extremamente produtiva e com um bom público composto não só por arqueólogos e estudantes de Arqueologia, mas por estudantes de História e Geografia (aparentemente surgiu de Literatura também), além de (minha parte favorita) curiosos. É extremamente gratificante quando alguém de fora da academia ou não pertencente ao meio das Ciências Humanas comparecem aos eventos de Arqueologia, especialmente porque esta é uma experiência diferente da de ler uma revista sobre o assunto ou ver um documentário, já que são os próprios pesquisadores que estão na frente de um público falando da sua experiência. Um exemplo: sabem aquela famosa descoberta do túmulo do Senhor de Sipan? No evento o Quirino Olivera Núñez do Museu Sipan estava lá, assim como o Jürgen Golte (UNMSM), que explicou um pouco do seu trabalho com a iconografia mochica. Ambos estavam na mesa redonda “Arqueologia Pré-Colombiana” ao lado de Javier Nastri (UBA).

Palestra de Claire Smith (Flinders Uni/WAC) na III Semana Internacional de Arqueologia “André Penin”. MAE-USP. Foto: Evento (Divulgação).

Todas as palestras que assisti foram ótimas (só não vi a de Fred Limp – UARK/SAA – mas comentaram que foi bem instrutiva), mas a minha favorita, definitivamente, foi a da Claire Smith (Flinders Uni/WAC). Eu estava extremamente interessada em assistir a dela e não me arrependi. A profa. Smith comentou acerca da sua experiência como avaliadora de projetos que buscam fomentos (na palestra ela deu dicas de como escrever o pedido), a importância da publicação acadêmica, como publicar o seu livro e comentou a evolução da vida acadêmica de um (a) arqueólogo (a) de uma forma bem cômica.

Acerca das mesas redondas uma bem interessante foi “Arqueologia em Construção”, que discutiu sobre o papel da Arqueologia de Contrato versus a Acadêmica e que anunciou a possível abertura de uma graduação em Arqueologia na USP em 2015, informação apresentada no documento também denominado de “Arqueologia em construção”, produzido pelo Grupo de Trabalho “Arqueologia de Contrato” (dos estudantes do PPGARQ- MAE-USP) e disponibilizado previamente para os inscritos no evento. Nesta mesa foi possível até notar um pouco do preconceito ou rancor (nunca se sabe) que alguns dos alunos da Pós-Graduação em Arqueologia sentem pelos estudantes da graduação da mesma área. Vi isto durante o momento em que uma estudante de graduação fez uma pergunta para a mesa, imediatamente um rapaz logo atrás de mim falou algo como “Está na hora de se livrar destas crianças da graduação” e outro na minha frente disse “Cala a boca” em relação a garota, ambos com a voz baixa. Infelizmente os dois não estavam presentes no auditório quando a Profa. Dra. Marcia Bezerra comentou, não nestes termos, que as pessoas não deveriam subestimar os estudantes de graduação em Arqueologia, já que muitos daqueles que se formaram no extinto curso da Universidade Estácio de Sá hoje estão em ótimos cargos acadêmicos e fazendo muito pela Arqueologia ultimamente. Aplausos para a Profa. Márcia.

O formidável de todas estas mesas redondas, palestras e comunicações é que é possível sempre aprender mais além do que corriqueiramente vemos em sala de aula, inclusive o lado podre (a exemplo destes comentários bizarros dos alunos citados anteriormente).

 

Para as palestras e mesas com participantes estrangeiros, receptores para tradução simultânea foram disponibilizados. Foto: Evento (Divulgação).

 

Sobre a exposição de banners creio que um dos pontos positivos partiu da própria organização do evento que premiou os trabalhos mais criativos (não no sentido visual – diga-se o banner mais bonito -, mas cujo tema fosse diferente e que levantasse bons questionamentos), que apresentaram um tema relevante e a própria apresentação do pesquisador (se ele dominava o assunto). Isto mostra que conscientemente ou não eles não aprovam o método Salami Science, que nada mais é que aquela irritante prática de fatiar o seu trabalho para publicá-lo em diferentes revistas [1]. Felizmente o banner que achei mais completo e que foi bem apresentado pelo pesquisador (embora ele estivesse visivelmente nervoso) foi o que ficou empatado com outro em segundo lugar [2]. O trabalho dele foi sobre um software (a boba aqui não anotou o nome) capaz de catalogar e contar peças arqueológicas. Espero que ele leve a pesquisa adiante, afinal, contar mais de quinhentas peças não é tão divertido.

National Geographic Brasil. Maio, 2010.

Já a visita agendada a reserva técnica não foi o esperado, eu (e como mais tarde descobri também um estudante de História que trabalha com o mundo helênico) realmente acreditei que veria todas as áreas da reserva do MAE, inclusive a de Arqueologia Clássica, mas não foi bem assim, só visitamos a sala em que estão as peças amazônicas retidas pelo o Ministério Público e que outrora pertenceram ao banqueiro Edemar Cid Ferreira (se não me falha a memória, depois confirmarei esta minha informação). Mesmo assim não foi um início de tarde perdido, pelo contrário, foi instrutivo, principalmente porque não sei nada sobre Arqueologia Amazônica e tive o privilégio de ter estudantes e profissionais da área explicando acerca dos artefatos que estavam bem ao nosso lado. Definitivamente nem de longe uma experiência assim se compara a uma visita normal a um museu guiado por um guia turístico ou um funcionário que precisou decorar o roteiro. De forma alguma estou fazendo propaganda contra a visitação de museus, mas é que desde que entrei na Arqueologia perdi grande parte do fascínio de frequentar uma exposição, já que normalmente vamos para a reserva técnica e são sempre lá que ficam as peças não analisadas, as frágeis de mais para ir para exposição e as verdadeiras (neste caso quando a exposição é montada com réplicas, permitindo assim a fotografia, o que também não é ruim).

Esta reserva técnica em questão está aberta a visita de gente comum também (em contrapartida, a exposição está fechada), é só ligar para o MAE e agendar. Lembrem-se que não devem tirar fotos e nem tocar nas peças. Será um passeio bem interessante, sobretudo porque é lá onde estão se formando alguns dos especialistas em Arqueologia Amazônica do Brasil, área que está ganhando destaque no nosso país já que caiu nas graças da mídia, a National Geographic que o diga, a revista publicou uma matéria maravilhosa do Prof. Dr. Eduardo Goes Neves (PPGArq-MAE/USP), “Amazônia Ano 1000”, em Maio de 2010 e este ano (Abril, 2013) disponibilizou outra matéria falando acerca da Arqueologia no nosso país, mais especificamente em São Paulo.

 

Os trabalhos de Egiptologia no evento:

Princesa Nofret (IV Dinastia). Fonte da imagem: EINAUDI, Silvia. Coleção Grandes Museus do Mundo: Museu Egípcio Cairo (Tradução de Lúcia Amélia Fernandez Baz). 1º Título. Rio de Janeiro: Folha de São Paulo, 2009.

Estavam previstas duas comunicações e um pôster e somente uma conferencista compareceu. O quadro não foi nada animador. Acho que este problema já é endêmico, uma vez que o número de apresentações de estudantes de Arqueologia que estão se especializando em Egiptologia não é nada promissor. Neste sentido os alunos de História, que também estão se especializando em Egiptologia, estão de parabéns porque até evento exclusivo para a área eles estão sempre realizando.

 

Como conclusão, o que falar?

Espero que o evento continue crescendo e que o número de evasão de conferencistas e apresentadores de pôsteres diminua, já que a III Semana tornou-se um excelente espaço aberto para debates. Outros eventos de Arqueologia para discussões gerais já estão agendados ou já passaram. Em Brasília ocorreu o “2º Encontro de Arqueologia em Brasília: Arqueologia e politicas Públicas de Cultura – Construindo Pontes” e “2º reunião da SAB Centro-Oeste: Arqueologia Pública. Pesquisas Correntes” ambos unidos no mesmo espaço nos dias de 14 até 17 de maio de 2013 e em Recife será realizado o “V Encontro Regional de Estudantes de Arqueologia (EREARQ-NE)” entre os dias 29 de julho e 03 de agosto e por fim a Reunião Geral da Sociedade de Arqueologia Brasileira no “XVII Congresso da SAB – Arqueologia sem Fronteiras: Repensando espaço, tempo e agentes”, em Aracaju, que ocorrerá entre 25 a 30 de agosto de 2013 (estarei presente neste último).

 

[1] Explicando mais acerca do Salami Science: diz respeito aos pesquisadores que possuem um artigo publicado (ou não) e dele pega tópicos para dividir em vários outros trabalhos, especialmente pôsteres, daí o pôster fica sem muito sentido. Apesar de não ser uma pratica boa para o pensamento cientifico é a mais popular onde a “produtividade” acaba valendo mais que a “qualidade”.

[2] O nome do estudante é Aldo Magaló (Via João Carlos Moreno de Sousa).