Grandes mães egípcias: da deusa Ísis à rainha Cleópatra VII

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

A imagem materna é importante para diferentes culturas, a exemplo do Egito Antigo onde um dos seus principais mitos, o de Ísis e Osíris, aponta a importância da figura da deusa Ísis como protetora do trono e a responsável pela a sobrevivência e educação de Hórus. Vale lembrar que Hórus era a representação do faraó e que as rainhas-mães eram associadas à Ísis.

Para saber mais sobre este assunto leia o texto “Ser mãe no Egito Antigo“.

Statuette of Isis and Horus (Met)

Ísis, no âmbito mitológicos, está no topo da importância em termos de maternidade, mas possuímos uma outra divindade relacionada com o meio materno: Bastet. Ela possuía o formato de uma gata e a sua amabilidade fez com que ela contrastasse com outra deusa, Sekhmet, a leoa com a qual usualmente era associada e que semeava a destruição, ao mesmo tempo que poderia ofertar a saúde.

E saindo da mitologia, possuímos vários exemplos reais de mães egípcias. Porém, por conta do passar do tempo algumas tornaram-se anônimas, outras conhecemos os nomes graças a sua posição política. Alguns exemplos são a rainha Nefertiti, Tiye e Cleópatra VII. Foi pensando em mulheres como elas que gravei há algum tempo um vídeo listando 5 mães famosas do Egito Antigo. Assista abaixo para conhecê-las.

Não foi fácil escolher poucas mulheres, mas está aí uma modesta lista com cinco nomes da antiguidade egípcia que chegaram até nós graças aos trabalhos de Arqueologia e Egiptologia. Notem que a minha escolha não se baseou em mães mais amáveis ou maternais, mas as famosas no meio acadêmico graças a feitos notáveis.
Originalmente Hatshepsut compunha a lista, mas retirei por respeito, já que a sua única filha faleceu muito jovem e na hora da organização do roteiro esqueci completamente de Tutmés III.

Também gravei para o canal um vídeo falando sobre a maternidade nos tempos dos faraós. confira:

A maternidade nunca foi uma tarefa fácil. As antigas egípcias que o diga. Neste vídeo apresento um pouco sobre como era exercer este papel na Antiguidade Egípcia e inclusive como ele era visto, por exemplo: vocês sabiam que a crença ditava que parte do coração do indivíduo era herdado da mãe durante a sua formação no útero?

 

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]