9 leis que todos os turistas precisam saber antes de ir ao Egito

Quando pensamos em viagens é normal a preocupação com documentos, seguros de saúde (espero muito que vocês pensem nisso), se o dinheiro que está levando é suficiente e se sua bagagem chegará com você ao seu destino. No entanto, algo que algumas pessoas nem se atentam em pensar é sobre as leis do local em que está indo, mesmo em viagens internacionais.

Foi pensando nisso que o portal The News resolveu fazer uma listinha com dicas rápidas das principais leis do Egito, afinal, ninguém quer visitar a terra dos faraós e a viagem acabar se transformando em um episódio de “De Férias na Prisão”.

Leia abaixo os pontos que eles separaram junto com algumas complementações minhas:

Três gerações de egípcios ergueram em Gizé um conjunto de pirâmides, há mais de 4 mil anos.

1 – Documento de identidade

Este é básico, mas tenha um documento de identificação com foto sempre com você. Mas, cuidado! Porque não só no Egito, mas em qualquer outro lugar do mundo os passaportes de estrangeiros, em especial brasileiros, são muito visados.

Curiosidade: nossos passaportes são os mais visados porque temos passe livre em algumas regiões do mundo.

2 – Drogas são altamente proibidas

O Egito tem uma política de tolerância zero com drogas, mesmo para pequenas quantias. Se pego o acusado pode pegar de 25 anos de prisão até perpétua. Em alguns casos pode receber pena de morte.

3 – Bebidas alcoólicas podem levar à prisão

Consumir bebidas alcoólicas no Egito é tolerado desde que seja em um restaurante ou um bar licenciado. Se você beber fora destes ambientes correrá o risco de ir para a prisão.

4 – Não fale mal do governo

Se você falar mal do país, fizer comentários políticos, mesmo que nas redes sociais, pode ir parar na prisão.

PS: O The News não esclarece como um turista estrangeiro poderia ser enquadrado neste ponto.

5 – Não tirem fotos de instalações militares

A fotografia de, ou perto de, instalações militares oficiais é estritamente proibida no Egito, incluindo o Canal de Suez. Também não é permitido fotografar prédios públicos ou funcionários desses lugares (a não ser que ele permita). De acordo com o portal, cidadãos britânicos foram presos por fotografar estações de eletricidade, estações de trem e pontes.

Sempre pergunte antes se tem permissão para tirar a foto de algo, mas cuidado, porque em alguns sítios arqueológicos os guias podem permitir fotografias e depois pedir dinheiro. Caso você se recuse, eles podem ameaçar chamar as autoridades.

6 – Quer fazer imagens com drones? Provavelmente não vai rolar!

Levar drones para o Egito é proibido, a menos que você tenha autorização prévia do Ministério da Defesa egípcio. Os cidadãos que usarem, fabricarem ou importarem drones sem a devida autorização são punidos com penas de prisão que variam de um a sete anos e/ou multas.

7 – O Egito não é território seguro para LGBTQIA+

Embora a atividade sexual entre pessoas do mesmo sexo não seja explicitamente criminalizada no Egito, a acusação de “devassidão” tem sido usada para processar pessoas LGBTQIA+. Em 2017, por exemplo, ao menos 66 pessoas foram presas no Egito por crime de “devassidão” só por segurar uma bandeira de arco-íris em um show.

8 – Nada de beijos em público

O contato físico entre homens e mulheres em locais públicos pode ser considerado inadequado em algumas regiões. Em áreas turísticas você pode até fazer demonstrações públicas de afeto, mas pode ser uma atitude reprovável em outras áreas do país.

9 – Vista-se “com modéstia”

Não existe um código de vestimenta para mulheres no Egito, mas aconselha-se que elas cubram seus decotes, ombros e joelhos… Embora saibamos muito bem que seja no Egito, aqui no Brasil ou em outros lugares do mundo a roupa necessariamente não é um impeditivo para assédios sexuais.

Estes são alguns dos pontos separados pelo The News, mas é sempre bom você esclarecer suas dúvidas diretamente com agencias de viagens especializadas.

Fonte:
9 laws all tourists need to know before going to Egypt
https://www.portsmouth.co.uk/news/crime/9-laws-all-tourists-need-to-know-before-going-to-egypt-3698226

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]