Múmia praticamente intacta é descoberta em tumba de 3.500 anos no Egito

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

No início deste mês foi anunciada a abertura de mais alguns túmulos em Dra 'Abu el-Naga, Luxor (Egito). Os sepulcros, datados da 18ª Dinastia (Novo Império), pertencem a funcionários que atuavam na cidade de Tebas, na época capital do Egito.

Essas tumbas já tinham sido identificadas e numeradas pelo egiptólogo alemão Friederike Kampp-Seyfried na década de 1990. Um dos túmulos, denominado pelo pesquisador como “Kampp 161”, até então não tinha sido aberto por arqueólogos, enquanto o túmulo “Kampp 150” só teve a sua entrada escavada. Contudo, agora eles estão recebendo a devida atenção por parte de uma equipe de arqueólogos egípcios.

Foto: Nariman El-Mofty, Ap for National Geographic (2017)

Os nomes dos seus antigos donos ainda são desconhecidos. Entretanto, acredita-se que a Kampp 150 seja datada do reinado de Tutmés I e muitos selos funerários com os nomes de um homem chamado Maati e sua esposa Mohi foram encontrados na área do pátio. Isso pode sugerir a identificação do ocupante do túmulo. Os arqueólogos também encontraram estátuas de madeira colorida, máscaras funerárias e uma múmia ainda enrolada por suas bandagens, porém, sem a sua cabeça.

Foto: EPA

Foto: Stringer / AFP

A parede ocidental do túmulo apresenta uma imagem retratando um evento social, possivelmente um banquete, com um homem apresentando oferendas ao ocupante do túmulo e sua esposa. Máscaras funerárias de madeira, restos de móveis e um caixão decorado também foram descobertos no túmulo.

Foto: Nariman El-Mofty, Ap for National Geographic (2017)

Já a Kampp 161 acredita-se que seja datada do reinado de Amenhotep II ou Tutmés IV. Isso com base em comparações estilísticas e arquitetônicas com outras tumbas da região.

Fotos: Nariman El-Mofty, Ap for National Geographic (2017)

Ainda existem tumbas esperando ser pesquisas em Luxor, apesar de já conhecidas pelo Ministério de Antiguidades do Egito.

Foto: Stringer / AFP

Fontes:

El-Mofty, Nariman. 3,500-Year-Old Tombs Uncovered in Egypt. One Has a Mummy. In: National Geographic. Disponível em < https://news.nationalgeographic.com/2017/12/egypt-tomb-mummy-naga-archaeology-ancient/ >. Publicado em: 09 de Novembro de 2017. Acesso em 09 de novembro de 2017.

EFE. Encontrados nuevos tesoros egipcios en dos tumbas del Imperio Nuevo. In: La Vanguardia. Disponível em < http://www.lavanguardia.com/cultura/20171209/433525385521/una-momia-mascaras-o-frescos-entre-los-tesoros-de-2-tumbas-del-imperio-nuevo.html >. Publicado em: 09 de Novembro de 2017. Acesso em 09 de novembro de 2017.

Egypt uncovers ancient tombs at Luxor. In: BBC. Disponível em < http://www.bbc.com/news/world-middle-east-42295162 >. Publicado em: 09 de Novembro de 2017. Acesso em 09 de novembro de 2017.

Múmia intacta datada do Período Greco-Romano é encontrada em Fayum (Egito)

Por Márcia Jamille | Instagram @MJamille

Uma missão de arqueologia egípcio-russa, em Fayum, no Sítio Arqueológico de Deir al-Banat (Mosteiro de Al-Banat), descobriu um caixão de madeira com uma múmia datada do Período Greco-romano.

A múmia está em boas condições de preservação e ainda enrolada em linho. Ela também contém a sua máscara mortuária que é feita de cartonagem, pintada em azul e ouro. Na área do seu tórax está uma cena da deusa Ísis.

Apesar da conservação da múmia, o ataúde está em mau estado: além de não possuir inscrições, ele possui rachaduras que se espalham por todo o artefato.

A missão realizou uma conservação preliminar tanto no ataúde como na múmia, para que ela fosse transportada com mais segurança para um outro local, onde será submetida a mais trabalhos de conservação e documentação.

Sítio Arqueológico de Deir al-Banat (Mosteiro de Al-Banat)

A missão russa está trabalhando nesta área há cerca de 7 anos afiliada ao Russian Institute for Oriental Studies e está sob a liderança da Dra. Galina Belova.

Notícia e fotos via comunicado de imprensa do MSA.

Cabeça de madeira com mais de 4.000 anos é encontrada em Saqqara

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Uma cabeça de madeira que provavelmente representa a rainha Ankhnespepy II da 6ª Dinastia foi encontrada em Saqqara, próximo a sua pirâmide. A descoberta foi feita por uma missão de arqueologia encabeçada por um time franco-suíço da Universidade de Genebra.

Foto: MSA

Foi esta mesma equipe que encontrou um grande fragmento de obelisco que provavelmente pertenceu ao templo funerário desta mesma rainha. Esta notícia foi anunciada aqui no Arqueologia Egípcia.

— Saiba mais: Arqueólogos no Egito descobrem o maior fragmento de obelisco datado do Antigo Reino

O Dr. Philip Collombert, coordenador da equipe, falou que a cabeça foi descoberta em uma camada que tinha sido perturbada, a leste a pirâmide da rainha, em uma área onde um piramidion foi encontrado esta semana. Ele ainda salientou que este artefato precisará passar por um trabalho de restauro.

Foto: MSA

O Dr Mostafa Waziry, secretário geral do supremo conselho de antiguidades, explicou que a cabeça tem uma proporção parecida com a humana, porém com um pescoço com quase 30 cm e está enfeitada com brincos de madeira. E ainda fez uma revelação sobre este sítio: “Esta é uma área promissora que pode revelar mais dos seus segredos em breve”.

Fonte:

4000 years old wooden head discovered in Sakkara. Disponível em < http://luxortimesmagazine.blogspot.com.br/2017/10/4000-years-old-wooden-head-discovered_18.html >. Acesso em 18 de outubro de 2017.

Arqueólogos descobrem localização de templo de Ramsés II em Abusir

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

A missão arqueológica egípcio-checa descobriu restos do templo do faraó Ramsés II (Novo Império; 19ª Dinastia) durante os trabalhos de escavações realizados em Abusir. A descoberta foi anunciada pelo Dr. Mostafa Waziry, Secretário Geral do Conselho Supremo de Antiguidades.

Foto: MSA

Dr. Waziry explicou que a missão já tinha encontrado em 2012 evidências arqueológicas de que existia um templo nesta área, fato que encorajou os pesquisadores a escavar nesta região ao longo dos últimos quatro anos.

Foto: MSA

O Dr. Mohammed Megahed, diretor-adjunto da missão, disse que o templo tem 32×51 metros de largura e consiste em fundações de tijolos de barro que compõem uma de suas torres e um grande pátio que leva ao pilar cujas algumas partes de seus corredores são pintadas em azul. E na extremidade traseira do pátio, foi encontrada uma escada ou uma rampa para um santuário em que o espaço final é dividido em três câmaras paralelas. Os restos deste edifício foram cobertos por enormes depósitos de areia e cascalhos de pedras que podem conter fragmentos de relevos policromados.

Foto: MSA

O Dr. Miroslav Barta, o chefe da missão checa, explicou que os diferentes títulos do rei Ramsés II foram encontrados gravados em fragmentos de relevos que estão ligados ao culto a deidades solares, a exemplo de Rá. Vale salientar que a adoração do deus do sol “Ra” na região de Abusir começou durante a 5ª dinastia e continuou até o Novo Império. Barta ainda complementa que este templo é a única evidência de Ramsés II na necrópole de Memphis, o que o caracteriza como uma descoberta importante.

 

Fonte:

Czech archaeologists discover Ramses II temple remains south of Cairo. Disponível em < http://luxortimesmagazine.blogspot.com.br/2017/10/czech-archaeologists-discover-ramses-ii.html >. Acesso em 15 de outubro de 2017.

 

Arqueólogos no Egito descobrem o maior fragmento de obelisco datado do Antigo Reino

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Uma missão arqueológica — encabeçada por franceses e suíços — que atua em Saqqara encontrou a parte superior de um obelisco datado do Antigo Reino, pertencente à rainha Ankhnespepy II, mãe do rei Pepi II (6ª Dinastia). As escavações são coordenadas por Philippe Collombert da Universidade de Genebra.

O objeto possui inscrições que parecem ser o início dos títulos e o nome da rainha. “Ela provavelmente é a primeira rainha a ter Textos das Pirâmides registrados em sua pirâmide”, explicou Mostafa Waziri, secretário-geral do Conselho Supremo das Antiguidades, ao Ahram Online. Ainda de acordo com ele antes esses textos eram esculpidos somente nas pirâmides dos reis. Após Ankhnespepy II algumas esposas de Pepi II fizeram o mesmo.

Parte do obelisco da rainha Ankhnespepy II. Foto: Divulgação.

De acordo com Collombert, que também falou ao Ahram Online, a parte do obelisco que foi desenterrada é esculpida em granito vermelho e tem 2,5 metros de altura. Jamais foi encontrado um fragmento desse tipo de artefato desta magnitude proveniente dessa época, embora o Antigo Reino seja a “era de ouro” da construção das grandes pirâmides. “Podemos estimar que o tamanho total do obelisco foi de cerca de cinco metros quando estava intacto”, explicou. Ele ainda aponta que no topo do obelisco existe uma pequena deflexão que indica que a ponta foi coberta com lajes de metal, provavelmente de cobre ou de folha dourada, para que o obelisco brilhasse no sol.

Foto: Divulgação.

O artefato foi encontrado no lado leste da pirâmide da rainha, onde está localizado também o seu complexo funerário, o que sugere que o seu local original era a entrada do seu templo funerário. “As rainhas da 6ª dinastia geralmente tinham dois pequenos obeliscos na entrada do seu templo funerário, mas este obelisco foi encontrado um pouco longe da entrada do complexo de Ankhnespepy II”, apontou Waziri. Ele acredita que isto sugere que o obelisco pode ter sido arrastado por cortadores de pedra de um período posterior, uma vez que a maior parte da necrópole de Saqqara foi usada como uma pedreira durante o Novo Império e Período Final.

Quem foi Ankhnespepy II:

Ankhnespepy II foi uma das rainhas mais importantes da sua dinastia. Ela foi casada com Pepi I e quando ele morreu casou-se com Merenre, o filho que o seu falecido esposo tinha tido com sua irmã Ankhnespepy I.

Com Merenre ela teve Pepi II, que possuía seis anos quando o seu pai faleceu, o que levou Ankhnespepy II a se tornar co-regente e, por pouco, quase faraó. “Provavelmente é por isso que sua pirâmide é a maior da necrópole depois da pirâmide do próprio rei”, disse Collombert.

Tenha em casa: A Edições Del Prado, uma editora especializada em vendas de fascículos com imagens colecionáveis, possui uma coleção intitulada “Cenas do Egito Antigo”. Uma delas é a construção de uma grande estátua.

Clique aqui para conferir a peça ou aqui para ver as demais cenas.

Fonte:

Archaeologists unearth largest-ever discovered obelisk fragment from Egypt’s Old Kingdom. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/News/278261.aspx >. Acesso em 05 de outubro de 2017.

Tumba recém descoberta no Egito revela múmias e máscaras mortuárias

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Hoje mais cedo, autoridades do Ministério de Antiguidades do Egito revelaram para imprensa detalhes de uma tumba recém-descoberta em Draa Abu-el Naga (Luxor). A sepultura pertenceu a um casal: O homem chamava-se Amenemhat, um ourives do deus Amon e a mulher era chamada de Amenhotep. Eles viveram durante a 18ª Dinastia, mas o túmulo foi utilizado em outros períodos, tais como a 21ª e a 22ª Dinastia.

No local foram achados sarcófagos, estatuetas, potes cerâmicos e outros artefatos. Restos mumificados também estão presentes e dentre eles estão as múmias de uma mulher e seus dois filhos adultos. Máscaras mortuárias pertencentes a quatro oficiais igualmente foram encontradas.

A entrada da tumba foi descoberta no pátio de outra sepultura e ela leva para uma câmara quadrada. Lá dentro existe uma representação do casal no interior de um nicho. Estas estátuas são feitas de arenito e estão parcialmente danificadas. Entre as suas pernas está a representação do filho do casal, que de acordo com os arqueólogos que fizeram a descoberta seria algo inusitado, uma vez que o comum eram as filhas ou as noras ser apresentadas dessa forma e não os rapazes.

Apesar dos saques e dos sepultamentos mais tardios, entre os artefatos foram descobertos objetos do casal.

Fontes: 

Newly unearthed ancient tomb with mummies unveiled in Egypt. Disponível em < http://edition.cnn.com/2017/09/09/africa/egypt-luxor-ancient-tomb/index.html?utm_content=bufferd2214&utm_medium=social&utm_source=twitter.com&utm_campaign=buffer >. Acesso em 09 de setembro de 2017.

Tomb of Pharoah’s goldsmith who died 3,500 years ago is discovered in Luxor in ancient civil service cemetery. Disponível em < http://www.dailymail.co.uk/news/article-4868124/Tomb-Pharoah-s-goldsmith-discovered-Luxor.html#ixzz4sEE4fxvZ >. Acesso em 09 de setembro de 2017.

Várias múmias foram descobertas em tumba egípcia

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Ontem, dia 8 de setembro (2017), o Ministério de Antiguidades do Egito anunciou que hoje irá revelar para a imprensa uma tumba com várias múmias em seu interior, em Draa Abu-el Naga (Luxor). Ela está próxima a de um oficial da 18ª Dinastia (Novo Império) chamado Userhat (– 157 –), a qual a sua redescoberta foi revelada em meados de abril deste ano (2017). O AE chegou a noticiar este acontecimento, clique aqui para ler o post. Na época tinha sido explicado para a imprensa que existiam mais duas sepulturas no local. Aparentemente é uma delas o foco da coletiva que ocorrerá na manhã de hoje.

Artefatos encontrados na tumba de Userhat. Foto: Luxor Times.

Não foram revelados muitos detalhes do que foi encontrado, exceto que a visada sepultura provavelmente pertenceu a um sacerdote importante e que a sua escavação ainda está em andamento. Entretanto, vários ushabtis, máscaras mortuárias e outros artefatos feitos de cerâmica e faiança foram descobertos. No local igualmente foram encontrados vários restos humanos mumificados.

Esta notícia está sendo recebida com muita expectativa pelos pesquisadores e espera-se que em algumas horas mais novidades sejam reveladas.

 

Fonte:

Exclusive: Egyptian archaeologists discover 3500 years old tomb contains many mummies. Disponível em <http://luxortimesmagazine.blogspot.com.br/2017/09/exclusive-egyptian-archaeologists.html?utm_content=buffer2fa9d&utm_medium=social&utm_source=twitter.com&utm_campaign=buffer >. Acesso em 08 de setembro de 2017.

 

Mosaico de estilo romano é encontrado em Alexandria

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Durante sua visita a cidade de Alexandria, no Norte do país, o Dr. Khaled El-anany, Diretor do Ministério de Antiguidades do Egito, realizou uma vistoria a um recém-descoberto piso de mosaico, que foi encontrado na área de Hend, distrito de Moharem Bek. A descoberta foi realizada por uma missão de arqueologia gerenciada pelo próprio Ministério das Antiguidades.

O piso está em perfeito estado de conservação e é formado por trincheiras retangulares de tijolos romanos com desenhos geométricos.

Foto: MSA.

Dr. Aymen Ashmawi, chefe do setor de antiguidades, explicou no próprio comunicado de imprensa do Ministério que esta descoberta é muito importante porque este é o único modelo deste tipo de mosaico encontrado no Egito, embora existam similares em vários lugares de Roma, tais como os banhos de Trajano e a Vila Adriana. Mohamed Farouk, Diretor do Departamento de Antiguidades da Média Alexandria, ressaltou que o recém descoberto terreno tem um design de opus spicatum que era bem conhecido durante o período romano e usado na construção de banheiros e pisos de fortalezas.

Reprodução do estilo opus spicatum retirado de um sítio arqueológico romano. Fonte: Germain de Montauzan – Antiguidades Les Aqueducs, 1908.djvu

Mostafa Roshdi, Diretor de Alexandria e das Antiguidades do Oeste do delta disse que o trabalho de escavação do sítio continuará e espera que mais partes do piso de mosaico sejam revelados. Eles também pretendem realizar estudos abrangentes sobre seu design para uma futura restauração e publicação científica.

Foto: MSA.

O egiptólogo Mohamed Abdel-Aziz disse que a área de Hend foi no passado uma região com oficinas onde uma coleção de fornos de vidro e argila foram descobertos.

Foto: MSA.

Período Romano no Egito:

Após a morte da rainha Cleópatra VII (30 a.E.C.) em o Egito foi transformado em uma província de Roma. O país não mais seria regido por faraós e precisaria pagar altos impostos para os imperadores estrangeiros. As tradições egípcias, em termos gerais, não eram bem vistas pelos invasores, contudo vários dos seus aspectos permaneceram recebendo, inclusive, adaptações romanas, como foi o caso dos sepultamentos (cujas máscaras mortuárias ganharam um aspecto mais clássico, por exemplo) ou a arquitetura, a exemplo do piso de mosaico citado neste post.

Fonte: MSA

Arqueólogos descobriram alguns dos mais antigos hieróglifos egípcios em sítio rupestre

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Uma expedição conjunta entre a Universidade de Yale e o Museu Real de Belas Artes de Bruxelas, que está estudando a antiga cidade egípcia de El kab, descobriu inscrições hieroglíficas com cerca de 5200 anos[1]. São as mais antigas conhecidas.

Uma série de imagens 3D das inscrições foram realizadas, assim como fotografias.

O codiretor da missão é o professor John Coleman Darnell, que explicou ao Yale News que essas inscrições nunca antes tinham sido registradas por nenhuma expedição e que são de grande importância na história dos antigos sistemas de escrita egípcios.

Imagens que os pesquisadores apontam como inscrições hieroglíficas. Foto: MSA.

“Este recém descoberto sítio de arte rupestre de El Khawy preserva alguns dos primeiros sinais —  e maiores — dos estágios formativos do roteiro hieroglífico e fornece evidências de como os antigos egípcios inventaram o seu sistema de escrita único”, disse Darnell.

Darnell. Foto: Yale.

Os pesquisadores também descobriram registros rupestres que descrevem um rebanho de elefantes que foi esculpido entre 4000 a 3500 aEC. Um dos animais tem um filhote desenhado dentro dele, retratando assim uma fêmea grávida.

Os arqueólogos também identificaram um painel de quatro sinais, criados por volta de 3250 aEC e escritos da direita para esquerda — é assim que usualmente os hieróglifos egípcios eram lidos — retratando imagens de animais tais como cabeças de touros em um pequeno poste, seguido por duas cegonhas com alguns íbis acima e entre eles.

De acordo com o próprio Darnell, esta descoberta não é única, mas é notável no sentido de que é a primeira vez que alguém vê hieróglifos individuais que medem mais de meio metro de altura.

Painel rochoso onde as imagens foram encontradas. Foto: MSA.

Essas inscrições foram encontradas através de mapeamento de rotas baseadas em redes rodoviárias no Egito. Darnell constatou que inscrições assim não eram colocadas em locais como esse aleatoriamente. Estes são espaços onde pessoas descansavam durante a sua viagem. Assim, ele funcionaria como um “grande mural” de avisos.

Fonte:

Yale archaeologists discover earliest monumental Egyptian hieroglyphs. Disponível em < http://news.yale.edu/2017/06/20/yale-archaeologists-discover-earliest-monumental-egyptian-hieroglyphs >. Acesso em 23 de junho de 2017.


[1] Época pré-dinástica. Os demais vestígios mais antigos de hieróglifos egípcios são datados desta época. Alguns exemplos foram encontrados na tumba U-J, que por acaso foi citada no vídeo “Arquitetura Egípcia”. Clique aqui para assistir.

Nome do faraó Senusret II em templo abre discussão sobre o passado

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Um grande lintel feito de granito vermelho foi descoberto por uma missão egípcia-espanhola durante os trabalhos de escavação no templo de Heryshef em um sítio arqueológico em Ihnasya El-Medina, Beni Suef. Mahmoud Afifi, chefe do Departamento de Antiguidades do Egito, anunciou a descoberta ontem (27/05).

Lintel com o nome do rei. Foto: Reprodução.

Ele descreveu o artefato como “muito importante” porque o lintel tem gravado dois cartuchos como o nome do rei Senusret II (Sesostris II) da 12ª Dinastia (Médio Reino). A presença do lintel no templo de Heryshef é um dos indícios que apontam o interesse de Senusret II por esse local, como foi o caso de Fayum.

Local em que o artefato foi encontrado. Foto: Reprodução.

Senusret II é um nome conhecido por suas obras realizadas em Fayum, entretanto, muitos aspectos do seu reinado, inclusive a sua duração, são alvos de muita discussão. Desta forma, a descoberta do seu nome neste lugar aumenta a teia de possibilidades para a interpretação do passado.

Senusret II. Fonte: W. M. Flinders Petrie.

Maria Carmen Pérez-Die, diretora da missão do Museu de Antiguidades de Madri, disse que a missão também descobriu vários níveis de construção, um deles é datado do início da 18ª Dinastia e foi finalizado no reinado de Tutmés III (Novo Império) e outro durante o de Ramsés II, da 19ª Dinastia (Novo Império).

 

Fonte:

Lintel bearing Middle Kingdom cartouches unearthed at Ihnasya site in Egypt. Disponível em <http://english.ahram.org.eg/NewsContent/9/40/269618/Heritage/Ancient-Egypt/Lintel-bearing-Middle-Kingdom-cartouches-unearthed.aspx>. Acesso em 27 de maio de 2017.