Pesquisadores brasileiros analisam múmia egípcia no sul do Brasil

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

No dia 02 de setembro de 2018 o Museu Nacional foi devastado por um incêndio que arruinou o interior do edifício, destruindo as múmias egípcias que faziam parte do acervo. Entretanto, o Brasil ainda possui alguns artefatos do tempo dos faraós que se encontram em diferentes pontos do país e sob diferentes circunstâncias. Um deles é a cabeça de uma múmia que permaneceu praticamente anônima no Rio Grande do Sul, no museu do Centro Cultural 25 de Julho (Cerro Largo). Apelidada de a “Múmia de Cerro Largo”, esta cabeça outrora estava em uma prateleira simples, dentro de uma caixa de vidro e coberta por uma manta. O anúncio de sua permanência aqui no Brasil foi recebida com grande susto, afinal, como uma múmia egípcia parou no interior do Rio Grande do Sul? E como quase ninguém sabia dela?

Foto: Bruno Todeschini

De acordo com uma declaração feita por Guido Henz, integrante do museu 25 de Julho, para uma matéria veiculada no portal Gauchazh: um advogado, cujo nome não foi divulgado, em sua estadia no Rio de Janeiro, supostamente ganhou a peça de presente no início da década de 1950 de um amigo egípcio — também não identificado —. 

Então, ao retornar ao Rio Grande do Sul, sua terra natal, o advogado deixou a peça exposta em uma sala reservada em sua residência. Com a chegada do final da década de 1970 ele a entrega para Henz, a fim de que ela faça parte do museu. Esta doação ocorreu porque sua família não queria mais que a cabeça permanecesse em sua residência, já que acreditavam se tratar de algo amaldiçoado, uma vez que tanto o egípcio, como o advogado faleceram de câncer. 

Mas, antes do egípcio, a quem ela pertenceu? E ele a adquiriu de forma legal? É uma dúvida que até agora paira minha cabeça, já que não é incomum que pedaços de múmias sejam contrabandeadas. Ainda mais na década de 1950 em que as leis contra furtos em sítios arqueológicos ainda não eram levadas tão a sério. Mas, esta é uma questão que a equipe responsável por sua pesquisa só poderá responder com o tempo.

Múmias são encontradas em Aeroporto do Cairo (Egito)

E por não se saber de fato qual a origem deste crânio é praticamente impossível conhecer sua verdadeira identidade. Entretanto, para nossa felicidade a ciência é capaz de apontar alguns detalhes da sua vida tais como idade, sexo, dentre outras informações.

Quando o crânio finalmente cruzou com a ciência:

Tudo começou quando o historiador Édison Hüttner, coordenador do Grupo de Estudo de Identidades Afro-Egípcias da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ), foi convidado em junho de 2017 a ir ao Museu Cerro Largo. Lá viu o crânio e pediu permissão para poder investigá-lo. Com a permissão concedida, ele levou o crânio para a PUCRS (Porto Alegre).

Foto: Bruno Todeschini

Durante um ano foram realizadas diferentes tipos de pesquisas. Uma delas foi uma análise por radiocarbono feita nos Estados Unidos (no laboratório Beta Analytic) se utilizando de um pedaço de um dos dentes da múmia. Assim como análises feitas por um cirurgião bucomaxilofacial e pelo arqueólogo Moacir Elias Santos. 

Foto: Bruno Todeschini

Esta interdisciplinaridade permitiu saber que o crânio pertence a uma mulher que morreu na faixa dos 40 anos e que viveu no Egito entre 768 a 476 a.E.C, época situada entre o final do Terceiro Período Intermediário e o início do Período Tardio. Outro detalhe importante é que ela não teve uma mumificação de qualidade — ao menos levando em consideração o padrão egípcio — já que não ocorreu a conservação total dos tecidos moles e não foi encontrado resquícios de resina dentro da caixa craniana.

Foto: Édison Hüttner/PUCRS

A cabeça também passou por um exame de tomografia no Instituto do Cérebro da PUCRS, onde foi descoberto que ela possuía uma incrustação feita em pedra no lugar de um dos olhos, assim como chumaços de linho preenchendo a área dos glóbulos oculares. No vídeo “Mumificação no Egito Antigo” eu explico um pouco mais sobre este costume de procurar substitutos para os olhos dos falecidos.

Descubra como eram feitas as múmias egípcias    

Mas, os trabalhos não irão parar por aí: ela ainda passará por um exame de DNA que será realizado por um laboratório alemão e por uma análise de fungos no Instituto do Petróleo e Recursos Naturais da PUCRS. Todo cuidado é pouco para proteger um dos dois únicos exemplares de múmias egípcias no Brasil. Ao menos, os que nós conhecemos.  

Fontes:

Múmia egípcia que estava em museu de Cerro Largo tem origem confirmada por universidade gaúcha. Disponível em < https://gauchazh.clicrbs.com.br/tecnologia/noticia/2019/05/mumia-egipcia-que-estava-em-museu-de-cerro-largo-tem-origem-confirmada-por-universidade-gaucha-cjw9efp2z00t601oioqpk40sd.html?fbclid=IwAR04PJodvxSiudQNUlRLBQd6hXpQdPPi9N7ueU_75y_pfP27Ip947fIyO_Y >. Acesso em 19 de junho de 2019.
Múmia egípcia de cerca de 2,5 mil anos é identificada no interior do RS. Disponível em < https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2019/05/29/mumia-egipcia-de-cerca-de-25-mil-anos-e-identificada-no-interior-do-rs.ghtml?fbclid=IwAR1P1L0JjhdH_NcLD-B_P0XjrGkCEAxVJJ6LThroKpk6KnZ85cuQmzLkFWc >. Acesso em 19 de junho de 2019.
Múmia egípcia de mais de 2,5 mil anos tem identidade confirmada por pesquisa. Disponível em < http://www.pucrs.br/blog/mumia-egipcia-de-mais-de-2-5-mil-anos-tem-identidade-confirmada-por-pesquisa/ >. Acesso em 19 de junho de 2019.
Origin of 2,500-year-old Egyptian mummy proven. Disponível em < https://menafn.com/1098589626/Origin-of-2500yearold-Egyptian-mummy-proven >. Acesso em 19 de junho de 2019.


Nota da autora: Este post demorou para sair porque eu esperava receber a resposta de um e-mail enviado a um dos pesquisadores responsáveis pelo estudo do crânio, para tirar algumas dúvidas pontuais. Entretanto, até o momento que estou fechando esta matéria, não recebi uma resposta. 

 

Ossos humanos e sarcófagos são encontrados perto de pirâmide egípcia

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Uma equipe egípcia de arqueologia encontrou recentemente, durante escavações no lado sul da Pirâmide de Lahun (Fayum), vários artefatos dentro de uma tumba do Médio Reino. A coordenação dos trabalhos estava sob a responsabilidade de Mustafa Waziri — Secretário Geral do Conselho Supremo de Antiguidades —, que explicou que os objetos encontrados tratam-se de restos de ataúdes de madeira tanto de homens, mulheres e crianças.

Ainda foram identificados fragmentos de potes, amuletos de faiança egípcia, uma estátua de madeira e ushabtis de barro. Os arqueólogos apontam que estas coisas datam de diferentes períodos egípcios. 

Foto: Ministry of Antiquities

Foto: Ministry of Antiquities

Foto: Ministry of Antiquities

Esta notícia foi revelada juntamente com o anúncio da abertura da Pirâmide de Lahun para os turistas. 

Após séculos pirâmide de rei egípcio é aberta para visitantes

Foto: Ministry of Antiquities

Foto: Ministry of Antiquities

Espera-se que em breve sejam realizadas mais descobertas na região. E nós aqui no Brasil? Bem, ficaremos no aguardo. 

Fonte:

Inauguration of Lahun pyramid and Khond Aslabay Mosque after years of restorations in Fayoum. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/NewsContent/9/40/337002/Heritage/Ancient-Egypt/Inauguration-of-Lahun-pyramid-and-Khond-Aslabay-Mo.aspx >. Acesso em 28 de junho de 2019.

Túmulo de soldado que viveu no Egito Antigo traz revelações incríveis

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Recentemente foi anunciada a descoberta da tumba de um soldado que viveu durante o Egito Antigo, mais especificamente durante a décima sétima dinastia, embora artefatos de outros períodos também tenham sido encontrados.

Seu nome era Djehuty Shed e sua tumba foi encontrada em uma cidade que atualmente chamamos de Dr Abu el Naga. O túmulo é composto por um pátio de 55 metros de largura e 18 entradas, algo, até o momento, extremamente único em Luxor. Ela também possui dois poços de 11 metros de profundidade.

Foto: Ministério das Antiguidades do Egito.

Apesar do sítio em que ela está localizada ter sido escavado por cerca de 200 anos, essa tumba até então era desconhecida. Agora, graças às pesquisas realizadas nela, os arqueólogos que trabalharam no registro na região apontam que sua descoberta ajudará a mudar o mapa histórico e arqueológico da necrópole de Dr Abu el Naga. Especialmente porque em suas proximidades mais 6 tumbas foram evidenciadas. Uma delas pertence a um escriba de um faraó.

Foto: Ministério das Antiguidades do Egito.

50 selos funerários também foram encontrados e pertencem a pessoas cujas tumbas ainda não foram localizadas.

Foto: Ministério das Antiguidades do Egito.

Já sobre esta nova descoberta, infelizmente ainda nós não possuímos imagens de dentro da tumba, mas as autoridades egípcias garantem que as ilustrações do seu interior são lindas.

Fonte:

Ancient Egyptian Soldier’s Tomb Discovered in Luxor. Disponível em < http://luxortimes.com/2019/04/ancient-egyptian-soldiers-tomb-discovered-in-luxor/ >. Acesso em 11 de junho de 2019.

É descoberta no Egito tumba ricamente colorida e repleta de múmias

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Imagine uma tumba totalmente colorida, como se acabasse de ter sido pintada e ainda com o bônus de conter algumas múmias —- tanto de humanos, como de outros animais —. Imaginou? Este sonho de muitos arqueólogos se concretizou nos últimos meses na cidade de Sohag (cerca de 390 quilômetros ao sul do Cairo), Egito: lá uma equipe de Arqueologia está desenvolvendo pesquisas na tumba de um casal do Período Ptolomaico: a mulher era Ta-Shirit-Iziz e o homem Tutu [1][2]. As análises visam entender quem foram eles, sua família e a sociedade em que viveram.

Foto: Reuters.

Entretanto, nós da modernidade quase perdemos tudo isso, uma vez que não foram arqueólogos os responsáveis pela descoberta, mas um grupo de ladrões e contrabandistas de artefatos arqueológicos. O crime foi descoberto por autoridades egípcias em outubro do ano passado (2018) antes que mais estragos fossem feitos [1][2]. Dentre os artefatos salvos estão fragmentos de máscaras funerárias [2].  

Foto: Reuters.

As imagens parietais retratam os donos da tumba, assim como imagens de procissões fúnebres e a genealogia da família escrita em hieróglifos. Em várias partes as cores vermelho, azul e amarelo ainda estão nítidas, como se tivessem acabado de ser postas no local. “É uma das descobertas mais emocionantes da região”, disse Mostafa Waziri, secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito [1].

O outro grande detalhe da tumba é a presença de várias múmias: duas são humanas — um menino com 12 ou 14 anos de idade e a outra uma mulher de 35 a 50 anos —. 

Múmias da criança e a mulher. Foto: Ministério das Antiguidades.

Múmias da criança e a mulher. Foto: Ministério das Antiguidades.

Foto: Reuters.

As demais são de 50 outros animais onde estão inclusos falcões e ratos [1].

Foto: Reuters.

Múmias falcões. Foto: Ministério das Antiguidades.

Múmias de ratos em destaque. Foto: Reuters.

Fontes: 

[1] Mummified Mice and Falcons Are Found in Egyptian Tomb. Disponível em < https://www.nytimes.com/2019/04/06/world/middleeast/mummified-mice-egypt.html >. Acesso em 07 de  abril de 2019.

[2] Mummified mice found in ‘beautiful, colourful’ Egyptian tomb. Disponível em < https://www.theguardian.com/world/2019/apr/06/mummified-mice-found-in-beautiful-colourful-egyptian-tomb >. Acesso em 04 de maio de 2019.

Egypt tomb: Mummified mice found in ‘beautiful’ ancient chamber. Disponível em < https://www.bbc.com/news/world-middle-east-47838077 >. Acesso em 04 de maio de 2019.

Múmias intactas de cantora de Amon e sacerdote são encontradas em sala selada

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Uma equipe composta por arqueólogos egípcios encontrou um túmulo com cerca de 3.000 anos contendo vários ataúdes intactos em Luxor, Egito. As pesquisas arqueológicas na área tinham ocorrido entre março e maio (2018) e retomado em agosto (2018) até o momento.

Foto: Luxor Times

Durante os trabalhos de escavações mais de 300 metros cúbicos de detritos foram retirados. Dentre as descobertas estão representações da rainha “Ahmos-Nefertari” e seu filho “Amenhotep I”, que governaram durante do Primeiro Período Intermediário.

Foto: Luxor Times

Em uma conferência de imprensa, o Secretário-Geral do Conselho Supremo de Antiguidades, Dr. Mostafa Waziri, revelou qual era o nome do dono da sepultura: era um homem chamado “Shu En Khet.ef” que significa “Vento Norte nas suas costas”, que era um “Escriba da capela de mumificação no templo Mut”.

Foto: Luxor Times

No local foram encontrados 1000 ushabtis, máscaras mortuárias de madeira, estatuetas de faiança e papiros contendo parte do capítulo 125 do Livro dos Mortos. E em uma sala lateral selada com tijolos de barro foram encontrados dois caixões de madeira cobertos com flores. Ambos os caixões são datados da 25ª ou 26ª dinastias, que estão situadas no final do Novo Império, centenas de anos após o fim do Primeiro Período Intermediário. Ambos os ataúdes não são do dono da tumba e sim de um sumo sacerdote de Amon chamado “Padiese” e de uma mulher que era cantora de Amon.

Foto: Luxor Times

Fonte:

Breaking News: 3000-year Tomb Contains Intact Coffins discovered in Luxor. Disponível em <https://luxortimesmagazine.blogspot.com/2018/11/breaking-news-3000-year-tomb-contains.html >. Acesso em 24 de novembro de 2018.

 

Descoberta rara de várias múmias de escaravelhos chama atenção de arqueólogos

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

No último sábado (10/11/18) arqueólogos divulgaram a descoberta de um conjunto de escaravelhos mumificados, algo que é extremamente raro. Os besouros estavam entre os artefatos encontrados em sete tumbas descobertas nos últimos seis meses, à beira do complexo da pirâmide do rei Userkaf (Antigo Reino), na antiga necrópole de Saqqara, onde se encontrava a primeira capital do Egito: Memphis.

Foto: REUTERS / Mohamed Abd El Ghany

Dentro de um sarcófago de calcário com uma tampa abobadada e decorada estavam dois grandes escaravelhos envoltos em linho. Assim como dentro de um sarcófago pequeno estava uma coleção de múmias de escaravelhos menores. De acordo com a antiga religião egípcia, os escaravelhos eram a representação do deus Khepri, uma das formas do deus Sol.

Foto: Ministério das Antiguidades do Egito

Os antigos egípcios mumificavam os humanos para preservar seus corpos para a vida após a morte, enquanto múmias de animais eram feitas para um dos três propósitos a seguir: servir como alimento no além, fazer companhia para seus donos ou como oferendas religiosas. Os escaravelhos, nesta situação, poderiam servir como este último.

 

Uma possível tumba intacta:

Enquanto preparavam o local para apresentar estas recentes descobertas, a equipe de arqueologia acabou encontrando a porta de mais um túmulo, que por sua vez ainda está lacrada. Esta sepultura data da 5º Dinastia (Antigo Reino), dinastia seguinte a construção da Grande Pirâmide e da Grande Esfinge. Os pesquisadores planejam abrir o sepulcro nas próximas semanas.

 

Fonte:

Ancient Egyptian tombs yield rare find of mummified scarab beetles. < https://www.reuters.com/article/us-egypt-archaeology-discovery/ancient-egyptian-tombs-yield-rare-find-of-mummified-scarab-beetles-idUSKCN1NF0KY >. Acesso em 10 de novembro de 2018.

Pinturas antigas exclusivas são encontradas em templo do deus Sobek

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Uma missão egípcia de arqueologia, enquanto trabalhava acompanhando a redução do nível do lençol freático no Templo Kom Ombo, Aswan, descobriu duas pinturas antigas feitas de arenito. Uma delas pertence ao faraó Seti I e a outra ao faraó Ptolomeu IV. Ambos viveram em épocas bem distintas da história do Egito Antigo, sendo o primeiro na 19ª Dinastia e o último na Dinastia Ptolomaica.

Foto: Ministry of Antiquities

O chefe do Conselho Supremo de Antiguidades, Mostafa Waziri, explicou que a primeira pintura possui entre 2.30 m de altura e 1 m de largura, com uma espessura de 30 cm. Foi encontrada quebrada em duas partes, mas suas inscrições estão em boas condições. Ela retrata o rei Seti I em pé diante do deus Hórus e do deus Sobek e sob a cena está um texto com várias analogias ao faraó Horemheb, antecessor do pai de Sei I.

A segunda pintura está fragmentada em várias partes e tem 3.25 m de altura, 1.15 m de largura e 30 cm de espessura. Ela precisará de cuidados extras com o restauro e retrata o faraó Ptolomeu IV acompanhado por sua esposa Arsinoe III.

Ambas estas descobertas são importantes dada a sua exclusividade e com sendo mais uma comprovação de que o templo recebeu atenção dos governantes do Egito em diferentes períodos.

Foto: Ministry of Antiquities

Foto: Ministry of Antiquities

Fonte:

Two ancient paintings discovered at Temple of Kom Ombo. Disponível em < http://www.egypttoday.com/Article/4/58372/Two-ancient-paintings-discovered-at-Temple-of-Kom-Ombo >. Acesso em 02 de outubro

O mistério das manchas marrons na tumba de Tutankhamon

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Quem já visitou a tumba do faraó Tutankhamon ou viu fotografias certamente notou que as pinturas que enfeitam as paredes estão cobertas por estranhas manchas amarronzadas. Por anos algumas suposições foram levantas buscando entender o que seriam estas marcas. A mais famosa é que seriam o resultado da umidade acumulada por conta da visita de muitos turistas, tal como foi o caso da tumba da rainha Nefertari, que precisou ser fechada para ser preservada. Ou seja, seriam microrganismos que estariam destruindo as imagens pouco a pouco. Agora, os pesquisadores do Getty Conservation Institute de Los Angeles acreditam ter desvendado o mistério.

Fotos da época da descoberta foram comparadas com as dos dias de hoje e o que se viu é que essas manchas tinham tomado novas áreas. Naturalmente isso preocupou os cientistas que entraram em ação com estudos de DNA, análises químicas e microscópicas. Eles confirmaram o que muitos temiam: de fato as manchas são de origem microbiológica. Em termos simples, tratam-se de mofo e fungos. Porém, a ótima notícia é que eles estão mortos e não são mais uma ameaça.

Este estudo, que está sendo realizado há quase uma década, é fruto de uma associação entre o Getty Conservation Institute e o Ministério das Antiguidades do Egito. O seu objetivo é avaliar as condições da tumba do rei e assim ajudar a evitar que ela se deteriore. Por conta desses trabalhos melhorias foram aplicadas no tumulo tal como a construção de uma rampa e trilhos para controlar o acesso de visitantes, regras para determinar o numero máximo de pessoas que podem entrar e a instalação de um sistema de ventilação. Eles também estabilizaram a perda dos pigmentos pretos e vermelhos dos murais.

O diretor do projeto explicou que em um dado momento dos trabalhos foi necessário mover a múmia do rei. Isso ocorreu em meados de outubro de 2016, período em que a tumba foi fechada por um mês para a visita de turistas.

Sobre as manchas, elas não serão removidas. Isso porque os cientistas perceberam que elas penetraram totalmente as tintas de tal forma que qualquer tentativa de remoção acabará acarretando na destruição das pinturas.

Tenha em casa: A Edições Del Prado, uma editora especializada em vendas de fascículos com imagens colecionáveis, possui uma coleção intitulada “Cenas do Egito Antigo”. Em uma delas são retratados personagens realizando a atividade descrita aqui: a pintura em parede.

Clique aqui para conferir a peça ou aqui para ver as demais cenas.

Fonte:

Getty Completes Study of Paintings at King Tut’s Tomb. Disponível em < https://www.nytimes.com/2018/03/26/arts/design/king-tut-getty-egypt-conservation.html?partner=rss&emc=rss&smtyp=cur&smid=tw-nytimesscience >. Acesso em 31 de março de 2018.

Arqueólogos descobrem tumba de sacerdotisa egípcia

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Foi anunciado no último sábado a descoberta de uma tumba que provavelmente pertence a uma oficial de alto escalão que viveu durante a 5º Dinastia (Antigo Reino). Ela se chamava Hatbet e possuía os títulos de “sacerdotisa da deusa Hathor” e “alta funcionária ligada à realeza”. Sua sepultura encontra-se na área do Cemitério Ocidental a oeste da Grande Pirâmide do Platô de Gizé[1][2].

Foto: AFP/Mohamed El-Shahed

A notícia foi dada durante uma conferência do Ministério das Antiguidades no platô, onde foi dito que blocos do túmulo foram desenterrados em 1909 por um explorador britânico que os enviou para Berlim e Frankfurt. “O túmulo nunca foi descoberto até outubro de 2017, quando a missão egípcia começou a escavação no cemitério ocidental de Gizé”, disse o Ministro das Antiguidades, Khaled El-Enany[2].

Foto: AFP/Mohamed El-Shahed

O ministro também explicou que o cemitério já havia sido escavado por várias missões arqueológicas desde 1843 e as mais destacadas e importantes foram feitas pelo ex-ministro das antiguidades, Zahi Hawass[2].

O sepulcro possui alguns detalhes interessantes, a exemplo da iconografia de um macaco doméstico dançando em frente a uma banda. Assim como inscrições únicas e imagens cotidianas como cenas de pastoreio, abates, bandas musicais e dançarinas[1][2]. Outro detalhe é que ele é feito de tijolos de barro com uma camada de argamassa. Por conta deste pormenor o Secretário Geral do Conselho Supremo das Antiguidades, Mostafa Waziri, acredita que esse não é o túmulo principal da Hatbet[1]. Então, existe a esperança de se encontrar outra estrutura funerária também pertencente a essa mulher[3].

Foto: AFP/Mohamed El-Shahed

O Platô de Gizé hospeda algumas das mais antigas tumbas do Egito. A maioria delas eram destinadas a reis e suas esposas, assim como funcionários de alto escalão e sacerdotes, como é o caso da Hatbet[1].

 

Fonte:

[1] 4,400 year-old tomb of top pharaoh official discovered in Egypt. Disponível em < http://www.egyptindependent.com/4400-year-old-tomb-of-top-pharaoh-official-discovered-in-egypt/ >. Acesso em 03 de fevereiro de 2018.

[2]Tomb of 5th Dynasty top official Hetpet discovered near Pyramid of Khafre on Giza Plateau. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/NewsContent/9/40/289277/Heritage/Ancient-Egypt/Tomb-of-th-Dynasty-top-official-Hetpet-discovered-.aspx >. Acesso em 04 de fevereiro de 2018.

[3]Egypt says 4,400-year-old tomb discovered outside Cairo. Disponível em < http://abcnews.go.com/Technology/wireStory/egypt-4400-year-tomb-discovered-cairo-52814551 >. Acesso em 04 de fevereiro de 2018.

Egypt: Archaeologists discover priestess’ 4,400-year-old tomb near pyramids outside Cairo. Disponível em < http://www.independent.co.uk/news/science/archaeology/egypt-pyramid-giza-4400-tomb-hetpet-cairo-archeology-a8192926.html >. Acesso em 04 de fevereiro de 2018.