É confirmada a corregência entre Amenhotep III e Amenhotep IV

Por Márcia Jamille | @MJamille |@Instagram

Foi liberada este mês a notícia de que a missão arqueológica espanhola Proyecto Visir Amen-Hotep Huy, do Instituto de Estudios del Antiguo Egipto, através de suas pesquisas  em Asasif, Luxor, descobriu a prova de uma corregência entre o faraó Amenhotep III e Amenhotep IV. O achado foi realizado na Capela 28 do vizir Amenhotep Huy (que viveu nos anos finais da XVIII Dinastia).

Capela de Amenhotep Huy. Proyecto Visir Amen-Hotep Huy.

Capela de Amenhotep Huy. Proyecto Visir Amen-Hotep Huy.

Amenhotep III assumiu o trono quando ainda era uma criança e segundo a bibliografia teve um longo reinado. Foi esposo da rainha Tiye, com a qual teve seis filhos, dentre eles Amenhotep IV, seu sucessor que mudou seu próprio nome para Akhenaton.

Já era muito versada na Egiptologia a possibilidade de que estes faraós tenham governado juntos (até mesmo o papel do reinado de Amenhotep III e da Grande Esposa Real Tiye no surgimento dos primeiros passos da chamada “Religião Amarniana”), mas nunca, desde então, tinha sido encontrada uma prova conclusiva.

A descoberta da missão, feita a partir da análise de textos em duas colunas do local, aponta que pai e o filho reinavam concomitantemente próximo ao ano 30 do governo de Amenhotep III (mais especificamente a inscrição trata os dois como senhores do Alto e Baixo Egito), que viria a falecer provavelmente somente dez anos mais tarde. Isto demonstra também que Amenhotep IV teve muito tempo para treinar como faraó: ele não era o herdeiro real, em verdade este papel estava destinado para o seu irmão Tutmés, mas este faleceu ainda jovem e Amenhotep IV, que deveria se dedicar a outra atividade voltada para o clero ou o exército, virou o príncipe regente e, como agora seguramente sabemos, o corregente do seu pai.

Fragmentos da coluna que apresentam a corregência. Proyecto Visir Amen-Hotep Huy.

Fragmentos da coluna que apresentam a corregência. Proyecto Visir Amen-Hotep Huy.

Esta pesquisa está sendo realizada sob a coordenação de Francisco Martín Valentín e Teresa Bedman com o apoio da Fundación Gaselec. Embora anunciada somente este mês, a descoberta desta corregência foi realizada em 2013, no dia 4 de novembro, coincidentemente no dia em que o Egito comemorava 91 anos de descoberta da tumba de Tutankhamon, esposo de uma das filhas de Amenhotep IV, Ankhesenamon, e herdeiro de ambos estes faraós.

Para saber mais:

Egiptólogos españoles prueban que Amenhotep III y IV reinaron a la vez. Disponível em < http://www.elimparcial.es/contenido/133871.html >. Acesso em 11 de fevereiro de 2014.

Egiptólogos españoles confirman el reinado compartido entre el faraón Amenhotep IV y su padre. Disponível em < http://www.elmundo.es/ciencia/2014/02/11/52f8d04e22601df5408b457a.html >. Acesso em 11 de fevereiro de 2014.

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]