Esposa de Tutankhamon talvez foi sepultada em tumba recém-descoberta

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

O arqueólogo e ex-ministro das Antiguidades do Egito, Zahi Hawass, com a sua equipe de pesquisadores, afirma ter evidências de que encontrou uma tumba que possivelmente pertenceu a rainha Ankhesenamon, esposa de Tutankhamon — cuja sepultura foi descoberta praticamente intacta em 1922 — e filha do casal Nefertiti e Akhenaton.

Ankhesenamon e Tutankhamon e Ankhesenamon. Foto: Fonte: STROUHAL, Eugen. A vida no Antigo Egito (Tradução de Iara Freiberg, Francisco Manhães, Marcelo Neves). Barcelona: Folio, 2007.

A tumba, que está localizada no Vale dos Reis, próximo a sepultura do faraó Ay [1] (a qual alguns egiptólogos acreditam que a priori pertenceria a Tutankhamon), ainda não foi escavada, mas existe um projeto para tal.

Ankhesenamon em Luxor. Foto: Lionel Leruste. 2007.

Em 7 de julho a National Geographic italiana publicou um artigo que sugere que uma equipe liderada por Hawass tinha encontrado uma nova tumba no Vale dos Reis e agora o pesquisador confirmou esta descoberta. “Nós estamos crentes que existe uma tumba lá, mas nós não sabemos com certeza a quem pertence”, disse Hawass ao site Live Science. Apesar disso ele afirmou que acredita se tratar da tumba de Ankhesenamon dada a proximidade com a tumba de Ay[1], com quem ela possivelmente foi casada após a morte de Tutankhamon.

“Nós estamos certos de que é uma tumba escondida naquela área porque eu encontrei quatro depósitos de fundações” e complementou explicando que estas fundações seriam “caches ou furos no chão que foram preenchidos com objetos votivos como vasos de cerâmica, restos de comida e outras ferramentas como um sinal de que uma construção de uma tumba foi iniciada”. Um contexto parecido já foi encontrado em outros lugares, como o próprio Hawass explica: “Os antigos egípcios usualmente faziam quatro ou cinco fundações depósitos sempre que iniciavam a construção de um túmulo”[1].

 

Quem foi Ankhesenamon?

Não é tarefa fácil saber o que ocorreu durante os anos finais da vida da rainha Ankhesenamon: sabemos que ela sobreviveu a Tutankhamon e que o sepultou. Com ele teve certamente um bebê que só viveu alguns dias e um possível natimorto (ambas as crianças foram sepultadas com Tutankhamon) (DAVID; DAVID, 1992; BUNSON, 2002; HAWASS et al, 2010). Um anel encontrado na década de 1920 mostra o nome dela ao lado do nome de Ay, sucessor do seu marido, o que propõe uma co-regencia ou que ela casou-se com ele. Contudo, na tumba dele não há indícios dela como sua esposa, mas sim Ty, sua mulher desde a época do reinado de Akhenaton (CARTER; MARCE, 1977; GRIMAL, 2012).

— Saiba mais: Ankhesenamon e Tutankhamon

A busca pela tumba desta rainha já perdura há alguns anos. A priori acreditou-se que ela poderia ter sido sepultada na KV-63, sugestão que foi abandonada após se descobrir que o local era um cache de mumificação [2]. Depois que teria sido na KV-21 (PÉREZ-ACCINO, 2003; PARRA, 2011). Agora temos esta possível KV-65. A resposta? Teremos que esperar mais algum tempo para descobrir.

JAMES, Henry. Tutancâmon (Tradução de Francisco Manhães). Barcelona: Folio, 2005.

Fontes:

[1] King Tut’s Wife May Be Buried in Newly Discovered Tomb. Disponível em < https://www.livescience.com/59840-king-tut-wife-tomb-possibly-found.html >. Acesso em 19 de julho de 2017.

[2] Documentários: King Tut’s Mystery Tomb Opened (Discovery Channel; 2006); Egypt’s Mystery Chamber (Discovery Channel; 2009).

BUNSON, Margaret R. Encyclopedia of Ancient Egypt. New York: Facts on File, 2002.

CARTER, Howard; MACE, Arthur. The Discovery of the Tomb of Tutankhamen. London: Dover Publications, 1977.

DAVID, Rosalie; DAVID, Antony. A Biographical Dictionary of Ancient Egypt. London: Steaby, 1992.

GRIMAL, Nicolas. História do Egito Antigo (Tradução Elza Marques Lisboa de Freitas). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

HAWASS, Zahi;  GAD, Yehia Z;  ISMAIL, Somaia; KHAIRAT, Rabab; FATHALLA, Dina; HASAN, Naglaa; AHMED, Amal; ELLEITHY, Hisham; BALL, Markus; GABALLAH, Fawzi; WASEF, Sally; FATEEN, Mohamed; AMER, Hany; GOSTNER, Paul; SELIM, Ashraf; ZINK, Albert; PUSCH, Carsten M. Ancestry and Pathology in King Tutankhamun’s Family. JAMA. 303(7):638-647, 2010.

PARRRA, José Miguel. El verdadero origen del faraón niño: La familia de Tutankamón. Historia National Geographic. Nº 83.

PÉREZ-ACCINO, José Ramón. “Primeros cuerpos, primeras tumbas. En torno a los orígenes del valle de los Reyes”. In: POLO, Miguel Ángel Molinero. Arte y sociedad del Egipto antiguo. Encontro, 2000.

Dossiê: Bastidores da procura por câmaras escondidas na tumba de Tutankhamon

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Encontrada em 1922 pelo o arqueólogo inglês Howard Carter, a tumba do faraó Tutankhamon guardava em seu interior o maior acervo funerário praticamente intocado advindo de um rei egípcio, o que acabou despertando a curiosidade tanto do público acadêmico, como o comum. Denominada então como KV-62, após quase um século de sua descoberta a sepultura ainda é alvo de pesquisas.

Recentemente o egiptólogo britânico Nicolas Reeves publicou em um artigo sua teoria de que nas paredes norte e oeste da KV-62 (inclusive em uma delas está retratada o “Ritual de Abertura da Boca” entre Ay e Tutankhmon; Imagem 01) existem passagens secretas que levam para duas câmaras ocultas.

Imagem 01: Ritual de abertura da boca entre o falecido faraó Tutankhamon e o seu sucessor, Ay. Foto: Factum Arte.

Entretanto, a pesquisa de Reeves parte para o sensacionalismo justamente quando ele sugere que essas possíveis câmaras escondidas guardam a tumba da rainha Nefertiti, esposa de Akhenaton e mãe de Ankhesenamon, esposa de Tutankhamon: caso existam tais espaços secretos o mapa da tumba muda e de acordo com a dedução do pesquisador ela ficaria mais semelhante com as sepulturas reservadas para rainhas. Ainda seguindo a proposta, o local onde hoje se encontra a câmara funerária em verdade anteriormente teria sido um corredor que foi ampliado para ser adequado para o enterro de um faraó, mas esse governante não seria Tutankhamon, mas Nefertiti, o que covenientemente apoiaria a proposta de Reeves de que parte do equipamento funerário de Tutankhamon pertenceria a essa rainha (— Leia mais sobre Nicolas Reeves e a tumba de Tutankhamon: “O funeral de Tutancâmon (comentários)“) e que ela reinou como faraó por um breve período. Uma proposta ousada e extremamente questionada no meio acadêmico.

O artigo causou frenesi, onde jornais e sites do mundo inteiro começaram a apontar notícias equivocadas de que a tumba da rainha egípcia foi descoberta dentro da KV-62, embora o Reeves aponte no próprio texto que sua pesquisa necessita de mais evidências para confirmar a tese.

Como foi efetuado o trabalho?

As análises do Reeves foram feitas através das fotos de alta resolução registradas pela Factum Arte quando eles estavam construindo a réplica da tumba de Tutankhamon; ao avaliar as imagens, ele observou caraterísticas que poderiam sugerir que a KV62 seria maior do que se acredita.

Sua proposta é apoiada em evidências — ainda circunstanciais — como a linha do teto da câmara funerária, que combina com a seção da parede que parece ser uma porta que foi rebocada, o que indicaria que ali seria um corredor. Também existem contrastes nos materiais que cobrem diferentes pontos da mesma parede onde o muro circundante da possível porta bloqueada tem um reboco mais suave e onde estaria a porta em si existe uma cobertura mais grosseira, parecida com a que cobria a entrada da câmara funerária na época em que Carter abriu a tumba (Imagem 02). Tais espaços também possuem linhas retas abaixo da superfície da pintura e do gesso que sugere contornos de portas.

Imagem 02: Entre as estátuas do faraó Tutankhamon está um tipo de reboco diferente na parede, que bloqueava a câmara funerária e a câmara do tesouro. Foto: Harry Burton.

A existência de câmaras escondidas em tumbas não é irreal, uma vez que possuímos exemplos semelhantes em outros túmulos no Vale dos Reis, tais como a de Amenhotep II (KV-35), Tutmés IV (KV-43), Amenhotep III (WV-22) e Horemheb (KV-57), cujas paredes escondiam saletas bloqueadas e até mesmo múmias da realeza egípcia (Imagem 03). A maior diferença na tumba de Tutankhamon é que uma destas supostas portas estaria bem atrás de uma figura parietal, o que tornaria sua abertura mais problemática.

Imagem 03: Três das múmias encontradas em câmaras escondidas na tumba de Amenhotep II (KV 35).

A busca por evidências palpáveis:

Parte das objeções sobre a possibilidade da KV-62 estar escondendo a tumba de Nefertiti está certamente no fato de que não existe evidência realmente palpável do que pode estar atrás dessas câmaras, se é que elas existem. Em complemento a insistência (para alguns um fascínio) de Reeves pela a busca por Nefertiti tem levado alguns pesquisadores a não se excitarem muito com o rumo que essa tese tem tomado na imprensa mundial. Foi ele quem em anos anteriores afirmou ter encontrado anomalias em outro ponto do Vale dos Reis, vistas através de imagens adquiridas de um radar, e sugeriu que tais anomalias seria a tumba da rainha.

Contudo, após observar que a teoria de câmaras escondidas valia a pena ser testada, o Ministro das Antiguidades do Egito, Mamdouh el-Damaty, convidou Reeves para dar uma olhada no sepulcro pessoalmente antes da mesma ser fechada para reparos em outubro (2015). Assim, nos dias 28 e 29 de setembro foram realizadas analises não invasivas (ou seja, sem perfurações, raspagens, etc) na sepultura e o ministro confirmou que existe uma grande possibilidade de haver câmaras secretas na tumba (uma chance de 70% nas palavras dele), mas que não é possível saber o que de fato existe do outro lado. Inclusive o próprio discorda do Reeves acerca de que lá está a sepultura da rainha Nefertiti.

A teoria do Reeves também sugere que a imagem que retrata Tutankhamon e o vizir Ay (Imagem 01) realizando o “Ritual da Abertura da Boca” na realidade seria Nefertiti e Tutankhamon, respectivamente. Essa suposição está baseada na ideia de que a dobra no canto da boca de Tutankhamon (Imagem 04) é uma característica única de Nefertiti (Imagem 05). Entretanto isso não é verdade, como bem salientou Tom Hardwick, especialista em arte egípcia e curador consultor do Corredor das Antiguidades Egípcias do Houston Museum of Natural Science (HMNS), no blog do próprio museu: essa dobra não está representada somente nesses dois governantes, mas igualmente em outros indivíduos do período (Imagem 06).

Imagem 04: Tutankhamon na KV-62. Foto: Factum Arte.

Imagem 05: Detalhe de rosto de Nefertiti em Talatat. Foto: TIRADRITTI, Francesco. Tesouros do Egito do Museu do Cairo. São Paulo: Manole, 1998.

Imagem 06: Ankhesenamon, filha de Nefertiti e esposa de Tutankhamon.

Tom igualmente realizou considerações acerca da imagem do Ay. Ele explicou que de acordo com o argumento do Reeves o Ay, com o seu queixo e papada (Imagem 07), seria na realidade um rapaz gordinho, ou seja, Tutankhamon. Porém o perfil do Ay está muito mais próximo das imagens do vizir do que do jovem rei. Tom salienta especificamente a semelhança entre o nariz e o “queixo duplo” do perfil na KV-62 com outras imagens remanescentes de Ay.

Imagem 07: Detalhe do rosto do vizir e agora faraó Ay na KV-62. Foto: Factum Arte.

O egiptólogo francês Marc Gabolde deu também suas sugestões. Em uma entrevista ao jornal ABC ele apontou que as tais câmaras podem ser nada mais que restos de um projeto de escavação de novas saletas, mas que foi abandonado e elas fechadas. Ele ainda aponta que caso tais câmaras existam de fato, atrás delas poderia estar não Nefertiti, a qual ele acredita ser a Dama Jovem, uma das múmias encontradas na KV-35 e identificada como mãe de Tutankhamon (e irmã de Akhenaton), mas a sua filha, Meritaton, cuja tumba jamais foi descoberta.

Também temos Zahi Hawass, ex-ministro das antiguidades, que afirmou para o jornal Ahram Online que o “Estudo de Reeves é uma teoria para a fama e publicidade e não é baseada em evidências arqueológicas ou evidências científicas” e complementou sugerindo que as tais linhas vistas nas fotos podem não ser nada mais que somente linhas.

Mas o que deve-se dizer com certeza para o (a) leitor (a) é que ainda não se pode falar em existência de câmaras, já que é necessário fazer uso de um radar para confirmar ou não a existência de tais salas ou saletas secretas.

Fontes:

Two Hidden Chambers in Tutankhamun’s Tomb Revealed by Radar. Disponível em < http://egyptianstreets.com/2015/10/01/two-hidden-chambers-in-tutankhamuns-tomb-revealed-by-radar/>. Acesso em 28 de setembro de 2015.

Radar reveals two new rooms in Tutankhamun tomb. Disponível em <  http://www.bbc.com/news/world-middle-east-34410720 >. Acesso em 28 de setembro de 2015.

Egipto confía en desvelar este año el misterio de la tumba de Tutankamón. Disponível em <  http://www.elmundo.es/ciencia/2015/10/01/560d2548e2704e895c8b4592.html >. Acesso em 28 de setembro de 2015.

“Si hay una cámara secreta en la tumba de Tutankamón es más probable que esté Meritatón que Nefertiti”. Disponível em <  http://www.abc.es/cultura/20150929/abci-camara-secreta-tumba-tutankamon-201509281011.html >. Acesso em 29 de setembro de 2015.

Inspection of King Tut’s Tomb Reveals Hints of Hidden Chambers. Disponível em <  http://news.nationalgeographic.com/2015/09/150928-king-tut-tomb-door-nefertiti-archaeology-egypt/ >. Acesso em 28 de setembro de 2015.

Search for tomb of ancient Egypt’s beauty Nefertiti gains momentum. Disponível em <  http://www.japantimes.co.jp/news/2015/09/30/world/science-health-world/search-tomb-ancient-egypts-beauty-nefertiti-gains-momentum/#.Vg0tZvlViko >. Acesso em 28 de setembro de 2015.

Los secretos que esconde Tutankamón. Disponível em < http://www.elmundo.es/la-aventura-de-la-historia/2015/09/30/560bcf0eca4741597e8b4584.html >. Acesso em 28 de setembro de 2015.

Nefertiti’s tomb hiding behind King Tut’s?. Disponível em < http://www.cbsnews.com/videos/nefertitis-tomb-hiding-behind-king-tuts/?utm_source=dlvr.it&utm_medium=twitter >. Acesso em 28 de setembro de 2015.

INTERVIEW: Nicholas Reeves ‘60% sure’ ahead of Nefertiti announcement. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/NewsContent/9/40/151753/Heritage/Ancient-Egypt/INTERVIEW-Nicholas-Reeves–sure-ahead-of-Nefertiti.aspx >. Acesso em 30 de setembro de 2015.

Ancient Luxor tomb reopens in November. Disponível em <  http://www.egyptindependent.com/news/ancient-luxor-tomb-reopens-november-minister >. Acesso em 29 de setembro de 2015.

3D Scanning the tomb of Tutankhamun. Disponível em < https://www.youtube.com/watch?v=hooUIumZQjk&feature=youtu.be >. Acesso em 28 de setembro de 2015.

The tomb of Nefertiti, concealed within Tut’s?. Disponível em < http://chrisnaunton.com/2015/08/16/the-tomb-of-nefertiti-concealed-within-tuts/ >. Acesso em 28 de setembro de 2015.

Is Nefertiti still buried in Tutankhamun’s tomb? Archaeologists examine a new theory. Disponível em < http://blog.hmns.org/2015/10/is-nefertiti-still-buried-in-tutankhamuns-tomb-archaeologists-examine-a-new-theory/ >. Acesso em 05 de outubro de 2015.

Archaeologist says Nefertiti’s resting place could be found; Hawass calls study ‘speculative’. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/News/137646.aspx >. Acesso em 28 de setembro de 2015.

(Palestra online) Conhecendo o Período Amarniano

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Finalmente um velho desejo meu será realizado! O Arqueologia Egípcia passará a veicular palestras em um ambiente cibernético fechado. Isso é uma coisa que eu queria realizar faz muitos anos, que é criar um ambiente mais intimista voltado para a discussão de temas específicos. Então, é com muita felicidade que anuncio que no dia 29/08/2015 liberarei aqui mesmo no Arqueologia egípcia uma palestra online denominada Conhecendo o Período Amarniano, onde abordarei os aspectos gerais desta época e algumas das últimas descobertas arqueológicas relacionadas com a família real amarniana.

Estela amarniana. Foto: Kenneth Garrett. Abril de 2001.

O tema foi escolhido de propósito; adoro o Período Amarniano e embora eu o tenha deixado de lado durante a maior parte do meu tempo na Universidade é um assunto que espero me dedicar mais, inclusive neste momento estou escrevendo um artigo acerca para submeter para alguma revista científica.

Para quem ainda não conhece esse intervalo temporal na história do Egito antigo ele é icônico por conta da experimentação religiosa do faraó Akhenaton, que tentou estabelecer o culto ao deus solar Aton e colocar de lado os demais deuses. Também temos a sua arte única e de traços poderosos que possui um misto de realismo e excentricidade. Ambos estes aspectos naturalmente abordarei na palestra.

O link para o acesso será anexado neste post (e enviado via-e-mail para os participantes unido com a senha) no dia 28/08 e ficará disponível somente do dia 29 de agosto até o dia 05 de setembro.

Conhecimento anterior de Arqueologia não é necessário.

Abaixo mais detalhes:

Valor: R$ 24,00
Inscrições*: Serão feitas exclusivamente pela internet, através de cartão de crédito** ou depósito bancário (solicitar o dados por e-mail: sitearqueologiaegipcia@gmail.com) até o dia 27/08. Caso queira realizar sua inscrição agora é só usar o botão abaixo:




ATENÇÃO: Aquele que requerer cancelamento da inscrição antes ou no dia em que será veiculada a palestra receberá a devolução de 50% do valor pago. Aos pagantes com cartão de crédito passarão pelas regras do PayPal.

 


Informações importantes: 

* As inscrições levam de um a dois dias úteis para serem confirmadas;

** As inscrições feitas em cartão de crédito que não identificarem seu endereço de e-mail devem entrar em contato conosco através do sitearqueologiaegipcia@gmail.com para que possa receber sua senha no dia 28/08.

A palestra não será ao vivo. Esta decisão foi tomada para que todos possam ter uma ótima experiência visual e para evitar imprevistos de última hora.

Não emitirei certificado, mas darei uma declaração de participação para os ouvintes que no intervalo do dia 29 de agosto até o dia 05 de setembro enviarem para mim um resumo escrito de no mínimo uma lauda do que viram na palestra.

Tutankhamon será o personagem principal em uma série de TV

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

A Muse Entertainment está gravando para a Spike TV a série “TUT”, cujo enredo é inspirado na história do faraó Tutankhamon. A ideia do canal é investir em roteiros originais, que possam atrair a atenção de um público mais amplo que o seu convencional.

Tut. Foto: Muse Entertainment.

Entretanto, pelo pouco que foi lançado, a história de “TUT” está mais para um reboot da vida de Tutankhamon do que para um roteiro feito em cima de pesquisas arqueológicas, por exemplo, de acordo com o que já foi anunciado sobre a série o personagem do faraó Akhenaton é assassinado, o que muito provavelmente jamais aconteceu e personagens foram criados para compor o círculo de amizades do faraó. Esta é a ideia da trama [1]:

Após o seu pai ser assassinado, Tutankhamon é coroado rei, mas para manter o poder é obrigado a casar com sua irmã Ankhesenamon. Por ser jovem, ele não pode governar sozinho, então precisa ser agenciado por três poderosos homens que na realidade planejam tomar o seu trono.
Contra todas as expectativas, Tutankhamon passa de um príncipe inseguro e manipulado para um herói em um campo de batalha, cujo sonho é alcançar a glória do seu reino. No entanto, quando o monarca começa a tomar as rédeas de seu reinado e do seu próprio destino e vítima de uma traição.

Quem é quem na série?

O ator escolhido para interpretar o monarca é o canadense Avan Jogia e Sibylla Deen será Ankhe, irmã e esposa de Tutankhamon (aparentemente irão usar o nome de Ankhesenamon encurtado), cuja personagem foi divulgada como sendo “calculista”.

Avan Jogia como Tutankhamon. Foto via.

Sibylla Deen como Ankhe. Foto via.

O restante do cast:

Ben Kingsley: Ay

Ben Kingsley como Ay. Foto via.

Ben Kingsley interpretará o vizir Ay, cuja uma das funções era supervisionar diretamente o faraó Tutankhamon.

Nonso Anozie: Horemheb

Nonso Anozie como Horemheb. Foto via.

Nonso Anozie ficou responsável pela interpretação de Horenheb, que durante o governo de Tutankhamon foi general.

Alexander Siddig: um sacerdote de Amon

Alexander Siddig como sacerdote de Amon. Foto via.

Ainda não foi revelado qual será o nome do personagem interpretado por Alexander Siddig, somente a sua função como sacerdote do templo de Amon.

Kylie Bunbury: Suhad

Kylie Bunbury como Suhad. Foto via.

A personagem de Kylie Bunbury, a Suhad, será uma amiga muito próxima de Tutankhamon, contudo, ela jamais existiu historicamente.

Peter Gadiot: Ka

Peter Gadiot como Ka. Foto via.

O personagem de Peter Gadiot, Ka, também foi inventado para a série. Ele será um amigo de infância do rei.

Iddo Goldberg: Lagus

Este também é outro personagem que jamais existiu historicamente. Ele será o fiel soltado de Tutankhamon.

Então, até o momento somente quatro personagens históricos já tem um rosto na série:

TUT está sendo gravado no Marrocos e no Canadá. A série possuirá 6 episódios e estreará em 2015.

Fonte:

[1] Mediaset emitirá King Tut, la serie de Tutankamón. Disponível em < http://www.europapress.es/tv/noticia-mediaset-emitira-king-tut-serie-tutankamon-20140921123012.html >. Acesso em 15 de outubro de 2014.

Mediaset emitirá King Tut, la serie de Tutankamón. Disponível em < http://www.hollywoodreporter.com/live-feed/king-tut-miniseries-gets-green-701196 >. Acesso em 15 de outubro de 2014.

De acordo com reanálise de DNA a Rainha Tiye e o Faraó Amenhotep III eram primos

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

As investigações que se seguiram após as análises de DNA das múmias reais, publicadas em Fevereiro de 2010, proporcionaram materiais para uma nova árvore genealógica da Família Real do final da XVIII Dinastia.

Após debates acerca da confiabilidade das sugestões laçadas naquela época, um exame minucioso destes resultados levou este ano à conclusão de que alguns elos genéticos não foram notados pela a equipe responsável pelo exame em 2010.

Estátuas de Amenhotep III e Tiye. Salão principal do Museu Egípcio do Cairo. Retirado de: Chapter 20: Amenhotep the Magnificent. Disponível em: . Acesso em 12 de Janeiro de 2011.

Estátuas de Amenhotep III e Tiye. Salão principal do Museu Egípcio do Cairo. Retirado de: Chapter 20: Amenhotep the Magnificent. Disponível em: < http://www.answersingenesis.org/articles/utp/amenhotep-the-magnificent>. Acesso em 12 de Janeiro de 2011.

De acordo com a revisão do estudo, o fato mais significativo é que foi descoberto que Yuya, pai da Grande Esposa Real Tiye, compartilhou com seu genro, Amenhotep III, cerca de 1/3 de herança genética. Como consequência está sendo proposto que Yuya é um tio de Amenhotep III por parte de mãe, o que aponta que em verdade a rainha Tiye era prima de Amenhotep III e não uma plebeia, como muito se afirmou.

Faraó Amenhotep III. Imagem disponível em . Acesso em 12 de outubro de 2013.

Faraó Amenhotep III. Imagem disponível em < http://www.cis.nctu.edu.tw/~ whtsai/Egypt%20Trip/Summary %20of%20Trip/Part%20I%20—%20 Days%2001~04/Part%20I%20—%20By% 20Browsing/page_05.htm >. Acesso em 12 de outubro de 2013.

Rainha Tiye. Imagem disponível em . Acesso em 12 de outubro de 2013.

Rainha Tiye. Imagem disponível em < http://www.pinterest.com/pin/2476 2767948 4031042/ >. Acesso em 12 de outubro de 2013.

Outra sugestão da pesquisa é que a “Jovem Mulher”, encontrada com a múmia da rainha Tiye e já identificada como mãe do faraó Tutankhamon, trata-se de Nefertiti, já que possui um grau de parentesco próximo tanto com Yuya e sua esposa Tuya, como também com Tiye e Amenhotep III. Mas esta última teoria está mais baseada na possibilidade de que Nefertiti poderia ser filha de Ay, que por sua vez poderia ser filho de Yuya e Tuya.

A última conclusão da análise é que uma das mulheres encontradas na KV-21 se trataria de Mutemuiya, mãe de Amenhotep III.

Referência:

Marc Gabolde, « L’ADN de la famille royale amarnienne et les sources égyptiennes », ENiM 6, 2013, p. 177-203. Disponível em < http://www.osirisnet.net/news/n_09_13.htm  >. Acesso em 10 de Outubro de 2013.

【Imag. 】 Horemheb, aquele que se fez rei

 

 

General Horemheb. Fotografia: Stan Honda / AFP (15/11/2010). Retirado de UOL imagens da semana. Disponível em < http://entretenimento.uol.com.br/album/ap_apm_15112010_album.jhtm > Acesso em 26 de Janeiro de 2011.

Fotografia tirada durante a exposição “Haremhab, The General Who Became King” (Horemheb, o general que se tornou rei) que define bem quem foi este homem: a princípio era um serviçal da corte de Akhenaton, Tutankhamon e posteriormente Ay. Após a morte deste último acendeu ao trono e concentrou esforços para apagar estes seus três antecessores da história egípcia. Esta imagem hoje está no Museu Metropolitan, Nova York.

(Vídeo) Ay e as pinturas de Tutankhamon

Este vídeo faz parte do último trecho do documentário “O funeral de Tutankhamon” (atualmente em exibição na National Geographic Brasil) e conta qual seria o esquema de Ay, sucessor do faraó-menino, para se representar aos convidados do sepultamento do rei e para os deuses como o herdeiro do falecido.

Quem foi Ay?

Foi um dos membros mais populares do séquito que Amenhotep IV (Akhenaton) e Tutankhamon. Após anos servindo aos seus predecessores subiu ao trono depois de uma união com Ankhesenamon, a esposa de Tutankhamon.