1ª missão brasileira no Egito encontra restos de múmias e sarcófagos em tumba

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Na necrópole tebana dedicada aos antigos nobres do Egito, com vista para o Ramesseum e relativamente próximo ao Vale dos Reis, o Brasil está começando a deixar sua marca na Arqueologia Egípcia. O Amenemhet Project, um projeto que está dentro do Brazilian Archaeological Program in Egypt (BAPE), já fez algumas descobertas notáveis.

Os estudos estão sendo liderados por um pesquisador da Universidade Federal de Sergipe (UFS), o Prof. Dr. José Roberto Pellini, que espera que o BAPE seja nos próximos anos um ponto de referência para estudantes brasileiros de Arqueologia.

“A missão [terceiro-mundista] em um país em desenvolvimento recebeu apoio do Conselho Superior de Antiguidades do Egito e do Centro de Documentação, quebrando a lógica da arqueologia egípcia que sempre foi dominada pelos europeus”, disse Pellini ao G1, (Clique aqui para ler a matéria completa).

Foto: BAPE.

O BAPE detém uma concessão para pesquisar duas tumbas tebanas: a TT 123 e a TT 368.

Na temporada passada a equipe trabalhou na TT- 123, a tumba de um homem chamado Amenenhet, que viveu durante o Novo Império, mais especificamente no reinado do faraó Tutmés III. Nela foram descobertos restos ósseos e partes de múmias assim como fragmentos de sarcófagos e outros artefatos de cunho funerário tais como ushabtis e vasos canópicos. Eles também encontraram uma entrada para uma terceira tumba, a — 294 —.

Foto: BAPE.

Recentemente uma reportagem em vídeo sobre a missão foi gravada pelo jornal SE TV e é possível ver a parte externa da TT-123, para conferir clique aqui, ou no gif abaixo:

A matéria do SE TV deu destaque a importância do BAPE em um contexto nacional.

Aos curiosos acerca do programa o BAPE possui uma página no Facebook assim como um site.

Arqueólogos da primeira missão brasileira no Egito já voltaram para casa

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Em março comentei aqui no A.E. que o Brasil, pela primeira vez em toda a história da Egiptologia, assinou uma pesquisa de arqueologia no Egito. A equipe, denominada de Brazilian Archaeological Program in Egypt (Programa Arqueológico Brasileiro no Egito), deu início aos trabalhos do Amenemhet Project, que está responsável por duas tumbas tebanas que pertenceram a nobres da época dos faraós: a TT 123 e a TT 368.

Foto: BAPE.

Dr. José Roberto Pellini, diretor do programa. Foto: BAPE.

Dr. Julián Alejo Sánchez, vicediretor. Foto: BAPE.

O “TT” faz referência ao termo “Theban Tomb” (Tumba Tebana). Tebas — chamada pelos antigos egípcios de Aset — foi capital do Egito durante o Novo Império, época em que ambas as sepulturas foram construídas.

É conhecido o nome dos donos da TT 123 e da TT 368: um era Amenemhet e o outro Amenhotep Huy, respectivamente.

Foto: BAPE.

Foto: BAPE.

Essas sepulturas, até então, só foram catalogadas, mas jamais analisadas. Dentre os itens encontrados estão partes de múmias, pedaços de sarcófagos e cartonagem, fragmentos de vasos canópicos e ushabtis.

Foto: BAPE.

Mas, as novidades não param por aí: quando estavam realizando os trabalhos de limpeza, escavação e catalogação do que foi encontrado, os membros do projeto deram de cara com a descoberta de mais uma sepultura, que está interligada com a TT 123: a — 294 —.

Entrada para a — 294 —. Foto: BAPE.

Aproveitando o fim dos trabalhos e o retorno para o Brasil, fiz uma entrevista com o diretor da equipe, o Dr. Prof. José Roberto Pellini (UFS). O resultado desse encontro sairá no canal do A.E. no YouTube, então aguardem.

Update: 20 de abril (2017)
A notícia em grandes portais:

Arqueólogo da UFS comanda primeira missão do Brasil no Egito
Cientistas brasileiros vão ao Egito comandar missão arqueológica

O Brasil tem a sua primeira missão de Arqueologia no Egito

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Finalmente o Brasil tem uma missão de Arqueologia no Egito sob a direção de um pesquisador brasileiro, o Dr. Prof. Jose Roberto Pellini. Trata-se da Brazilian Archaeological Program in Egypt (Programa Arqueológico Brasileiro no Egito), que está responsável pela análise das tumbas tebanas TT-123 e TT-368. Esse é um momento único porque embora o país tenha pesquisadores trabalhando ou participando de escolas de campo no Egito, jamais, em toda a história da Egiptologia mundial, assinou uma missão.

A equipe deus início aos seus trabalhos no último dia 11/03/17 em parceria com o Centro de Documentação do Serviço de Antiguidades Egípcio. Abaixo algumas fotografias:

Foto: Reprodução.

Foto: Reprodução.

Foto: Reprodução.

 Veja os comentários sobre essa notícia no nosso Facebook.

Update: 20 de abril (2017)
A notícia em grandes portais:

Arqueólogo da UFS comanda primeira missão do Brasil no Egito
Cientistas brasileiros vão ao Egito comandar missão arqueológica