Conheça as novas atrações turísticas da cidade de Akhenaton

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

O Ministério das Antiguidades do Egito deu início a um projeto para desenvolver o Centro de Visitantes de Amarna, em Minya, em parceria com o Instituto McDonald de Pesquisa Arqueológica da Universidade de Cambridge.

O projeto intitulado “Entrega de Estratégias do Patrimônio Sustentável para o Egito Rural: Comunidade e Arqueologia” é financiado pelo Fundo Newton-Mosharafa e organizado pelo British Council juntamente com o Fundo de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

english.ahram.org.eg

A principal finalidade do projeto é desenvolver, dentre várias coisas o centro de visitantes existente em Amarna, que tinha sido inaugurado em 2016. Também um adequado treinamento para funcionários do centro de visitantes, o desenvolvimento de programas de extensão, a preparação de um guia local, material educativo para crianças, um filme e um aplicativo para uso no local em associação com o centro.

É em Amarna onde outrora esteve a cidade do faraó Akhenaton, que reinou no Egito durante uma época chamada de Período Amarniano. Destacado pelas mudanças artística e a elevação do deus Aton, as iniciativas tomadas durante o Período Amarniano levou, erroneamente, a crença de muitos de que Akhenaton teria sido monoteísta.

O suposto monoteísmo de Akhenaton inclusive foi tema de um dos vídeos do nosso projeto no Apoia.se: www.arqueologiaegipcia.com.br/apoie/

Uma das coisas que certamente chamará a atenção dos visitantes é a réplica da tumba do rei, assim como a exibição dos palácios e casas do distrito real de Amarna. Isso porque os sítios arqueológicos de Amarna não são tão chamativos quanto os demais do Egito. Poder ter algo para visualizar tornará mais fácil aos visitantes entender a magnitude daquela época e ter uma ideia dos ambientes dos edifícios do tempo dos faraós. E já adianto que podemos esperar boas novidades desse local.

Akhenaton, Nefertiti e três das suas seis filhas. Foto: Wikimedia Commons.

 

Fonte:

Tel Al-Amarna Visitors’ Centre in Minya to receive upgrade. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/News/300133.aspx >. Acesso em 27 de maio de 2018.

Cabeça de estátua do faraó Akhenaton é encontrada em Minya

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Ontem (30 de setembro de 2017) foi anunciada a descoberta de uma cabeça de uma estátua do faraó Akhenaton, que reinou durante o Novo Império, 18ª Dinastia. O achado foi feito por uma missão egípcia-britânica que encontrou o artefato na cidade de Minya, mais especificamente em Amarna, onde o rei governou o Egito em sua recém-criada capital, Aketaton.[1][2]

Através de um comunicado de imprensa o arqueólogo britânico Barry Kemp, professor de Egiptologia na Universidade de Cambridge e diretor da missão, explicou que a cabeça foi encontrada durante as escavações arqueológicas no Grande Templo de Aton. O artefato é feito de gesso e possui 9 centímetros de altura, 13,5 de largura e 8 centímetros de comprimento.[1][2]

Foto: MSA (Divulgação)

Akhenaton é famoso por ter elevado o deus solar Aton a divindade principal e ter mudado a capital do país de Tebas para Aketaton. Por este motivo o secretário geral do Supremo Conselho de Antiguidades, Mustafa Waziri, classificou esta descoberta como “importante”: “não só porque pertence a um dos reis mais importantes do antigo Egito, mas também porque abre a cortina dos segredos da antiga cidade de Tel Amarna, que é única em sua arte e religião.”[1]

 

Fonte:

Hallan la cabeza de una estatua del faraón Akenatón al sur de EI Cairo. Disponível em < http://www.lavanguardia.com/vida/20170930/431675005774/hallan-la-cabeza-de-una-estatua-del-faraon-akenaton-al-sur-de-ei-cairo.html >. Acesso em 30 de setembro de 2017.

Gypsum head of King Akhenaten statue unearthed in Egypt’s Minya. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/NewsContent/9/40/278025/Heritage/Ancient-Egypt/Gypsum-head-of-King-Akhenaten-statue-unearthed-in-.aspx >. Acesso em 30 de setembro de 2017.