Túmulo de soldado que viveu no Egito Antigo traz revelações incríveis

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Recentemente foi anunciada a descoberta da tumba de um soldado que viveu durante o Egito Antigo, mais especificamente durante a décima sétima dinastia, embora artefatos de outros períodos também tenham sido encontrados.

Seu nome era Djehuty Shed e sua tumba foi encontrada em uma cidade que atualmente chamamos de Dr Abu el Naga. O túmulo é composto por um pátio de 55 metros de largura e 18 entradas, algo, até o momento, extremamente único em Luxor. Ela também possui dois poços de 11 metros de profundidade.

Foto: Ministério das Antiguidades do Egito.

Apesar do sítio em que ela está localizada ter sido escavado por cerca de 200 anos, essa tumba até então era desconhecida. Agora, graças às pesquisas realizadas nela, os arqueólogos que trabalharam no registro na região apontam que sua descoberta ajudará a mudar o mapa histórico e arqueológico da necrópole de Dr Abu el Naga. Especialmente porque em suas proximidades mais 6 tumbas foram evidenciadas. Uma delas pertence a um escriba de um faraó.

Foto: Ministério das Antiguidades do Egito.

50 selos funerários também foram encontrados e pertencem a pessoas cujas tumbas ainda não foram localizadas.

Foto: Ministério das Antiguidades do Egito.

Já sobre esta nova descoberta, infelizmente ainda nós não possuímos imagens de dentro da tumba, mas as autoridades egípcias garantem que as ilustrações do seu interior são lindas.

Fonte:

Ancient Egyptian Soldier’s Tomb Discovered in Luxor. Disponível em < http://luxortimes.com/2019/04/ancient-egyptian-soldiers-tomb-discovered-in-luxor/ >. Acesso em 11 de junho de 2019.

Múmia praticamente intacta é descoberta em tumba de 3.500 anos no Egito

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

No início deste mês foi anunciada a abertura de mais alguns túmulos em Dra 'Abu el-Naga, Luxor (Egito). Os sepulcros, datados da 18ª Dinastia (Novo Império), pertencem a funcionários que atuavam na cidade de Tebas, na época capital do Egito.

Essas tumbas já tinham sido identificadas e numeradas pelo egiptólogo alemão Friederike Kampp-Seyfried na década de 1990. Um dos túmulos, denominado pelo pesquisador como “Kampp 161”, até então não tinha sido aberto por arqueólogos, enquanto o túmulo “Kampp 150” só teve a sua entrada escavada. Contudo, agora eles estão recebendo a devida atenção por parte de uma equipe de arqueólogos egípcios.

Foto: Nariman El-Mofty, Ap for National Geographic (2017)

Os nomes dos seus antigos donos ainda são desconhecidos. Entretanto, acredita-se que a Kampp 150 seja datada do reinado de Tutmés I e muitos selos funerários com os nomes de um homem chamado Maati e sua esposa Mohi foram encontrados na área do pátio. Isso pode sugerir a identificação do ocupante do túmulo. Os arqueólogos também encontraram estátuas de madeira colorida, máscaras funerárias e uma múmia ainda enrolada por suas bandagens, porém, sem a sua cabeça.

Foto: EPA

Foto: Stringer / AFP

A parede ocidental do túmulo apresenta uma imagem retratando um evento social, possivelmente um banquete, com um homem apresentando oferendas ao ocupante do túmulo e sua esposa. Máscaras funerárias de madeira, restos de móveis e um caixão decorado também foram descobertos no túmulo.

Foto: Nariman El-Mofty, Ap for National Geographic (2017)

Já a Kampp 161 acredita-se que seja datada do reinado de Amenhotep II ou Tutmés IV. Isso com base em comparações estilísticas e arquitetônicas com outras tumbas da região.

Fotos: Nariman El-Mofty, Ap for National Geographic (2017)

Ainda existem tumbas esperando ser pesquisas em Luxor, apesar de já conhecidas pelo Ministério de Antiguidades do Egito.

Foto: Stringer / AFP

Fontes:

El-Mofty, Nariman. 3,500-Year-Old Tombs Uncovered in Egypt. One Has a Mummy. In: National Geographic. Disponível em < https://news.nationalgeographic.com/2017/12/egypt-tomb-mummy-naga-archaeology-ancient/ >. Publicado em: 09 de Novembro de 2017. Acesso em 09 de novembro de 2017.

EFE. Encontrados nuevos tesoros egipcios en dos tumbas del Imperio Nuevo. In: La Vanguardia. Disponível em < http://www.lavanguardia.com/cultura/20171209/433525385521/una-momia-mascaras-o-frescos-entre-los-tesoros-de-2-tumbas-del-imperio-nuevo.html >. Publicado em: 09 de Novembro de 2017. Acesso em 09 de novembro de 2017.

Egypt uncovers ancient tombs at Luxor. In: BBC. Disponível em < http://www.bbc.com/news/world-middle-east-42295162 >. Publicado em: 09 de Novembro de 2017. Acesso em 09 de novembro de 2017.

Arqueólogos espanhóis descobrem quatro tumbas do 2° Período Intermediário

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

Em Dra Abu el-Naga arqueólogos espanhóis do Proyecto Djehuty descobriram o sepultamento de quatro indivíduos que viveram no 2° Período Intermediário, durante a XVII Dinastia.

Uma das sepulturas pertence a um homem chamado Intefmose, o qual é identificado em sua tumba como “Filho do Rei” que de acordo com o arqueólogo José Manuel Galán, coordenador do projeto, poderia ser filho de Sobekemsaf. Seu sepultamento destaca-se por uma pequena capela construída com tijolos de adobe, erguida em frente a um poço de cerca de sete metros que leva até a tumba propriamente dita.

 

Imagem do príncipe Intefmose encontrada em sua tumba. Foto: CSIC. Disponível em < http://www.csic.es/ >. Acesso em 04 de abril de 2013.

 

Uma passagem na câmara funerária de Intefmose leva ao sepulcro de um segundo individuo, um funcionário chamado Ahhotep, denominado como “porta voz de Netjen” (Hieracômpolis, em grego), uma das cidades mais antigas do Egito. Neste local foram encontrados três shabtis de barro pintado com inscrições que identificam Ahhotep como o seu dono. Acerca destes artefatos Galán declarou na nota oficial do Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC) [1]:

 

Dois destes shabtis se encontravam cada um dentro de pequenos sarcófagos de barro, decorados com uma inscrição em suas laterais e na tampa. O terceiro estava envolto em nove faixas de linho, como se se tratasse de uma verdadeira múmia e cada uma das faixas tinham restos de escritas em tinta negra. Estas figurinhas são de um estilo muito original e naïf, o que lhes dá um encanto especial e um caráter único ([1] tradução nossa).

 

Shabts de Ahhotep. Foto: CSIC. Disponível em < http://www.csic.es/ >. Acesso em 04 de abril de 2013.

Um dos shabt de Ahhotep. Foto: CSIC. Disponível em < http://www.csic.es/ >. Acesso em 04 de abril de 2013.

Shabt envolto em bandagens de linho de Ahhotep. Foto: CSIC. Disponível em < http://www.csic.es/ >. Acesso em 04 de abril de 2013.

 

Foi também durante esta temporada que o sarcófago de uma criança do sexo masculino de aproximadamente cinco anos e provável membro da realeza mais restos do acompanhamento funerário de um príncipe chamado Ahmose-sapair foram encontrados.

 

Sarcófago do garoto de cinco anos. Foto disponível em < http://www.abc.es/cultura/20130130/abci-proyecto-djehuty-descubren-sarcofago-201301301735.html >. Acesso em 04 de abril de 2013.

Sarcófago do garoto de cinco anos. Foto: CSIC. Disponível em < http://www.csic.es/ >. Acesso em 04 de abril de 2013.

 

Um vídeo sobre as pesquisas feitas nesta temporada:

 

 

Estas descobertas estão firmando Dra Abu el-Naga como mais uma das necrópoles reais do Egito faraônico, mas estas pesquisas possuem mais significado por tratarem com artefatos datados do 2° Período Intermediário, uma época de grandes mudanças no poder centralizado dos faraós, que sofre considerável declínio com a tomada do Delta por parte dos hicsos. Estes estrangeiros determinam Avaris como a capital do seu reino, enquanto que paralelamente os nativos governavam o sul do país a partir de Tebas.

 

Fontes da notícia:

El Proyecto Djehuty presenta los resultados de la XII campaña. Disponível em < http://www.csic.es/web/guest/home;j (…) >. Acesso em 04 de abril de 2013.

Arqueólogos españoles descubren en Luxor el ataúd de un niño de hace 3.500 años. Foto disponível em < http://www.abc.es/cultura/20130130/abci-proyecto-djehuty-descubren-sarcofago-201301301735.html >. Acesso em 04 de abril de 2013.