【Artigo】 Por uma Arqueologia egípcia mais “aquática”

Por uma Arqueologia egípcia mais “aquática” | Márcia Jamille Nascimento Costa (em português):

Embora o Egito antigo tenha sido uma civilização fluvial a Arqueologia realizada no país tende a tratar os objetos relacionados com o ambiente aquático como artefatos de segunda ordem. Para tal, este artigo mostra alguns dos aspectos mais marcantes destas antigas comunidades que demonstram que a água durante o faraônico foi mais do que um espaço para a captação de recursos e deve receber um olhar mais zeloso da Arqueologia.

Obtenha o artigo: Por uma Arqueologia egípcia mais “aquática” ou clicando aqui.

 

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro “Uma viagem pelo Nilo”.
[Leia seu perfil]