Pesquisadores brasileiros analisam múmia egípcia no sul do Brasil

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

No dia 02 de setembro de 2018 o Museu Nacional foi devastado por um incêndio que arruinou o interior do edifício, destruindo as múmias egípcias que faziam parte do acervo. Entretanto, o Brasil ainda possui alguns artefatos do tempo dos faraós que se encontram em diferentes pontos do país e sob diferentes circunstâncias. Um deles é a cabeça de uma múmia que permaneceu praticamente anônima no Rio Grande do Sul, no museu do Centro Cultural 25 de Julho (Cerro Largo). Apelidada de a “Múmia de Cerro Largo”, esta cabeça outrora estava em uma prateleira simples, dentro de uma caixa de vidro e coberta por uma manta. O anúncio de sua permanência aqui no Brasil foi recebida com grande susto, afinal, como uma múmia egípcia parou no interior do Rio Grande do Sul? E como quase ninguém sabia dela?

Foto: Bruno Todeschini

De acordo com uma declaração feita por Guido Henz, integrante do museu 25 de Julho, para uma matéria veiculada no portal Gauchazh: um advogado, cujo nome não foi divulgado, em sua estadia no Rio de Janeiro, supostamente ganhou a peça de presente no início da década de 1950 de um amigo egípcio — também não identificado —. 

Então, ao retornar ao Rio Grande do Sul, sua terra natal, o advogado deixou a peça exposta em uma sala reservada em sua residência. Com a chegada do final da década de 1970 ele a entrega para Henz, a fim de que ela faça parte do museu. Esta doação ocorreu porque sua família não queria mais que a cabeça permanecesse em sua residência, já que acreditavam se tratar de algo amaldiçoado, uma vez que tanto o egípcio, como o advogado faleceram de câncer. 

Mas, antes do egípcio, a quem ela pertenceu? E ele a adquiriu de forma legal? É uma dúvida que até agora paira minha cabeça, já que não é incomum que pedaços de múmias sejam contrabandeadas. Ainda mais na década de 1950 em que as leis contra furtos em sítios arqueológicos ainda não eram levadas tão a sério. Mas, esta é uma questão que a equipe responsável por sua pesquisa só poderá responder com o tempo.

Múmias são encontradas em Aeroporto do Cairo (Egito)

E por não se saber de fato qual a origem deste crânio é praticamente impossível conhecer sua verdadeira identidade. Entretanto, para nossa felicidade a ciência é capaz de apontar alguns detalhes da sua vida tais como idade, sexo, dentre outras informações.

Quando o crânio finalmente cruzou com a ciência:

Tudo começou quando o historiador Édison Hüttner, coordenador do Grupo de Estudo de Identidades Afro-Egípcias da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ), foi convidado em junho de 2017 a ir ao Museu Cerro Largo. Lá viu o crânio e pediu permissão para poder investigá-lo. Com a permissão concedida, ele levou o crânio para a PUCRS (Porto Alegre).

Foto: Bruno Todeschini

Durante um ano foram realizadas diferentes tipos de pesquisas. Uma delas foi uma análise por radiocarbono feita nos Estados Unidos (no laboratório Beta Analytic) se utilizando de um pedaço de um dos dentes da múmia. Assim como análises feitas por um cirurgião bucomaxilofacial e pelo arqueólogo Moacir Elias Santos. 

Foto: Bruno Todeschini

Esta interdisciplinaridade permitiu saber que o crânio pertence a uma mulher que morreu na faixa dos 40 anos e que viveu no Egito entre 768 a 476 a.E.C, época situada entre o final do Terceiro Período Intermediário e o início do Período Tardio. Outro detalhe importante é que ela não teve uma mumificação de qualidade — ao menos levando em consideração o padrão egípcio — já que não ocorreu a conservação total dos tecidos moles e não foi encontrado resquícios de resina dentro da caixa craniana.

Foto: Édison Hüttner/PUCRS

A cabeça também passou por um exame de tomografia no Instituto do Cérebro da PUCRS, onde foi descoberto que ela possuía uma incrustação feita em pedra no lugar de um dos olhos, assim como chumaços de linho preenchendo a área dos glóbulos oculares. No vídeo “Mumificação no Egito Antigo” eu explico um pouco mais sobre este costume de procurar substitutos para os olhos dos falecidos.

Descubra como eram feitas as múmias egípcias    

Mas, os trabalhos não irão parar por aí: ela ainda passará por um exame de DNA que será realizado por um laboratório alemão e por uma análise de fungos no Instituto do Petróleo e Recursos Naturais da PUCRS. Todo cuidado é pouco para proteger um dos dois únicos exemplares de múmias egípcias no Brasil. Ao menos, os que nós conhecemos.  

Fontes:

Múmia egípcia que estava em museu de Cerro Largo tem origem confirmada por universidade gaúcha. Disponível em < https://gauchazh.clicrbs.com.br/tecnologia/noticia/2019/05/mumia-egipcia-que-estava-em-museu-de-cerro-largo-tem-origem-confirmada-por-universidade-gaucha-cjw9efp2z00t601oioqpk40sd.html?fbclid=IwAR04PJodvxSiudQNUlRLBQd6hXpQdPPi9N7ueU_75y_pfP27Ip947fIyO_Y >. Acesso em 19 de junho de 2019.
Múmia egípcia de cerca de 2,5 mil anos é identificada no interior do RS. Disponível em < https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2019/05/29/mumia-egipcia-de-cerca-de-25-mil-anos-e-identificada-no-interior-do-rs.ghtml?fbclid=IwAR1P1L0JjhdH_NcLD-B_P0XjrGkCEAxVJJ6LThroKpk6KnZ85cuQmzLkFWc >. Acesso em 19 de junho de 2019.
Múmia egípcia de mais de 2,5 mil anos tem identidade confirmada por pesquisa. Disponível em < http://www.pucrs.br/blog/mumia-egipcia-de-mais-de-2-5-mil-anos-tem-identidade-confirmada-por-pesquisa/ >. Acesso em 19 de junho de 2019.
Origin of 2,500-year-old Egyptian mummy proven. Disponível em < https://menafn.com/1098589626/Origin-of-2500yearold-Egyptian-mummy-proven >. Acesso em 19 de junho de 2019.


Nota da autora: Este post demorou para sair porque eu esperava receber a resposta de um e-mail enviado a um dos pesquisadores responsáveis pelo estudo do crânio, para tirar algumas dúvidas pontuais. Entretanto, até o momento que estou fechando esta matéria, não recebi uma resposta. 

 

Adote uma múmia egípcia!

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Caso você não faça nem a mais remota ideia, escavações no Egito são pagas pelos próprios arqueólogos, por universidades/instintos ou doações. E é por este último que uma equipe de arqueologia que está trabalhando no Delta do Nilo está pedindo. O sítio em que eles estão realizando pesquisas possui sepultamentos do Período Pré-dinástico, que é uma época anterior ao tempo dos faraós.

Foto: Divulgação.

O pedido por doações foi feito porque o sítio está prestes a ser destruído graças ao aumento do nível da água e construções locais. Agora, eles precisam resgatar tudo que puderem. Caso queira conhecer mais sobre esta campanha, clique aqui. O pagamento deve ser feito em libras, já que a campanha é inglesa.

Dependendo do valor doado você poderá “adotar uma múmia”, com direito a um certificado de adoção. E também poderá receber um card com uma fotografia da múmia em questão.

Múmias de grandes reis e rainhas do Egito terão novo lar

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Há alguns dias foi anunciada a notícia de que as múmias de alguns dos maiores faraós e rainhas do Egito serão migradas do Museu Egípcio do Cairo para o Museu Nacional da Civilização Egípcia (não para o Grande Museu Egípcio, como antes se especulava), em Al Fustat. Ainda não está totalmente claro quais múmias irão para este novo local, mas são 20 das que foram encontradas no esconderijo de Deir el-Bahari (TT320).

De acordo com o arqueólogo egípcio Zahi Hawass, o translado será feito no dia 15 de julho (2019) e para comemorar ocorrerá um cortejo para mostrar o prestígio dos antigos governantes egípcios.

• O surpreendente esconderijo de múmias de faraós encontrado no século XIX em Deir el-Bahari (TT320)

• Pesquisa de genoma em múmias egípcias aponta parentesco com Oriente Próximo

Múmia do faraó Ramsés II. Fotografo desconhecido (Wikimedia Commons).

Além da chegada destes reis, o  Museu Nacional da Civilização Egípcia ganhará novas salas para abrigar exposições que apresentarão desde a história anterior a Era dos Faraós até os dias atuais.

Fontes:

Royal mummies to be transfered from Egyptian Museum to NMEC on June.15. Disponível em < http://www.egypttoday.com/Article/4/70284/Royal-mummies-to-be-transfered-from-Egyptian-Museum-to-NMEC >. Acesso em 24 de maio de 2019.

Pharaohs’ Mummies to Settle into NMEC. Disponível em < http://see.news/pharaohs-mummies-to-settle-into-nmec/?fbclid=IwAR3ggYLZnlhVs9Yiy655MqVI3lABqFU7GhS25-QF8C0AUVq0FADXvMMLOfo >. Acesso em 24 de maio de 2019.

A descoberta de duas múmias que impressionou os cientistas

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

A mumificação egípcia é uma técnica que foi inventada em algum momento entre a transição do Pré-dinástico (época anterior a unificação do Egito) e se aperfeiçoou ao longo do Período Faraônico. Antes disso o que existia na região eram esporádicas múmias naturais, ou seja, um tipo de múmia que não contou com a intervenção humana, existente graças ao ambiente propicio. Saiba mais sobre o assunto através do vídeo abaixo:

E é graças à mumificação que conhecemos alguns detalhes interessantes da vida e da cultura egípcia tais como alimentação, saúde e modificações corporais a exemplo de perfurações nas orelhas e tatuagens. Sim, durante a Antiguidade egípcia existiam tatuagens e este foi um assunto já abordado no nosso canal, no vídeo “Tatuagens no Egito Antigo”.

Como comento no vídeo em questão, algumas múmias com tatuagens foram encontradas no Egito, mas elas são espécimes raros. Contudo, para a nossa boa sorte ocorreu mais uma descoberta recente que envolve não só uma, mas duas múmias tatuadas, ambas datadas do Pré-dinástico e mumificadas naturalmente. Tatuagens, até então eram encontrados em múmias mais novas. Isso muda muitas coisas sobre como os arqueólogos entendiam a cultura em termos de modificação corporal das pessoas que viveram naquela época.

A descoberta dessas múmias em si, que estão no Museu Britânico, Londres, ocorreu há cerca de 100 anos em Gebelein, mas, descobrir que elas possuem tatuagens é um acontecimento recente. Isso ocorreu quando uma equipe de cientistas usou scanners de infravermelho nos corpos e fez o achado. Os resultados de suas pesquisas foram publicados na revista de arqueologia Journal of Archaeological Science.

“Estamos aprendendo aspectos que não sabíamos sobre a vida dessas pessoas (cujas múmias) sobreviveram bastante bem, parece incrível, mas mostra que as tatuagens na África apareceram mil anos antes do que pensávamos”, disse Daniel Antoine, um dos principais autores do trabalho e curador de Antropologia Física no Museu Britânico à BBC.

A outra grande surpresa não foi somente a idade, mas o fato de uma das múmias ser de um homem. Até então somente corpos mumificados de mulheres foram encontrados, o que se levou a pensar que se tratava de uma prática exclusivamente feminina.

Em um dos braços do homem, apelidado de “Gebelein Man A” (“Homem Gebelein A”), foram encontradas figuras sobrepostas de dois animais. Um parece ser um touro selvagem (Bos primigenius) e o outro um carneiro-da-barbária (Ammotragus lervia). Sobre ele uma descoberta anterior – e mais chocante – tinha sido feita: ele morreu quando tinha entre 18 e 21 anos de idade com uma facada nas costas.

Foto: Museu Britânico

Já a mulher, apelidada de “Gebelein Woman” (Mulher Gebelein), possui quatro marcas paralelas no ombro esquerdo que lembram a letra “S”. Ela tem uma outra tatuagem, mas não está claro o que pode se tratar, se seria um bastão curvo que possivelmente simboliza o poder ou um bastão cerimonial utilizado em danças rituais. De qualquer forma, ambos os símbolos tatuados na mulher já foram vistos em cerâmicas do mesmo período:

Foto: Museu Britânico

Cerâmica Pré-dinástica. Foto: Museu Britânico

Como eram feitas as tatuagens:

Como explico no vídeo “Tatuagens no Egito Antigo”, as tatuagens eram feitas através da injeção subcutânea de um pigmento escuro, indo do preto para azulado, feito de fuligem e óleo. Elas seriam feitas com um instrumento perfurante como pontas de bronze ou espinha de peixe. Coincidentemente, pesquisadores também descobriram um antigo kit de ferramentas que data do Pré-dinástico em Gebelein. Ele foi encontrado na sepultura de uma mulher que possuía entre 40 e 50 anos de idade quando tinha morrido.

O kit inclui uma paleta em forma de pássaro provavelmente usada para moer minérios, acompanhada de pedras arredondadas. Agulhas de ossos também estavam inclusas.

 

Fontes:

El sorprendente hallazgo en dos momias egipcias de hace 5.000 años que revoluciona lo que los científicos sabían sobre el Antiguo Egipto. Disponível em < https://www.msn.com/es-xl/noticias/mundo/el-sorprendente-hallazgo-en-dos-momias-egipcias-de-hace-5000-a%C3%B1os-que-revoluciona-lo-que-los-cient%C3%ADficos-sab%C3%ADan-sobre-el-antiguo-egipto/ar-BBJKWlS?q=14 >. Acesso em 03 de março de 2018.

Oldest Tattooed Woman Is an Egyptian Mummy. Disponível em < https://www.livescience.com/61916-oldest-tattoos-egyptian-mummies.html >. Acesso em 03 de março de 2018.