9 leis que todos os turistas precisam saber antes de ir ao Egito

Quando pensamos em viagens é normal a preocupação com documentos, seguros de saúde (espero muito que vocês pensem nisso), se o dinheiro que está levando é suficiente e se sua bagagem chegará com você ao seu destino. No entanto, algo que algumas pessoas nem se atentam em pensar é sobre as leis do local em que está indo, mesmo em viagens internacionais.

Foi pensando nisso que o portal The News resolveu fazer uma listinha com dicas rápidas das principais leis do Egito, afinal, ninguém quer visitar a terra dos faraós e a viagem acabar se transformando em um episódio de “De Férias na Prisão”.

Leia abaixo os pontos que eles separaram junto com algumas complementações minhas:

Três gerações de egípcios ergueram em Gizé um conjunto de pirâmides, há mais de 4 mil anos.

1 – Documento de identidade

Este é básico, mas tenha um documento de identificação com foto sempre com você. Mas, cuidado! Porque não só no Egito, mas em qualquer outro lugar do mundo os passaportes de estrangeiros, em especial brasileiros, são muito visados.

Curiosidade: nossos passaportes são os mais visados porque temos passe livre em algumas regiões do mundo.

2 – Drogas são altamente proibidas

O Egito tem uma política de tolerância zero com drogas, mesmo para pequenas quantias. Se pego o acusado pode pegar de 25 anos de prisão até perpétua. Em alguns casos pode receber pena de morte.

3 – Bebidas alcoólicas podem levar à prisão

Consumir bebidas alcoólicas no Egito é tolerado desde que seja em um restaurante ou um bar licenciado. Se você beber fora destes ambientes correrá o risco de ir para a prisão.

4 – Não fale mal do governo

Se você falar mal do país, fizer comentários políticos, mesmo que nas redes sociais, pode ir parar na prisão.

PS: O The News não esclarece como um turista estrangeiro poderia ser enquadrado neste ponto.

5 – Não tirem fotos de instalações militares

A fotografia de, ou perto de, instalações militares oficiais é estritamente proibida no Egito, incluindo o Canal de Suez. Também não é permitido fotografar prédios públicos ou funcionários desses lugares (a não ser que ele permita). De acordo com o portal, cidadãos britânicos foram presos por fotografar estações de eletricidade, estações de trem e pontes.

Sempre pergunte antes se tem permissão para tirar a foto de algo, mas cuidado, porque em alguns sítios arqueológicos os guias podem permitir fotografias e depois pedir dinheiro. Caso você se recuse, eles podem ameaçar chamar as autoridades.

6 – Quer fazer imagens com drones? Provavelmente não vai rolar!

Levar drones para o Egito é proibido, a menos que você tenha autorização prévia do Ministério da Defesa egípcio. Os cidadãos que usarem, fabricarem ou importarem drones sem a devida autorização são punidos com penas de prisão que variam de um a sete anos e/ou multas.

7 – O Egito não é território seguro para LGBTQIA+

Embora a atividade sexual entre pessoas do mesmo sexo não seja explicitamente criminalizada no Egito, a acusação de “devassidão” tem sido usada para processar pessoas LGBTQIA+. Em 2017, por exemplo, ao menos 66 pessoas foram presas no Egito por crime de “devassidão” só por segurar uma bandeira de arco-íris em um show.

8 – Nada de beijos em público

O contato físico entre homens e mulheres em locais públicos pode ser considerado inadequado em algumas regiões. Em áreas turísticas você pode até fazer demonstrações públicas de afeto, mas pode ser uma atitude reprovável em outras áreas do país.

9 – Vista-se “com modéstia”

Não existe um código de vestimenta para mulheres no Egito, mas aconselha-se que elas cubram seus decotes, ombros e joelhos… Embora saibamos muito bem que seja no Egito, aqui no Brasil ou em outros lugares do mundo a roupa necessariamente não é um impeditivo para assédios sexuais.

Estes são alguns dos pontos separados pelo The News, mas é sempre bom você esclarecer suas dúvidas diretamente com agencias de viagens especializadas.

Fonte:
9 laws all tourists need to know before going to Egypt
https://www.portsmouth.co.uk/news/crime/9-laws-all-tourists-need-to-know-before-going-to-egypt-3698226

Os moletons e camisetas com temas sobre Egito Antigo voltaram!

Os moletons voltaram para a loja do Arqueologia pelo Mundo! E para comemorar está rolando a promoção “Compre um moletom e ganhe uma camiseta”. É só colocar ambos os produtos no carrinho e aplicar o cupom UMACAMISETA.


Acesse o link: https://www.lolja.com.br/creators/arqueologia-pelo-mundo/


Ao todo estão disponíveis três estampas com temas dedicados ao Egito Antigo. São moletons e camisetas com modelos e cores diferentes. Confiram alguns abaixo:

Tutankhamon: Filho do Sol

Nefertiti

Pó de múmia:

Esta promoção é por tempo limitado!

Saiba qual a origem do deus Thot

No Egito antigo não existia somente um mito da criação, alguns centros religiosos lançaram seus próprios mitos criadores. Foi esse o caso da cidade de Khmunu, mais conhecida pelo nome grego “Hermópolis”. Ela era considerada a cidade de Thot.


Esse mito começa com uma ogdóade, que em termos simples é um grupo de 8 deuses. Essa ogdóade era dividida em quatro casais, que pareciam representar elementos do caos antes da criação. São eles:

Amon e Amonet, “o ocultamento”;

Huk e Hauhet, “a ausência de forma”;

Kuk e Kauket, “escuridão”

Nun e Naunet, “águas abissais”;

A união destas oito divindades fez surgir um ovo de onde, de acordo com algumas versões deste mito, nasceu o deus Thot. Conheça um pouco sobre ele através deste vídeo:


Ou veja o vídeo completo no canal Arqueologia pelo Mundo:

Templo de Abu Simbel receberá grande celebração em comemoração ao alinhamento do sol

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Desde dezembro do ano passado (2021) o Ministério do Turismo e Antiguidades do Egito tem anunciado que está se preparando para organizar um evento por ocasião do alinhamento do sol no Templo de Ramsés II em Abu Simbel, em 22 de fevereiro de 2022. A notícia foi dada após o grande sucesso que foi a inauguração da Avenida das Esfinges de Luxor em novembro daquele mesmo ano e que foi transmitida ao vivo pela internet (inclusive por mim em meu canal na Twitch: https://www.twitch.tv/marciajamille).

Templo de Ramsés II em Abu Simbel. Disponível em <http://dailyinspires.com/wp-content/uploads/2013/02/Temple-of-Ramesses-II-Abu-Simbel-Wallpaper.jpg>. Acesso em 22 de outubro de 2014.

Mas este evento não é nenhuma surpresa. Duas vezes no ano (nos dias 22 de Fevereiro e 22 de Outubro) os raios do sol iluminam pela manhã as estátuas dos deuses Ptah, Amon e Ra-Harakhte, além do próprio Ramsés II. O quarteto fica no interior do edifício onde geralmente a luz do sol não alcança. Nesta data alguns turistas e moradores locais costumam visitar o templo para poder acompanhar o evento.

Dentro do templo de Abu Simbel. Ao final encontra-se o santuário com o quarteto de deuses. Disponível em <http://paradiseintheworld.com/wp-content/uploads/2012/10/abu-simbel-inside.jpg >. Acesso em 22 de outubro de 2014.

Porém, hoje, dia 21/02, ainda não temos notícias de como será a celebração prometida pelo Egito, o que ocorrerá e que horas terá início. Por isso o Arqueologia Egípcia, através do canal Arqueologia pelo Mundo realizará uma série de atividades para manter vocês por dentro de tudo e se sentir de alguma maneira inclusos na festa. Segue a nossa programação:

A partir das 01h00: notícias sobre a celebração do alinhamento solar em Abu Simbel

Onde:

(Stories) https://www.instagram.com/marciajamille

13h00: vídeo contando a história da transposição dos templos de Abu Simbel

Onde:

https://www.youtube.com/arqueologiaegipcia

19h00: live com o resumo do que rolou no evento

Onde:

https://www.twitch.tv/marciajamille

https://www.youtube.com/arqueologiaegipcia

Espero vocês por lá!

O Grande Museu Egípcio está quase completo!

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Saiu oficialmente a notícia de que o Grande Museu egípcio está quase pronto, ele será o maior museu do mundo dedicado a uma única civilização. De acordo com Atef Moftah, o Supervisor Geral do GEM project, 99% dos trabalhos na região estão encaminhados, mas o edifício em si já está pronto. As suas declarações foram feitas durante a reunião do Conselho de Administração do GEM, que foi presidida pelo Ministro do Turismo e Antiguidades, Khaled El-Anany. 

96% dos acabamentos das principais salas de exposição também foram concluídas e mais de 55.500 artefatos foram transferidos até agora para o museu. A transferência de alguns deles vocês puderam acompanhar aqui no Arqueologia Egípcia. 

Outro anúncio feito durante a reunião é o de que as obras de concreto e estruturas metálicas do Museu do Barco Khufu já estão concluídas e que os acabamentos necessários para a construção do prédio estão em andamento. 

Outra novidade é que 99% dos acabamentos do Salão do Rei Tutankhamon foram concluídos. Vale lembrar que será a primeira vez que os mais de 5 mil de artefatos pertencentes a este rei serão exibidos juntos.   

 

Fonte: 

Grand Egyptian Museum almost complete: Official. Disponível em < https://dailynewsegypt.com/2022/01/08/grand-egyptian-museum-almost-complete-official/ >. acesso em 08 de janeiro de 2022. 

 

 

Egito dará aulas de hieróglifos para alunos do ensino fundamental e médio

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

O Egito irá introduzir o estudo de hieróglifos egípcios nos currículos do ensino fundamental e médio, de acordo com um comunicado do Ministério da Educação egípcio esse mês.

A novidade será aplicada em 2021. A proposta é educar os alunos sobre a história do Egito Antigo e conscientizá-los sobre a importância de entender seu próprio passado e familiarizá-los com o estudo científico e assim colocar mais egípcios na carreira acadêmica de Egiptologia. De acordo com a proposta apresentada, o esperado é que existam mais estudantes preparados para a vida universitária em 2030.

Os professores de estudos sociais da quarta série do ensino fundamental já estão sendo treinados através de um programa de cooperação entre a Biblioteca Alexandrina (representada pelo Centro de Estudos da Caligrafia) e a Direção de Educação de Alexandria (representada pela Administração Geral da Educação).

Outro ponto importante é que o Centro de Estudos de Caligrafia da Biblioteca Alexandrina publicou um livro intitulado “Palavras da Vida no Antigo Egito: Hieróglifos para Crianças” tanto em árabe como em inglês. A obra é indicada para crianças de 9 a 14 anos. 

  • Para quem tem curiosidade em aprender um pouco sobre tradução de hieróglifos egípcios, um colega meu escreveu uma gramática super completa. E o melhor? Em português! trata-se de “Gramática Fundamental de Egípcio Hieroglífico” (Ronaldo Guilherme Gurgel Pereira). Confira neste link: https://amzn.to/3bdre0Q

Fontes:

Egypt to introduce hieroglyphs into educational curricula next year. Disponível em < https://www.egypttoday.com/Article/4/100553/Egypt-to-introduce-hieroglyphs-into-educational-curricula-next-year >. Acesso em 5 de abril de 2021. 

BA organizes hieroglyphics training courses for teachers of Egypt’s primary schools. Disponível em < https://www.egypttoday.com/Article/4/100813/BA-organizes-hieroglyphics-training-courses-for-teachers-of-Egypt%E2%80%99s-primary >. Acesso em 12 de abril de 2021. 

A Máscara Mortuária de Tutankhamon mudará sim de museu… Mas, não agora

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Apesar da pandemia da COVID-19 ter feito com que uma série de eventos ao redor do mundo fosse cancelado ou atrasado, a exemplo da Olimpíada que ocorreria esse ano em Tóquio, os preparativos para a inauguração do Grande Museu Egípcio não pararam.

Em verdade a sua inauguração oficial estava agendada para o final desse ano de 2020, mas, devido a pandemia, ela também foi cancelada e o número de empreiteiros que estão trabalhando em sua construção diminuído. Entretanto, isso não impediu o Ministério de Turismo e Antiguidades do Egito de continuar a realizar a transferência dos artefatos arqueológicos escolhidos para o acervo do museu.

Dentre esses artefatos estão aqueles pertencentes ao faraó Tutankhamon, que têm sido gradativamente transferidos do Museu Egípcio, e outros museus menores, para o Grande Museu. O que gerou em 2019 a descoberta inusitada de uma caixa com pedaços de artefatos que outrora pertenciam a tumba dele. A caixa foi encontrada no depósito do Museu de Luxor e quando os objetos em seu interior foram analisados, foi descoberto que possuíam pedaços de uma maquete de embarcação do rei:

Porém, uma pergunta ficou no ar durante os últimos meses: quando a máscara mortuária dele, que atualmente encontra-se no Museu Egípcio do Cairo, será transferida? Alias, ela será transferida? A resposta saiu recentemente, quando o Ministério de Turismo e Antiguidades confirmou que de fato a máscara mortuária mudará de lar, sendo transferida para o Grande Museu Egípcio, mas somente após a inauguração do mesmo.

Sempre foi uma desconfiança de que a famosa máscara mortuária seria o último objeto dele a ser transferido, mas as circunstâncias nunca foram reveladas. Por isso, ficaremos no aguardo.

Fonte:

Egypt’s Tourism Minister: Grand Egyptian Museum to house Tutankhamun’s mask upon inaugration. Disponível em < https://www.egyptindependent.com/egypts-tourism-minister-grand-egyptian-museum-to-house-tutankhamuns-mask-upon-inaugration/ >. Acesso em 05 de outubro de 2020.

Saiba como as crianças se divertiam no tempo dos faraós

A infância é uma época lúdica, mesmo no Egito Antigo onde existia uma separação tênue entre a tenra idade e a idade adulta, esta normalmente estabelecida a partir do momento em que a criança casava ou tinha forças para trabalhar. Esta transição era pronunciada pelo corte da trança lateral, símbolo dos infantes.

 

Porém, as brincadeiras geralmente não tinham idade. É tanto que podemos ver em relevos mesmo adultos participando de folguedos.

E tal como outras sociedades, nos sítios arqueológicos do Egito foram encontrados brinquedos e no vídeo abaixo vocês poderão conferir alguns deles.

Ou você poderá conferir no post 10 brinquedos do Egito Antigo que você precisa conhecer.

Exposição de artefatos egípcios é inaugurada na Noruega

Quem visitar a Noruega poderá conhecer a exposição “Imagens do Museu”, que está localizada no Museu Norueguês de História Cultural em Oslo. A exposição de três meses está exibindo artefatos egípcios dos maiores museus do mundo, incluindo o Museu Victoria e Albert, o Museu d’Orsay, em Paris, e o Museu Metropolitano de Artes, além de duas cópias originais do livro “Description de l’Égypte”, obra encomendada por Napoleão Bonaparte, após invadir o Egito

ahram.org

Para mais informações:

NORSK FOLKEMUSEUM

Museumsveien 10, Bygdøy, 0287 Oslo, Norway

PHONE (+47) 22 12 37 00

E-MAIL post@norskfolkemuseum.no

https://norskfolkemuseum.no/en

 

Fonte:

Egypt ambassador to Norway inaugurates ancient Egyptian artefacts exhibition in Oslo. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/NewsContent/9/40/311992/Heritage/Ancient-Egypt/Egypt-ambassador-to-Norway-inaugurates-ancient-Egy.aspx >. Acesso em 22 de setembro.

O Museu Nacional em chamas: o que esperar do futuro?

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

O dia 02 de setembro agora ficará marcado na memória do país. O Museu Nacional, localizado na Quinta da Boa Vista, Rio de Janeiro, aquele mesmo que poderia ser o orgulho da nação, mas que permaneceu esquecido durante anos pelo poder público, irrompeu em chamas que destruíram em poucas horas mais de 20 milhões de artefatos científicos catalogados. Não se sabem ainda quais as causas do incêndio: alguns especulam que foi um curto circuito, já uma testemunha ocular declarou ao O Globo que viu um balão sobrevoar a Quinta da Boa Vista e cair no quintal do museu. Independente das causas, o fato inadmissível é que a região não estava preparada para o incidente. Os bombeiros chegaram com um caminhão tanque plenamente abastecido, mas quando ele esvaziou eles tentaram usar os hidrantes da área, entretanto, estavam secos, o que os levou a esperar por abastecimentos.

Foto: Uanderson Fernandes; Agência O Globo

Então, todos na região assistiram incrédulos ao museu ser consumido até ruir, levando consigo artefatos arqueológicos da pré-história brasileira, múmias pré-colombianas, acervos linguísticos raros, múmias egípcias únicas, coleções biológicas notáveis e, dentre centenas de muitos outros exemplos, o crânio da nossa brasileira mais antiga, a Luzia, datado com mais de 11,5 mil anos. Ou seja, não foi uma tragédia somente para o Brasil, mas para o mundo.

No canal do Arqueologia Egípcia comentei o ocorrido. Este vídeo foi gravado assim que cheguei na cidade, mas foi postado no dia seguinte.

Enquanto alguns dos nossos políticos tratam o assunto com desdém falando frases controversas como “Já pegou fogo, quer que eu faça o quê?” ou “Agora que aconteceu tem muita viúva chorando”, representantes governamentais de outros países, a exemplo da Alemanha e da França, prometeram ajuda financeira para recuperar alguma coisa dos escombros. A National Geographic também prometeu auxilio, assim como a UNESCO.

Foto: Tânia Rêgo/ABr

Contudo, agora que a tragédia ocorreu, o que seria certo nesta situação? Erguer um novo museu a partir da carcaça do Museu Nacional? “Recriar” o Museu Nacional imitando a sua arquitetura? De qualquer forma o que teríamos seria uma ilusão de um discurso de superação, já que um prédio novo não apagará a mancha da vergonha de mostrar internacionalmente que nós, um país que não está em guerra — que é uma das principais causa de destruições de museus e sítios arqueológicos —, assistimos a destruição de museus e permanecemos alheios da gravidade disto.

Múmia egípcia raríssima do Período Romano que foi destruída durante o incêndio do Museu Nacional. Foto: Lélio D. Facó.

 


*As fontes das notícias encontram-se ao longo do texto.