Zahi Hawass é demitido

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

Ao voltar de sua excursão no exterior (para divulgar o não roubo de peças arqueológicas), o Dr. Zahi Hawass foi recebido por estudantes de Arqueologia que exigiam a sua saída com insultos e difamações, e desta vez foram atendido: dentre o dia 15 e 16 deste mês (Julho) Hawass foi demitido do seu cargo de Ministro das Antiguidades do Estado.

Dr. Zahi Hawass. Foto disponivel em < http://bikyamasr.com/wordpress/?p=27371 > Acesso em 17 de Julho de 2011.

Este mês a National Geographic Society já tinha “dispensado” Hawass do seu título de “explorador-residente” (cargo especial recebido por fotógrafos ou cientistas para fazer “explorações” em nome da National Geographic, que as divulga para o mundo) assim como também foi inocentado do da acusação que vinha recebendo de corrupção em um caso de um Edital mal resolvido no Supremo Conselho de Antiguidades.

Um dos nomes favoritos para substituí-lo é o de Dr. Alaa Shahin (embora exista mais um nome ainda não revelado que se espera que assuma o Ministério).

Hawass ainda não comentou sua situação em seu site oficial e nem em seu Twitter. Neste link pode ser conferida a lista de demissões e contratações (Hawass é o primeiro a ser citado). E clique aqui para ver o primeiro site a veicular a notícia.

Veja também: Querem Hawass fora do ministério

Para notícias atualizadas e comentadas sobre o assunto siga o meu Twitter.

Atualização – 14h40 (17/07/2011):

Hawass acabou de confirmar no  Youm7 que de fato, por decisão do Ministério Publico, ele não é mais Ministro.

Ele também disse ao jornal que um grupo de Arqueólogos tentou atacá-lo enquanto ele saia do prédio.

O Youm7 também acabou de anunciar que Abdel Fattah al-Banna, professor da Universidade do Cairo, será o novo Ministro.

Atualização – 23h43 (18/07/2011):

 As principais acusações que Zahi Hawass está sofrendo: a de má administração de artefatos, “negócios questionáveis” em relação às antiguidades e, de acordo com o Kvia, dar alguns dos “tesouros nacionais” de presente para Mubarak.

Atualização – 07h50 (19/07/2011):

Zahi Hawass é demitido do Ministério de Antiguidades egípcio

Arqueólogo, famoso em todo mundo, foi retirado do cargo após meses de pressão dos opositores do regime de Housni Mubarak

iG São Paulo 18/07/2011 20:08

     

 

 

Hawass e a “Jovem Dama”. Disponível em < http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/zahi+hawass+e+demitido+do+ministerio+de+antiguidades+egipcio/n1597088537943.html >. Acesso em 19 de Julho de 2011.

 

O ministro de Antiguidades do Egito, Zahi Hawss, 64 anos, uma das personalidades egípcias mais conhecidas do mundo, foi demitido de seu cargo no domingo (17) após meses de pressão de críticos que atacavam sua credibilidade e o acusavam de ser próximo demais do regime de Housni Mubarak.

Conhecido nos círculos arqueológicos por gostar mais de publicidade do que de ciência, Hawass perdeu seu cargo junto com outros doze ministros, numa manobra de apaziguamento de manifestantes que pedem o expurgo dos resquícios do governo de Mubarak.

“Ele era o Mubarak das antiguidades”, afirmou a ativista e arqueóloga Nora Shalaby. “Agia como se fosse dono das arqueologia do país, e não como se ela pertencesse ao povo egípcio”.

Apesar das críticas, Hawass era creditado por aumentar o interesse na arqueologia e turismo egípcios, um dos pilares da economia do país. Mas especialistas afirmavam que não havia pesquisa séria por trás de seu trabalho.

Segundo Nora, Hawass não aceitava críticas a seu trabalho. Ela disse que suas descobertas eram mais para sua auto-promoção, “reciclando” algumas descobertas antigas atrás de notoriedade para si mesmo.

Ele se autoproclamava “guardião” da herança cultural egípcia. Em 2009, em uma entrevista a uma revista do país, afirmou que George Lucas, criador da série de cinema “Indiana Jones” teria ido visitá-lo no Egito “para conhecer o verdadeiro Indiana Jones”.

Hawass começou como inspetor de antiguidades em 1969, e sua carreira evoluiu até ser um dos nomes mais conhecidos no ramo da egiptologia. Tornou-se o diretor geral de antiguidades da região de Gizé no fim dos anos 1980, antes de ser alçado ao cargo de maior arqueólogo do Egito em 2002. Um dos últimos atos de Mubarak foi elevar sua posição à de um ministro de gabinete. Após a queda do presidente, Hawass ofereceu sua demissão mas foi recolocado ao cargo, até ser finalmente demitido ontem.

Hawass foi associado à maioria das escavações arqueológicas no Egito, com descobertas grandiosas como a escavação do Vale das Múmias do Oásis Bahariya em 1999 e o descobrimento da múmia da rainha Hatshepsut, cerca de dez anos mais tarde.

Ele era figura freqüente em programas científicos na TV. O Discovery Channel o acompanhou durante o achado de Hatshepsut, e chegou a ter um reality show em outro canal de TV a cabo. Uma de suas maiores campanhas era o repatriamento de artefatos egípcios levados a outros países durante a época colonial, recuperando cerca de 5000 peças. Um dos casos mais recentes foi a campanha pela recuperação de um busto da rainha Nefertiti de 3300 anos, exibido há décadas em um museu de Berlim.

Hawass também tinha uma linha de roupas, inclusive de seu chapéu (sua marca registrada), cujas fotos promocionais foram tiradas no Museu Egípcio, o que atraiu a ira de muitos arqueólogos. “Ele foi uma personalidade criada pela mídia,” afirmou Abdel-Halim Andel-Nour, presidente da Associação de Arqueólogos Egípcios.

Hawass foi subistituído por Abdel-Fattah el-Banna, um professor de restauração conhecido da mídia egípcia por sua participação nos protestos na praça Tahrir.

(Com informações da AP)

Reportagem disponível em < http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/zahi+hawass+e+demitido+do+ministerio+de

+antiguidades+egipcio/n1597088537943.html > Acesso em 19 de Julho de 2011.

 

 

Atualização – 09h17 (19/07/2011):

Citei mais acima que o Hawass foi atacado quando saia do Ministério. Existe um vídeo do momento do ocorrido (Hawass está sentado no passageiro ao lado do motorista):

 

 

Devido a nomeação do novo ministro, alguns arqueólogos entraram em greve, pois duvidam da credibilidade de Abdel Fattah al-Banna.

Atualização – 15h36 (20/07/2011):

 

A nomeação de El-Banna para substituir Hawass foi retirada. Ela foi rejeitada pela secretaria do Supremo Conselho  de Antiguidades do Egito, uma vez que El-Banna é restaurador, e não arqueólogo. Sete novos nomes foram indicados, mas seis podem ser conferidos aqui: Abdel Halim Noureddin, Raafat al-Nabrawi, Wagdi Abbas, Hasan al-Saadi, Mohammed Hamza e Adel al-Toukhi.

Atualização – 16h27 (22/07/2011):

Saiu a nova lista de ministros egípcios e o Ministério de Antiguidades não consta. Uma nota de impressa fala que todos os relatórios de escavação serão enviados ao Ministério Público Egípcio. O Almasryalyoum comentou sobre o assunto.

Alaaeldin Shaheen substituiu Hawass

Por Márcia Jamille N. Costa | @MJamille

 

Antes só eram conversas vagas saídas do Supremo Conselho de Antiguidades, principalmente depois de uma reunião do Prof. Dr. Alaaeldin M. Shaheen como o Primeiro Ministro no dia 12 de Março. Mas já está confirmado, Shaheen é o novo nome que irá substituir o do Dr. Zahi Hawass.

Não saiu nenhuma nota para a impressa ainda, mas alguns egiptólogos no Egito mencionaram que é certeza de que o cargo já foi preenchido por Shaheen.

 

UPDATE – 14 de Março de 2011 – 08h50

Fui procurar saber se o SCA realmente oficializou o cargo de Shaheen: o SCA não confirmou nada ainda e nem mencionou que Shaheen foi o escolhido embora a comunidade de egiptologia esteja acreditando que será ele. Outro nome que foi dado é o de Mohamed Abdel Maksoud.

Devo lembrá-los que o Ministério de Assuntos de Antiguidades não existe mais, ou seja, o SCA voltou a existir e continua agregado ao Ministério da Cultura que agora está sob a liderança de Emad Abou-Ghazi (um historiador).

 

Estejam atentos a esta página porque eu posso fazer um UPDATE a qualquer momento.      

 

 

Alaaeldin Shaheen. Retirado de Prof. Dr. Alaa El-Din Abd el-mohsen Shaheen. Disponível em http://www.alaashaheen.com/ Acesso em 14 de março de 2011.