Sobre trabalhos de Arqueologia no Egito

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

Dr Mohammed Ismail, coordenador das missões estrangeiras no Egito do Supremo Conselho de Antiguidades informou, de uma forma não oficial, que aqueles que trabalham, ou planejam trabalhar com Arqueologia no país deverão optar temporariamente por trabalhos de restauro, ou procurar outras alternativas de pesquisa.  

 

Aqueles que enviaram uma solicitação para trabalhar com escavações em algum sítio, ou que já possuía uma concessão para escavar no país terão que esperar, uma vez que cada caso será analisado, pois, só serão liberadas as pesquisas em locais seguros.

 

Ele ressaltou ainda que nenhuma concessão será cancelada.

 

EEF

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro “Uma viagem pelo Nilo”.
[Leia seu perfil]

2 comentários sobre “Sobre trabalhos de Arqueologia no Egito

    • Difícil eu não sei, mas se a equipe possuir capital já ajuda muito. No entanto, diferente de antigamente, além do seu pedido competir com o de pesquisadores do mundo todo irá competir com os dos egípcios “pós-revolução”.
      Para trabalhar lá ser restaurador claro que é o principal. Fazer parte de uma das equipes que trabalham lá (ou que planeja ir trabalhar lá) é o segundo passo. Caso tenha uma equipe (imagino que não saia concessão individual para restaurador) é preciso preencher um dos formulários do SCA (que irá pedir dados específicos como se a equipe possui dinheiro para bancar o trabalho e o currículo de todos os participantes que segundo eles “devem ter muita experiência”, mas não especifica quanto).
      Abraços.

Os comentários estão desativados.