Grandes mães egípcias: da deusa Ísis à rainha Cleópatra VII

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

A imagem materna é importante para diferentes culturas, a exemplo do Egito Antigo onde um dos seus principais mitos, o de Ísis e Osíris, aponta a importância da figura da deusa Ísis como protetora do trono e a responsável pela a sobrevivência e educação de Hórus. Vale lembrar que Hórus era a representação do faraó e que as rainhas-mães eram associadas à Ísis.

Para saber mais sobre este assunto leia o texto “Ser mãe no Egito Antigo“.

Statuette of Isis and Horus (Met)

Ísis, no âmbito mitológicos, está no topo da importância em termos de maternidade, mas possuímos uma outra divindade relacionada com o meio materno: Bastet. Ela possuía o formato de uma gata e a sua amabilidade fez com que ela contrastasse com outra deusa, Sekhmet, a leoa com a qual usualmente era associada e que semeava a destruição, ao mesmo tempo que poderia ofertar a saúde.

E saindo da mitologia, possuímos vários exemplos reais de mães egípcias. Porém, por conta do passar do tempo algumas tornaram-se anônimas, outras conhecemos os nomes graças a sua posição política. Alguns exemplos são a rainha Nefertiti, Tiye e Cleópatra VII. Foi pensando em mulheres como elas que gravei há algum tempo um vídeo listando 5 mães famosas do Egito Antigo. Assista abaixo para conhecê-las.

Não foi fácil escolher poucas mulheres, mas está aí uma modesta lista com cinco nomes da antiguidade egípcia que chegaram até nós graças aos trabalhos de Arqueologia e Egiptologia. Notem que a minha escolha não se baseou em mães mais amáveis ou maternais, mas as famosas no meio acadêmico graças a feitos notáveis.
Originalmente Hatshepsut compunha a lista, mas retirei por respeito, já que a sua única filha faleceu muito jovem e na hora da organização do roteiro esqueci completamente de Tutmés III.

Também gravei para o canal um vídeo falando sobre a maternidade nos tempos dos faraós. confira:

A maternidade nunca foi uma tarefa fácil. As antigas egípcias que o diga. Neste vídeo apresento um pouco sobre como era exercer este papel na Antiguidade Egípcia e inclusive como ele era visto, por exemplo: vocês sabiam que a crença ditava que parte do coração do indivíduo era herdado da mãe durante a sua formação no útero?

 

Os deuses do Egito Antigo: o que você precisa saber!

Por Márcia Jamille | Instagram @MJamille

Após uma longa espera finalmente os leitores e seguidores do site Arqueologia Egípcia podem assistir ao primeiro episodio (ou melhor: episódio piloto) da nossa série “Deuses do Egito Antigo“.

Neste capítulo é feito um apanhado bem geral sobre as divindades desta icônica civilização. É basicamente uma prévia para preparar vocês para a nossa primeira série oficial:

Os gatos no Egito antigo

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Que os egípcios antigos possuíam uma ligação especial com os animais não é novidade. Com os deuses com forma antropozoomórfica — ou seja, uma mistura de feições humanas com as de outros animais — essa sociedade deu destaque social e divino para várias espécies. Uma delas são os felídeos, a exemplo dos gatos.

Gatos são retratados em desenhos e estátuas no Egito desde o Período Pré-dinástico, época anterior ao governo dos faraós. Notável foi o apreço das pessoas por esses animais que uma importante divindade ganhou a sua forma. O seu nome era Bastet, protetora da música, alegria e maternidade. Ela era a filha do deus Rá e de acordo com uma das versões do seu mito ela o auxiliava na sua luta diária contra a serpente Apep (em grego “Apophis”) (CASTEL, 2001; SILIOTTI, 2006; BAINES; MALEK, 2008; DAVID, 2011).

The British Museum-Ancient Egyptian Cat

Deusa Bastet

Deusa Bastet

Essa deusa tinha até mesmo uma importante cidade votiva a ela denominada de Per-Bastet, em tradução livre “Casa de Bastet”. Nos períodos finais do faraônico essa cidade ficou conhecida como Bubasteion (Bubastis). Localizada nas proximidades das atuais Aváris e Tânis, é lá onde se encontra a maior necrópole de gatos do país, que abriga até hoje as múmias em vários felinos que foram lá depositados por seus donos ou por devotos da deusa para que esses intercedessem pelo humano, funcionando quase como um ex-voto (ZIVIE et al 2004; BAINES; MALEK, 2008).

Múmia de gato (British Museum). Foto: Mario Sanchez.

Mummified Cats

Vaso de cosmético com forma de gato. Foto: Met Museum.

Uma curiosidade sobre essas múmias é que enquanto algumas eram embrulhadas com invólucros simples, outras ganhavam até ataúdes em forma de gato (BRANCAGLION Jr., 2001). Centenas foram destruídas por exploradores no século 19 e 20, mas, vários espécimes ainda estão disponíveis para análise e até mesmo para a visitação em museus a redor do mundo, a exemplo do Museu Nacional do Rio de Janeiro (Brasil).

Para saber mais: O meu livro, Uma Viagem pelo Nilo, tem um capítulo, “Necrópole para animais”, onde dedico uma parte para falar sobre as múmias de animais e sobre a cidade de Bubastis.

Referências:

CASTEL, Elisa. Gran Diccionario de Mitología Egipcia. Madrid: Aldebarán, 2001.

DAVID, Rosalie. Religião e Magia no Antigo Egito (Tradução de Angela Machado). Rio de Janeiro: Difel, 2011.

BRANCAGLION Jr., Antonio. Tempo, material e permanência: o Egito na coleção Eva Klabin Rapaport. Rio de Janeiro: Casa da Palavra – Fundação Eva Klabin Rapaport, 2001.

IKRAM, Salima. “Divine Creatures”. In: IKRAM, Salima. Divine Creatures. Cairo: The American University in Cairo, 2005.

SILIOTTI, Alberto. Grandes Civilizações do Passado: Egito (Tradução de Francisco Manhães). Barcelona: Folio, 2006.

ZIVIE, Alain; CALLOU, Cécile; SAMZUN, Anaïck. A lion found in the Egyptian tomb of Maïa. Nature, Vol. 427, 15 January, 2004.

Ser mãe no Egito Antigo

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Ser mãe durante o Egito Antigo concebia à mulher, a posição de ser a responsável pela perpetuação da sua família e consequentemente a imortalidade da mesma através das gerações. A importância da concepção de uma criança é vista nos principais mitos, especialmente o de Ísis e Osíris, onde a deusa se empenha em engravidar do marido já falecido, para dar uma continuidade à família.

Existiam ainda significados especiais na maternidade e que usualmente era levado para o hábito funerário. Por exemplo, a crença ditava que a criança adquiria os ossos do seu pai e os tecidos moles da mãe, incluindo parte do coração dela (STROUHAL, 2007). Era pensando nisso que um dos trechos do Livro dos Mortos trazia versos voltados diretamente para a figura maternal, tal como o que veremos a seguir:

Meu coração, minha mãe; meu coração, minha mãe!

Meu coração por meio do qual nasci!

Nada surja para opor-se a mim no meu julgamento;

Não haja oposição a mim na presença dos príncipes soberanos;

Não haja separação entre ti e mim na presença do que guarda a balança! (BUDGE,2002, p 215 apud CÉSAR, 2008).

O ato de ser mãe era tratado também como algo sagrado. Muitos dos aspectos desta condição eram retratados em relevos religiosos e até mesmo utilizados em amuletos, a exemplo do ato de amamentar, usualmente visto em imagens funerárias, onde Hathor, como protetora do falecido, o alimenta pelo seio quando ela está em sua forma de vaca, ou Ísis, cuja imagem que a representa dando de mamar a Hórus era utilizada como amuleto de proteção.

Rainha Aqaluqa representada como Ísis amamentando. Imagem disponível em < http://wysinger.homestead.com/nubians5.html >. Acesso em 11 de maio de 2014

Durante o desenvolvimento do feto, os pais poderiam se apegar à deusa hipopótamo Tauret, para ela proteger a vida da mãe e da criança e providenciar um bom nascimento, já que os riscos advindos do parto era um dos principais fatores de mortalidade entre as mulheres (STROUHAL, 2007). Já Hathor, dentre tantas propriedades, era constantemente associada à maternidade – é tanto que nas décadas finais do Novo Império foi sincretizada à Isís, divindade com qualidades semelhantes -. Ela provavelmente foi uma das deusas mais respeitadas neste sentido, tanto em um aspecto político, como religioso. Contudo, era Bastet, a deusa gata, quem zelava pelo o amor familiar, especialmente o maternal. Sua dedicação para com os filhos era tamanha que alguns pesquisadores tendem a associar sua fúria como Sekmet como uma forma de proteger as suas crias contra o mal.

Mulher colhendo figos enquanto cuida de uma criança de colo. Tumba de Montemhet. Luxor. 25ª Dinastia. Fonte da imagem: STROUHAL, Eugen. A vida no Antigo Egito (Tradução de Iara Freiberg, Francisco Manhães, Marcelo Neves). Barcelona: Folio, 2007. p. 22.

Mas não eram somente deusas que presavam pelo bem estar das crianças e da mãe, Bés, um deus anão, sempre estaria na espreita para afastar espíritos malignos, especialmente durante o sono.

Deus Bes.

Deus Bés.

Tal como hoje, ser mãe não era tarefa fácil. A grande responsabilidade da maternidade chegou até mesmo a ser utilizada nas “Lições de Ani”, em uma tentativa de fazer com que o leitor reflita acerca de suas atitudes:

Quando o momento chegou e tu nasceste, ela aceitou a carga de por o peito em tua boca durante três anos (STROUHAL, 2007, p 23).

E para as mães menos experientes existiam regulamentos escritos denominados “Ensalmos para mães e filhos” que, embora possuam ideias equivocadas e supersticiosas, era uma tentativa de diminuir os anseios das mães, tal qual um manual moderno para conviver com a maternidade, com a diferença que os ensalmos eram repletos de rezas (STROUHAL, 2007). Eis um exemplo do que poderia ser lido:

Sai! Visitante das trevas, que te arrastas com o nariz e rosto atrás da cabeça, sem saber por que estais aqui!

Viestes beijar esta criança? Proíbo-te!

Viestes mimar esta criança? Proíbo-te!

Viestes afastá-la de mim? Proíbo-te! (STROUHAL, 2007, p 24).

Embora o poder centralizado usualmente fosse herdado por homens, tradicionalmente na Egiptologia se argumenta que quem era responsável pela legitimidade real eram as mulheres (DESPLANCQUES, 2011), embora existam debates adversos a esta teoria (COELHO; BALTHAZAR, 2012). Caso tal discurso seja verídico, essa postura provavelmente tinha alguma ligação com o mito de Ísis e Osíris, onde foi a deusa quem articulou a subida ao trono de seu filho, quando ele foi impedido pelo tio assassino.  Em verdade os filhos, mesmo adultos, usualmente eram associados ao nome da mãe (COELHO; BALTHAZAR, 2012).

 

Referências:

CÉSAR, Marina Buffa. Livro dos Mortos, uma discussão acerca do Capítulo 30. Nearco (Rio de Janeiro), v. 1, p. 66-80, 2008.

COELHO, Liliane Cristina; BALTHAZAR, Gregory da Silva. As múltiplas sensibilidades do feminino na literatura egípcia do Reino Novo (c. 1550-1070 a.c.). In: CANDIDO, Maria Regina [org.] Mulheres na Antiguidade: Novas Perspectivas e Abordagens. Rio de Janeiro: UERJ/NEA; Gráfica e Editora-DG ltda, 2012.

DESPLANCQUES, Sophie. Egito Antigo (Tradução de Paulo Neves). Porto alegre: L&PM, 2011.

STROUHAL, Eugen. A vida no Antigo Egito (Tradução de Iara Freiberg, Francisco Manhães, Marcelo Neves). Barcelona: Folio, 2007.

Camisetas do Arqueologia Egípcia

Por Márcia Jamille Costa | @Mjamille

 

Eu já tinha anunciado no Twitter @ArqEgipciaInfo  que o Arqueologia Egípcia traria algumas novidades para 2012, uma delas são as já divulgadas camisas daqui do site.

Todas são temáticas com alguns dos aspectos do site como o blog “AEgícia” ou a logomarca do próprio Arqueologia Egípcia. Por acaso todos os desenhos são meus, o que me permite dizer que foi pensado com muito zelo e obviamente faço questão de explicar de onde veio a inspiração para cada um:

 As camisas e o que significa cada tema:

Arqueologia Egípcia – Logomarca

Logomarca do Arqueologia Egípcia: Além da preta é possível encontrá-la em outras cores e está disponível tanto para homens como mulheres. O desenho mostra a ave Benu (símbolo do renascimento) em meio a duas formas onduladas que representam o mar primordial (local que os egípcios da antiguidade acreditavam ter surgido a vida). Toda a imagem da logo foi feita para que lembrasse um “Serekh”, símbolo que guardava o nome dos primeiros faraós. Clique aqui para ver o modelo tradicional (Feminino e masculino) e aqui para ver o Babylook.  Atrás tem o endereço do Arqueologia Egípcia.

AEgípcia

Imagem com o nome “AEgípcia” e perfil de deusa: É possível encontrá-la em outras cores e está disponível tanto para homens como mulheres. O desenho é uma logo especial contendo a imagem da personificação da deusa Amonet (contraparte feminina de Amon, um dos deuses padroeiros de Tebas) que estampa o topo do site Arqueologia Egípcia. Na minha opinião é uma deusa no mínimo bem interessante, tanto que dentre várias opções escolhi ela para identificar o site. Clique aqui para ver o modelo tradicional (Feminino e masculino) e aqui para ver o Babylook.  Atrás tem a logo do Arqueologia Egípcia.

Nefertiti

Rainha Nefertiti: Disponível somente em cor branca esta camiseta foi feita exclusivamente para as crianças. A imagem reproduz o famoso busto da rainha Nefertiti, esposa do faraó Akhenaton (acredita-se que era a madrasta de Tutankhamon) e foi retratada em varias cenas de família cuidando de suas filhas. Clique aqui e observe o modelo. Atrás tem a logo do Arqueologia Egípcia.

Bastet

Deusa Bastet: É possível encontrá-la em outras cores, porém só está disponível como Babylook. Este desenho mostra a deusa Bastet cuja figura desempenhava um papel importante para os egípcios da era faraônica, pois, além de representar a doçura ela também poderia combater o mal. Esta imagem na camisa foi utilizada em um papel de parede fornecido pelo Arqueologia Egípcia em 2011. Clique aqui para ver o modelo. Atrás tem a logo do Arqueologia Egípcia.

Especial

Uma especial: Somente na cor branca e disponível somente como Babylook, esta foi feita em homenagem ao twitter e a hashtag “EgyptianArchaeology” que normalmente utilizo no microblog quando quero falar especificamente do site. A princípio ela não estaria disponível, mas voltei atrás na decisão e a deixarei de modo temporário. Clique aqui para vê-la. Atrás tem a logo do Arqueologia Egípcia.

Elas são o fruto de uma parceria com a VitrinePix, a única loja que se enquadrou com as necessidades do Arqueologia Egípcia. Desta forma toda e qualquer dúvida quanto a forma de pagamento, qualidade/cor do produto e prazo de entrega deve ser reportada ao Vitine. Fique sempre de olho porque o site da empresa normalmente lança promoções.

E eu não poderia deixar de postar uma já pronta:

Foto: Márcia Jamille Costa

 

Como comprar:

– Primeiramente é necessário estar cadastrado na VitrinePix. Com este cadastro você poderá acompanhar o passo a passo da sua compra até o momento em que é expedida;

Ao efetuar sua compra você receberá um e-mail com o número do seu pedido e um link que te levará para uma página com as informações necessárias para que você possa acompanhar seu pedido.

– Ao escolher a camiseta selecione a cor do tecido na paleta de cores, o tamanho e a quantidade. Para saber o tamanho ideal consulte a tabelinha de medidas. Note que a largura não é a circunferência da sua barriga, mas a largura mesmo da camiseta (Para quem não entendeu: se estender alguma camiseta em superfície plana verá a largura dela).

Procure as opções de cores, tamanho e quantidade de camisas antes de efetuar a compra.

– Após efetuar o pagamento a loja enviará para o seu e-mail o status do seu pedido.