Dezenas de sarcófagos foram encontrados selados no Egito

Saiba tudo sobre o esconderijo de sarcófagos recém-encontrado

Em outubro a internet foi bombardeada com a descoberta de um aglomerado de 30 sarcófagos na vila de Al-Assasif, próxima da cidade de Luxor. Eles foram encontrados por uma missão de arqueologia do Ministério das Antiguidades do Egito. Todos estão em um ótimo estado de conservação, mantendo ainda suas cores e inscrições e o mais interessante: estavam lacrados, o que traz a possibilidade de que todos ainda possuam múmias. [1][2][3]

A necrópole de Assasif é um local de enterro conhecido, do qual os túmulos e caixões descobertos datam do Novo Reino e, especialmente, do Período Tardio [2][3]. Contudo, no caso desta descoberta, provavelmente estaremos falando do Terceiro Período Intermediário [4].

O Terceiro Período Intermediário foi um intervalo histórico em que vemos a ascensão de diferentes famílias dinásticas reinando ao mesmo tempo. Uma delas é a 22ª Dinastia, que era composta por líbios, estrangeiros que assumiram a cidade de Tânis como capital. A outra é a 23ª Dinastia, também de líbios, que assumem a cidade de Leontópolis e a 24ª Dinastia, também de líbios, na cidade de Sais. E Finalmente a 25ª Dinastia, época em que o Egito é governado pelos Núbios. Se quiser saber mais sobre os Períodos Intermediários, você poderá fazê-lo através do vídeo abaixo:

O anúncio oficial da descoberta foi feito no dia 19 de outubro (2019) em uma grande tenda montada pelo Ministério das Antiguidades em frente ao templo da faraó Hatshepsut. Com um púlpito no centro, bem em frente a um amplo corredor ladeado por todos os caixões ainda fechados, a imprensa aguardou. Além dos jornalistas e blogueiros estavam presentes pesquisadores e os demais funcionários do Ministério. A promessa era que além de liberar mais informações sobre a descoberta, eles abririam dois dos sarcófagos.

Os ataúdes estavam sobre mesas baixas cobertas por tecidos brancos, dentro de uma área protegida por fitas de isolamento que só estavam lá de forma ilustrativa. Afinal, assim que o ministro das antiguidades e Zahi Hawass (famoso arqueólogo que além de dezenas de livros publicados, fez centenas de descobertas arqueológicas pelo país) chegaram, alguns membros da imprensa puderam transpassa-la. O que mais tarde gerou uma cena um tanto embaraçosa de vários cinegrafistas se acotovelando para poder pegar uma boa imagem dos invólucros das múmias que tinham acabado de ser revelados.

Com o início da coletiva de imprensa, eles fizeram um resumo sobre as pesquisas da equipe e explicaram que dos 30 sarcófagos, 23 são de homens, 5 de mulheres e 2 de crianças. Todos, como já apontado, lacrados. Eles foram enterrados um metro abaixo da areia, um sobre o outro e dispostos em duas fileiras. Agora, o conjunto está sendo chamado de “Esconderijo* de Assasif” (“Assasif Cachette”).

Ele é o primeiro esconderijo de caixões a ser descoberto por uma missão egípcia, depois de séculos de escavações arqueológicas lideradas por estrangeiros. Com o bônus de ser o único até o momento no século 21. O que torna a escolha da coletiva de imprensa ter ocorrido em frente ao templo da rainha Hatshepsut ainda mais emblemática. Já que o mais famoso esconderijo de múmias, a TT320, foi descoberto nas proximidades em 1871 por ladrões de tumbas. Foi na TT320 onde foram descobertas as múmias de alguns dos faraós mais famosos tais como Seti I, Ramsés II, Ramsés III, Seqenenre Tao II e Tutmés III. Sem contar a rainha Ahmés-Nefertari e a divina adoradora de Amon, a Maatkare.

O destino dos ataúdes será o Grande Museu Egípcio (que terá sua abertura oficial no final de 2020), onde serão cuidados e possivelmente postos em exposição.

Perguntas que não querem calar!

Estas são algumas das dúvidas enviadas por nossos seguidores através do meu Instagram (clique aqui para seguir):

Foram encontrados artefatos arqueologicos juntos?

As múmias não foram exumadas (e torceremos para que isto não seja necessário). Contudo, se elas passarem por um exame de tomografia certamente encontrarão indícios de amuletos de proteção e adereços tais como bijuterias ou joias.

Eram da mesma família?

Não se sabe. Entretanto, olhando a descoberta artificialmente, este parece ser o caso. Esperaremos informações futuras.

Por que foram encontrados tantos no mesmo lugar?

Não sabemos. Se olharmos exemplos de outros esconderijos poderíamos falar que se trata de um enterro para proteger os corpos após algum roubo… Ou, poderíamos falar que é era um enterro familiar e de gerações. São questões que só poderão ser respondidas no futuro, após pesquisas de arqueologia mais aprofundadas.

Quem são estas pessoas?

Já foi apontado que se tratam de sacerdotes, mas vamos esperar mais informações.

Por que estão preservados?

O solo do Egito é propício para a conservação de materiais orgânicos tais como restos humanos e madeira. Sem contar que aparentemente estas pessoas foram sepultadas com sarcófagos de ótima qualidade.

É um esconderijo clandestino?

Não sabemos ainda.

Quão frequente é este tipo de descoberta?

É raríssima! Como apontei no texto é a única no século 21! E só para vocês terem uma ideia, as últimas do tipo ocorreram somente durante o século 19!

Fonte:

[1] Antiquities Releases Images of Colored Coffins Found at Luxor. Disponível em < https://see.news/antiquities-ministry-releases-images-of-colored-coffins-found-at-luxor/ >. Acesso em 20 de outubro de 2019.

[2] Egypt archaeologists find 20 ancient coffins near Luxor. Disponível em < https://www.bbc.com/news/world-middle-east-50068575 >. Acesso em 20 de outubro de 2019.

[3] 20 Intact Coffins Unearthed in Asasif Necropolis. Disponível em < https://egyptianstreets.com/2019/10/17/20-intact-coffins-unearthed-in-asasif-necropolis/ >. Acesso em 20 de outubro de 2019.

[4] Archaeologists unearth 20 preserved wooden coffins Egypt. Disponível em < https://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-7577157/Archaeologists-unearth-20-preserved-wooden-coffins-Egypt.html >. Acesso em 20 de outubro de 2019.

Egypt unveils discovery of 30 ancient coffins with mummies inside. Disponível em < https://edition.cnn.com/2019/10/19/middleeast/egypt-discovers-coffins-mummies-trnd/index.html >. Acesso em 20 de outubro de 2019.

Archaeologists discover 30 ancient coffins in Luxor. Disponível em <  https://www.theguardian.com/world/2019/oct/19/archaeologists-discover-30-ancient-coffins-with-mummies-in-luxor >. Acesso em 10 de novembro de 2019.

30 Perfectly Preserved Coffins Holding Ancient Egyptian Priest Mummies Discovered. Disponível em < https://www.livescience.com/cachette-of-priests-egypt-mummies-discovered.html >. Acesso em 10 de novembro de 2019.


*Tomei a liberdade de traduzir desta forma para padronizar com os outros esconderijos que já foram encontrados.

Tumba da rainha Nefertiti poderá ser descoberta em breve: é o que afirma arqueólogo

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Este é um tema bastante recorrente nas últimas décadas, ao menos na história da arqueologia egípcia: onde está o sepulcro da rainha Nefertiti?

Muitos arqueólogos sonham encontrar o local do último descanso de uma das rainhas mais famosas do Egito — e a qual alguns acreditam que também foi faraó —. Se você é um ávido leitor deste site já se debateu com uma série de hipóteses sobre este assunto… Inclusive a mais afamada! Que era a sugestão de que ela estaria sepultada dentro de uma câmara oculta na tumba do seu possível enteado — mas certamente genro — Tutankhamon. Sugestão esta que se provou infundada.

Nefertiti

Um dos que mantêm a esperança de encontrar a sepultura da governante é o arqueólogo egípcio Zahi Hawass que, no auge dos seus 72 anos, acumula em seu caminho centenas de descobertas arqueológicas. E é encontrar a sepultura dela um dos objetivos de suas escavações no Vale dos Macacos, uma das áreas mais periféricas do Vale dos Reis. Ao menos foi isso o que ele me disse durante a entrevista que fiz com ele em setembro deste ano (2019). Quando perguntei o que poderíamos esperar em relação a estas escavações ele respondeu que está procurando pelos túmulos da rainha Nefertiti e de sua filha, Ankhesenamon.

Nefertiti e Ankhesenamon

Nefertiti governou ao lado do seu esposo, o faraó Akhenaton, durante o Antigo Império, mais especificamente no Período Amarniano, 18ª Dinastia. Com ele teve seis filhas, a qual a terceira, Ankhesenamon, casou-se com Tutankhamon.

A sugestão de que o último descanso destas duas rainhas pode está neste local faz todo sentido, afinal, como ele bem me disse, o Vale das Rainhas só teve início na 19ª Dinastia. Ele, inclusive, fez uma ressalva em relação a todas as rainhas da 18ª Dinastia que ainda não foram encontradas, afirmando que “agora penso o tempo todo onde estas rainhas podem estar sepultadas”.

Escavação no Vale dos Macacos. Foto: Discovery Channel

A arqueologia egípcia tem vários mistérios, este é um deles. De fato, não temos nem sombra da localização da maioria das tumbas das esposas dos faraós desta época e muito menos dos seus filhos.

Porém, Nefertiti ou sua filha podem ser uma fagulha de esperança, “esta é a maior escavação no Vale dos Reis desde Howard Carter”, ele comenta. Carter foi o responsável pela descoberta do sepulcro praticamente intacto de Tutankhamon em 1922.

Howard Carter e auxiliar de campo investigando sarcófago de Tutankhamon.

Nefertiti é enigmática em todos os sentidos porque não sabemos exatamente a sua origem. Quem foram seus pais afinal? Alguns afirmam que poderia ser um vizir chamado Ay com sua esposa Ty; Nefertiti, que significa “A Bela Chegou”, foi desde sempre seu nome? Ela tornou-se, ou não, faraó? Quando foi que faleceu? Como faleceu? São várias questões em relação a uma única personagem histórica, questões estas as quais algumas poderão ser respondidas se seu túmulo for um dia descoberto.

Perguntas que não querem calar!

Estas são algumas das dúvidas mais comuns enviadas para mim por nossos seguidores:

☥ É certeza que o local em que Hawass está escavando é a tumba de Nefertiti?

Não! Embora ele esteja encontrando vários artefatos arqueológicos no local, ele e ninguém tem 100% de certeza do que será encontrado. Na verdade, nem se sabe se ele encontrará alguma sepultura mesmo.

☥ Se a tumba dela estiver mesmo no Vale dos Macacos, ela estará intacta?

É outra questão cuja resposta não sabemos. A grande possibilidade é de que não, já que os túmulos dos faraós Amenhotep III e Ay, que estão localizadas no mesmo lugar, foram saqueadas na antiguidade.

☥ Quanto tempo mais esta pesquisa durará?

O tempo que for necessário ou enquanto existir patrocínio.

☥ Quem está pagando por esta pesquisa?

A Discovery Channel. Então, aguardem um documentário!

Tutankhamon ganhará uma série com vídeos exclusivos

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Você gostaria de assistir a uma série de vídeos exclusiva sobre o faraó Tutankhamon? Então, eu através do Arqueologia Egípcia estou organizando há alguns meses uma. Nela, tratarei de alguns dos assuntos mais curiosos acerca do reinado deste rei que faleceu aos 18 ou 19 anos de idade e cuja tumba foi encontrada intacta em 1922.

Ela será indicada tanto para os curiosos em saber um pouco mais sobre Tutankhamon, como para aqueles interessados em conhecer como funciona os trabalhos de arqueologia. Em termos visuais será bem parecida com os vídeos que vocês já estão habituados a ver lá no nosso canal.

Imagens: The Griffith Institute | Colorização: Dynamichrome

Ela ainda não tem data de lançamento, mas os vídeos já estão em etapa de edição. Assim sendo, caso queira saber em primeira mão o valor, lista exata de temas que serão abordados e dia em que estes vídeos serão disponibilizados, preencha o formulário abaixo:

Atenção: o preenchimento deste formulário em hipótese alguma significa obrigatoriedade de realizar uma futura compra da série!

Entrevista com Zahi Hawass: múmia de Tutankhamon passará por uma nova tomografia

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

No mês passado (setembro/2019), entrevistei o maior nome da arqueologia egípcia da contemporaneidade: o professor Zahi Hawass. Ele ficou famoso por ter recebido plena atenção da mídia para a importância da devolução de artefatos arqueológicos — que estavam em museus e coleções particulares estrangeiras — para o seu país original.

Contudo, o Hawass não desejava repatriar todas as peças retiradas do Egito, somente aquelas que saíram do país após a década de 1970 e aquelas que possuem algum significado especial para a história da arqueologia egípcia, tais como a Pedra de Roseta ou o busto da Rainha Nefertiti.

Outro detalhe importante sobre o Hawass é que ele já foi diretor do Supremo Conselho de Antiguidades do Egito.

Porém, sua carreira é destacada também por uma série de polêmicas, uma delas foi seu reality show para a History Channel, “Chasing Mummies”, que aqui no Brasil recebeu o título “Caçador de Múmias”. Ela foi amplamente criticada tanto por arqueólogos, como pelo público. Outra grande polêmica foi sua linha de roupas, cujas fotografias foram tiradas ao lado de artefatos egípcios. A questão é que alguns egiptólogos acusavam o Hawass de usar sua posição para furar a fila na burocracia para tirar fotos dos referidos artefatos, fotos estas que eram para fins comerciais e não acadêmicos.

E ainda temos a chegada da Primavera Árabe no Egito, situação em que o Museu Egípcio do Cairo foi invadido na calada da noite. Na época o Hawass negou tal ocorrido e neste meio tempo foi declarado Ministro das Antiguidades — cargo este que foi criado às pressas para tentar aplacar a ira do público —, contudo, ele não ficou muito tempo nesta posição, já que com a queda do até então presidente Hosni Mubarak, Hawass foi exonerado.

E agora ele veio para o Brasil para dar uma palestra sobre o faraó Tutankhamon e prestigiar a abertura do museu Rei Menino de Ouro: Tutankhamon. Entretanto, antes da abertura deste museu ele disponibilizou uma coletiva de imprensa e o site Arqueologia Egípcia estava presente. Confira abaixo e saiba sobre as novidades que ele trouxe para nós, dentre elas, sobre Tutankhamon:

A ida do AE para a coletiva só foi possível graças as pessoas que participaram de nossa campanha online e ajudaram a pagar as principais despesas da viagem. Então, fica aqui registrado meu agradecimento.

Polícia prende homens que escavavam ilegalmente túmulo do tempo dos faraós

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Há alguns dias a polícia egípcia prendeu quatro membros de uma quadrilha especializada em escavações ilegais, eles estavam em posse de 193 ushabits e um sarcófago — todos artefatos do tempo dos faraós —. O grupo foi preso enquanto escavava ilegalmente um túmulo datado da 4º Dinastia (Antigo Reino), perto da área arqueológica de Gizé. Eles pretendiam vender as peças.

O Ministério Público egípcio e o Ministério das Antiguidades foram notificados e iniciaram os procedimentos legais necessários. 

Um problema constante:

Escavações ilegais em sítios arqueológicos têm sido um problema constante não só no Egito, mas no mundo. O tráfico de artefatos antigos atende a colecionadores dispostos a pagar por objetos de procedência duvidosa (em alguns casos, inclusive, para realizar lavagem de dinheiro), leilões internacionais e até museus.

Em julho deste ano (2019), por exemplo, autoridades egípcias acusaram a casa de leilões Christies de colocar à venda uma estátua do faraó Tutankhamon a qual eles acreditam que foi furtada do Templo de Karnak (Luxor). 

Apesar dos apelos, a imagem foi vendida.

— Saiba mais: Leilão tentará vender estátua do faraó Tutankhamon 

       

Fonte:

Photos| Police arrests gang in possession of pharaonic figurines, sarcophagus. Disponível em < https://www.egyptindependent.com/photos-police-arrests-gang-in-possession-of-pharaonic-figurines-sarcophagus/ >, acesso em 14 de outubro de 2019.

Algumas curiosidades sobre o arqueólogo Zahi Hawass

Márcia Jamille

Em alguns dias o renomado arqueólogo e egiptólogo Zahi Hawass estará em terras brasileiras para dar uma palestra sobre o faraó Tutankhamon e para a inauguração do museu “Rei Menino de Ouro: Tutankhamon”. Mas, que tal saber um pouco mais sobre este pesquisador?

Zahi Hawass. Retirado de: Jean-Claude Aunos Photographe. Disponível em < http://www.jca-photo.com/portraits.html> Acesso em 12 de Fevereiro de 2011.

Hawass é um arqueólogo egípcio que já foi diretor do Supremo Conselho de Antiguidades e Ministro das Antiguidades do Egito. Antes disso ele se graduou em Arqueologia no seu próprio país e quando alcançou 33 anos ganhou uma bolsa para estudar na Universidade da Pensilvânia.

Ele começou a chamar atenção da imprensa quando passou a fazer campanha pelo repatriamento de artefatos arqueológicos que foram roubados do Egito ou saíram do país de forma duvidosa. Além daqueles que possuem algum significado especial para a história da Arqueologia Egípcia.

Hieroglyphic script on Rosetta Stone

Um exemplo é a Pedra de Roseta (foto anterior), que foi retirada do país no século XIX, mas que foi a “chave” para a tradução dos hieróglifos egípcios. Outro é o busto de Nefertiti, que foi retirado de forma sorrateira do Egito em 1912.

O Zahi Hawass também publicou dezenas de livros de egiptologia, alguns com fotografias lindas! Ele também foi host em vários documentários de canais como National Geographic e Discovery Channel. Inclusive teve o seu próprio reality show. Quantos arqueólogos já tiveram um reality? Pois é!

Atualmente ele está escavando no Vale dos Macacos em um trabalho que está sendo acompanhado pela Discovery Channel (ou seja: lá vem documentário!). Estou real ansiosa em saber os resultados desta pesquisa.

Bom, ele já se meteu em várias polêmicas também. Uma foi o já citado reality que foi amplamente criticado tanto por arqueólogos, como pelo público. Outra foi sua linha de roupas, cujas fotografias foram tiradas ao lado de artefatos egípcios, embora seja algo bem burocrático.

Zahi Hawass Collection

Lembro que na época alguns egiptólogos ficaram indignados explicando que eles passavam dias e mais dias esperando que a confirmação de seus pedidos para fotografar saíssem. Porém, de acordo com as acusações, Hawass se utilizava de sua posição para “furar a fila” e fotografar os artefatos para fins comerciais e não acadêmicos.

Então é quando chegamos ao famoso 25 de Janeiro da Primavera Árabe, quando Hawass foi exonerado de seu cargo e agora viaja pelo mundo dando palestras e lançando livros. Além de, claro, realizar escavações arqueológicas.

– A revolta virou contra Hawass

Zahi Hawass

Bom, é este homem o qual irei encontrar em uma coletiva de imprensa em alguns dias!

Obrigada aos que apoiaram, querem apoiar ou que ajudaram a divulgar a nossa vaquinha para que eu possa ir. Como falei em um outro momento o Arqueologia Egípcia não tinha dinheiro em caixa, mas agora a viagem será possível!

Este é o vídeo que gravei anunciando a vinda dele:

Coletiva de imprensa com Zahi Hawass: estamos QUASE conseguindo!

Em setembro o arqueólogo Zahi Hawass (famoso pesquisador que além de ter sido ministro e diretor do Supremo Conselho de Antiguidades do Egito, apareceu em vários documentários da Discovery Channel e National Geographic) estará aqui no Brasil para a inauguração do museu “Rei Menino de Ouro: Tutankhamon” em Curitiba.  E o site Arqueologia Egípcia irá participar da coletiva de imprensa com ele, que ocorrerá antes da inauguração oficial.

Mas, para tal, estamos realizando há alguns dias uma vaquinha para poder ir. O prazo dela termina em 9 dias e ainda nem batemos sequer 50% da meta. Por isso pedimos sua ajuda. Para saber mais sobre ela assista o vídeo abaixo e para doar qualquer valor acesse este link: catarse.me/ae_hawass

Esta é uma grande oportunidade de trazer um conteúdo exclusivo para vocês, por isso contamos com todo apoio possível — seja financeiramente, seja ajudando a divulgar a campanha —. Como já ganhamos a passagem de ida para Curitiba: tal como expliquei no texto de nossa campanha lá no Catarse, foi possível encaixar uma viagem para São Paulo para a criação de um outro tipo de conteúdo exclusivo (o qual alguns dos nossos apoiadores saberão em breve).

Espero voltar com mais novidades!

O que você precisa saber sobre o Museu Akhenaton!

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

O Egito tem empreendido uma série de restauros e construções de museus e dentre eles está o Museu Akhenaton. Com sua forma triangular parecida com as Grandes Pirâmides de Gizé, trata-se do terceiro maior museu do país. Foi idealizado no ano de 1979 com o objetivo de expor ao público a religião e história do Período Amarniano, assim como alguns aspectos gerais da história egípcia. 

Porém, as obras de construção só tiveram início em 2002 e foram interrompidas após a eclosão da revolução de 25 de janeiro de 2011, uma vez que isso teve um impacto negativo nas condições econômicas e de segurança do país. Em 2014 as obras foram retomadas e agora espera-se que tudo esteja pronto este ano.

O edifício principal fica em uma área de cerca de 5.000 metros quadrados e é cercado por um grupo de bazares, possui 16 salas, uma biblioteca, uma sala de conferência, um teatro e um centro de restauração, que é o maior do Alto Egito.

Akhenaton foi um faraó da XVIII Dinastia (Novo Império). Filho de Amenhotep III com a rainha Tiye ele casou-se com Nefertiti e iniciou uma série de mudanças no âmbito religioso e artístico. Ele provavelmente foi pai do faraó Tutankhamon. 

Fonte:

All you need to know about Akhenaten Museum. Disponível em < https://www.egypttoday.com/Article/4/74041/All-you-need-to-know-about-Akhenaton-Museum >. Acesso em 23 de agosto de 2019.

Museu Egípcio do Cairo está passando por reformas importantes

The Cairo Egyptian Museum

Inaugurado em 1902, o Museu Egípcio no Cairo (Egito) contém a mais prestigiosa coleção de artefatos egípcios do país. Por quase doze décadas o museu tem recebido artefatos catalogados em diferentes línguas e de diferentes épocas. Assim, em poucos anos o porão do edifício começou a ficar abarrotado com peças arqueológicas. 

Pequena parte do porão mostrado na série Chasing Mummies: The Amazing Adventures de Zahi Hawass (2010), da The History Channel.

Tesouros arqueológicos no porão do Museu Egípcio no Cairo

Tutankhamon terá notáveis substitutos no Museu Egípcio do Cairo

Para resolver parte do problema, o governo do país deu início a construção do Grande Museu Egípcio, que mesmo ainda não inaugurado oficialmente, já tem recebido vários artefatos provenientes do Museu Egípcio do Cairo. 

Porém, o que será feito do antigo museu? 

Há alguns dias o Ministro das Antiguidades do Egito, Khaled Anany, se reuniu com os diretores que estão participando da reforma do Museu Egípcio do Cairo. Estes diretores são advindos de diferentes museus pelo mundo, são eles: Museu do Louvre, Museu Egípcio de Turim, Museu Egípcio de Berlim, Museu Britânico e Museu Nacional de Antiguidades de Leiden; Também faz parte do grupo o Instituto Francês de Arqueologia Oriental no Cairo .

A reunião teve como intuito discutir a primeira fase de renovação do museu. Isso terá início assim que toda a coleção de artefatos do faraó Tutankhamon for transferida para o Grande Museu Egípcio. Dentre as renovações previstas está a instalação de novos sistemas de iluminação.

Este plano de renovação visa colocar o Museu Egípcio do Cairo na lista de Patrimônios Mundiais da UNESCO. 

Fonte:

Renovation of Egyptian Museum to include installing new lighting, display systems. Disponível em < https://ww.dailynewssegypt.com/2019/07/16/renovation-of-egyptian-museum-to-include-installing-new-lighting-display-systems/ >. Acesso em 20 de agosto de 2019.

Antiga tumba egípcia é desmontada pelo governo e gera revolta: entenda!

Em maio deste ano anunciei aqui no Arqueologia Egípcia a descoberta de uma tumba ricamente pintada na cidade de Sohag (cerca de 390 quilômetros ao sul do Cairo). Datada do Período Ptolomaico, esta sepultura pertencia a um casal: a mulher era Ta-Shirit-Iziz e o homem Tutu [1].

Foto: Reuters.

É descoberta no Egito tumba ricamente colorida e repleta de múmias

As imagens parietais retratam os donos da tumba, assim como imagens de procissões fúnebres e a genealogia da família escrita em hieróglifos. O outro grande detalhe é a presença de várias múmias: duas são humanas — um menino com 12 ou 14 anos de idade e  uma mulher de 35 a 50 anos —. [1]

Zahi Hawass e Tutankhamon estarão no Brasil

Mas, a história desta descoberta não acabou por aí, já que este mês o Ministério das Antiguidades do Egito tomou uma decisão que para muitos foi polêmica: o governo resolveu retirar a câmara funerária do seu local original (Sohag,) e transferi-la para o Museu da Nova Capital Administrativa [2].   

Através de um comunicado para imprensa o Ministro disse que esta mudança foi aprovada pelo comitê permanente das Antiguidades Egípcias Antigas. Ele igualmente salientou que as paredes da câmara funerária já foram cortadas [2].

Foto: Reuters.

Ainda de acordo com ele a decisão foi tomada porque o local original da tumba é muito remoto, isolado e suscetível a furtos [1]. Vale lembrar que esta tumba estava sendo saqueada em 2018 e o crime felizmente foi descoberto antes que mais estragos fossem realizados [3].

Mas nem todos concordam que esta foi uma boa decisão, a exemplo da arqueóloga Monica Hanna, que apontou que a tumba não está longe de uma área povoada de Sohag. “A realocação desta tumba é uma clara violação à Carta de Veneza para a restauração de lugares históricos; e o que o ministério está fazendo é destruir essa antiguidade, em vez de salvá-la ”, disse a arqueóloga ao portal ao Daily News. De acordo com a citada carta, “um monumento é inseparável da história a que testemunha e do cenário em que ocorre. A movimentação de todo ou parte de um monumento não pode ser permitida, exceto quando a salvaguarda desse monumento o exigir ou onde for justificado pelo interesse nacional ou internacional de importância primordial”.

Moustafa Waziri, secretário geral do Supremo Conselho de Antiguidades, declarou que no museu no qual a tumba será transferida ela irá atrair uma quantidade maior de turistas do que em sua localização atual. 

Ficarei no aguardo por mais informações. 

   

Fontes: 

[1] Mummified Mice and Falcons Are Found in Egyptian Tomb. Disponível em < https://www.nytimes.com/2019/04/06/world/middleeast/mummified-mice-egypt.html >. Acesso em 07 de  abril de 2019. 

[2]  Relocation of Ptolemaic burial chamber from Sohag to New Administrative Capital faces heavy criticism. Disponível em < https://dailynewsegypt.com/2019/08/07/relocation-of-ptolemaic-burial-chamber-from-sohag-to-new-administrative-capital-faces-heavy-criticism/?fbclid=IwAR1jj1S0RzAo8aj7I4_jBJSlGmMU_gEwnsG-sBvI2jlY_N-Tkkd-W9RLF48 >. Acesso em 12 de agosto de 2019. 

[3] Mummified mice found in ‘beautiful, colourful’ Egyptian tomb. Disponível em < https://www.theguardian.com/world/2019/apr/06/mummified-mice-found-in-beautiful-colourful-egyptian-tomb >. Acesso em 04 de maio de 2019.