Egito inaugura a primeira fase do projeto de restauro das estátuas do templo de Karnak

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Agora em janeiro de 2021, o Ministro do Turismo e Antiguidades do Egito, o Governador de Luxor e o Secretário-Geral do Conselho Supremo de Antiguidades, visitaram a primeira fase do projeto de restauração de algumas das estátuas de carneiros que compõem o templo de Karnak. A proposta é a revitalização do local é incentivar o turismo cultural.

Foram restauradas no total de 29 estátuas na região sul do templo e já foi iniciada a segunda fase dos trabalhos, que é o restauro do conjunto de 19 estátuas da região norte.

Durante sua visita, o ministro salientou que atualmente existem cerca de 40 hotéis flutuantes operando entre Luxor e Aswan (até pouco tempo eram apenas 10 hotéis) e que 74% dos turistas que estão visitando a região são egípcios interessados em conhecer sua própria história.

Ele acrescentou que a iniciativa “Aproveite seu inverno no Egito” lançada pelo do Ministério de Turismo e Antiguidades, em cooperação com o Ministério da Aviação Civil e a Câmara de Instalações Hoteleiras, vai revitalizar o turismo doméstico para que os egípcios visitem as antiguidades. Faz parte do projeto a redução nos preços de passagens aéreas nacionais para cidades turísticas. Em suma, os egípcios também receberão descontos nos hotéis e 50% de desconto nas entradas de museus e sítios arqueológicos.

Fonte:

Egypt inaugurates 1st phase of restoration project of Rams statues located behind temple of Amun-Ra in Karnak temples. Disponível em < https://www.egypttoday.com/Article/4/96000/Egypt-inaugurates-1st-phase-of-restoration-project-of-Rams-statues >, acesso em 10 de janeiro de 2021.

Egito prepara grande procissão fúnebre para múmias de faraós

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

O Ministério do Turismo e Antiguidades do Egito está se preparando para transferir as múmias de alguns dos mais famosos faraós, que estão no Museu Egípcio do Cairo, para o Museu Nacional da Civilização Egípcia de Fustat. No total, 22 múmias reais serão transferidas sendo 4 delas de rainhas. Cada uma em seus próprios transportes, mas não serão transportes quaisquer! Olhem o que foi preparado para o cortejo:

Entre as múmias que serão transferidas estão a de Ramsés II, Seqenenre Tao, Tutmés III, Seti I, Hatshepsut e as rainhas Meritamen e a Ahmose Nefertari. Esses corpos foram encontrados no final do século 19 na TT320, um esconderijo real localizado em Deir el Bahari:

A preparação do Museu Nacional da Civilização Egípcia para receber esses corpos e outros artefatos arqueologicos, é um dos projetos mais importantes realizados pelo governo egípcio em cooperação com a UNESCO.

— Veja também: Novidades sobre o museu que abrigará múmias de faraós

O que sabemos por hora é que a a celebração começará com a iluminação da Praça Tahrir, onde está o Museu Egípcio, e uma cortina será levantada sobre o obelisco e os carneiros circundantes. Nesse momento terá início a grande cerimônia do translado das múmias.

Praça Tahir iluminada.

Ao longo da procissão música será tocada e os prédios localizados no trajeto ganharão um show de luz com destaque para o azul. Lembrando que o azul era uma cor sagrada para os antigos egípcios. 

Cada carro carregará o nome de sua respectiva múmia tanto em egípcio antigo como em árabe egípcio. Todas as fotos que temos no momento foram tiradas por Muhammad Ramadan um graduado do Al-Alsun College. 

 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Uma publicação compartilhada por 🎄🎅🏾Márcia Jamille 🎅🏾🎄 (@marciajamille)

O governo egípcio tem treinado o desfile fúnebre para ter certeza que ocorrerá tudo bem. Lembrando que mesmo mortos há mais de 3000 anos os egípcios ainda consideram esses reis e rainhas como líderes de estado. Já Tutankhamon não fará parte dessa procissão. O corpo desse rei permanecerá no Vale dos Reis. Saiba mais sobre esse assunto:

A data da transferência ainda não foi disponibilizada. Originalmente o governo egípcio esperava convidar a imprensa internacional para acompanhar o cotejo fúnebre. Contudo, devido a pandemia do novo coronavírus, provavelmente esses planos mudarão. 

Fontes: 

Preparations for transfer of 22 royal mummies finalized. Disponível em < https://www.egypttoday.com/Article/4/79668/Preparations-for-transfer-of-22-royal-mummies-finalized >. Acesso em 17 de janeiro de 2020.

Egypt’s min. of tourism & antiquities embarks on an inspecting tour in NMEC. Disponível em < https://www.egypttoday.com/Article/4/88463/Egypt%E2%80%99s-min-of-tourism-antiquities-embarks-on-an-inspecting-tour >. Acesso em 14 de junho de 2020

Disponível em < https://tourismtourism445.blogspot.com/2020/12/blog-post_2.html?m=1&fbclid=IwAR1fPtHxpRmTFRd8412Lq91PGuh-L7PvDZtlNZA-y_AuRtTdOuAIJUa3bVw >. Acesso em 02 de dezembro de 2020. محمد رمضان عشماوي يلتقط صور للاستعدادت الأخيرة لموكب نقل المومياوات الملكية (صور)

Disponível em < http://gate.ahram.org.eg/News/2537682.aspx >. Acesso em 02 de dezembro de 2020. «السياحة والآثار» تضع اللمسات الأخيرة للكشف عن أكبر موكب ملكي | صور

Disponível em < https://www.youm7.com/story/2020/12/2/%D9%85%D9%8A%D8%AF%D8%A7%D9%86-%D8%A7%D9%84%D8%AA%D8%AD%D8%B1%D9%8A%D8%B1-%D8%AD%D8%AF%D9%8A%D8%AB-%D8%A7%D9%84%D8%B3%D8%A7%D8%B9%D8%A9-%D8%B9%D9%84%D9%89-%D9%85%D9%88%D8%A7%D9%82%D8%B9-%D8%A7%D9%84%D8%AA%D9%88%D8%A7%D8%B5%D9%84-%D8%A8%D8%B9%D8%AF-%D8%B8%D9%87%D9%88%D8%B1-%D8%B9%D8%B1%D8%A8%D8%A7%D8%AA/5095752  >. Acesso em 02 de dezembro de 2020 . ميدان التحرير حديث الساعة على مواقع التواصل بعد ظهور عربات نقل المومياوات.. صور

Disponível em < https://www.masrawy.com/news/news_egypt/details/2020/12/2/1923399/%D8%A8%D8%A7%D9%84%D8%B5%D9%88%D8%B1-%D8%A8%D8%B1%D9%88%D9%81%D8%A7%D8%AA-%D8%A7%D9%84%D9%85%D9%88%D9%83%D8%A8-%D8%A7%D9%84%D8%B9%D8%A7%D9%84%D9%85%D9%8A-%D9%84%D9%86%D9%82%D9%84-%D8%A7%D9%84%D9%85%D9%88%D9%85%D9%8A%D8%A7%D9%88%D8%A7%D8%AA-%D8%A7%D9%84%D9%85%D9%84%D9%83%D9%8A%D8%A9-%D9%84%D9%85%D8%AA%D8%AD%D9%81-%D8%A7%D9%84%D8%AD%D8%B6%D8%A7%D8%B1%D8%A9- >. Acesso em 02 de dezembro de 2020. بالصور.. بروفات الموكب العالمي لنقل المومياوات الملكية لمتحف الحضارة

Créditos das fotos: Mohamed Ramadan (2020).

7 coisas que você precisa saber sobre os 59 sarcófagos lacrados encontrados no Egito

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

No dia 3 de outubro (2020) o Ministério de Turismo e Antiguidades do Egito realizou uma conferência de imprensa em Saqqara, terra que os egípcios há mais de 2000 anos transformaram em cidade dos mortos e a qual hoje é uma das paisagens arqueológicas mais importantes do país. 

Naquele dia ele anunciou para uma plateia ansiosa que uma equipe de arqueologia do Supremo Conselho de Antiguidades do país tinha desenterrado um total de 59 ataúdes (sarcófagos, como se habituou a chamar aqui no Brasil). Descoberta essa que deixou muitos egiptólogos extremamente animados, mas muitas pessoas na internet levantando várias especulações e mitos. 

Para te deixar atualizado de tudo o que ocorreu, separei 7 pontos importantes a ver com essa descoberta:

1 – Saqqara foi durante o início da era dos faraós parte da capital do Egito e após perder o seu posto tornou-se uma cidade de grande importância religiosa, além de possuir uma das mais significativas necrópoles do país. É lá onde, inclusive, está a mais antiga pirâmide do Egito: a Pirâmide de Djoser;

2 – Os sarcófagos não foram encontrados em uma única tumba, mas em diferentes poços funerários: todos eles foram encontrados divididos em três diferentes poços, cuja profundidade varia entre 10 e 12 metros. Ou seja, o Ministério de Turismo e Antiguidades somaram as descobertas;

3 – Não é a primeira vez que vários sarcófagos foram encontrados juntos: uma descoberta desse tipo ocorreu no final de 2019 em Luxor, onde 30 sarcófagos foram localizados. Outra foi a do esconderijo das múmias de Deir el-Bahari, no século XIX, onde mais de 40 múmias foram encontradas, mas infelizmente muitas delas já tinham sido saqueadas por ladrões de tumbas. Temos vídeos sobre ambas essas descobertas:

4 – Todos esses sarcófagos estão lacrados, o que permitirá reunir muitos detalhes sobre a vida no Egito Antigo. Mas, é preciso salientar que “lacrado” não quer dizer “trancado”. Quer dizer que ele está fechado exatamente como foram deixados há mais de 2000 anos e que os corpos não foram perturbados por ladrões de tumbas; 

5 – Os corpos, ao contrário dos muitos boatos levantados na internet, não serão desenfaixados. Quando um sarcófago com uma múmia é encontrado de fato o sarcófago é aberto, mas a múmia em seu interior não é mexida. O que é feito é ver a integridade das bandagens e se precisa de algum restauro. Mas, se existir a necessidade de ver o que tem dentro da múmia, um tomógrafo ou um raio-x é utilizado (são muito raras as exceções em que uma múmia precisa ser desenfaixada). 

6 – Outro boato que surgiu é que essas múmias irão para museus europeus. Porém, há décadas o governo egípcio proíbe que arqueólogos e governos estrangeiros retirem artefatos arqueológicos do país. O máximo que ocorre é serem emprestados para exposições temporárias e seguindo uma série de regras;

7 – E não! Não existe risco de liberar vírus antigos ou epidemias ao abrir sarcófagos egípcios! Isso é mito! A temperatura do Egito não propícia que isso ocorra.

Quer saber mais detalhes sobre cada um desses pontos? Assista ao vídeo que gravei para o Arqueologia pelo Mundo:

No Egito estrada por onde caminharam faraós está sendo renovada para receber turistas

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Entre os dias 5 e 6 de novembro ocorreu uma obra na Avenida das Esfinges (Estrada Kebbash), que nada mais é que um corredor de esfinges que conecta o Complexo de Templos de Karnak com o Templo de Luxor, ambos extremamente importantes durante a era dos faraós. Por ela passaram vários festivais relevantes, a exemplo da Bela Festa Opet.

Foto: Hiveminer

Aberta ao público desde 2013, essa estrada tem 2,7 quilômetros de extensão. É uma caminhada rodeada por cerca de 1.200 crioesfinges (esfinges com cabeças de carneiro) esculpidas em arenito, alinhadas em cada lado da estrada.

Veja a extensão da estrada saindo do Templo de Luxor para Karnak. Fonte: Google Earth.

O secretário-geral do Supremo Conselho de Antiguidades, Mostafa Waziri, inspecionou as obras e explicou que essa será a maior passarela para museus a céu aberto do mundo. Ele também afirmou que 70% da obra da estrada foi concluída.

Foto: Mostafa Waziri supervisiona a obra.

A renovação da Avenida das Esfinges tem como objetivo enaltecer ainda mais Luxor (e Karnak) no mapa turístico, atraindo cada vez mais turistas.

Fonte:

Egypt’s Mostafa Waziri inspects work at Kebbash road. Disponível em < https://www.egypttoday.com/Article/4/93955/Egypt%E2%80%99s-Mostafa-Waziri-inspects-work-at-Kebbash-road >. Acesso em 06 de novembro de 2020.

SILIOTTI, Alberto. Egito (Tradução de Francisco Manhães). Barcelona: Editora, 2006.

Egito anunciará em breve o que declaram como “a maior descoberta arqueológica de 2020”

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

O Ministério de Turismo e Antiguidades do Egito declarou essa semana que anunciará aquela que definiu como “a maior descoberta arqueológica de 2020”. Tal anúncio será feito em uma conferência de imprensa que será realizada na necrópole de Saqqara nos próximos dias.

Foto: Ministério de Turismo e Antiguidades do Egito

No início de outubro foi anunciada a descoberta de 59 sarcófagos na região, o que por si só já é notável e histórico. Todos esses caixões estão bem preservados e contendo suas respectivas múmias em seu interior. Saiba mais sobre essa descoberta assistindo ao vídeo abaixo:

Então, isso faz com que nos perguntemos que tipo de descoberta superaria a dos 59 sarcófagos.

Foto: Ministério de Turismo e Antiguidades do Egito
Foto: Ministério de Turismo e Antiguidades do Egito

Através de algumas fotografias disponibilizadas pelo próprio Ministério é possível ver alguns artefatos em um ótimo estado de conservação, incluindo o que parece ser uma máscara de cartonagem coberta por folhas de ouro.

Foto: Ministério de Turismo e Antiguidades do Egito

Ficaremos no aguardo por mais notícias.

“A maior descoberta arqueológica”:

Embora insistam em utilizar o termo “maior descoberta arqueológica”, isso é problemático no sentido de que isso acaba colocando um valor “quantitativo” em descobertas arqueológicas. Que quanto “maior” e “mais enfeitado”, melhor. O que não é verdade. A Arqueologia é uma ciência indiciária, e quanto mais informações tivermos, independente do volume ou “qualidade artística”, melhor.

Espero abordar esse assunto em breve no canal Arqueologia pelo Mundo. Clique aqui e se inscreva nele para não perder nenhum vídeo.

Fonte:
Egypt to announce biggest archaeological discovery of 2020 soon. Disponível em < https://dailynewsegypt.com/2020/11/09/egypt-to-announce-biggest-archaeological-discovery-of-2020-soon/ >. Acesso em 09 de novembro de 2020.
Egypt to announce biggest archaeological discovery in 2020 in few days. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/News/391380.aspx >. Acesso em 09 de novembro de 2020.

6 antigas revistas sobre o Egito Antigo despertam nostalgia entre curiosos

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Recentemente o Arqueologia pelo Mundo passou por mais uma mudança, mas dessa vez não foi na estrutura do canal, mas em seu cenário: mudamos para um ambiente novo, mais espaçoso e mais fresco — decisão necessária, visto que o final de ano é o período mais quente em Aracaju, onde moro.

Foi em meio a essa mudança onde olhei com mais atenção a minha coleção de revistas sobre Arqueologia, História Geral e especificamente Egito Antigo. Sim! Há alguns anos foram vendidas revistas exclusivas sobre o tema! E uma dessas coleções era “A Magia do Egito”, publicada pela Editora Escala.

As revistas que encontrei vão do volume 1 ao 6 e não localizei informações sobre se essa é a coleção completa ou se ela teve continuidade.

De uma forma geral essas revistas possuíam algumas informações bem equivocadas, mas, precisamos reconhecer que elas foram a única oportunidade de contato com o Egito Antigo para muitas pessoas. No início dos anos 2000, quando elas foram publicadas, o YouTube nem sonhava em existir, os documentários se resumiam a poucos canais fechados e a internet era um terreno praticamente inexplorado. Sites sobre o Egito Antigo eram totalmente raros e igualmente pouco confiáveis.

Alguns dos nossos seguidores deixaram seus comentários sobre essas revistas:

Folhear essas revistas me levou de volta à era de ouro das bancas, quando foi um passatempo comum olhar as capas e novidades disponíveis. Hoje, jornais e revistas têm migrado para o meio digital, outros, nem essa oportunidade tiveram, acabando por falir. No Brasil, recentemente perdemos a National Geographic, um dos maiores títulos do mundo.

Espero em breve trazer para vocês a análise de cada uma dessas revistas da coleção. Eu só cheguei a dar uma olhada superficial, então será interessante saber o que está guardado em algumas dessas folhas.

— E mais: Já teve curiosidade em saber como seria viver uma estudante de Arqueologia em um jogo? Então acompanhe a série “Aventuras na Arqueologia”:

Egito anuncia descoberta arqueológica da época de Ramsés II

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

O Egito tem tentado controlar o avanço da COVID-19 no país e paralelamente tem retomado as pesquisas arqueológicas — com uma série de restrições as quais já sitei aqui no site —. Então, agora em agosto, o Ministério do Turismo e Antiguidades do Egito anunciou a descoberta de artefatos que datam do reinado de Ramsés II — um dos reis mais famosos da 19ª Dinastia —, além de restos de estruturas pertencentes aos coptas. Tudo isso em Mit Rahina, que no passado ficava nas proximidade da antiga Mênfis.

A importância dessa descoberta está no fato de que Mênfis foi por muitos séculos capital do Egito e mesmo quando perdeu esse posto, continuou a ter relevância religiosa.

Foram encontrados vários blocos e estátuas de pedra esculpidas, dentre elas está uma feita em granito preto representando uma mulher. Já os blocos são feitos de calcário e pertencem à era copta, que em nada tem a ver com o tempo dos faraós. Os coptas tratam-se de uma das comunidades cristãs mais antigas do Oriente Médio. Desta forma, os arqueólogos responsáveis pelas pesquisas acreditam que esses blocos seriam reutilizações de partes de templos da época dos faraós.

O artefato do faraó Ramsés II encontrado é uma estátua, que estava acompanhada por várias estátuas representando diferentes divindades como Sekhmet, Hathor e Ptah. Tem curiosidade em conhecer mais sobre os deuses da antiguidade egípcia? Assista ao vídeo “Deuses do Egito Antigo: O que você precisa saber!“:

E quer conhecer um dos feitos mais famosos de Ramsés II? Veja ao vídeo “Deslocamento dos Templos de Abu Simbel: Ramsés II e Nefertari“:

Os trabalhos de escavações nesse sítio de Mit Rahina continuarão até que todos os artefatos e estruturas arqueológicas tenham passado por um trabalho de conservação.

Fonte:

Egypt announces new archaeological discovery from Ramses II era. Disponível em <https://dailynewsegypt.com/2020/07/28/egypt-announces-new-archaeological-discovery-from-ramses-ii-era/ >. Acesso em 04 de agosto de 2020.

Entenda a tumba do faraó Tutankhamon

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Descoberta em 1922 pelo arqueólogo inglês Howard Carter, a tumba de Tutankhamon é uma das descobertas arqueológicas mais importantes da arqueologia egípcia. Um dos motivos? Ela foi encontrada praticamente intacta, ainda lacrada com o selo das necrópoles que foram postos lá há mais de 3000 anos. O outro foi por ter sido amplamente documentada por Carter, coisa que os arqueólogos da época raramente faziam.

E apesar de ser pequena, ela possui informações interessantes sobre o Egito Antigo, além de várias curiosidades. Por exemplo, sabia que no seu interior existia uma parede falsa que leva ao espaço que hoje chamamos de “câmara funerária”? É possível enxergar essa parede na foto que foi tirada por Harry Burton, fotógrafo oficial da missão de arqueologia — veja a foto no vídeo.

Então, que tal fazer um tour virtual por ela? E ainda com uma explicação detalhada de cada imagem presente? Veja o vídeo abaixo do canal Arqueologia pelo Mundo:

— E mais: Já teve curiosidade em saber como seria viver uma estudante de Arqueologia em um jogo? Então acompanhe a série “Aventuras na Arqueologia”:

Apesar do adiamento da inauguração, obras do Grande Museu Egípcio não pararam: entenda o caso!

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Apesar da pandemia causada pela covid-19, as obras para finalizar o Grande Museu Egípcio não pararam. Esperava-se que esse grande edifício fosse oficialmente inaugurado no final desse ano de 2020. Entretanto, por motivos de segurança, a inauguração foi cancelada para o início de 2021. Inclusive o ministro do Turismo e Antiguidades do Egito, Khaled al-Anani, visitou as obras do museu no início de abril, para verificar o andamento do projeto.

Entretanto, por que os trabalhadores do museu não estão em quarentena?

De acordo com o ministro, o número de trabalhadores e especialistas em restauro que atuam no local foi reduzido e outras medidas preventivas foram implementadas visando limitar a propagação do coronavírus. Mais de 1.700 trabalhadores estão atuando no local para concluir cerca de 50% das tarefas diárias. Ainda de acordo com o ministro, os trabalhadores estão efetuando suas funções a distâncias seguras, além de suas temperaturas serem medidas sempre durante a chegada e saída do trabalho. Em soma, segundo o supervisor geral do Grande Museu Egípcio, Atef Moftah, as instalações estão sendo esterilizadas duas vezes por dia e os trabalhadores são obrigados a usar máscaras médicas. 

E em uma tentativa de impedir a propagação do coronavírus, o Egito fechou os sítios arqueológicos para visitação. Essa medida está tendo um enorme impacto no setor turístico, que é extremamente importante para a economia do país. 

Fontes:

Work continues for opening of Grand Egyptian Museum. Disponível em < https://travel.manoramaonline.com/travel/travel-news/2020/04/16/work-continues-opening-grand-egyptian-museum.html >. Acesso em 25 de maio de 2020.