Conheça a história da maior campanha de salvamento arqueológico do Egito: Templos de Abu Simbel

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Vocês conhecem a história da transferência dos Templos de Abu Simbel? Ela foi a maior campanha de salvamento arqueológico que já ocorreu! E possivelmente em nossas vidas não veremos novamente algo igual.

Foto: youssef_alam

Ao sul do Egito temos a primeira catarata do rio Nilo e é por ali onde se encontra o atual distrito de Assuã, mas no passado aquele território fazia parte do que hoje chamamos de “Núbia”. Ou seja, era o território do povo núbio, que por muito tempo foram vassalos dos egípcios. E o território deles variou ao longo dos anos, mas normalmente encontrava-se entre a 1ª e além da 5ª catarata, locais que hoje são territórios do atual Sudão.

E nas margens do rio Nilo ocorreram grandes mudanças no século passado por conta da construção da primeira Represa de Assuã entre 1898 a 1902 e as posteriores obras de expansão da barragem. Essas ocorreram em duas ocasiões, uma entre os anos de 1907 a 1912 e a outra entre 1929 a 1934. Anos depois, no final da década de 1950 foram feitas no Egito reuniões para a construção da Grande Represa de Assuã. Essa causaria um impacto tremendo na integridade de vários sítios arqueológicos, causando a destruição em massa de vários registros históricos de milênios!

Isso fez com que os governos do Egito e do Sudão se unissem em 1959 para realizar um apelo internacional, através da Unesco, para salvar o patrimônio não só egípcio, mas núbio também. E vários templos foram tirados de seus locais originais e levados para longe de onde a água seria represada e dois destes templos foram os de Ramsés II e da rainha Nefertari, ambos em Abu Simbel.

Foto: dailyinspires.com

Nestas fotos vocês podem ter uma ideia do que aconteceu na época, como os templos foram cortados e remontados em seu novo lar, 60 metros colina acima, onde foram remontados seguindo a mesma orientação utilizada pelos antigos egípcios.

Foto: Georg Gerster
Foto: Centro de Documentação Estudos Sobre o Egito Antigo.
Foto: UNESCO
Foto: Foto: Georg Gerster

A transferência de Abu Simbel teve início em 1964 e ao todo foram cortados entre 1036 a 1050 blocos, cada um pesando entre 7 e 30 toneladas. E os trabalhos só tiveram fim em 1967.

Entenda como tudo ocorreu:

Dicas de leitura:

Who’s Who in Ancient Egypt” de Michael Rice
https://amzn.to/3uTEO4X
The Oxford Handbook of Ancient Nubia” editado por GEOFF EMBERLING e BRUCE BEYER WILLIAMS
https://amzn.to/3oRbOqM
The Rescue of Nubian Monuments and Sites
https://whc.unesco.org/en/activities/173/

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]