Djet, o rei com o signo da serpente

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Djet (também chamado de Uadji) foi o terceiro rei da 1ª Dinastia​ (Período Arcaico, também chamado de Dinastia Tinita).  Seu reinado marca o ponto no qual as iniciativas dos governos de Aha e Djer — de organizar um Egito unificado poucos anos antes — começaram a dar frutos (RICE, 1999). O seu nome é representado com o signo da serpente: ele é escrito com o hieróglifo de uma cobra acima da fachada do palácio que forma as bases do serekh, estrutura em que os nomes dos reis eram representados nesse período (RICE, 1999).

O nome de Djet está do lado esquerdo, dentro do serekh. Foto: Creative Commons.

Governo e sociedade na época:

Igualmente a alguns outros reis do período tinita, Djet possui artefatos votivos a ele. Um exemplo é uma grande estela que traz o seu nome dentro de um serekh cobrindo quase toda a superfície (Imagem 1). Ela foi encontrada nas proximidades de sua tumba e atualmente está exposta no Museu do Louvre (RICE, 1999; HENDRICKX; FORSTER, 2010).

Estela com o nome de Djet. Foto: Creative Commons.

Outro é um pente de marfim com 8 centímetros de comprimento em que o serekh com o seu nome é protegido por um falcão e ladeado por três símbolos hieroglíficos: dois cetros uas, simbolo do poder real e uma ankh, simbolo da vida. Todos estes elementos estão sob uma embarcação que possui em sua base um par de asas, cujo único tripulante é também um falcão. Esta é uma provável alegoria do deus sol exercendo sua viagem diária, enquanto navega pelo céu (EINAUDI, 2009).

Pente votivo a Djet. Fonte: EINAUDI, 2009.

Não se conhece muito detalhes do seu reinado, contudo se sabe que um vinhedo foi dedicado ao seu uso e pelo menos duas substanciais mastabas de Saqqara e Gizé datam do seu governo (RICE, 1999).

Também não se sabe quantos anos duraram o seu reinado, mas cogita-se que foram poucos (RICE, 1999).

Sepultamento:

Acredita-se que Uaji tenha sido sepultado em uma grande tumba em Abidos, mais especificamente em Umm el-Qa’ab, na Tumba Z. A exemplo dos seus dois antecessores ele foi acompanhado por fileiras de corpos humanos provenientes de sacrifício; só não se sabe se estas pessoas se voluntariaram para a morte, a fim de seguir o seu líder, ou foram obrigadas (RICE, 1999; WILKINSON, 2010).

Fonte:

EINAUDI, Silvia. Coleção Grandes Museus do Mundo: Museu Egípcio Cairo (Tradução de Lúcia Amélia Fernandez Baz). 1º Título. Rio de Janeiro: Folha de São Paulo, 2009.

HENDRICKX, Stan; FORSTER, Frank. Early Dynastic Art and Iconography. In LLOYD, Alan, B (Ed). A Companion to Ancient Egypt. England: Blackwell Publishing, 2010.

RICE, Michael. Who’s Who in Ancient Egypt. Londres: Routledg. 1999.

WILKINSON, Toby. The Early Dynastic Period. In LLOYD, Alan, B (Ed). A Companion to Ancient Egypt. England: Blackwell Publishing, 2010.

Djer: o sucessor de Ho-Aha

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Djer (também chamado de Zer; Iti), foi rei durante a 1ª Dinastia (Período Arcaico) (DAVID, R.; DAVID, A., 1992). O pouco que sabemos acerca desse governante é que foi o sucessor e provavelmente filho de Aha (Ho-Aha) — o qual teorias apontam que seria o verdadeiro Narmer (LESKO, 2002; COSTA, 2014) — com a rainha Khenthap (RICE, 1999). Seu nome de Hórus, Iti, está registrado na Lista Real de Abidos (DAVID, R.; DAVID, A., 1992).

Governo, batalhas e outras atividades:

Alguns remanescentes arqueológicos nos levam a crer que o seu governo exerceu uma forte atividade política no exterior, como o caso da Estela de Palermo sugere, onde ele é mencionado como tendo liderado uma expedição contra Setjet. A literatura acadêmica aponta que Setjet estava localizada provavelmente no Oeste Asiático (leia-se aqui como a área ligeiramente próximo da Península do Sinai) ou o Sinai propriamente dito (DAVID, R.; DAVID, A., 1992; RICE, 1999).

Estela do rei Djer encontrada em Abidos. Wikimedia Commons.

Outro registro de teor bélico é uma cena de batalha encontrada em Wadi Halfa, no Sudão, que alude que suas campanhas militares se estenderam até o Sul do Egito, próximo a Segunda Catarata do Nilo. No local igualmente foi encontrada uma escultura em parede com o seu nome.

Sabemos também que em seu tempo já era realizada a manipulação do cobre, como uma evidência encontrada em uma mastaba menfita nos mostra; na mastaba pertencente a um dos seus altos funcionários, cujo nome é Sabu, foram encontradas uma grande quantidade de artefatos feitos em cobre, metal que provavelmente foi extraído no Sinai, igualmente a turquesa, que foi encontrada na possível tumba do rei (RICE, 1999).

Morte e sepultamento:

Não possuímos nenhum dado sobre a sua morte e a sua múmia jamais foi encontrada, mas alguns pesquisadores acreditam que a sua tumba, ou talvez cenotáfio — caso ele tenha seguido o exemplo de Ho-Aha, sendo inumado em Saqqara —, já foi identificada em Abidos. A sepultura tinha sido saqueada em algum momento do passado, mas foi possível resgatar em sua parede norte um braço mumificado ainda com quatro braceletes feitos de ouro, turquesa e lápis-lazúli o enfeitando (DAVID, R.; DAVID, A.; RICE, 1999).

Tumba que acredita-se ser de Djer em Abidos. Foto Margaret Maitland.

O individuo dono do braço nunca foi identificado, mas já especulou-se que o dono seria uma mulher e que a mesma poderia ser uma rainha que teria sido sepultada com Djer. A sugestão é que se trataria de Herneith, mas que cuja tumba já foi descoberta em Saqqara (RICE, 1999).

Parte do braço encontrado na tumba de Djer. MULLER, Hans Wolfgang; THIEM, Esberhard. O ouro dos faraós (Tradução de Carlos Nougué, Francisco Manhães, Maria Julia Braga, Angela Zarate). Barcelona: Folio, 2006.

Assim como no túmulo de Ho-Aha, corpos de serviçais foram descobertos. Durante a consulta para esse texto não foi encontrado um consenso para o número de indivíduos inventariados, sedo apresentados um montante de de 317 de acordo com Rice (1999) e mais de 600 de acordo com David & David (1992). Essas pessoas provavelmente foram sacrificadas para acompanhar o governante falecido.

Posterioridade:

Igualmente a outros reis e faraós, Djer teve um culto póstumo, sendo celebrado em Wadi Halfa. Já a sua possível tumba, com a chegada do Médio Reino, foi tida como o local de sepultamento do deus Osíris, inclusive uma figura de basalto desta divindade foi depositada no local (DAVID, R.; DAVID, A.; RICE, 1999).

Referências bibliográficas:

DAVID, Rosalie; DAVID, Antony. A Biographical Dictionary of Ancient Egypt. London: Steaby, 1992.
COSTA, Márcia Jamille Nascimento. Uma viagem pelo Nilo. Aracaju: Site Arqueologia Egípcia, 2014.
LESKO, Leonard. “Cosmogonias e Cosmologia do Antigo Egito”. In: SHAFER, Byron; BAINES, John; LESKO, Leonard; SILVERMAN, David. As religiões no antigo Egito (Tradução de Luis Krausz). São Paulo: Nova Alexandria, 2002.
RICE, Michael. Who’s Who in Ancient Egypt. Londres: Routledg. 1999

Aha: o “Falcão Guerreiro”

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Aha, faraó do Período Arcaico, 1ª Dinastia, provavelmente foi o pioneiro das práticas das quais emergiram a monarquia, como a construção de templos votivos aos deuses e campanhas militares de unificação do Sul e Norte do Egito (RICE, 1999). A identidade dos seus pais é motivo de debates, uma vez que não se sabe se era filho de Narmer ou somente um sucessor escolhido a dedo por ele ou mesmo se era o próprio (RICE, 1999); em relação a sua mãe não sabemos se era filho, consorte [1] ou ambos da rainha Neithotep (BUNSON, 2002; WILKINSON, 2010).

Governo e atividades políticas:

Também chamado de Hor-Aha (Hórus Aha), o “Falcão Guerreiro” (DAVID, R.; DAVID, A., 1992; BUNSON, 2002), durante o seu reinado a arquitetura começou a ser de uma notável qualidade; em adição aos templos que ele diz ter construído, existem evidências de monumentos funerários substanciais, de um tamanho e caráter marcadamente diferente dos do Período Pré-dinástico (RICE, 1999).

Vaso cilíndrico do rei Aha, por Einsamer SchützeObra do próprio. Licenciado sob CC BY-SA 3.0 via Wikimedia Commons.

Seu nome é citado nas placas de marfim que foram usadas para registrar os eventos mais significativos do governo dos primeiros reis (RICE, 1999). Na “placa de Abidos”, por exemplo, o seu nome já é mostrado dentro de um serekh e menciona a fundação do templo da deusa Neith, um santuário, a captura de um touro selvagem e uma representação de barcos que navegaram indo para antigas cidades nas margens do Nilo (RICE, 1999).

No topo, bem no centro, está um serekh com o nome do rei Aha. TIRADRITTI, Francesco. Tesouros do Egito do Museu do Cairo. São Paulo: Manole, 1998. pág. 42.

Datado do seu período também está a tumba 3503 de Saqqara que provavelmente pertenceu a um dos seus ministros. Nela foi encontrada uma maquete mostrando celeiros e outras construções do tipo que teriam estado em uso na época do rei (RICE, 1999).

Morte e sepultamento:

De acordo com a cronografia de Manetho, Aha viveu até os seus 63 ou 64 anos de idade e diz-se que faleceu devido aos ferimentos sofridos durante uma caça a um hipopótamo (RICE, 1999; BUNSON, 2002). Foi enterrado em Saqqara, em uma tumba com 27 armazéns no nível do solo e cinco câmaras subterrâneas. No local foi encontrado um barco solar (BUNSON, 2002), o que o torna um dos mais antigos indícios deste tipo de prática funerária. No local foi encontrado igualmente o corpo de um homem jovem, que acredita-se que tenha praticado suicídio para acompanhar o rei. Outro detalhe é que ele foi sepultado também com leões, animal que viria a compor um importante simbolismo para a manutenção do poder monárquico (BUNSON, 2002; MORRIS, 2010; COSTA, 2014).

Parte da tumba de Aha. B10-B15-B19 em Umm el Ga’ab em Abydos. Foto disponível em < http://profidom.com.ua/poleznoe/148-vseobshhaja-istorija-arkhitektury/489-drevnij-jegipet-ranneje-carstvo-period-i-ii-dinastij-nachalo-iii-tys-do-ne >. Acesso em 29 de junho de 2015.

Entretanto ele erigiu também um cenotáfio, mas em Abidos, onde um considerável número de pessoas jovens, presumivelmente serviçais do rei, todos eles com menos de 25 anos de idade, foram sepultados — não se sabe se assassinados ou se cometeram suicídio —, para atendê-lo no além-vida. Este costume foi difundido durante a 1ª Dinastia (RICE, 1999; BUNSON, 2002).

Com a sua morte o trono foi assumido por seu filho Djer, cuja mãe provavelmente foi uma rainha chamada Khenthap.

Seria ele Narmer?

De acordo com os registros escritos egípcios, a união das “Duas Terras” foi alcançada com a vitória de um rei do Alto Egito (Sul), sob o Baixo Egito (Norte). Tal rei seria um homem chamado Meni (em grego, Menés), que após a sua vitória inaugurou Ineb-hedj, mais conhecida entre nós como Menphis, como capital do reino (DAVID, R.; DAVID, A., 1992; LESKO, 2002; MOKHTAR; VERCOUTTER, 2011; COSTA, 2014). Contudo, outros dois nomes surgiram como possíveis unificadores: Namer e Aha (LESKO, 2002; COSTA, 2014).

Fragmento de faiança vitrificada com o nome de Aha.  Fotografia licenciada sob CC BY-SA 3.0 via Wikimedia Commons.

Namer foi sugerido como unificador devido a “Paleta de Namer”, descoberta em 1897 pelo arqueólogo James Quibell (DAVID, R.; DAVID, A., 1992; DAVID, R., 2011). Nesse artefato o rei é apresentado em dois momentos distintos, usando separadamente as coroas do Alto e Baixo Egito, que, nos anos seguintes, passaram a ser representadas sobrepostas. É em razão da existência deste artefato que alguns pesquisadores apontam que Meni seria em verdade Narmer (BAINES; MALEK, 2008; COSTA, 2014).

Por outro lado, outros pesquisadores apontam que seria Aha o rei Meni, isto porque foi encontrada em Nagada, através das pesquisas de Jean-Jacques de Morgan em 1897, uma tábua onde o nome de ambos foram grafados no mesmo objeto (DAVID, R.; DAVID, A., 1992; BUNSON, 2002; COSTA, 2014).

Para aumentar a confusão foram encontrados em Abidos alguns artefatos com o nome de Meni e Narmer associados (David 1992).

A relação entre Aha com Narmer é totalmente especulativa (DAVID, R.; DAVID, A., 1992; BUNSON, 2002; WILKINSON, 2010; COSTA, 2014). O túmulo da sua mãe — ou esposa — encontra-se em Abidos e trata-se de uma longa e elaborada estrutura. Dentre os artefatos remanescentes foi encontrada uma pequena placa de marfim que mostra Aha e Meni lado a lado (BUNSON, 2002).

Outro rótulo parece ligar Aha com Meni. Ele foi o primeiro rei egípcio a usar o nome nebty em honra “às duas senhoras”, deusas do Alto e Baixo Egito, em sua titulação: neste caso o nome escolhido aparentemente foi Men, o que contribui para que alguns egiptólogos acreditem que ele em verdade seja o lendário Meni (RICE, 1999; BUNSON, 2002).

Referências bibliográficas:

BAINES, John; MALEK, Jaromir. Deuses, templos e faraós: Atlas cultural do Antigo Egito (Tradução de Francisco Manhães, Maria Julia Braga, Michael Teixeira, Carlos Nougué). Barcelona: Folio, 2008.

BUNSON, Margaret R. Encyclopedia of Ancient Egypt. New York: Facts On File, 2002.

COSTA, Márcia Jamille Nascimento. Uma viagem pelo Nilo. Aracaju: Site Arqueologia Egípcia, 2014.

DAVID, Rosalie; DAVID, Antony. A Biographical Dictionary of Ancient Egypt. London: Steaby, 1992.

DAVID, Rosalie. Religião e Magia no Antigo Egito (Tradução de Angela Machado). Rio de Janeiro: Difel, 2011.

LESKO, Leonard. “Cosmogonias e Cosmologia do Antigo Egito”. In: SHAFER, Byron; BAINES, John; LESKO, Leonard; SILVERMAN, David. As religiões no antigo Egito (Tradução de Luis Krausz). São Paulo: Nova Alexandria, 2002.

MOKHTAR, Gamal; VERCOUTTER, Jean. “Introdução Geral”. In: MOKHTAR, Gamal (Org.). História Geral da África Vol. II: África Antiga (Tradução de MEC – Centro de Estudos afro-brasileiros da Universidade de São Carlos). Brasília: UNESCO, 2011.

MORRIS, Ellen F. “The Pharaoh and Pharaonic Office”. In: LLOYD, Alan, B (Ed). A Companion to Ancient Egypt. England: Blackwell Publishing, 2010.

RICE, Michael. Who’s Who in Ancient Egypt. Londres: Routledg. 1999

WILDUNG, Dietrich. O Egipto: da pré-história aos romanos (Tradução de Maria Filomena Duarte). Lisboa: Taschen, 2009.

WILKINSON, Toby. “The Early Dynastic Period”. In: LLOYD, Alan, B (Ed). A Companion to Ancient Egypt. England: Blackwell Publishing, 2010.


[1] Provavelmente também foi casado com outras duas rainhas: Khenthap e Benerib.

Seti I: o primeiro ramséssida

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

 

Imagem de Seti I na KV-17. Imagem disponível em . Acesso em 05 de agosto de 2013.

Imagem de Seti I na KV-17. Imagem disponível em < http://www.flickr.com/ photos/oar /52193 11780/ >. Acesso em 05 de agosto de 2013.

Seti I (Sethos, em grego), segundo faraó da 19ª Dinastia (Novo Império), cujo nome de batismo era Seti Mery-en-ptah (Do deus Seth, amado de Ptah) [1], foi filho de Paramessu, um homem proveniente do Delta – território o qual tradicionalmente o deus Seti (Seth) era padroeiro – e sem ligações com a realeza, mas que foi designado, apesar do cargo de vizir, como “príncipe hereditário da terra” pelo faraó Horemheb (Novo Império; 18ª Dinastia), pelo fato do rei não ter tido herdeiros (O’CONNOR  et al (b),  2007).

Ao assumir o trono, Paramessu mudou seu nome para Ramsés (I) e incluiu o seu filho, Seti (I), nos assuntos administrativos do país (O’CONNOR  et al (b), 2007; DESPLANCQUES, 2011), e tornando-o co-regente, de acordo com uma estátua de Medamud [1]. O então príncipe assumiria o trono um ou dois anos depois, devido a morte do pai (O’CONNOR  et al (b), 2007), por este motivo Seti I é considerado o derradeiro fundador da dinastia ramsessida [2].

Ele foi casado com Tuya (Toya), a mãe de Ramsés II, a qual não recebeu muito destaque no seu governo até a morte do esposo, mas com a viuvez ela foi presenteada com construções e um templo em sua honra a mando de seu filho (O’CONNOR  et al (b), 2007). O Casal Real teve mais outras três crianças: um primogênito (mas falecido jovem), Tia e Hanutmiré (que casou-se mais tarde com o irmão Ramsés II) [1].

 

Governo e atividades militares:

Seti I já era nascido, inclusive um oficial e pai de Ramsés (II), quando Horemheb ainda era vivo, e teve educação nas artes bélicas, provavelmente por influencia da distinção que uma carreira militar tinha entre a alta nobreza egípcia. Esta educação foi bem a calhar em seu governo, que era herdeiro de uma ideologia que pregava o discurso de que acima de tudo o faraó deveria proteger as fronteiras do Egito e assim manter a maat.

Imagem de Seti I na KV-17. Imagem disponível em . Acesso em 05 de agosto de 2013.

Imagem de Seti I na KV-17. Imagem disponível em < http://www.flickr.com/photos/soloegipto/4092548965/ >. Acesso em 05 de agosto de 2013.

Em uma inscrição em sua biografia conservada em uma das paredes da sala hipostila de Karnak possuímos a narrativa de uma batalha com o Seti I como protagonista:

Sua majestade exulta no princípio da batalha, compraz-se em participar; seu coração regozija-se com a visão do sangue. Ele corta as cabeças dos dissidentes. Mais que a celebração da vitória, ama o momento de abater o inimigo (O’CONNOR  et al (b), 2007, pág. 17).

Assim como seus antecessores ele entrou em choque com os hititas, batalhando contra o rei Muwatallis, momento em que estabeleceu a fronteira de Kadesh no rio Orontes entre o Líbano e as montanhas do Anti-Líbano [2]. Também ordenou incursões bélicas no norte da Palestina e Síria e fortificou as fronteiras egípcias [2].

 

Algumas construções:

Seti I seguiu a tradição de construtor, mas uma das suas mais emblemáticas obras é o seu templo funerário em Abidos, no Alto Egito, onde se retratou, mais o filho Ramsés (II), como herdeiro legítimo de Amenhotep III, excluindo todos os faraós desde Akhenaton até Ay. Esta atitude provavelmente se deu pela a experiência amarniana que viria a ser condenada por Horemheb, iniciando assim o desmantelamento de templos votivos ao deus Aton e aos sucessores de Akhenaton (O’CONNOR et al (a), 2007; DESPLANCQUES, 2011). Por outro lado, o seu catálogo é impreciso em outro sentido, listando somente 75 monarcas a partir de Meni (Menés, em grego), o qual, de acordo com a tradição egípcia, acreditava-se ser o fundador do Egito unificado e da primeira dinastia (O’CONNOR  et al (b),  2007).

Templo de Seti I em Abidos. Imagem disponível em . Acesso em 05 de agosto de 2013.

Templo de Seti I em Abidos. Imagem disponível em < http://www.flickr.com/photos/soloegipto/5451575592/ >. Acesso em 05 de agosto de 2013.

Também reabriu minas e pedreiras, restaurou templos e capelas que estavam degradados, dando especial atenção aos templos danificados por Akhenaton (18ª Dinastia; Novo Império) e concluindo construções de Tutankhamon (BRAND, 2009). Seus programas de reparos foram gravados com o uso da palavra sm3wymnw, marca de renovação bastante empregada para registrar sua autoria nestes restauros (BRAND, 2009). Ele também ampliou a Grande Sala Hipóstila de Karnak e construiu edifícios para a sua honra também na Núbia (atual Sudão) e na Ásia Ocidental (BRAND, 2009).

Seti I e o jovem Ramsés II em Abidos. Foto: O’CONNOR, David; FREED, Rita; KITCHEN, Kenneth (b). Ramsés II (Tradução de Francisco Manhães, Marcelo Neves). Barcelona: Fólio, 2007. Pág. 35.

Seti I e o jovem Ramsés II em Abidos. Foto: O’CONNOR, David; FREED, Rita; KITCHEN, Kenneth (b). Ramsés II (Tradução de Francisco Manhães, Marcelo Neves). Barcelona: Fólio, 2007. Pág. 35.

O maior problema em relação a este assunto é se entender a cronologia de acontecimentos dentro do seu reinado, especialmente em relação ao seu programa de construção (BRAND, 2009), uma vez que após a sua morte alguns dos seus predecessores imediatos, especialmente seu filho Ramsés II, dedicaram templos em seu nome (BRAND, 2009).

 

Sepultamento:

Ele governou possivelmente por 13 anos (existindo uma divergência de opiniões que põe seu fim entre 17 e 20 anos de reinado) [1], provavelmente de causas naturais, e foi sepultado no Vale dos Reis, na tumba KV17, descoberta em outubro de 1817, pelo explorador Giovanni Battista Belzoni (1778 — 1823), e se constitui de um dos maiores túmulos da necrópole.

 

Para saber mais:

Livro: The Monuments of Seti I: Epigraphic, Historical and Art Historical Analysis, de Peter J. Brand.

Livro: The Monuments of Seti I.

Livro: The Monuments of Seti I.

Embora caro (€210,00, no valor do título na língua original), este livro é o resultado das pesquisas para a tese de doutorado do professor Brand acerca dos monumentos realizados por Seti I e os que foram associados a ele mesmo após a sua morte. Apresenta metodologias de análises, como o reino de Seti I influenciou na instituição do discurso ramséssida e um ensaio acerca da família do faraó. Não é um livro dedicado para amadores, embora possua uma leitura fácil, mesmo em inglês.

 

Referências:

BRAND, Peter. The Monuments of Seti I: Epigraphic, Historical and Art Historical Analysis. Brill, 2009.

DESPLANCQUES, Sophie. Egito Antigo (Tradução de Paulo Neves). Porto alegre: L&PM, 2011

O’CONNOR, David; FORBES, Dennis; LEHNER, Mark (a). Grandes civilizações do passado: Terra de faraós. (Tradução de Francisco Manhães). Barcelona: Folio, 2007.

O’CONNOR, David; FREED, Rita; KITCHEN, Kenneth (b). Ramsés II (Tradução de Francisco Manhães, Marcelo Neves). Barcelona: Fólio, 2007.

[1] “Seti I by Jimmy Dunn”. Disponível em < http://www.touregypt.net/featurestories/seti.htm >. Acesso em 14 de novembro de 2013.

[2] “Seti I”. Disponível em < http://global.britannica.com/EBchecked/topic/536230/Seti-I >. Acesso em 12 de novembro de 2013.

Faraó Merenptah: O 13º filho de Ramsés II

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

Ramsés II morreu aos 90 anos, após um reinado de 67, sobrevivendo a doze dos seus filhos mais velhos. Embora sua esposa favorita fosse Nefertari, nenhum dos filhos dela viveram para ter a oportunidade de assumir o trono. Desta forma foi o 13º herdeiro, Merenptah (ou Merneptah) (Novo Império; XIX Dinastia), dos cerca de noventa filhos do faraó, quem recebeu o direito de reinar quando tinha entre cinquenta e sessenta anos de idade. Sua mãe era a rainha Ísis-Nofret (DAVID; DAVID, 1992; O’CONNOR et al, 2007).

 

Faraó Merenptah. Imagem disponível em < http://www.absolutegipto.com/merenptah-el-rey-anciano/ >. Acesso em 03 de junho de 2013.

 

O reinado de Ramsés II é conhecido pelas incursões militares nos primeiros anos do seu governo e a uma aparente paz nos anos tardios, porém, após assumir o trono, Merenptah precisou enfrenta uma ameaça a autoridade egípcia no Canaã e sul da Síria, a qual abafou com o auxilio do exército. Com a sua vitória celebrou o feito em vários relevos nos muros de Karnak (O’CONNOR et al, 2007).

No seu 5º ano de reinado, os líbios (que já tinham tentado tomar o país no reinado de Seti I) e os Povos do Mar (que posteriormente dominariam parte das sociedades do Mediterrâneo) ultrapassaram a fronteira egípcia ocidental, planejando manter assentamento, levando consigo familiares e posses. Eles foram encontrados no Delta (o local especifico não se sabe – ver mapa) pelo exercito do faraó e durante seis horas os estrangeiros sofreram um massacre cujo número de vítimas fatais contou-se cerca de 6 000, de acordo com as fontes egípcias, que levantavam os dados através das mãos cortadas dos circuncisos ou pelos pênis coletados dos incircuncisos (DAVID; DAVID, 1992; O’CONNOR et al, 2007; BAINES; MALEK, 2008).

 

Provável local de confronto do faraó Merenptah contra os líbios e os Povos do Mar. Mapa: Márcia Jamille Costa. 2013.

 

De acordo este mesmo relato o líder líbio, Merire, conseguiu escapar. As fontes descrevem o que teria ocorrido:

O miserável chefe dos líbios tinha o coração paralisado pelo medo, parou, ajoelhou-se e deixou o arco, a alijava e suas sandálias para trás (O’CONNOR et al, 2007).

Aproveitando desta batalhavam no norte, os servos núbios ao sul, que permaneceram acalmados nas últimas décadas por Ramsés II, se rebelaram contra o faraó (O’CONNOR et al, 2007). Os povos núbios da antiguidade eram descritos como exímios soldados, especialmente graças aos kermanos. Foi esta tradição bélica e as frequentes rebeliões contra os seus mestres egípcios que levaria estes povos sulistas a tomar o poder das duas terras posteriormente, durante o chamado Terceiro Período Intermediário.

 

Esfinge do faraó Merenptah no Penn Museum. Imagem disponível em < http://edtrayes.com/2011/03/lower-egyptian-gallery-penn-museum-philadelphia-pennsylvania-usa/dsc_9883-original-exposure-slphinx-lion-with-human-head-palace-of-merenptah-memphis-egypt-penn-museum-philadelphia-pennsylvania-usa/ >. Acesso em 03 de junho de 2013.

 

Aparentemente Merenptah teve sucesso em sufocar todos os motins que precisou enfrentar em sua gestão, mas embora viesse a ser conhecido como o faraó que liquidou os invasores do norte ele fez questão de deixar registrado um ato de caridade, ao realizar uma doação de cereal aos hititas durante um período de fome (BAINES; MALEK, 2008).

Um dos seus palácios encontrava-se em Mit Rahina, na colina Kom el-Qala, o qual atualmente só existem ruínas. Ele foi escavado por Clarence Stanley Fisher (1876 – 1941) e a missão de arqueologia do University Museum, da Filadélfia (BAINES; MALEK, 2008).

 

Sucessão:

Merenptah reinou por dez anos e foi substituído por Amenemés, que possivelmente não era seu herdeiro direto, mas um dos filhos ainda vivos de Ramsés II ou descendente dos mesmos. De todo modo uma das características do governo de Amenemés foram as constantes lutas familiares e após quatro anos de administração ele foi substituído por Seti-Merenptah, coroado como Seti (II), cujo trono foi herdado por sua esposa Tauseret, que foi coroada faraó (DAVID; DAVID, 1992; O’CONNOR et al, 2007; BAINES; MALEK, 2008).

 

Sepultamento:

Originalmente Merenptah teria sido sepultado em Tebas, na KV-8, mas a sua múmia foi encontrada pelo arqueólogo francês Vitor Loret (1859-1946) em 1898 no esconderijo real locado na tumba do faraó Amenhotep II, no Vale dos Reis (DAVID; DAVID, 1992). Um dos seus sarcófagos foi reutilizado por Psusene I e só foi identificado porque dentre os seus cartuchos apagados somente um na tampa ainda possuía o nome do antigo dono (O’CONNOR et al, 2007).

 

Fragmentos do sarcófago de granito vermelho do faraó Merenptah. Foto disponível em O’CONNOR, David; FREED, Rita; KITCHEN, Kenneth. Ramsés II (Tradução de Francisco Manhães, Marcelo Neves). Barcelona: Fólio, 2007. Pág. 138.

 

A “Estela de Merenptah”:

Em seu templo mortuário foi encontrada uma estela comemorativa enaltecendo as vitórias do faraó em batalhas contra países estrangeiros. Presunçosamente ela é chamada de “Estela de Israel” devido a imagem de dois hieróglifos que representam um homem e uma mulher caminhando e foi deduzido que se trataria de uma comunidade nômade. Permanecendo no caráter subjetivista, foi sugerido que poderia se tratar do povo de Israel, porém a teoria permanece uma especulação.

 

Estela de Merenptah. Retirado de Merneptah Stele. Disponível em < http://www.flickr.com/photos/frankrytell/2155909119/ > Acesso em 24 de Abril de 2011.

 

Originalmente esta estela pertencia ao faraó Amenhotep III (Amenofis III), da XVIII dinastia.

 

Referências:

BAINES, John; MALEK, Jaromir. Deuses, templos e faraós: Atlas cultural do Antigo Egito (Tradução de Francisco Manhães, Maria Julia Braga, Michael Teixeira, Carlos Nougué). Barcelona: Fólio, 2008.

DAVID, Rosalie; DAVID, Antony. A Biographical Dictionary of Ancient Egypt. London: Steaby, 1992.

O’CONNOR, David; FREED, Rita; KITCHEN, Kenneth. Ramsés II (Tradução de Francisco Manhães, Marcelo Neves). Barcelona: Fólio, 2007.

Um vislumbre da faraó-mulher Hatshepsut

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

“A garota da qual falaste chama-se Ahmés, é a mulher mais bela desta terra. É a esposa do soberano Ankhkheperkare, rei do Alto e Baixo Egito, que está dotado de vida eterna.

O sublime Amon, senhor do trono de ambos os reinos havia se transformado em sua Majestade seu marido, rei do Alto e Baixo Egito. Encontrou-a adormecida no meio do luxo do seu palácio. Quando acordada pela fragrância divina, sorriu para sua Majestade. Ele então se aproximou ardentemente e se mostrou em sua forma divina. Ela exaltou-se a vista de sua beleza. O amor inundou todo seu corpo e o palácio se encheu da doçura divina de todos os perfumes da Terra de Punt.

Depois de ter feito com ela o que fez, Ahmés, o real consorte e a mãe disseram a sua Majestade, o divino deus Amon: ‘Que poderosa é a tua força, meu senhor! Que magnífico teu semblante! Uniste minha majestade com tua glória. Todo o meu corpo está impregnado de ti’.

Khenemetamon Hatshepsut é o nome de teu filho, que eu depositei dentro de teu corpo. (STROUHAL, 2007, 11)

São estas as palavras gravadas no templo funerário da faraó Hatshepsut (em Deir el-Bahari), uma das governantes com mais sucessos na história do Egito faraônico e cujos feitos ela ainda recebe forte crédito por parte dos egípcios da atualidade. O que é visto de tão especial em Hatshepsut é o fato de que ela tornou-se faraó, embora não tenha sido um caso exclusivo: temos exemplos de outras mulheres que tomaram tal empreitada, dentre algumas conhecidas, e antecessoras de Hatshepsut, temos Nitokerty (Antigo Império) e Sobeknefru (Médio Império).

Conhecemos muito acerca da vida de Hatshepsut, sabemos que ela era a filha mais velha do faraó Tutmósis (Ankhkheperkare) com a Grande Esposa Real Ahmés, mas que, como ditava o costume do poder real, para ser coroada um dia ela tinha que montar um par, assim casou com o seu meio irmão Tutmósis II, filho do faraó com uma esposa secundária chamada Mutnofret.

A então rainha Hatshepsut só deu ao marido uma filha, Néfruré, em compensação, uma esposa secundária, chamada Ísis, deu a ele um filho, que recebeu o nome de Tutmósis III, que, ao completar a idade de oito anos ficou órfão do pai, tendo então que Hatshepsut, em seu papel de Grande Esposa Real, assumir uma co-regência até que o garoto tivesse uma idade mais apropriada para reinar, porém, quando o rapaz alcançou a idade de quinze anos a rainha se declarou faraó e iniciou uma campanha para atestar sua autoridade: “Eu própria sou um deus”, uma vez declarou, “que decide o que vai acontecer. Nenhum dos meus julgamentos será errado” (ROSE, 122).     

Hatshepsut herdou um país que ainda se recuperava da guerra contra os hicsos e em uma tentativa de fixar sua autoridade empreendeu obras de manutenção do país, a maioria que ressaltasse seu estado divino. Uma das mais imponentes das suas campanhas é sem dúvida seu templo funerário em Deir el-Barari, cujo o desenho não é de pura exclusividade, ele imita a arquitetura do templo funerário do rei Mentuhotep II (feito cerca de 500 anos antes), localizado também em Deir el- Bahari. A semelhança é vista na construção dos dois terraços (WILDUNG, 2009, p 70).

Deir el-Bahari. Imagem retirada de MARIE, Rose; HAGEN, Rainer. Egipto. (Tradução de Maria da Graça Crespo) 1ª Edição. Lisboa: Editora Taschen, 1999. P. 125.

Na esquerda retos do templo funerário do faraó Mentuhotep II e na direita reconstituição do mesmo. Imagem retirada de WILDUNG, Dietrich. O Egipto: da pré-história aos romanos. (Tradução de Maria Filomena Duarte). 1ª Edição. Lisboa: Editora Taschen, 2009. P. 72.

 

O idealizador do templo funerário de Hatshepsut foi Senenmut que possuia um alto cargo no palácio como Fiscal de Obras tendo, inclusive, o direito de assinar sua obra. Muitos arqueólogos acreditam que ele e a faraó eram amantes, não só por ter tido regalias especiais (como ter o direito de ter o seu túmulo construído dentro do templo funerário da governante), mas também por ser retratado algumas vezes com a filha de Hatshepsut no colo.

 

Senenmut e a princesa Néfruré. Imagem retirada de MARIE, Rose; HAGEN, Rainer. Egipto. (Tradução de Maria da Graça Crespo) 1ª Edição. Lisboa: Editora Taschen, 1999. P. 124.

Uma das principais preocupações da faraó era que o seu legado fosse lembrado, desta forma, retratou algumas das passagens mais importantes do seu reinado, dentre eles a expedição ao reino de Punt (cuja localidade ainda é desconhecida, uma das sugestões é que de que este local se situava na costa do Mar Vermelho, perto do norte da Somália), que foi muito bem documentada por palavras e imagens. De acordo com a narrativa a frota naval da faraó estava constituída de cinco navios, cada um deles com quarenta pessoas, dos quais trinta eram remeiros que trabalhava igualmente ao ritmo marcado por um tambor, uma flauta ou um chocalho (DERSIN, 2007, p. 120).

Uma das marcas excêntricas de seu reinado era o fato dela se vestir de homem, iniciativa tomada para atestar sua permanecia como faraó, mas ela não fazia segredo quanto ao seu real gênero, pois suas inscrições com freqüência estão acompanhadas por terminações femininas (BROWN, 2009). Porém, a imagem de Hatshepsut mudou com o tempo, o que antes era uma figura feminina com artefatos masculinos (os objetos típicos de um faraó), mudou completamente para uma imagem masculina (BROWN, 2009). Vemos isto inclusive na descrição do seu nascimento, onde Amon pede que Khnum modele Hatshepsut em um monte de barro (como ditava a crença egípcia), e então ela é feita como um garoto (BROWN, 2009). Estas atitudes da faraó tem um cunho político muito forte, e vemos isto inclusive na forma como se preocupava com o apoio do povo. Frequentemente em seus textos ela tenta uma aproximação com a gente comum usando um termo egípcio que lembra o nosso moderno “meu povo” (BROWN, 2009).

Faraó Hatshepsut usando uma barba falsa. Imagem retirada de MARIE, Rose; HAGEN, Rainer. Egipto. (Tradução de Maria da Graça Crespo) 1ª Edição. Lisboa: Editora Taschen, 1999. p. 123.

Hatshepsut retratada com traços masculinos. Deir el-Bahari. Imagem retirada de MARIE, Rose; HAGEN, Rainer. Egipto. (Tradução de Maria da Graça Crespo) 1ª Edição. Lisboa: Editora Taschen, 1999. P. 122.

A faraó reinou por vinte e um anos e nove meses [1] (como denota Manétho) até que uma ameaça dos inimigos, os Mitanni, surgisse. Tutmosis III, que até então estava levemente longe do governo surge sob o comando das tropas e assume o posto de faraó. Hatshepsut então desaparece.

Destruição a sua memória

Em Deir el-Bahari suas estátuas foram quebradas e postas em um fosso em frente ao seu templo mortuário (BROWN, 2009). No mesmo local as imagens em relevo também foram destruídas. Acredita-se que o autor do estrago foi ninguém mais que seu enteado, Tutmóses III, mas Zbigniew Szafraski, diretor da equipe que trabalha em Deir el-Bahari desde 1961 crê que as implicações de Tutmósis III foram mais políticas do que movida pelo o ódio (BROWN, 2009), já que foi descoberto que a destruição das imagens da faraó só ocorreram após passados vinte anos da morte da mesma. A sugestão que é levantada então é de que Tutmósis III precisava fortificar o poder real do seu filho, Amenhotep II (BROWN, 2009).

Esta é uma das imagens de Hatshepsut que foi violada por Tutmósis III. No lado esquerdo vemos o deus Thot e do lado direito Hórus. No centro a faraó. Santuário de Hatshepsut em Kanark. Imagem retirada de MARIE, Rose; HAGEN, Rainer. Egipto. (Tradução de Maria da Graça Crespo) 1ª Edição. Lisboa: Editora Taschen, 1999. P. 123

Sua múmia, ou não?

 

Por muito tempo não se sabia qual teria sido o destino final de Hatshepsut, no entanto, o seu sarcófago tinha sido encontrado em 1903 na KV-20 pelo arqueólogo inglês Howard Carter, que na época era supervisor das antiguidades, e enquanto realizava seu trabalho de vistoria no Vale dos Reis achou na KV-60 duas múmias femininas: uma dentro de um caixão e outra no chão sem abrigo algum. Com elas foi descoberto também uma caixa com o nome da faraó Hatshepsut. Em 1989 a KV-60 foi então supervisionada mais uma vez, mas agora pelo egiptólogo estadunidense Donald Ryan que já desconfiava que aquela era a múmia de uma rainha, já que tinha o braço esquerdo dobrado, além do primor em termos de mumificação. Antes de finalizar o seu trabalho e encerrar a tumba, Ryan encomendou um caixão para prover mais segurança para a múmia.

Em 2005, Zahi Hawass, até então Secretário Geral do SCA e diretor do Projeto Múmia Egípcia, examinou as duas múmias encontradas na KV-60 e identificou uma delas como a da faraó devido a um dente. A múmia em questão foi a que tinha sido resguardada por Ryan. Ela tinha passado por um tomógrafo e notou-se que lhe faltava um dente na mandíbula superior direita. Coincidentemente, na caixa com o nome de Hatshepsut, que também tinha passado pelo o tomógrafo, possuía um dente (um molar secundário) que após a medição do local quebrado e tendo sido medida a região faltosa na múmia, o dentista da equipe, Ashraf Selim, constatou que o dente se encaixava perfeitamente no local (BROWN, 2009). Devido a esta coincidência, é tido que esta múmia deixada anônima no chão da KV-60 seria então a da rainha, e depois faraó, Hatshepsut.

Múmia de Hatshepsut. Foto: . Disponível em < http://viajeaqui.abril.com.br/national-geographic/edicao-109/fotos/hatshepsut-mulher-farao-antigo-egito-449366.shtml >. Acesso em 27 de julho de 2011.

Sua múmia demonstra uma senhora, cujo crânio possui traços robustos e o nariz hoje está deformado por molhinhos de tecido, o pescoço coberto por um lenço e um leve sorriso nos lábios, paradoxalmente a análise das imagens capturadas pelo tomógrafo mostram que ela morreu devida uma infecção causada por um abscesso em um dente que foi complicada por um câncer ósseo avançado causado por diabetes (BROWN, 2009).

 

 

Considerações finais:

 

Talvez Hatshepsut não estivesse se desvirtuando ou feito algo além do que o seu gênero permitia (lembrando que a idéia de gênero é algo socialmente construído), mas, tendo ciência de que o faraó só poderia ser um homem – porque o fato é que Hórus (o qual o faraó representava) é uma figura masculina – ela moldou sua imagem para feições másculas e maquinou um mito acerca do seu nascimento divino. Quando olhamos deste ponto de vista vemos que, no final das contas, Hatshepsut não estava fazendo nada de tão diferente dos outros faraós, que agregavam a sua imagem a de seus predecessores.

Por fim, para finalizar este texto o mais digno será por as palavras da própria faraó:

“Meu coração palpita de preocupação só de pensar no que dirão as futuras gerações. Aqueles que irão de ver meus monumentos nos anos vindouros e tecer comentários sobre meus feitos” (BROWN, 2009).

[1] Entre 1479 e 1458 a.C. de acordo com Chip Brown.

Fontes:

 

BROWN, Chip. O rei está nu(a). National Geographic Brasil. São Paulo. Editora: Abril. Abril, 2009. Também disponível em < http://viajeaqui.abril.com.br/national-geographic/edicao-109/hatshepsut-mulher-farao-antigo-egito-448527.shtml>, Acesso em 27 de Julho de 2011.

DERSIN, Denise. A história cotidiana às margens do Nilo (Tradução de Francisco Manhães, Marcelo Neves, Carlos Nougué, Michael Teixeira).  1ª Edição. Barcelona: Folio, 2007.

MARIE, Rose; HAGEN, Rainer. Egipto. (Tradução de Maria da Graça Crespo) 1ª Edição. Lisboa: Editora Taschen, 1999.

WILDUNG, Dietrich. O Egipto: da pré-história aos romanos. (Tradução de Maria Filomena Duarte). 1ª Edição. Lisboa: Editora Taschen, 2009. P. 72.

STROUHAL, Eugen. A vida no Antigo Egito. (Tradução de Iara Freiberg, Francisco Manhães, Marcelo Neves).  1ª Edição. Barcelona: Editora Folio, 2007.