6 antigas revistas sobre o Egito Antigo despertam nostalgia entre curiosos

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Recentemente o Arqueologia pelo Mundo passou por mais uma mudança, mas dessa vez não foi na estrutura do canal, mas em seu cenário: mudamos para um ambiente novo, mais espaçoso e mais fresco — decisão necessária, visto que o final de ano é o período mais quente em Aracaju, onde moro.

Foi em meio a essa mudança onde olhei com mais atenção a minha coleção de revistas sobre Arqueologia, História Geral e especificamente Egito Antigo. Sim! Há alguns anos foram vendidas revistas exclusivas sobre o tema! E uma dessas coleções era “A Magia do Egito”, publicada pela Editora Escala.

As revistas que encontrei vão do volume 1 ao 6 e não localizei informações sobre se essa é a coleção completa ou se ela teve continuidade.

De uma forma geral essas revistas possuíam algumas informações bem equivocadas, mas, precisamos reconhecer que elas foram a única oportunidade de contato com o Egito Antigo para muitas pessoas. No início dos anos 2000, quando elas foram publicadas, o YouTube nem sonhava em existir, os documentários se resumiam a poucos canais fechados e a internet era um terreno praticamente inexplorado. Sites sobre o Egito Antigo eram totalmente raros e igualmente pouco confiáveis.

Alguns dos nossos seguidores deixaram seus comentários sobre essas revistas:

Folhear essas revistas me levou de volta à era de ouro das bancas, quando foi um passatempo comum olhar as capas e novidades disponíveis. Hoje, jornais e revistas têm migrado para o meio digital, outros, nem essa oportunidade tiveram, acabando por falir. No Brasil, recentemente perdemos a National Geographic, um dos maiores títulos do mundo.

Espero em breve trazer para vocês a análise de cada uma dessas revistas da coleção. Eu só cheguei a dar uma olhada superficial, então será interessante saber o que está guardado em algumas dessas folhas.

— E mais: Já teve curiosidade em saber como seria viver uma estudante de Arqueologia em um jogo? Então acompanhe a série “Aventuras na Arqueologia”:

Egito anuncia descoberta arqueológica da época de Ramsés II

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

O Egito tem tentado controlar o avanço da COVID-19 no país e paralelamente tem retomado as pesquisas arqueológicas — com uma série de restrições as quais já sitei aqui no site —. Então, agora em agosto, o Ministério do Turismo e Antiguidades do Egito anunciou a descoberta de artefatos que datam do reinado de Ramsés II — um dos reis mais famosos da 19ª Dinastia —, além de restos de estruturas pertencentes aos coptas. Tudo isso em Mit Rahina, que no passado ficava nas proximidade da antiga Mênfis.

A importância dessa descoberta está no fato de que Mênfis foi por muitos séculos capital do Egito e mesmo quando perdeu esse posto, continuou a ter relevância religiosa.

Foram encontrados vários blocos e estátuas de pedra esculpidas, dentre elas está uma feita em granito preto representando uma mulher. Já os blocos são feitos de calcário e pertencem à era copta, que em nada tem a ver com o tempo dos faraós. Os coptas tratam-se de uma das comunidades cristãs mais antigas do Oriente Médio. Desta forma, os arqueólogos responsáveis pelas pesquisas acreditam que esses blocos seriam reutilizações de partes de templos da época dos faraós.

O artefato do faraó Ramsés II encontrado é uma estátua, que estava acompanhada por várias estátuas representando diferentes divindades como Sekhmet, Hathor e Ptah. Tem curiosidade em conhecer mais sobre os deuses da antiguidade egípcia? Assista ao vídeo “Deuses do Egito Antigo: O que você precisa saber!“:

E quer conhecer um dos feitos mais famosos de Ramsés II? Veja ao vídeo “Deslocamento dos Templos de Abu Simbel: Ramsés II e Nefertari“:

Os trabalhos de escavações nesse sítio de Mit Rahina continuarão até que todos os artefatos e estruturas arqueológicas tenham passado por um trabalho de conservação.

Fonte:

Egypt announces new archaeological discovery from Ramses II era. Disponível em <https://dailynewsegypt.com/2020/07/28/egypt-announces-new-archaeological-discovery-from-ramses-ii-era/ >. Acesso em 04 de agosto de 2020.

Entenda a tumba do faraó Tutankhamon

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Descoberta em 1922 pelo arqueólogo inglês Howard Carter, a tumba de Tutankhamon é uma das descobertas arqueológicas mais importantes da arqueologia egípcia. Um dos motivos? Ela foi encontrada praticamente intacta, ainda lacrada com o selo das necrópoles que foram postos lá há mais de 3000 anos. O outro foi por ter sido amplamente documentada por Carter, coisa que os arqueólogos da época raramente faziam.

E apesar de ser pequena, ela possui informações interessantes sobre o Egito Antigo, além de várias curiosidades. Por exemplo, sabia que no seu interior existia uma parede falsa que leva ao espaço que hoje chamamos de “câmara funerária”? É possível enxergar essa parede na foto que foi tirada por Harry Burton, fotógrafo oficial da missão de arqueologia — veja a foto no vídeo.

Então, que tal fazer um tour virtual por ela? E ainda com uma explicação detalhada de cada imagem presente? Veja o vídeo abaixo do canal Arqueologia pelo Mundo:

— E mais: Já teve curiosidade em saber como seria viver uma estudante de Arqueologia em um jogo? Então acompanhe a série “Aventuras na Arqueologia”:

Apesar do adiamento da inauguração, obras do Grande Museu Egípcio não pararam: entenda o caso!

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Apesar da pandemia causada pela covid-19, as obras para finalizar o Grande Museu Egípcio não pararam. Esperava-se que esse grande edifício fosse oficialmente inaugurado no final desse ano de 2020. Entretanto, por motivos de segurança, a inauguração foi cancelada para o início de 2021. Inclusive o ministro do Turismo e Antiguidades do Egito, Khaled al-Anani, visitou as obras do museu no início de abril, para verificar o andamento do projeto.

Entretanto, por que os trabalhadores do museu não estão em quarentena?

De acordo com o ministro, o número de trabalhadores e especialistas em restauro que atuam no local foi reduzido e outras medidas preventivas foram implementadas visando limitar a propagação do coronavírus. Mais de 1.700 trabalhadores estão atuando no local para concluir cerca de 50% das tarefas diárias. Ainda de acordo com o ministro, os trabalhadores estão efetuando suas funções a distâncias seguras, além de suas temperaturas serem medidas sempre durante a chegada e saída do trabalho. Em soma, segundo o supervisor geral do Grande Museu Egípcio, Atef Moftah, as instalações estão sendo esterilizadas duas vezes por dia e os trabalhadores são obrigados a usar máscaras médicas. 

E em uma tentativa de impedir a propagação do coronavírus, o Egito fechou os sítios arqueológicos para visitação. Essa medida está tendo um enorme impacto no setor turístico, que é extremamente importante para a economia do país. 

Fontes:

Work continues for opening of Grand Egyptian Museum. Disponível em < https://travel.manoramaonline.com/travel/travel-news/2020/04/16/work-continues-opening-grand-egyptian-museum.html >. Acesso em 25 de maio de 2020.

A busca por “espaços vazios” na Grande Pirâmide do Egito continua

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Em 2017 a revista Nature anunciou que físicos descobriram um espaço vazio dentro da Grande Pirâmide de Gizé. De acordo com a matéria, esse espaço foi encontrado através da detecção de múons. A Grande Pirâmide foi o túmulo do faraó Khufu (Queóps), que reinou durante a IV Dinastia (há cerca de 4500 anos) e foi feita com pedra calcária e granito.

Porém, ao contrário do que foi dito pela Nature, muitos veículos de imprensa anunciaram erroneamente que este achado se tratava de uma “câmara oculta”, dando a impressão de que novas salas teriam sido encontradas dentro da tumba. A Grande Pirâmide já possui câmaras identificadas, são elas a “Câmara da Rainha”, a “Câmara do Rei” e as “câmaras de descarga” ou “câmaras de alívio”.  Mas este espaço vazio anunciado em 2017 poderia ser uma série de coisas, inclusive, na pior das hipóteses, uma rachadura na estrutura do edifício. 

A controvérsia diante do anúncio da descoberta de “espaços vazios” na Grande Pirâmide

E agora em 2020 um grupo de pesquisadores japoneses da Universidade de Kyushu planejam realizar novamente a pesquisa com múons para tentar entender o que é este espaço vazio. “A cavidade descoberta anteriormente é muito grande do ponto de vista arqueológico”, disse Sakuji Yoshimura, que lidera o projeto de pesquisa geral envolvendo outras universidades. “Estamos muito interessados ​​em verificar as descobertas.”

Pirâmide de Khufu. Foto: Nina Aldin Thune via Wikimedia Commons.

Espera-se que os resultados dessas pesquisas sejam divulgados por volta do final do ano.

Fonte:

Team to re-scan Great Pyramid of Giza to pinpoint hidden chamber. Disponível em <http://www.asahi.com/ajw/articles/AJ202001110001.html>, acesso em 13 de Janeiro de 2020.

Egito está se preparando para inauguração do maior museu de antiguidades do mundo

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Uma das vistas mais emblemáticas do platô de Gizé, onde está a Grande Pirâmide do Egito, é um edifício onde se encontra aquele que será o maior museu do mundo dedicado a uma única civilização: o Grande Museu Egípcio. 

Foto: Dana Smillie

A ideia da criação do Grande Museu Egípcio surgiu como uma tentativa de se criar um museu modelo e aliviar as várias reservas técnicas espalhadas pelo país, que estavam abarrotadas de artefatos arqueológicos.

Depois de anos de construção e incidentes — como um incêndio ocorrido em 2018 —, o sonho da inauguração oficial está cada vez mais próximo.   

O Ministério do Turismo e Antiguidades do Egito anunciou ontem que foram finalizados mais de 90% do Grande Museu Egípcio e que ele deve ser inaugurado no último trimestre deste ano de 2020 (a expectativa é que seja em novembro).

Foto: Dana Smillie

Vários artefatos de grande valor simbólico e histórico já foram transferidos para o Grande Museu, tais como todos os artefatos relacionados ao faraó Tutankhamon e os “recentemente” descobertos 30 ataúdes de madeira encontrados na vila de Al-Assasif (próxima da cidade de Luxor).

Ele também contará como um museu infantil, um centro de artesanato, um espaço dedicado aos Barcos Solares, dentre outras coisas.

Fonte:

90 percent of GEM work is finished. Disponível em < https://www.egypttoday.com/Article/4/79339/90-percent-of-GEM-work-is-finished >, Acesso em 06 de janeiro de 2020.   

A princesa Ahmanet de “A Múmia” existiu?

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Em 2017 estreou um filme chamado “A Múmia”, que caso você não seja muito antenado no mundo do cinema, faz parte de uma franquia quase centenária. Franquia esta que se apoia em um enredo em que múmias egípcias, por algum acidente ou acaso do destino, acabam sendo trazidas de volta à vida e caminham por aí espalhando o mal ou a destruição.

O primeiro filme “A Múmia” foi lançado 1932 estrelando Boris Karloff e Zita Johann. Nele o sacerdote Imhotep, por meio de um encantamento, acaba sendo trazido de volta a vida e descobre que seu amor do Egito Antigo reencarnou. Nas décadas seguintes a Universal Studios lançou vários filmes usando parte dessa premissa. Dois dos mais famosos é o “A Múmia” de 1999 e “O Retorno da Múmia” de 2001. Neles vemos a reutilização de parte da história e do nome do personagem Imhotep. 

A franquia então ficou no congelador por um tempo até que foi anunciado o novo filme. A proposta era que esse novo “A Múmia” seria a porta de entrada para o Dark Universe; inspirado nas franquias de super-heróis, esperava-se que fosse criado um universo de monstros clássicos da Universal Studios. O filme porém não agradou e o sonho da Dark Universe parece ter descido pelo ralo. 

Nele, temos a personagem Ahmanet interpretada pela Sofia Boutella. Trata-se de uma princesa egípcia que após cometer assassinato é punida sendo enterrada viva. Milênios depois seu sarcófago é encontrado por um uma dupla de soldados que fazem bico como caçadores de tesouros (ou seja são corruptos, por que caça tesouros, nesse caso artefatos arqueológicos, em alguns países é crime). 

E já que falei anteriormente de Imhotep: o nome dele é inspirado em uma personalidade do Egito Antigo e que ao contrário do filme, onde ele é um sacerdote, na vida real ele foi um arquiteto. Mas e a princesa Ahmanet? Ela  foi inspirada em alguém que existiu?

A resposta é não. Em termos de egiptologia não conhecemos ninguém que tenha tido um destino parecido com o dela, mas seu nome provavelmente foi inspirado no da deusa Amonet, que era uma contraparte do Deus Amon, uma das divindades principais do panteão egípcio. Por acaso cheguei a falar sobre Amonet em um vídeo lá do canal, já que ela faz uma pontinha na série Penny Dreadful.

Sarcófagos de mulheres são encontrados em cemitério do Egito

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Uma missão coordenada pelo Instituto Francês de Arqueologia Oriental e pela Universidade de Estrasburgo descobriu três ataúdes de madeira no pátio do túmulo de uma pessoa chamada Padiaménopé[1] (TT 33), em Tebas.

Estes caixões são datados da 18ª Dinastia, Novo Império, e estão em um ótimo estado de conservação.

Um deles pertence a uma mulher chamada Ti e mede 1,95 m, o outro pertence a uma mulher chamada Rau e possui 1,90 m. Já o terceiro caixão o sexo do seu dono ainda não foi esclarecido para a imprensa, mas possui 1,80 m.

Como é de se esperar, todos os caixões possuem ilustrações com motivos religiosos e embora sejam desenhos simples, possuem cores vibrantes.

Não foram dadas informações sobre qual será o destino destes ataúdes, se irão permanecer em um armazém ou irão compor a exposição de algum museu. Igualmente não foi dito se eles guardam alguma múmia.


[1] O seu sexo e época em que viveu não foram apontados.

Fonte:

French Archaeologists Unearth Ancient Egyptian Wooden Coffins. Disponível em < http://luxortimes.com/2019/11/french-archaeologists-unearth-ancient-egyptian-wooden-coffins/ >. Acesso em 27 de novembro de 2019.