(Artigo) O Festival de Osíris e a Legitimação da Monarquia Faraônica durante o Reino Médio Tardio

O Festival de Osíris e a Legitimação da Monarquia Faraônica durante o Reino Médio Tardio | Beatriz Moreira da Costa

A manutenção do status divino do faraó no Egito Antigo era de grande importância para a ideologia real. Dessa forma o faraó participava de numerosos rituais e festivais destinados a reforçar a sua divindade e a sua relação com o ka real. A partir do pressuposto que ação ritual é poder, o presente artigo tem como objetivo analisar o Festival de Osíris, tendo como recorte temporal o Reino Médio Tardio.

Obtenha o artigo O Festival de Osíris e a Legitimação da Monarquia Faraônica durante o Reino Médio Tardio.

(Capítulo de livro) Como a Arqueologia tem minimizado o papel das mulheres egípcias que viveram na Antiguidade faraônica

Gênero Invisível? Como a Arqueologia tem minimizado a participação histórica das mulheres egípcias durante a Antiguidade faraônica | Márcia Jamille N. C.

A Arqueologia ao longo dos anos tem sido utilizada para justificar relações de poder, minimizando a participação social de grupos subalternos e privilegiando artefatos dos segmentos dominantes da sociedade, a exemplos dos homens egípcios, beneficiados pela hierarquia de gênero característica da antiguidade faraônica, mas o que não justifica atualmente as mulheres egípcias serem estudadas desprovidas de uma identidade, sendo relacionadas usualmente com a existência de seus maridos ou pais. Desta forma, é de interesse deste artigo pontuar como a Arqueologia egípcia tem minimizado a participação tanto das grandes líderes egípcias como das mulheres comuns da história do Egito se utilizando de conceitos androcêntricos e a necessidade de que este quadro seja mudado.

Obtenha o capítulo Gênero Invisível? Como a Arqueologia tem minimizado a participação histórica das mulheres egípcias durante a Antiguidade faraônica.

(Resenha-Livro) “Gramática Fundamental de Egípcio Hieroglífico” do Ronaldo Gurgel Pereira

Por Márcia Jamille | Instagram | @MJamille

Lançado em 2014, a “Gramática Fundamental de Egípcio Hieroglífico” é uma obra completa para os falantes em língua portuguesa interessados em se especializar academicamente na Egiptologia. Ronaldo Guilherme Gurgel Pereira, seu autor, é egiptólogo e leciona gramática egípcia clássica na Universidade de Nova Lisboa, Portugal.

“Gramática Fundamental de Egípcio Hieroglífico”, Ronaldo Guilherme Gurgel Pereira. 2014.

Um dos temas que mais chamam atenção dos curiosos ou estudiosos da história egípcia certamente são os hieróglifos egípcios. Seu nome deriva das palavras gregas hieros “sagrado” e hyphos “escrita”. Essa denominação foi empregada porque os hieróglifos tinham sido uma escrita amplamente utilizada em templos e monumentos sagrados bem como em alguns túmulos, o que deu aos gregos a ideia de que o seu uso era estritamente sagrado, embora igualmente fossem encontrados em objetos banais como peças de toalete ou mobílias. Sabemos que esse tipo de escrita foi utilizada desde a formação do reino egípcio até 396 d.E.C., ano em que o imperador Constantino proibiu o uso deste tipo de linguagem e o culto aos deuses egípcios.

No primeiro capítulo, “Origem da língua Egípcia Antiga”, o autor nos apresenta ao surgimento desta escrita e sua evolução temporal, fazendo uma distinção entre o seu estágio Inicial (antigo) e Final (tardio).

Igualmente ele nos fala sobre o surgimento do “egípcio cursivo”, da “escrita hieroglífica ptolomaica”, da escrita demótica e o “copta antigo”, considerado o último vínculo com a linguagem dos tempos faraônicos e que atualmente é utilizada como língua litúrgica da Igreja Ortodoxa copta.

Ronaldo Guilherme Gurgel Pereira.

No segundo capítulo, “Decifração dos hieróglifos egípcios”, o autor explica como se deu a queda do uso da escrita hieroglífica e demótica graças a cristianização do Egito e como o grego foi utilizado para a evangelização. Ronaldo ainda cita as tentativas de tradução dos hieróglifos anteriores ao francês Jean-François Champollion, como o caso do jesuíta alemão Athanasius Kircher que século 17 lançou suas suposições sobre como seria possível traduzir os hieróglifos. Porém, suas propostas de traduções se mostraram erradas. Outros nomes importantes são citados, muitos deles desconhecidos do público comum e inclusive acadêmico.

No terceiro capítulo, “Escrita Hieroglífica Egípcia”, são explicadas as grandes mudanças sofridas pela escrita hieroglífica ao longo de todo o faraônico. Ainda somos apresentados para as diferenças entre fonograma, logograma e determinativos, funções importantes para a tradução e que por isso devem ser entendidas pelos alunos no princípio dos seus estudos.

Apesar destes três primeiros capítulos elucidarem vários pontos históricos da escrita egípcia, o leitor deve ser avisado de antemão que, assim como explica o título, este livro trata-se de fato de uma gramática e como tal abordará assuntos como substantivo, prefixos, flexões de gênero e número, morfema, concordância, etc, ou seja, se o interessado não estiver familiarizado com as regras gramaticais da língua portuguesa irá ter muita dificuldade para compreender o assunto. Assim, a partir do Capítulo D (4º) serão tratadas as explicações das regras gramaticais do ponto de vista do faraônico. Um quesito importante é que a obra possui alguns exercícios e suas respectivas respostas.

Particularmente apreciei muito a inclusão de glossários ao final de alguns capítulos, que além de apresentar traduções, auxilia os estudantes a se familiarizarem com os hieróglifos e as suas respectivas transliterações. Devo explicar que em determinados trechos da obra só foi possível compreender o que o autor quis passar porque eu já tinha tido aulas de introdução a hieróglifos na UFS, ou seja, esse livro não é de todo indicado para quem nunca teve um contato prévio com essa linguagem, a não ser que esteja extremamente curioso e disposto a entendê-la sozinho.

Uma dica que dou é que o estudante ao separar as traduções dos textos literários escolha aquelas que estão acompanhadas por suas respectivas transliterações. Assim os ensinamentos do livro tornam-se mais fáceis. Aconselho igualmente que o interessado tente se familiarizar com a história egípcia ou ao menos com a divisão temporal do faraônico.

Inscreva-se para receber notificações de novos vídeos: clique aqui.

Youtube | Facebook | Instagram | Twitter

Considerações finais:

Uma das maiores reclamações acerca desta obra é o preço, contudo, a maioria dos livros de Egiptologia costumam custar valores a partir de R$90,00, alguns chegam até mesmo ao valor de R$1.000. Levem em consideração que comprar este livro é um investimento em seu futuro acadêmico.

Apesar de volumoso, ele é de um material leve e com folhas amareladas (que deixa a leitura mais agradável), porém o material da capa deixa um pouco a desejar. Mas, no geral, é uma obra magnífica e um marco para o estudo da Egiptologia em língua portuguesa.

Dados do livro:

Título: Gramática Fundamental de Egípcio Hieroglífico

Gênero: Egiptologia

Autor: Ronaldo Guilherme Gurgel Pereira

Editora: Chiado

Ano de Lançamento: 2014

Edição: 1ª Edição

(Comentários) Trailer do filme “Deuses do Egito” (2016)

Por Márcia Jamille | Instagram | @MJamille

Irá estrear no dia 24 de fevereiro (2016) o filme “Deuses do Egito” (“Gods of Egypt“, no original), que está estrelando Nikolaj Coster-Waldau (Game of Thrones) e que cujo o enredo é inspirado na luta entre os deuses Seth e Hórus, um dos mitos mais famosos da Antiguidade egípcia.

Quando o primeiro trailer saiu várias pessoas enviaram mensagens para mim perguntando a minha opinião e eu a dei de forma bem concisa na página do Arqueologia Egípcia no Facebook, até que eu arranjasse um tempinho para poder sentar e escrever mais acerca. Bom, o momento chegou. Abaixo o trailer (legendado):

Porém, antes de apresentar para vocês os meus comentários, preciso conta-lhes antes o mito das batalhas entre Hórus e Seth.

Ísis e Hórus versus Seth

Tudo tem início com o nascimento dos irmãos Ísis (protetora do trono real e senhora da magia), Osíris (senhor da vegetação e fertilidade), Néftis (protetora do palácio) e Seth (senhor do caos e deserto), que casam entre si, sendo que o casal Ísis e Osíris assumem o trono do Egito. Ambos eram extremamente amados pela população, mas não por Seth, que tinha muita inveja e rancor dos dois, em especial por Osíris.

Fonte dos desenhos: Jeff Dahl.

Seth então prepara uma audaciosa cilada para matar o irmão: ele o convida para um banquete onde pede para que cada um dos convidados entrem em uma maravilhosa e grande caixa. Aquele indivíduo que nela coubesse a ganharia como prêmio.

Todos experimentaram a tal caixa, mas ninguém coube perfeitamente, exceto Osíris, o último a prová-la e que se encaixou impecavelmente. Contudo, o que o rei não sabia é que ela tinha sido confeccionada exatamente com as suas medidas e assim que entrou Seth o trancou e jogou a grande caixa no Nilo, onde morreu afogado.

Ísis descobre o ocorrido e recupera a caixa, despertando a ira de Seth que a rouba e esquarteja o corpo do deus falecido, jogando suas partes por toda a extensão do Nilo. Ísis mais uma vez sai em busca do marido e em uma longa jornada recupera uma a uma as partes do seu corpo, exceto o pênis, que foi comido por um peixe. Usando da sua magia e após longas rezas a deusa se transfigura em um falcão fêmea e com o bater das suas asas dá o sopro de vida necessário para ressuscitar o esposo. Ao mesmo tempo faz surgir o pênis e engravida do seu primeiro e único filho, Hórus, uma divindade com corpo humano e cabeça de falcão.

Neste meio tempo, Seth já tomou para si o trono do Egito, fazendo com que Ísis, protegida por sua irmã Néftis e o deus Anúbis, esconda-se nos juncos do Nilo com o recém-nascido Hórus, onde ela lhe ensina tudo o que é importante para reinar e o prepara para o futuro embate com o tio por seu trono de direito.

Após alguns anos, Hórus vai enfrentar o tio, que por sua vez o acusa de não ser filho de Osíris, afinal, Ísis não estava grávida quando ele estava vivo. Mas com a intervenção dos demais deuses é imposto que Hórus e Seth devem batalhar em uma série de atividades e o vencedor ficaria com a coroa.

Seth usa sempre da sabotagem para tentar vencer o sobrinho, mas todas as vezes é desmascarado por Ísis. Porém, em uma das lutas, Seth arranca um dos olhos de Hórus. A visão lhe é devolvida pelo o deus Thot ou a deusa Hathor, que põe um olho substituto no lugar, enquanto o original torna-se o “Wedjat”, que é oferecido a Osíris como um amuleto para a regeneração.

Voltando ao filme “Deuses do Egito”: observando o trailer

Como dito no início, o enredo baseia-se na luta entre estas duas divindades, mais especificamente na batalha em que Hórus perde o seu olho, séculos antes da unificação do Egito, em algum momento do Pré-Dinástico (que é tipo a “Pré-História” egípcia). No entanto, como nos mostra bem o trailer, no filme Seth arrancará ambos os olhos. Mais tarde um deles será recuperado por um humano. Já vemos então a primeira diferença aí, além de que ambos os deuses serão retratados em uma forma humana.

Hórus.

Seth.

O amuleto “Wedjat” incorporado no filme.

Em termos de roupas senti certa inspiração em “Fúrias de Titãs” e um leitor também citou “300”. Praticamente não há roupagem alguma egípcia. Vi alguns toucados nemes estilizados em um figurante ou outro (muitas produções insistem em por estes toucados em cidadãos comuns sendo que era de uso exclusivo do faraó), uma inspiração na Coroa Azul da rainha Neferiti e uma coroa com um elemento da deusa Hathor. É um dos filmes inspirados no Egito que menos possui fortes elementos egípcios. Conseguiu ganhar até mesmo da série TUT.

Eu acho que consigo ver um indiano e um árabe…

Num futuro (espero não muito distante) pretendo fazer um post detalhado falando sobre as roupas egípcias. Vocês verão que não tem nada a ver com isso.

Na testa dela estão os chifres da deusa Hathor.

Na minha humilde opinião, em termos de narrativa cinematográfica não foi ruim incluir armaduras nos deuses, adicionar monstros enormes e bizarros, batalhas surreais, etc. Isto vai levar os amantes de aventura e ficção para o cinema e quem sabe fazê-los pesquisarem mais tarde. Eu, por exemplo, aprendi a gostar de assuntos relativos às constelações graças aos “Cavaleiros do Zodíaco”, porém, o que achei de péssimo gosto e de grande ignorância, foi incluir alguns artefatos claramente inspirados no universo grego e até mesmo mesoamericano, duas culturas totalmente diferentes da egípcia.

Outro grande problema e que enfureceu muitas pessoas levando aos produtores do filme pedirem desculpas, foi a escolha de um elenco quase exclusivamente caucasiano para representar o Egito Antigo. Entretanto, falar que o Egito era totalmente negro, como os críticos mais ferrenhos apontam, também não é condizente com a realidade. O Egito foi um território que recebeu povos de diferentes lugares ao longo da sua formação, apesar do seu “isolamento” geográfico, que tornava difícil a invasão de exércitos, mas não a entrada de grupos de nômades. Está mais para uma civilização “mestiça”, mas é pouco provável que encontraríamos um Nikolaj Coster-Waldau andando em uma rua do faraônico, muito menos ainda em tempos anteriores a época de unificação, como seria o caso do filme.

Mas também tem uns momentos bacanas que servem como curiosidade para vocês, como a cena abaixo, que mostra um tipo de arquitetura que lembra a egípcia faraônica, mas que não existia no Pré-Dinástico, toda via. Apesar do anacronismo, foi legal eles utilizarem elementos egípcios, mesmo que com leves modificações, porque a arquitetura egípcia é tão bonita e combina muito com o deserto.

A seguinte cena também é interessante. Se eu estiver correta trata-se de uma sepultura. Caso seja, tirando o sarcófago de pedra, uma sepultura de alguém com posses durante o Pré-Dinástico era bem assim. Clicando aqui vocês serão levados para um post onde tem a fotografia de uma.

Mais uma curiosidade para vocês tirarem nota é que no período do filme a escrita hieroglífica ainda não existia. Ela só é desenvolvida durante ou após a unificação do Alto e Baixo Egito.

Outra coisa bem legal, e que espero que tenham mantido no filme, é que eles retratarem Hórus enorme. Na iconografia egípcia deuses ou faraós usualmente eram retratados maiores do que o restante da população, então foi uma ótima sacada.

Dito tudo isso, espero que quem assistir este filme e ficar interessado pela história egípcia que leia este post com carinho. A ideia aqui é ensinar aos interessados em aprender. Se você é fã do filme não sinta-se atacado. E caso algum de vocês creditem que não tem nada a ver uma acadêmica discutir entretenimento, leiam então este meu post: — Arqueologia e ficção: tudo vale em nome do entretenimento?

Ademais, bom filme! E não conversem na sala de cinema.

P.S: Se não gostou do filme não precisa descarregar sua frustração aqui. Não faço parte da produção e nem sou obrigada a ler os mais criativos palavrões. 

Leituras interessantes:

SANTOS. P. V. Religião e sociedade no Egito antigo: uma leitura do mito de Ísis e Osíris na obra de Plutarco (I d.C.). Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São Paulo.

O Antigo Egito e os primórdios do cinema. Disponível em <http://arqueologiaegipcia.com.br/2014/07/13/antigo-egito-primordio-do-cinema/>.

(Livro) O Conto do Náufrago. Um Olhar Sobre o Império Médio Egípcio. Análise Histórico-Filológica

O Conto do Náufrago. Um Olhar Sobre o Império Médio Egípcio. Análise Histórico-Filológica | Telo Ferreira Canhão

Este volume apresenta uma famosa obra literária do Império Médio (c. 2040-1750 a. C.), uma das épocas áureas da milenar civilização egípcia, o Conto do Náufrago, fazendo uma análise histórico-filosófica e sedimentando o seu estudo com os trabalhos de consagrados egiptólogos que ao tema dedicaram a sua atenção: desde os autores franceses ou francófonos que releram o Naufragé (Claude Vandersleyen, Gustave Lefebvre, Pierre Grandet, Patrice Le Guilloux, Michel Lapidus), os ingleses e americanos que tentaram reanimar o seu Shipwre- cked Sailor (John Baines, Aylward Blackman, John Foster, Miriam Lichtheim, Richard B. Parkinson, William K. Simpson), aos alemães que fizeram emergir o seu Shiffbrüchiger (Dieter Kurth, Hans Goedicke), entre outros, com relevo para o primeiro tradutor do Papiro São Petersburgo 1115, Wladimir Golénischeff, que assim divulgou à comunidade científica e depois ao grande público este maravilhoso conto egípcio.

Obtenha o livro O Conto do Náufrago. Um Olhar Sobre o Império Médio Egípcio. Análise Histórico-Filológica.

(Dissertação) O escaravelho-coração nas práticas e rituais funerários do Antigo Egito

O escaravelho-coração nas práticas e rituais funerários do Antigo Egito | Marina Buffa César

Os escaravelhos eram utilizados pelos egípcios antigos como amuletos, funerários ou cotidianos, e selos, com nomes da realeza e de pessoas comuns. Eles eram identificados com o deus solar Khepri. Um tipo de amuleto funerário, o escaravelho-coração, é conhecido como um dos mais importantes para assegurar que o morto chegasse ao Mundo Inferior sem contratempos. O objetivo dessa dissertação é descrever a simbologia dos escaravelhos coração de acordo com a religião egípcia e textos funerários. O texto está baseado em textos clássicos sobre o assunto e em alguns relatórios de escavações, com intuito de entender o contexto arqueológico em que esses objetos foram encontrados. Todavia, os escaravelhos coração não são raramente encontrados em contexto original, sendo a maioria comprada ou doada para Museus. O amuleto era colocado na região torácica do morto durante o processo de mumificação, mais comumente em meio às bandagens. A sua função era impedir que o coração de seu dono se levantasse contra ele em falso testemunho. O Capítulo 30b do Livro dos Mortos aparece em sua maioria na base desses amuletos para eficácia do poder dessas palavras. O escaravelho-coração era feito basicamente em rocha esculpida no formato do amuleto, tendo em um dos lados o animal e o texto no outro. O segundo volume é composto pelos escaravelhos-coração em si, descritos em suas fichas catalográficas e com fotografias. Esse volume serve como a base para o desenvolvimento do texto do volume I.

Obtenha a dissertação O escaravelho-coração nas práticas e rituais funerários do Antigo Egito.

(Artigo) Tebas durante el período Ramésida

Tebas durante el período Ramésida: redistribución y circulación de bienes | Andrea Paula Zingarelli | Espanhol

La historia económica de Egipto antiguo ha sido abordada en consonancia con la historia política estatal y comprendida en términos de continuidad y unidad. Esta imagen monolítica ha restringido los abordajes hasta décadas recientes, donde se ha dado lugar a nuevas perspectivas de análisis. En esta última línea interpretativa, inscribimos la propuesta de considerar la existencia de prácticas pseudo-privadas en Egipto durante el período Ramésida.
El presente trabajo se propone analizar la documentación del área tebana durante el período Ramésida, relativa a la producción y circulación de bienes. En particular se considerará el tipo de producción y las relaciones de trabajo en la aldea de trabajadores de Deir el-Medina, así como su conexión con las instituciones estatales. Respecto de la circulación de bienes en Tebas se discurrirá acerca de la existencia del beneficio/lucro, la posible existencia de “dinero” y de precios y la acumulación de excedentes extrainstitucionalmente.

Obtenha o artigo Tebas durante el período Ramésida: redistribución y circulación de bienes.

(Artigo) O poder legitimador de Serápis

O Poder Legitimador de Serápis: Uma análise da iconografia monetária alexandrina durante o período Antonino (96-192) | Caroline Oliva Neiva | Português |

Serápis se apresenta como uma divindade que reflete o hibridismo cultural da sociedade alexandrina e a necessidade de adaptação dos elementos culturais egípcios e helênicos. Sua iconografia traz um homem maduro, barbado, vestido à moda grega. Seu nome seria a transliteração em grego de Osor-Hapi, divindade egípcia com corpo de homem e cabeça de touro que remete ao deus Osíris mumificado e ao touro sagrado de Mênfis, Ápis. Dessa forma seu culto fora associado a diferentes elementos, a saber: a fertilidade e abundância agrícola, aos ritos funerários, ao poder de cura, a proteção de Alexandria e dos alexandrinos e, sobretudo, a Legitimação dos governantes Lágidas (305-30 a.C.). O caráter político de Serápis associado à Legitimação foi apropriado pelos governantes Romanos. Neste artigo propõe-se a análise e interpretação de representações de Serápis na iconografia monetária alexandrina durante o governo dos imperadores Antoninos (96-192 d.C.), com o objetivo de compreender o discurso de Legitimação Imperial contido nas moedas, transformando o discurso imagético num discurso literário na proposta de Erwin Panofsky.

Obtenha o artigo O Poder Legitimador de Serápis Uma análise da iconografia monetária alexandrina durante o período Antonino (96-192).

(TCC) Entre a egiptomania e a egiptologia: Um estudo das representações do Faraó Akhenaton no Brasil. 

Entre a egiptomania e a egiptologia: um estudo das representações do Faraó Akhenaton no Brasil – Raisa Barbosa Wentelemm Sagredo | Português |

Esta pesquisa se propõem a identificar e analisar algumas  representações do faraó Amenothep IV, mais conhecido na História como Akhenaton, mostrando como é possível encontrar o mesmo homem cuja trajetória é rodeada de mistérios e polêmica, servindo a diferentes discursos. Tendo em vista que o material acerca das representações de Akhenaton é muito abundante e diversificado, optou-se por um recorte que abrangesse um tempo atual, cujos discursos das fontes fossem de naturezas distintas, pelo menos em teoria. Partindo do conceito de Egiptomania proposto pela egiptóloga brasileira Margaret Bakos, como re-interpretação e re-uso de aspectos da cultura do antigo Egito, dialogando com o conceito de Egiptologia, a ciência encarregada de estudar o Egito dos faraós. Logo, busca-se nas representações de Akhenaton, entender como se constrói essa relação, respondendo à questão: estariam distantes, na prática, os discursos da egiptomania e da egiptologia?

Obtenha o TCC Entre a egiptomania e a egiptologia: um estudo das representações do Faraó Akhenaton no Brasil.

(Revista) Ancient Egyptian Designs and Motifs

Por Márcia Jamille | Instagram | @MJamille

Com mais de 450 ilustrações esta revista é indicada para designers e pessoas que possuem interesse em aplicar temas egípcios nos seus trabalhos ou que só gostam da arte faraônica.

Os temas são desde imagens de faraós, sacerdotes e camponeses até plantas. O interessado encontrará cenas de batalhas, arte funerária, cotidiano, etc. O livro é acompanhado por um CD-Rom.

O material está em inglês e não vem com discussões históricas, somente as ilustrações.