Embarcação da 1ª Dinastia é encontrada

 

Uma descoberta praticamente exclusiva ocorreu faz poucos dias no Egito: uma embarcação datada provavelmente da I Dinastia foi encontrada no sítio arqueológico de Abu Rowash, local famoso por abrigar a pirâmide do filho de Khufu (4ª Dinastia, seu nome me grego era Quéops), dono de duas das barcas sepultadas mais famosas do país (Veja a imagem).

 

Um dos Barcos Solares de Khufu. Disponível em < http://www.flickr.com/photos/danielcanoott/5418805166/ > Acesso em 14 de Abril de 11.

 

No período faraônico o sepultamento de barcos em tamanho natural ou como maquete parecia ser comum, principalmente devido a crença dos egípcios de que para se chegar ao mundo da “vida após a vida” era necessário navegar. No entanto, poucos foram encontrados e este em questão é um dos mais antigos.

 

Leia abaixo a notícia que saiu no site da Revista Veja:

 

Arqueólogos encontram barca funerária da 1ª dinastia de faraós do Egito

Objeto era enterrado ao lado dos mortos para que eles pudessem usar na outra vida

 

Resquícios de um barco funerário feito de madeira, recém-descoberto no complexo arqueológico Abu Rawash, a oeste do Cairo (AFP ). Imagem disponível em < http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/arqueologos-encontram-barca-funeraria-da-1a-dinastia-faraonica-no-egito >. Acesso em 25 de julho de 2012.

 

 

Uma equipe de arqueólogos encontrou no Egito uma barca funerária de madeira que pode ter ido usada durante a era do Faraó Den (também chamado de Udimu), na primeira dinastia, em torno do ano 3.000 a.C.

O ministro egípcio de Antiguidades, Mohammed Ibrahim, disse em comunicado que a barca está em bom estado e foi encontrada no sítio arqueológico de Abu Rawash, na província de Guiza, a oeste de Cairo.

Uma equipe de pesquisadores do Instituto Francês de Arqueologia Oriental escavava o local quando encontrou vestígios da barca. São 11 tábuas de madeira, cada uma com seis metros de comprimento e 1,5 m de largura. As peças eram colocadas ao lado dos túmulos para que os mortos pudessem utilizá-la em outra vida, disse Hussein Abdel Basir, do Museu Nacional da Civilização Egípcia.

As peças arqueológicas foram levadas para a restauração e, depois, serão expostas no Museu Nacional da Civilização Egípcia, na sala dedicada ao Rio Nilo.

Em fevereiro, arqueólogos iniciaram os trabalhos para extrair centenas de peças de madeira da segunda barca solar do mais poderoso dos faraós egípcios, Keops (2609-2584 a.C.), pertencente à IV dinastia faraônica.

(Com agência EFE)

 

Reportagem disponível em <http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/arqueologos-encontram-barca-funeraria-da-1a-dinastia-faraonica-no-egito>. Acesso em 25 de julho de 2012.

 

Notícia enviada por @shionmalfoy (Via Twitter).

Grafite de Djedefre filho de Khufu

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

 

Grafite de Djedefra filho de Khufu. Imagem disponível em < http://www.flickr.com/photos/pyramidtexts/5893436562/in/photostream > Acesso em 13 de fevereiro de 2012.

Esta imagem mostra inscrições transmitidas por grafites assinados pelo cartucho do faraó Djedefra, filho e sucessor de Quéops (V Dinastia). Elas podem ser encontradas no 20º bloco de calcário que guardava o primeiro barco de Khufu (Quéops em grego) descoberto em 1954 ao lado da pirâmide também do mesmo faraó.

Djedefra também construiu para si uma pirâmide, mas em Abu Rawash, porém ela não resistiu e ruiu, restando atualmente somente sua estrutura.

Saiba mais sobre a pirâmide de Abu Rawash clicando aqui e aqui (Vídeo em português).