Deuses egípcios: Aha

Por Márcia Jamille | @Mjamille | Instagram

Seu surgimento é datado a partir do Reino Antigo, quando começa a ser citado no “Livro das Pirâmides” (CASTEL, 2001), contudo, o nome de um dos primeiros reis do Egito, o Hór-Aha (ḥrw-ˁḥ3), tem a grafia semelhante ao desse deus, o que pode indicar um surgimento anterior.

Ele é definido como “O pigmeu das danças do deus”, já nos “marfins mágicos” do Médio Reino é chamado de “O Lutador” e tem funções protetoras (CASTEL, 2001).

Na iconografia é representado como uma mistura de pigmeu com rabo, orelhas e juba de leão, segurando uma serpente em cada mão. Dada a essas características alguns tendem a assimilar Aha com o deus Bés, entretanto, a partir do Novo Império ele é absorvido por Ptah (CASTEL, 2001).

Transliteração: ˁḥ3

Em hieróglifos: 

Referências:

CASTEL, Elisa. Gran Diccionario de Mitología Egipcia. Madrid: Aldebarán, 2001.

COSTA, Márcia Jamille Nascimento. Uma viagem pelo Nilo. Aracaju: Site Arqueologia Egípcia, 2014.

Deuses egípcios: Abdyu

Por Márcia Jamille | @Mjamille | Instagram

 

De acordo com a teologia heliopolitana (da cidade de Heliópolis em grego, Iunu em egípcio), Abdyu era um dos deuses condutores da Barca Solar durante a sua viagem noturna no submundo (CASTEL, 2001). Ele é citado no “Hino a Rá”, como mostrado no Capítulo 15 do “Livro dos Mortos” do papiro de Ani (RODRÍGUEZ, 2003):

Deves ser benévolo comigo para que possa ver suas belezas, ser próspero sobre a terra, golpear os asnos e afugentar a maldade depois de destruir a serpente Apep[1] no momento da ação e ver peixe abdyu transformado em seu tempo e o peixe inet, […] sendo o barco inet em seu lago (RODRÍGUEZ, 2003, pág 145 Tradução nossa).

Como o próprio hino sugere, na iconografia ele é representado por um peixe.

A palavra “Abdyu” também denominava a cidade de Abidos, consequentemente a transliteração do nome da divindade é semelhante a desta milenar cidade.

Transliteração: ȝbḏw
Em hieróglifos

 

Referências:

CASTEL, Elisa. Gran Diccionario de Mitología Egipcia. Madrid: Aldebarán, 2001.

RODRÍGUEZ, Ángel Sánchez. La Literatura en el Egipto Antiguo: Breve antología. Servilla: Ediciones Egiptomanía S.L, 2003.


 

[1] Apophis em grego. Era a serpente maligna que todas as noites tentava devorar o deus Rá em sua viagem.