Lançamento de livros sobre o Antigo Egito: Christian Jacq e Tutancâmon

Caça ao Homem: A Vingança dos Deuses – Vol.1 (Christian Jacq)

Quando Kel, um jovem e promissor escriba do escritório de intérpretes, descobre que seus colegas de equipe foram misteriosamente assassinados, seu pânico é geral. Em desespero, ele foge do prestigioso local com um documento codificado, sem desconfiar que isso pode fazer com que ele se torne o principal suspeito de um grave caso de Estado. Para piorar, o Egito está num momento crucial de sua história. O beberrão e preguiçoso faraó interessa-se apenas pela Grécia e não vê crescer em suas fronteiras a preocupante ameaça dos persas. Nesse clima deletério, alguém maquinou um plano contra o jovem Kel. Sozinho e perseguido pela polícia do reino, ele precisa decifrar o código do misterioso papiro para provar sua inocência. Suas possibilidades de sair vivo da aventura parecem ínfimas. A menos que os deuses finalmente o ajudem! (Sinopse:Cia dos Livros)


Tutancâmon (Nick Drake)

Com apenas 18 anos, o jovem rei Tutancâmon está disposto a pôr um fim à instabilidade política do Egito. Ao lado da esposa, a rainha Ankhesenamon, ele é o herdeiro de um império que deveria estar no auge de seu poder e glória, mas sofre com guerras e conspirações internas. Porém, o plano de reafirmar a autoridade de sua dinastia fica seriamente ameaçado quando “presentes” bizarros começam a aparecer no Palácio Real. Agravando ainda mais a crise, vários corpos brutalmente mutilados são encontrados nos arredores da cidade de Tebas. Para investigar esses estranhos eventos, o experiente detetive Rahotep é convocado pela rainha. Mas, quando as conexões entre os crimes o levam a descobrir segredos no obscuro coração do poder, a vida de Rahotep e de todos a quem ama serão colocadas em grande risco (Sinopse: Livraria Travessa).

MEU COMENTÁRIO: Eu já tenho o primeiro livro da série, que é o “Nefertiti” (e que por sinal me custou o olho da cara), não o li todo, mas por enquanto estou gostando. Irei comprar com certeza o “Tutankhamon”.

Conhece algum livro de Arqueologia ou que fala sobre o Antigo Egito e que está sendo lançado? Manda a sua sugestão para mim através deste endereço: sitearqueologiaegipcia@gmail.com.

Eu, Tutankhamon e o Howard Carter

Quem passeia pelos muitos fóruns, comunidades, páginas ou grupos de discussão e divulgação do Antigo Egito já deve ter percebido que o tema de assunto começou a mudar drasticamente: o que gradativamente está tornando-se o interesse do momento são as pesquisas relacionadas com o faraó Tutankhamon e existe uma explicação para isto: em breve, no dia 4 de novembro, serão comemorados os 92 anos de descoberta da sua tumba.

O achado se deu graças ao trabalho do arqueólogo Howard Carter e o patrocínio do Lorde Carnarvon, nobre inglês que gastou rios de dinheiro bancando as escavações no Vale dos Reis que muitos acreditavam estar findada ao fracasso, até que após nove anos de busca, em 1922, foi encontrado o túmulo praticamente intacto do “faraó-menino” Tutankhamon.

Lorde Carnarvon (esquerda) e Howard Carter (direita). Foto disponível em < http://www.thetimes.co.uk/tto/magazine/article3650205.ece >. Acesso em 05 de outubro de 2014.

79 anos depois lá estava eu assistindo a aula de História e vejo pela primeira vez um documentário sobre a Antiguidade Egípcia. Ele era iniciado com a descoberta da tumba de Tutankhamon e quando vi o rosto dele em seu ataúde senti que algo tinha sido preenchido dentro de mim, como se alguma coisa tivesse mudado, mas para melhor, é uma sensação difícil de explicar, era como se tudo ao meu redor fosse preto e branco e o ambiente mudasse igual ao efeito colorido dos filmes “O pássaro azul” (The Blue Bird; 1940)  e “O Mágico de Oz” (The Wizard of Oz; 1939).

Bom, o que posso dizer é que esse evento mudou totalmente o rumo da minha vida porque fiquei tão animada que decidi naquele mesmo momento que queria ser arqueóloga e pesquisadora do Egito Antigo e dediquei os anos seguintes ao estudo da antiguidade egípcia, tudo com o apoio da minha mãe que sempre comprava revistas e livros. Eu nem tinha 14 anos na época, ou seja, acho que já está meio óbvio que não tive uma infância lá muito convencional.

Carter e um assistente limpando o ataúde de Tutankhamon. Foto disponível em < http://www.thetimes.co.uk/tto/magazine/article3650205.ece >. Acesso em 05 de outubro de 2014.

Bom, a questão é que em virtude de ler tanta coisa sobre o Tutankhamon eu comecei a ficar com vontade de escrever o meu próprio livro sobre ele e o iniciei finalmente na virada entre o ano de 2011 e 2012… Literalmente. Como no ano novo eu era a única pessoa acordada fui fazer o que normalmente eu faço quando não tenho nada para fazer, que é ler algo sobre o antigo Egito (sim, eu sei, que vida interessante hem!) e foi quando partiu a ideia de por um livro sobre o Tutankhamon no papel, mas o engavetei um mês depois, porque tinha acabado de ingressar no mestrado.

Em 2013 o peguei novamente e precisei sacrificar cerca de seis meses de produtividade acadêmica para cuidar integralmente dele. Claro que logo depois eu quis publicá-lo, mas por algum motivo desisti e coloquei “Uma viagem pelo Nilo” na frente (que foi lançado somente em 2014 devido a alguns atrasos de serviços).

Depois do “Uma viagem pelo Nilo” resolvi submeter a minha publicação do Tutankhamon para algumas editoras, mais como um teste para saber qual seria a recepção e as criticas do quê uma esperança de assinar um contrato. Creio que ao todo recebi a resposta de quatro ou cinco: uma delas escreveu falando que gostaram do tema, mas que não tinham interesse de publicar no momento e a outra falou que tinha interesse e que em vez da espera de dois anos para publicar — que é o prazo convencional da editora — queriam lançá-lo já em no mês de novembro.

Esta editora é um selo grande, imagina que incrível seria! Excerto pelo o fato da minha pessoa ser uma “escritora iniciante” e consequentemente teria que pagar uma bagatela de R$14,000. Moço! Com este dinheiro eu posso pagar uma escola de campo no Egito incluindo parte da passagem de avião ida e volta! Eu não aceitei, aliás, não deu nem tempo de não aceitar, já que eu tinha o prazo de um dia para dar a resposta… Ah o capitalismo…

Carter e Lorde Carnarvon.

Bola para outra, o livro já está prontinho só falta incluir alguns detalhes pontuais e ver quais imagens serão disponibilizadas para a publicação. Infelizmente ele não sairá em novembro… Já imaginaram sair justamente no dia 04/11? Dia da descoberta da tumba do Tutankhamon? Ia ser legal, entretanto não vai rolar, mas não ligo, o importante é curtir a jornada, sempre!

O título? Ele já tinha sido escolhido no final de 2010! É “Tutankhamon, 1922 e o Vale dos Reis”. Ele já tem sua página no Facebook e Tumblr. Tentarei deixar vocês a par de tudo.

Para aqueles que tem Instagram e/ou Twitter usarei sempre que possível a tag #TutEOValeDosReis, assim ficará mais fácil ver as atualizações referentes ao livro.

E o tema? No livro eu realizo um passeio pela a história do Vale dos Reis e mostro alguns dos principais passos do Howard Carter para tornar-se arqueólogo até finalmente descobrir a KV-62, o sepulcro de Tutankhamon. Comento algumas curiosidades relacionadas aos trabalhos na tumba e por fim acerca da existência do próprio Tutankhamon, este garoto que teve uma vida cheia de altos e baixos, uma morte prematura e uma “pós-vida” bem agitada, devido ao mito criado graças à Arqueologia Egípcia e principalmente a Egiptomania.

Ressalto que ele ainda não tem uma data de lançamento prevista, mas vocês podem seguir as novidades sobre ele através dos links que disponibilizo abaixo:

https://www.facebook.com/tutankhamoneovaledosreis
http://tutankhamoneovaledosreis.tumblr.com/

As reencarnações de Tutankhamon que conheci

Quem já participou ativamente de alguns fóruns de amantes do Antigo Egito pode ter visto mais de uma vez a situação onde um participante (geralmente recém-chegado) se apresenta como a reencarnação de um egípcio antigo, mas não um camponês, escriba ou soldado, usualmente são rainhas ou faraós famosos. Bom, eu ao menos já vi e foram muitas vezes.

Faraó Tutankhamon.

No meu caso não é simplesmente somente em fóruns – na verdade nem de fóruns eu participo mais -, mas através de mensagens, muitas vezes acanhadas, de pessoas que só querem contar um pouco da sua história de vida e esperam que alguém mais acredite em suas palavras, além delas mesmas. Entretanto, para a minha surpresa e tornando a situação meio hilária, usualmente são pessoas alegando ser a reencarnação do Tutankhamon. A maioria são garotos jovens, até hoje nunca vi nenhuma menina, e sempre utilizam as mesmas falas que incluem “sonhos reais no antigo Egito”, aparência física semelhante ou uma tragédia na família durante a infância ou adolescência (de preferência incluindo o pai).

Para quem ainda não conhece a história, Tutankhamon foi um faraó que morreu em meados de 1322 a.E.C., aos 18 ou 19 anos. Ele ficou mundialmente famoso quando o arqueólogo inglês Howard Carter descobriu sua tumba praticamente intacta em 1922 e desde então varias lendas surgiram acerca dele, a exemplo da suposta maldição que teria caído sobre aqueles que abriram sua tumba.

Acredito que esta fama post-mortem foi o que fez crescer esse fenômeno de “reencarnações de Tutankhamon”, somado com a vontade de alguns indivíduos de se incluir em outra realidade. Não sou uma estudiosa do assunto, nem de longe entendo qual a ideia que existe por trás da crença em reencarnações, mas acerca desses acontecimentos creio que as palavras do falecido professor Ciro Flamarion, em seu livro “O Antigo Egito”, explicam muito bem este deslumbramento. De acordo com ele existe uma “espécie de fascínio exótico e nostálgico exercido sobre o nosso mundo secularizado de hoje por alguns dos elementos culturais do Egito faraônico, em particular a realeza de caráter divino e a religião funerária tão elaborada, com sua obsessão milenar pelo renascer, pela imortalidade”.

Renascer… Imortalidade da alma… É estranho perceber que os conceitos destas duas palavras podem extasiar tantas pessoas. Não acho isto de todo negativo, embora na minha opinião em alguns casos parece ser mais uma questão de não aceitação de sua própria identidade, preferindo adotar a de outro individuo. Esse é um assunto bem interessante, afinal trata-se de pessoas tentando se descobrir, embora de forma equivocada.

Tutankhamons?

Fiz uma breve pesquisa e encontrei um fórum onde um dos usuários questionou de quem os demais acreditavam ser a reencarnação. Abaixo algumas das respostas:

E finalmente: