Nefertiti e Akhenaton: o casal egípcio impossível de ser ignorado

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Na virada do século XIX para o XX, não se sabia muita coisa sobre o Período Amarniano — momento da história egípcia em que além de ocorrer uma mudança da capital do Egito, foi feita uma tentativa da elevação do deus Aton como a divindade principal do panteão egípcio — nem sobre os seus patrocinadores, o casal real Nefertiti e Akhenaton.

Foi aos poucos e com a ajuda de descobertas pontuais — tais como as das estelas fronteiriças da cidade de Aketaton, a tumba de Akhenaton, a KV-55, a tumba de Tutankhamon e os talatats em Karnak — que um quadro dessa época única da história egípcia começou a ser formado. Contudo, apesar dos esforços dos arqueólogos egiptólogos, muitos acontecimentos não estão claros.

O primeiro são as circunstâncias em que Akhenaton assumiu o poder: o trono estava destinado ao seu irmão mais velho, Tutmés, mas o herdeiro faleceu quando criança. Akhenaton, que na época chamava-se Amenhotep IV, virou o principal na linha de sucessão. Em 2014, foi anunciado que dentro de uma capela pertencente a um vizir chamado Amenhotep Huy (Capela 28), em Luxor, a equipe do Proyecto Visir Amen-Hotep Huy encontrou uma prova da co-regencia entre o rei Amenhotep III e o príncipe regente Amenhotep IV. Porém, não se sabe se Amenhotep III ainda estava vivo quando o filho saiu de príncipe regente para faraó de fato.

Akhenaton, Nefertiti e três das suas seis filhas. Foto: Wikimedia Commons.

O segundo é a origem da Grande Esposa Real Nefertiti: tem quem crê que ela era uma princesa mitanni que ao chegar ao Egito para casar com o príncipe Amenhotep IV mudou de nome, passando a se chamar Nefertiti — que significa “A bela chegou” —. Outra teoria tem a ver com a sua própria ama-de-leite, Ty; alguns acadêmicos acreditam que ela não era somente sua ama, mas sim a sua mãe. Ty era esposa de Ay, homem que com a morte do rei Tutankhamon viria a se tornar faraó (Imagem).

Primeiros anos de reinado: Aton e a mudança para Aketaton

É certo que quando o até então Amenhotep IV e a Nefertiti assumiram o trono eles moravam em Tebas, onde edificaram em Karnak um templo votivo a Aton. Foi lá onde tiveram suas três primeiras filhas: Meritaton, Meketaton e Ankhesenpaaton. Embora muitas pessoas acreditem que as “raízes” para o culto a Aton na realeza tenha surgido através desse casal ou mesmo que esse deus foi inventado por eles, em verdade essa divindade é antiga, sendo uma das formas de Rá. Em complemento, os primeiros sinais da “revolução” [1] amarninana já estão presentes durante o governo de Amenhotep III e Tiye, pais de Akhenaton.

Nefertiti, Akhenaton e uma de suas filhas prestando homenagens a Aton. Foto: Wikimedia Commons.

Não se sabe os motivos que levou Akhenaton a abandonar Tebas, mas é fato que ele saiu de lá e foi viver em um local deserto, onde criou uma nova cidade que denominou como “Aketaton” (Horizonte de Aton) e lhe deu o título de capital do Egito (BAINES; MALEK, 2008).

Bill Munane, pesquisador da Universidade de Menphis, em uma entrevista a National Geographic, explicou que “Akhenaton não diz com todas as letras o que aconteceu, mas foi algo que o enfureceu” e finalizou com “ele disse que nem ele nem seus ancestrais jamais haviam passado por algo pior” (GORE, 2001).

Aketaton seria um novo começo, mas, que precisava crescer logo. Então os engenheiros do rei tomaram uma medida drástica: as casas seriam construídas com adobe, a exemplo do restante do país. Porém, os templos, em vez de ser construídos com as usuais pedras de calcário, seriam edificados com pequenas pedras de areníticas, cortadas com cerca de 50x25x23 centímetros. São os chamados atualmente de talatats (“três” em árabe, devido ao seu tamanho de três palmos) (STROUHAL, 2007; BAINES; MALEK, 2008).

Exemplo de talatat. Nele está representado Akhanton realizando oferendas a Aton e recebendo a sua proteção.

Por ser de fácil transporte e manuseio, os talatats permitiram que os principais prédios da cidade estivessem aptos para o uso quando Akhenaton foi morar lá.

O local tinha como principal acesso o Rio Nilo e a planície em que a cidade foi edificada é inteiramente cercada por uma cadeia rochosa. A parte central de Aketaton era composta pelos chamados atualmente de Grande Templo e o Grande Palácio, que tinha acesso à residência de Akhenaton através de uma ponte (BAINES; MALEK, 2008).

A cidade não durou muito tempo após a morte do rei, sendo abandonada totalmente menos de vinte anos depois de Akhenaton falecer (BAINES; MALEK, 2008).

A Arte Amarniana:

Não foi somente a capital do país que mudou, mas as convenções artísticas também. Em Aketaton os desenhistas tiveram a liberdade e ir além das convenções artísticas rígidas da época, podendo representar a família real e seus súditos exercendo diferentes atividades (inclusive de cunho mais pessoal), registrando-os com mais leveza em seus movimentos (BRANCAGLION Jr., 2001). Os escultores também beberam dessa novidade realizando moldes de rostos e esculpindo estátuas mais realistas, prezando pela identidade dos clientes (O’CONNOR et al, 2007; STROUHAL, 2007).

Nefertiti. Foto: Wikimedia Commons.

Porém, não é somente a liberdade artística a característica marcante da arte amarniana. Tanto nos desenhos parietais, como nas esculturas é possível encontrar detalhes excêntricos onde a família real e algumas pessoas do seu séquito foram representados com crânios exageradamente alongados e pelve e coxas grossas.

Esse tipo de representação levantou uma série de questionamentos nas últimas décadas, resultando em propostas de que Akhanaton, Nefertiti e suas filhas teriam sofrido de uma patologia terrível. Contudo, além do fato de existir imagens deles representados “normais”, os exames realizados nos remanescentes ósseos desse período, mais especificamente de parentes próximos da família e no suposto corpo de Akhenaton, não apontam nenhuma deformação.

Nefertiti e Akhenaton. Foto: Wikimedia Commons; Guillaume Blanchard.

A morte de Nefertiti e de Akhenaton:

Um dos temas da Egiptologia que mais gera controvérsias é a época da morte de Nefertiti. Convencionou-se, por muitos anos, a se dizer que ela morreu no 14ª de reinado de Akhenaton (GRIMAL, 2012). Contudo, a descoberta de uma pequena inscrição em uma pedreira de calcário datada do 16ª ano de reinado de Akhanaton indica que ela ainda estava viva [2]. Isso só fez fomentar a suposição de alguns egiptólogos de que ela teria sobrevivido ao marido e reinado como uma faraó chamada Ankhkheperurá (REEVES, 2008; ALLEN, 2009). Uma proposta que, todavia, está mais no campo da especulação.

— Saiba mais sobre Ankhkheperura: Mulheres faraós #AntigoEgito https://www.youtube.com/watch?v=jL1D45uR-Q8&t=10s

Assim como muitos corpos desse período, a múmia de Nefertiti ainda não foi encontrada ou identificada, apesar das várias tentativas de busca por parte de alguns pesquisadores tais como Zahi Hawass, Joann Fletcher e Nicholas Reeves.

Já Akhenaton, sabemos que ele faleceu no 17ª ano de reinado. Com sua morte ele foi precedido por Smenkhará e provavelmente depois por Ankhkheperurá (ou vice-versa) (REEVES, 2008; ALLEN, 2009). Sua tumba foi encontrada em Amarna e os restos do seu sarcófago de pedra encontra-se no Museu Egípcio do Cairo. Contudo, o seu corpo não foi identificado com 100% de certeza. Arqueólogos que trabalharam na busca dos parentes do faraó Tutankhamon através de análises de DNA entre 2007 e 2009 acreditam que os remanescentes ósseos descobertos da KV-55, dentro de um ataúde com o nome apagado, seria ele. Mas essa não é uma certeza absoluta. Porém, caso esses ossos tenham outrora sido Akhenaton então, de acordo com esses mesmos exames de DNA, ele foi pai de Tutankhamon (HAWASS et al, 2010).

Sarcófago de Akhenaton. Foto: Wikimedia Commons.

Poucos anos após a morte de ambos, durante o reinado do faraó Horemheb, teve início uma campanha para apagar seus nomes e os dos seus sucessores (inclusive Tutankhamon e Ay) das paredes dos templos de Karnak, além do desmantelamento gradual da cidade de Aketaton. Porém, isso não foi o bastante: a arqueologia cada vez mais tem conseguido organizar os passos de ambos e os acontecimentos desse período único na história do Egito.

Para saber mais: Em meu livro, “Uma viagem pelo Nilo”, dedico um capítulo, “A análise dos talatats de Akhenaton”, para tratar da descoberta dos talatats do templo de Akhenaton em Karnak. Também apresento os principais acontecimentos dessa época em relação a mudança da capital.

Referências bibliográficas:

[1] As atuais pesquisas acerca desse período estão discutindo que os acontecimentos patrocinados por esse casal não possuem uma característica de uma revolução, mas sim, um golpe de estado.

[2] Dayr al-Barsha Project featured in new exhibit ‘Im Licht von Amarna’ at the Ägyptisches Museum und Papyrussammlung in Berlin. Disponível em < http://www.dayralbarsha.com/node/124 >. Acesso em 21 de dezembro de 2012.

[3] Algo que é bastante questionável já que observando o contexto da época é possível encontrar aspectos dos demais deuses, mesmo em Aketaton.

ALLEN, James. “The Amarna Succession”. In: BRAND, Peter; COOPER, Louise. Causing his Name to Live: Studies in Egyptian Epigraphy end History in Memory of William J. Murnane. Netherlands: Koninklijke Brill (Brill Academic Publishers), 2009.

BAINES, John; MALEK, Jaromir. Deuses, templos e faraós: Atlas cultural do Antigo Egito (Tradução de Francisco Manhães, Maria Julia Braga, Michael Teixeira, Carlos Nougué). Barcelona: Folio, 2008.

BRANCAGLION Jr., Antonio. Tempo, material e permanência: o Egito na coleção Eva Klabin Rapaport. Rio de Janeiro: Casa da Palavra – Fundação Eva Klabin Rapaport, 2001.

GORE, Rick. Os faraós do sol. National Geographic Brasil, São Paulo, Abril. 2001.

GRIMAL, Nicolas. História do Egito Antigo (Tradução Elza Marques Lisboa de Freitas). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

HAWASS, Zahi; GAD, Yehia Z; ISMAIL, Somaia; KHAIRAT, Rabab; FATHALLA, Dina; HASAN, Naglaa; AHMED, Amal; ELLEITHY, Hisham; BALL, Markus; GABALLAH, Fawzi; WASEF, Sally; FATEEN, Mohamed; AMER, Hany; GOSTNER, Paul; SELIM, Ashraf; ZINK, Albert; PUSCH, Carsten M. Ancestry and Pathology in King Tutankhamun’s Family. JAMA. 303(7):638-647, 2010.

O’CONNOR, D.; FORBES, D.; LEHNER, M. Grandes civilizações do passado: terra de faraós. Tradução de Francisco Manhães. 1ª Edição. Barcelona: Ed. Folio, 2007.

STROUHAL, Eugen. A vida no Antigo Egito (Tradução de Iara Freiberg, Francisco Manhães, Marcelo Neves). Barcelona: Folio, 2007.

REEVES, Nicholas. The Complete Tutankhamun. London: Thames & Hudson, 2008.

O garoto que “descobriu” a tumba de Tutankhamon: entenda o caso

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

A história da descoberta da tumba do faraó Tutankhamon é quase mitológica: ela foi encontrada no Vale dos Reis pelo arqueólogo inglês Howard Carter que, por quase uma década, estava na esperança de fazer uma grande descoberta. Isso dependendo do dinheiro e da paciência do seu mecenas, Lord Carnarvon, um nobre inglês que, a essa altura, já tinha dado um ultimato ao pesquisador, deixando claro que aquele ano seria o último da busca.

Coincidentemente, após quatro dias de iniciados os trabalhos, em 04 de novembro de 1922 o primeiro degrau da sepultura, identificado mais tarde pelo número tombo 433, foi encontrado (JAMES, 2005). E quando a primeira câmara foi aberta em 26 de novembro e os artefatos vislumbrados pela primeira vez em 3 mil anos, já estava claro que aquela seria considerada uma das maiores descobertas arqueológicas do século. Claro que como tudo o que chama atenção uma série de especulações começaram a surgir.

Tut Ankh Amon Sarcophagus, Egyptian Museum, Cairo, Egypt

Ataúde de Tutankhamon.

Tumba de Tutankhamon - Harry Burton - KV-62

Primeira câmara da tumba com os artefatos ainda em seus lugares originais. Foto: Harry Burton.

Enquanto eu escrevia o meu livro, “Tutankhamon, 1922 e o Vale dos Reis”, eu soube de algumas delas. Uma era a de que Carter teria recebido uma dica da localização da tumba por parte de um homem da família Abd-el-Rassul, famosa por roubos de sepulturas. A denúncia foi realizada pelo o próprio filho desse homem, Housein (MULLER; THIEM, 2006). Uma acusação infundada, afinal, a tumba estava completamente oculta por cascalhos e cabanas de operários datadas do Período Faraónico. Era simplesmente impossível alguém saber da existência do túmulo.

Hag Mahmoud Abd El-rassul segurando a foto de Hussein (idoso e criança). Autor da foto: desconhecido.

Hag Mahmoud Abd El-rassul segurando a foto de Hussein (idoso e criança). Autor da foto: desconhecido.

Agora em 2016 foi lançada uma matéria no El Mundo intitulada El niño que descubrió la tumba de Tutankamón (O garoto que descobriu a tumba de Tutankhamon). Garoto esse que a reportagem revela mais tarde ser o Housein. De acordo com a notícia, um homem chamado Mohamed Abd-el-Rassul afirma que foi seu avô, o Housein, quem encontrou o sepulcro enquanto levava água para membros da expedição.

De fato, o menino Housein encontrou o primeiro degrau, isso não é segredo (os livros mais completos sobre a história da descoberta não deixam de citá-lo, inclusive), mas ele não deve levar todo o crédito de ser o responsável por encontrar a tumba. Quando analisei os registros de Carter foi possível observar que ele anotava tudo o que considerava relevante sobre os trabalhos do dia, inclusive sobre como separou o Vale em seções e deu a ordem aos trabalhadores para que escavassem até a rocha. Também é conhecido que era (e ainda é) um costume os arqueólogos que trabalham no país raramente efetuar as escavações com as suas próprias mãos, deixando que esse seja o papel dos auxiliares[1] (o que sou totalmente contra), logo, se não fosse o menino, qualquer outra pessoa da equipe limpando a área encontraria o degrau. Não foi por perspicácia ou conhecimento prévio que ele encontrou a escada, ele só estava no lugar certo na hora perfeita.

Housein usando um dos colares de Tutankhamon (clique aqui para conhecer a história por trás dessa foto). Foto: Harry Burton.

Para homenagear Housein os seus descendentes criaram um mini museu para resgatar a sua memória. Não existe nada de errado nisso, até porque a arqueologia egípcia é extremamente injusta com os nativos e o Housein deve ser sim rememorado, mas não da forma como estão o vendendo: a imagem de uma pessoa com um conhecimento prévio da localização da tumba e injustiçado pela história.

Saiba um pouco mais sobre o faraó Tutankhamon:

Referências bibliográficas:

ALLEN, Susan J. Tutankhamun’s Tomb: The thrill of discovery. New York: Metropolitan Museum of Art, 2006.

JAMES, Henry. Tutancâmon (Tradução de Francisco Manhães). Barcelona: Folio, 2005.

MULLER, Hans Wolfgang; CRESCIMBENE, Simonetta. Egito. (Tradução de Leila Mascioli). São Paulo: Manole, 1998.

REEVES, Nicholas. The Complete Tutankhamun. London: Thames & Hudson, 2008.

El niño que descubrió la tumba de Tutankamón. Disponível em < http://www.elmundo.es/cronica/2016/04/17/57122f87ca4741f0148b463d.html >. Acesso em 18/04/2016.


[1] Os auxiliares sempre são egípcios contratados para retirar a areia do local e mesmo para efetuar a própria escavação arqueológica.

Confira o trailer da série “Tutankhamun”

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Produzida pela ITV Studios e sob a direção de Peter Webber, a série “Tutankhamun” terá como personagem principal o arqueólogo inglês Howard Carter, descobridor da tumba do faraó Tutankhamon em 1922. Composta por quatro episódios, o enredo tem início em 1905, nos mostrando os caminhos de um jovem Carter até a descoberta da sepultura que o fez famoso.

Foto: Divulgação.

— Saiba mais sobre o faraó Tutankhamon: Tutankhamon, 1922 e o Vale dos Reis.

No início deste ano (2016) mostrei a primeira fotografia liberada dos atores Sam Neill e Max Irons caracterizados como o Lorde Carnarvon e Howard Carter, agora trago para vocês o trailer oficial:

Infelizmente não existe previsão de estreia no Brasil.

— Leia também: Mais uma série com o tema “‪‎Tutankhamon” será lançada e Novidades sobre a série “Tutankhamun”, com Sam Neill e Max Irons.

Novidades sobre a série “Tutankhamun”, com Sam Neill e Max Irons

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Ano passado (2015) divulguei aqui no Arqueologia Egípcia que uma série sobre a busca pela tumba do faraó Tutankhamon estava sendo produzida e gravada na África do Sul. Pois bem, já foi liberada a primeira fotografia dos atores Sam Neill e Max Irons caracterizados como o Lorde Carnarvon e Howard Carter, respectivamente:

Foto: Divulgação.

Sam é bastante conhecido no Brasil pelo o seu papel como o paleontólogo Dr. Alan Grant no filme Jurassic Park (1993) e o Max está no filme Red Riding Hood (2011).

Como uma série de quatro episódios, a história terá início em 1905 e nos mostrará os caminhos de um jovem Carter até a descoberta da tumba que o fez famoso.

Ela está sendo produzida pela ITV Studios e sob a direção de Peter Webber. Infelizmente não existe previsão de estréia no Brasil.

(Vídeo) Sobre as supostas câmaras ocultas na tumba de Tutankhamon

Semana passada liberei mais um post acerca das pesquisas realizadas na tumba do faraó Tutankhamon (clique aqui para conferir e aqui para ver todas as postagens escritas sobre o assunto). Agora disponibilizo no site o vídeo onde respondo algumas questões bem gerais que tais estudos despertaram no público.

Tutankhamon na KV-62. Foto: Factum Arte.

Youtube | Facebook | Instagram | Twitter

Foi Maya a irmã mais velha de Tutankhamon?

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Sabemos poucos detalhes da história do faraó Tutankhamon e da sua família e bem menos da vida de membros do seu séquito o qual conhecemos alguns nomes. Dentre estas pessoas estava uma mulher chamada Maya, cujo cargo era um dos mais importantes da corte: ela foi a ama-de-leite do rei.

Sabemos disso graças a sua tumba encontrada em 1996 no sítio de Bubastis, na cidade de Saqqara, que na antiguidade possuía uma das necrópoles mais importantes do Egito.

A tumba de Maya é dividida em dois níveis onde no superior existem duas câmaras para cultos e no inferior câmaras funerárias; é na primeira capela do nível superior onde encontra-se uma breve biografia da Maya, inclusive uma das suas imagens mais famosas onde ela tem em seu colo um garoto, o próprio Tutankhamon (Imagem 1)[2].

— Conheça mais sobre esta sepultura: Sobre leão achado no Egito em 2001.

O cargo de ama-de-leite na realeza não era dado a qualquer pessoa, afinal a mulher escolhida ia dar do seu leite para uma criança divina beber e sabemos que esse alimento possuía uma conotação religiosa notável. Maya foi então a escolhida pelos pais (ou representantes) de Tutankhamon, mas não sabemos de onde ela surgiu, somente que certamente era uma mulher da nobreza.

Imagem 1: Maya com o faraó Tutankhamon sentado em seu colo. Qui fut véritablement maïa? La nourrice de Toutânkhamon! En égypte ancienne!. Disponível em < http://www.aime-free.com/2100/12/qui-fut-veritablement-maya-la-nourrice-de-toutankhamon-en-egypte-ancienne.html >. Acesso em 26 de janeiro de 2016.

Contudo, recentemente surgiu uma teoria para ela. O descobridor do seu sepulcro, o arqueólogo francês Alain Zivie, e o Ministro das Antiguidades do Egito, Mamdouh El-Damaty, têm sugerido que esta mulher seria, em verdade, Meritaton [1][2], filha mais velha de Akhenaton e Nefertiti e irmã mais velha da esposa de Tutankhamon, Ankhesenamon e alguns sugerem que até do próprio Tutankhamon.

Maya. Fonte: Tomb of Tutankhamun’s wet-nurse opened to tourists. Disponível em < http://www.euronews.com/2015/12/20/tomb-of-tutankhamun-s-wet-nurse-opened-to-tourists/ >. Acesso em 26 de janeiro de 2016.

A ideia baseia-se no fato da existência de um fragmento de vaso cerâmico, encontrado durante a limpeza da tumba de Maya. Nele está um título honorífico, o de “Superiora do Harém”, o que indica que ela tinha um espaço privilegiado na corte real. Entretanto, Zivie e El-Damaty estão se apoiando na ideia de que era um título demasiado grande para uma simples ama [3], mas como foi pontuado no início deste texto, amas-de-leite da família real não eram simplesmente escolhidas entre mulheres comuns (embora não possamos descartar que para toda regra existe uma exceção).

Eles também se justificam fazendo uso de uma imagem encontrada na tumba de Meketaton, uma das irmãs de Meritaton e que morreu de forma prematura. A imagem retrata uma mulher segurando um bebê. A sugestão dos dois é que aquela trata-se da princesa Meritaton segurando em seu colo Tutankhamon. Contudo, esta afirmação não pode ser confirmada porque não existe nada na tumba que sugira quem são aqueles dois indivíduos.

Zivie ainda se justifica assinalando a semelhança facial entre Maya e Tutankhamon, mas sabe-se que quando um faraó chegava ao poder não era incomum que os artistas (aparentemente especialmente durante o Novo Império) adaptassem alguns dos seus traços faciais ao rosto de membros da família real e da alta nobreza. É exatamente por isso que muitas pessoas de determinados períodos se parecem tanto.

Entretanto, existe um ponto em que a teoria de que Maya poderia ser alguém da realeza faria algum sentido. Em entrevista ao “Diario La Prensa” Zivie declarou que interpretou a famosa imagem de Tutankhamon e Maya como que ela estaria sentada em um trono real [4], o que explicaria o fato dela ter sido retratada com o faraó em seu colo em um período que o contato físico mais próximo que uma pessoa comum teria com o rei é beijar a terra que ele pisou (não estou sendo poética, isso é verídico). Encontrei em um fórum estrangeiro uma fotografia que um dos usuários postou do livro “Les Tombes Du Bubasteion À Saqqara”, do próprio Zivie. Nela está um croqui da imagem do faraó com sua ama que está sentada em uma cadeira que possui entre os seus pés o “sema-taouy”, um símbolo que significa a união do Alto e Baixo Egito. Logo, a proposta de que esta estaria sentada em um trono real faz algum sentido. Por outro lado, se vocês observarem com atenção, o sema-taouy parece estar sob os pés do Tutankhamon e não no trono de fato. Ainda assim é uma questão a se pensar.

Link do fórum < http://www.perkemet.be/viewtopic.php?f=11&t=987 >. Acesso em 26 de janeiro de 2016. User que postou: Rozette. Livro: Les Tombes Du Bubasteion À Saqqara; La tombe de Maïa, mère nourricière du roi Toutânkhamon et grande du harem. Autor: Alain Zivie; pagina 105.

O outro problema nessa teoria é que não existe um motivo lógico para se escolher uma herdeira ao trono como ama-de-leite; as princesas destinadas ao trono quase não amamentavam seus próprios filhos, por que amamentariam o filho dos outros? Outra questão é que os registros escritos arqueológicos apontam que Meritaton e seu esposo Smenkhara tinham sido escolhidos como co-regentes de Akhenaton. A princesa até substituiu a própria mãe, enquanto ela ainda estava viva, em deveres da Grande Esposa Real. Então, qual seria o motivo de torna-se uma ama-de-leite ou uma “Superiora do Harém”?

Por fim, para ter leite no seio é necessário que a mulher tenha concebido um bebê, então, caso Meritaton fosse ama-de-leite de Tutankhamon, onde estaria o seu próprio filho? Zivie ainda sugere que a mãe de Tutankhamon poderia ser a falecida Meketaton [4], que ainda era uma pré-adolescente quando faleceu, entretanto, o exame de DNA de 2010 aponta que uma múmia de uma mulher adulta encontrada na KV-35 seria a sua mãe.

Tutanhkamon retratado ainda criança. Autor da imagem: Desconhecido.

Desta forma, logo se vê o porquê de o meio acadêmico não ter dado muita atenção para esta proposta.

A partir deste mês de janeiro (2016), a tumba de Maya estará aberta para a visita de não acadêmicos. Foi pensada nesta determinação como uma tentativa de alavancar a economia do Egito, em parte sustentada pelo turismo, que sofreu um grande dano após a revolução de 2011.

Fontes:

[1] ¿Fue Maya la hermana mayor de Tutankhamón? Disponível em < http://www.nationalgeographic.com.es/articulo/historia/actualidad/11000/fue_maya_hermana_mayor_tutankhamon.html >. Acesso em 27 de dezembro de 2015.

[2] Another King Tut’s related discovery would change chapters in history books. This time in Sakkara Disponível em < http://luxortimesmagazine.blogspot.com.eg/2015/12/another-king-tuts-related-discovery.html >. Acesso em 27 de dezembro de 2015.

[3] Egipto inaugura la tumba de la nodriza de Tutankamón. Disponível em < http://cultura.elpais.com/cultura/2015/12/24/actualidad/1450970687_880613.html >. Acesso em 27 de dezembro de 2015.

[4] Tumba egipcia era de la hermana y no de la nodriza de Tutankamón, dice arqueólogo. Disponível em < http://www.lagranepoca.com/ciencia-y-tecnologia/35733-tumba-egipcia-era-de-la-hermana-y-no-de-la-nodriza-de-tutankamon-dice-arqueologo.html >. Acesso em 27 de dezembro de 2015.

Egipto abre al público en Saqqara la tumba de Maya, el ama de crianza de Tutankamón. Disponível em < http://es.euronews.com/2015/12/20/egipto-abre-al-publico-en-saqqara-la-tumba-de-maya-el-ama-de-crianza-de/ >. Acesso em 27 de dezembro de 2015.

Egyptian pharaoh Tutankhamun’s wet nurse might have been his sister. Disponível em < http://www.theguardian.com/culture/2015/dec/21/egyptian-pharaoh-tutankhamuns-wet-nurse-might-have-been-his-sister >. Acesso em 27 de dezembro de 2015.

El otro misterio del faraón Tutankamón que deja perplejos a los científicos. Disponível em < http://www.periodistadigital.com/america/cultura/2015/12/23/el-otro-misterio-del-faraon-tutankamon-que-deja-perplejos-a-los-cientificos.shtml?utm_medium=twitter&utm_source=twitterfeed >. Acesso em 27 de dezembro de 2015.

Otro misterio del faraón Tutankamón deja perplejos a los científicos. Disponível em < https://actualidad.rt.com/ciencias/194916-faraon-tutankamon-tumba >. Acesso em 27 de dezembro de 2015.

Tomb of Tutankhamun’s wet nurse in Egypt’s Saqqara opened to public. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/News/174009.aspx >. Acesso em 27 de dezembro de 2015.

Tutankhamun’s half-sister Meritaten might have also been his wet nurse, archaeologists say. Disponível em < http://www.independent.co.uk/news/science/archaeology/tutankhamuns-half-sister-meritaten-might-have-also-been-his-wet-nurse-archaeologists-say-a6781231.html >. Acesso em 27 de dezembro de 2015.

Câmaras ocultas na tumba de Tutankhamon ou uma forma de chamar a atenção dos turistas para o Egito?

Por Márcia Jamille | Instagram | @MJamille

O Discovery News, site vinculado ao Discovery Channel, fez uma lista das descobertas arqueológicas mais esperadas de 2016. Dentre as pesquisas pontuadas está a espera para saber se existem câmaras secretas na KV-62, ou seja, na tumba de Tutankhamon, localizada no Vale dos Reis.

Tutankhamon na KV-62. Foto: Factum Arte.

Parece até tópico de alguma produção cinematográfica de mistério, mas a existência de câmaras secretas — que explico de antemão que não tem nada a ver com armadilhas, portas automáticas, etc — em tumbas de nobres e da realeza egípcia não é nenhuma novidade. Bons exemplos podem ser encontrados nas sepulturas de Amenhotep II (KV-35), Tutmés IV (KV-43), Amenhotep III (WV-22) e Horemheb (KV-57), que guardam saletas outrora secretas onde foram escondidos corpos de membros da família real cuja tumba original foi saqueada.

— Leia mais em “Dossiê: Bastidores da procura por câmaras escondidas na tumba de Tutankhamon”.

Porém o caso da tumba de Tutankhamon seria diferente. Se a proposta estiver correta ele não teria sido sepultado em uma câmara lateral secreta, mas no início de uma tumba. Algo difícil de acreditar, mas em termos de Arqueologia muita coisa pode surpreender. Foi pensando assim que o Ministro das Antiguidades, Mamdouh al-Damaty, convidou o autor da teoria, o egiptólogo inglês Nicolas Reeves, a testar sua hipótese na própria KV-62, a qual o inglês crê que em verdade pertenceria à rainha Nefertiti.

Assim, foram realizadas em setembro de 2015 avaliações não invasivas (sem perfurações, raspagens, etc) na sepultura e durante a análise dos dados coletados foi anunciado que tinha uma chance de 70% de existir câmaras secretas na tumba. Porém, como os resultados coletados não eram conclusivos, o Ministério das Antiguidades anunciou que uma equipe japonesa também analisaria o local.

Dois meses depois, na manhã do dia 28 de novembro de 2015, foi anunciado o resultado da varredura com o radar dos japoneses: o exame preliminar dos dados forneceu evidências de que existem espaços ocos atrás de duas das paredes da câmara funerária. “Obviamente é uma entrada para alguma coisa”, disse o pesquisador Hirokatsu Watanabe, responsável pela equipe asiática. Na ocasião ele manipulava o radar em frente ao Ministro das Antiguidades, do Ministro do Turismo Hesham Zazou, oficiais, alguns repórteres e do próprio Nicolas Reeves. “É muito óbvio que isso é alguma coisa. É muito profundo”[1].

Entrada da KV-62 na época da sua descoberta. Foto: Harry Burton.

Após esta revelação, Mamdouh al-Damaty deu algumas declarações para a imprensa. “Temos algo aqui” [2], assegurou o ministro ao jornal ABC Cultura, indicando que existe uma certeza de 90% de que tem um espaço vazio atrás da parede norte e oeste da câmara funerária da KV-62. Contudo, sobre a sugestão de que seja o sepultamento de Nefertiti ele discorda e salienta que “sendo ou não Nefertiti, o descobrimento de uma câmara reescreveria a história da tumba de Tutankhamon”[2].

Howard Carter e o seu patrocinador, Lord Carnarvon.

“De uma perspectiva turística, este achado está rivalizando com a original redescoberta do túmulo por Howard Carter”, disse Hesham Zazou para a National Geographic [1]. Desde a revolução de 2011 o turismo do Egito, um dos maiores suportes econômicos do país, sofreu declínio. Os pesquisadores e o Ministro do Turismo acreditam que esta pesquisa poderá reviver o fascínio das pessoas pela terra dos faraós.

Isso levanta a dúvida de que se este não é um caso clássico de fazer uso da febre do público não acadêmico por Tutankhamon em prol da economia do país. A desconfiança em relação a ética nesta pesquisa é forte, especialmente quando é rememorado que ao longo dos anos documentaristas e revistas lucraram com as numerosas propostas de “causas de morte” do faraó.

— Saiba mais assistindo “#TutEOValeDosReis: Como o faraó Tutankhamon morreu?”.

A dúvida aqui não é em relação a veracidade dos dados coletados, mas das intenções dos pesquisadores envolvidos. Primeiro do Reeves em associar forçosamente a tumba com Nefertiti e segundo do Ministério das Antiguidades ao noticiar cada um dos passos imediatamente para a imprensa, correndo o risco de encher o público acadêmico e não acadêmico com esperanças que podem ser equivocadas; O que está atrás das paredes pode ir desde um anexo com artefatos fúnebres, uma câmara funerária intacta, uma simples câmara vazia ou mesmo uma fenda, tão comum no Vale dos Reis.

Planta da KV-62. Imagem: Theban Mapping Project.

Mesmo quando foram realizados os exames de DNA e a tomografia do corpo do rei existiu um tempo longo entre a coleta de dados, a analise, a conclusão e a conseguinte disponibilização dos resultados. Em verdade em todas as pesquisas realizadas no Egito, seus resultados só são liberados para o público após um considerável período, para que equívocos não sejam criados. Entretanto, neste caso das possíveis câmaras ocultas está evidente que o Ministério das Antiguidades resolveu ir por outro caminho.

Zahi Hawass:

Zahi Hawas, antigo Ministro das Antiguidades, é um dos que olham para esta pesquisa e o posicionamento do britânico Nicolas Reeves, com desconfiança. Para ele, Reeves está vendendo uma ilusão para o Egito e que foi muito conveniente escolher justamente o nome de Nefertiti para associar com estas supostas câmaras. Abaixo suas palavras para o jornal ABC Cultura:

“Este mesmo radar foi usado por Reeves em 2006, e Reeves publicou que encontrou uma tumba no Vale dos Reis e a chamou de KV-63. Eu escavei nessa zona e resultou que somente se tratava de uma fenda na montanha, não uma câmara. O especialista do radar japonês (Watanabe) trabalha para ele, por isso dirá o que Reeves disser. Não creio que haja nenhuma tumba, talvez um quarto fechado e vazio, ou poderia ser somente um buraco, mas não há forma de prová-lo, porque destruiria a tumba. Reeves tem vendido ar ao Egito, porque não há forma de comprovar se o que existe por detrás da parede é um buraco ou de fato uma câmara. Simplesmente, tem sido muito inteligente decidir que é Nefertiti” [3].

A tumba de Tutankhamon foi encontrada em 1922 pelo arqueólogo britânico Howard Carter e dela foram catalogados mais de 5.000 artefatos, a maioria em ótimo estado de conservação, apesar de possuir mais de três milênios.

Fontes:

Top Archaeological Finds Expected in 2016. Disponível em < http://news.discovery.com/history/archaeology/top-archaeological-finds-expected-in-2016-160113.htm >. Acesso em 16 de janeiro de 2016.

[1] Will a New Bout of King Tut Fever Bring Visitors Back to Egypt?. Disponível em < http://news.nationalgeographic.com/2015/10/151002-tutankhamun-valley-of-the-kings-nefertiti-hidden-burial-rooms-archaeology-howard-carter-nicholas-reeves/ >. Acesso em 28 de novembro de 2015.

[2] Mamdouh El Damaty: «Sea o no Nefertiti, se reescribirá la historia de la tumba de Tutankamón». Disponível em < http://www.abc.es/cultura/arte/abci-mamdouh-damaty-o-no-nefertiti-reescribira-historia-tumba-tutankamon-201512261310_noticia.html >. Acesso em 18 de janeiro de 2016.

[3] Zahi Hawass: «No creo que haya otra tumba junto a la de Tutankamón, tal vez solo una habitación». Disponível em < http://www.abc.es/cultura/abci-zahi-hawass-no-creo-haya-otra-tumba-junto-tutankamon-solo-habitacion-201512101403_noticia.html >. Acesso em 18 de janeiro de 2016.

Egipto, seguro al 90% de que existe una habitación secreta en la tumba de Tutankamón. Disponível em < http://www.abc.es/cultura/arte/abci-egipto-seguro-90-por-ciento-existe-habitacion-secreta-tumba-tutankamon-201511281331_noticia.html>. Acesso em 18 de janeiro de 2016.

AGORA NA ARQUEOLOGIA EGÍPCIA: Segundo radar sugere existência de câmaras ocultas na tumba de Tutankhamon. Disponível em <  https://www.facebook.com/marciajamille.arqueologiaegipcia/photos/pb.150542331413.-2207520000.1453155127./10153860842801414/?type=3&theater>. Acesso em 18 de janeiro de 2016.

Hallan indicios serios de cámaras ocultas en la tumba de Tutankhamón. Disponível em <  http://www.nationalgeographic.com.es/articulo/historia/actualidad/10937/hallan_indicios_serios_camaras_ocultas_tumba_tutankhamon.html>. Acesso em 18 de janeiro de 2016.

Egyptian expert disputes new theory that Queen Nefertiti is in Tutankhamun’s tomb. Disponível em <  http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/africaandindianocean/egypt/12067553/Egyptian-expert-disputes-new-theory-that-Queen-Nefertiti-is-in-Tutankhamuns-tomb.html >. Acesso em 18 de janeiro de 2016.

O site Arqueologia Egípcia em 2015

Por Márcia Jamille | Instagram | @MJamille

Quem acompanhou o Arqueologia Egípcia no último ano sabe que eu e o site passamos por muitas coisas positivas. Foi para rememorar alguns desses momentos que gravei o vídeo abaixo:

Contextos Live:

O ano teve um ótimo começo quando fui convidada pela Contextos Arqueologia para ministrar uma palestra para a Contextos Live. Era uma transmissão piloto e eu estava extremamente nervosa porque tudo poderia dar errado já que seria uma transmissão online e ao vivo, mas no final deu tudo certo.

Ocorreu uma grande participação do público, a pena é que o Youtube não armazena as mensagens enviadas durante os eventos ao vivo e por isso não pude ler nenhum dos comentários.

Uma viagem pelo Nilo na CAJUFS:

Meses mais tarde recebi um convite para expor o meu livro, o “Uma viagem pelo Nilo”, durante a “I Semana de Arqueologia da CAJUFS”, na cidade de Laranjeiras, Sergipe.

Está acabando o estoque de livros:

E ao longo do ano “Uma viagem pelo Nilo” vendeu bem, ao menos levando em consideração que se trata de uma obra independente que não tem uma distribuidora. Devo salientar aqui que meus amigos e familiares me auxiliaram muito durante os tramites de vendas ou no empacotamento. Eles, definitivamente, me ajudam a tirar um peso horrível das costas.

#TutEOValeDosReis e a reação do público:

E sobre o meu ainda não lançado segundo livro, o “Tutankhamon, 1922 e o Vale dos Reis”: foi criada uma série dentro do canal do Arqueologia Egípcia no Youtube intitulada #TutEOValeDosReis onde falo curiosidades sobre este faraó.

A minha surpresa foi que esse quadro é o mais visualizado e é o que mais recebe “likes”. O vídeo que está no topo é o “A maldição de Tutankhamon”, que, ironicamente, foi gravado de dia, no meu quarto, com o Sol se movendo e criando mudanças de luz e meus vizinhos brigando esporadicamente.

O canal no Youtube não é mais só um projeto:

No Youtube passamos da marca de mil inscritos! Foi uma grande surpresa para mim porque os canais mais populares que citam Arqueologia são aqueles que o fazem de forma deturpada, falando bobagens sobre conspirações, alienígenas, tesouros malditos, etc.

Em tempos em que recebo mensagens de ódio por ter listado meros pontos negativos da novela “Os Dez Mandamentos” (e olha que eu não acabei com a novela, só fiz listar coisas boas e ruins, como faço com qualquer outro material que cite o Antigo Egito) saber que pouco mais de mil pessoas se importam em aprender me deixa extremamente feliz.

Um leitor chegou a escrever para mim que a meta agora são 2.000, 5.000, 10.000, 100.000… Ok, não sou otimista como ele, mas se continuar crescendo ficarei enormemente feliz. Até porque gravar não é nada fácil.

São Paulo + Leitores = tarde maravilhosa:

Ainda tem a minha ida para São Paulo onde aproveitei para conhecer alguns leitores pessoalmente durante um encontro intimista. Amei ter conhecido todos e se desse mais tempo eu queria ter conversado com cada um para conhecê-los melhor.

Uma viagem pelo Nilo na I FLISE:

E o ano fechou com a minha participação na I FLISE de Sergipe, através da gráfica e editora J Andrade, que me convidou a expor meu livro lá. Apesar de extremamente cansativo foi muito divertido. O estande estava lindíssimo e conheci outros autores.

Eu e a Márcia da J Andrade.

Muito aprendizado:

O mais legal é que tudo isso é fruto daquele trabalho de formiguinha que realizei em outros anos, e que hora ou outra eu me perguntava se não era uma total perda de tempo. Bom, ainda bem que não desisti.

Se vocês possuem um sonho não desista também. Isso tudo não veio do nada para mim, na verdade começou lá atrás, em 2008, quando abri o site porque, dentre tantos motivos, me sentia só na Universidade e gostava mais das pessoas que eu conhecia na internet e que compartilhavam o mesmo interesse que o meu, que é o Antigo Egito.

Bom, então que venha 2016 e com ele mais leitores e mais amigos.