Grande esfinge de faraó é encontrada no Sul do Egito

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Uma missão sueco-egípcia sob a coordenação da Universidade de Lund realizou a descoberta de uma oficina de esculturas de arenito datada do Novo Império. Este sítio arqueológico está localizado nas pedreiras de Gebel El-Silsila, Aswan; onde as escavações revelaram que ela também funcionava como o lar dos trabalhadores das pedreiras (juntamente com suas famílias)[1][2][3].

Foto: Gebel El-Silsila Project (2019)

Dentre os artefatos encontrados no local está uma grande crioesfinge, que em termos simples é uma esfinge com cabeça de carneiro, um dos símbolos do deus Amon, padroeiro da cidade de Tebas. Ela foi esculpida em um bloco de arenito pesando possivelmente 10 toneladas [3] e possui cerca de 3,5 metros de altura, 5 metros de comprimento e 1,5 de largura. Provavelmente é datada do reinado de Amenhotep III (Novo Império). Não se sabe exatamente os motivos para a crioesfinge ter sido abandonada na pedreira. Uma das sugestões é a de que ela acabou sendo quebrada durante o seu transporte, a outra, e a mais provável, é a de que Amenhotep III teria morrido antes dela ter sido concluída e que por isto não existia motivos para finalizá-la[1][2][3].

Foto: Gebel El-Silsila Project (2019)

Foto: Gebel El-Silsila Project (2019)

Na base da estátua, a equipe encontrou uma escultura quebrada de uma cobra uraeus, símbolo da realeza. No local também foi encontrada uma pequena esfinge a qual acredita-se que tenha sido feita por um aprendiz que estava pondo em prática o que estava aprendendo. “Encontrar uma peça de prática em menor escala, esculpida por um aprendiz, juntamente com a esfinge em grande escala, é igualmente excepcional“, diz Maria Nilsson, uma das líderes da missão[1].

Foto: Gebel El-Silsila Project (2019)

Também foram descobertos vários fragmentos de hieróglifos provenientes de um naos (pequeno templo em formato retangular) nominado a Amenhotep III. Assim como restos tanto de uma escultura de um falcão, como de um obelisco [1][2][3].

Foto: Gebel El-Silsila Project (2019)

A descoberta foi documentada por uma equipe de filmagem da National Geographic e aparece no episódio 5 da série “The Lost Treasures of Egypt”. Imagens da descoberta também serão mostradas no programa “Secrets of Egypt’s Valley of the Kings”, no Canal 4, no Reino Unido, em março [3].

No Egito Antigo a elaboração de grandes esculturas era um trabalho feito em conjunto onde cada pessoa ficava responsável por cada detalhe. Você gostaria de ter uma lembrança disto em sua estante? Então confira a imagem colecionável “Execução de uma escultura real” da Coleções DelPrado. Comprando através do nosso link o Arqueologia Egípcia ganha uma comissão. Clique aqui para adquirir a sua.

Fontes:

[1] New Kingdom workshop discovered in Egypt’s Gebel El-Silsila. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/NewsContent/9/40/326232/Heritage/Ancient-Egypt/New-Kingdom-workshop-discovered-in-Egypts-Gebel-El.aspx >. Acesso em 28 de fevereiro de 2019.

[2] Descubierta una esfinge inacabada con cabeza de carnero y otras piezas egipcias. Disponível em < https://www.nationalgeographic.com.es/historia/actualidad/descubierta-esfinge-inacabada-cabeza-carnero-y-otras-piezas-egipcias_13943/1 >. Acesso em 28 de fevereiro de 2019.

[3] Ram-Headed Sphinx Abandoned by King Tut’s Grandfather Found in Egypt. Disponível em < https://www.livescience.com/64870-ram-headed-sphinx-egypt.html >. Acesso em 03 de março de 2019.

12 tumbas provavelmente datadas do tempo dos faraós Tutmosis III e Amenhotep III são descobertas no Egito

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

No dia 11/01/2017 foi anunciado que uma equipe de arqueólogos suecos descobriu em Gebel el-Silsila, próximo a Assuã, doze tumbas escavadas na rocha datadas da 18ª Dinastia, mais especificamente provavelmente dos reinados dos faraós Tutmosis III e Amenhotep III [1][2].

Foto: Divulgação/MSA

Observando o comunicado de imprensa apresentado pelo Ministério das Antiguidades do Egito é possível ver que alguns aparatos funerários (a exemplo de sarcófagos de arenito, caixões de cerâmica, cartonagem pintada, recipientes têxteis e orgânicos, vasos de cerâmica, uma variedade de joias e amuletos) ainda estão presentes no local. Três sepultamentos de crianças e de animais (fósseis de ovelhas e cabras, assim como um par de perca do Nilo e um crocodilo quase completo) também estão presentes [1].

Foto: Divulgação/MSA

A descoberta foi realizada por uma equipe de arqueólogos suecos coordenados pela professora Dra. Marial Nilsson e John Ward, da Lund Universit. Eles trabalham no local desde 2012 e já tinham realizado outras descobertas, como a de um templo em 2015 [1][2].

Foto: Divulgação/MSA

Foto: Divulgação/MSA

Já olhando o cemitério de forma geral, a Dra. Nilsson afirmou que entre a maioria dos dos restos humanos recuperados foi visto que muitos dos indivíduos eram saudáveis, apesar das análises bioarqueologicas apontar que eles possuem indícios de que exerceram trabalhos intensos. Em soma, pouca evidência de desnutrição e infecção foi descoberta, assim como muitas lesões possuem traços de cura, apontando que após se machucar seriamente essas pessoas receberam atendimento médico [1].

Fontes:

[1] Swedish mission discovered 12 New Kingdom tombs in Upper Egypt. disponível em < http://luxortimesmagazine.blogspot.com.br/2017/01/swedish-mission-discovered-12-new.html?m=1 >. Acesso em 11 de janeiro 2017.

[2] Hallan en Egipto una docena de tumbas excavadas en roca de tiempos de Tutmosis III y Amenhotep III. disponível em < http://www.abc.es/cultura/abci-hallan-egipto-docena-tumbas-excavadas-roca-tiempos-tutmosis-y-amenhotep-201701111354_noticia.html >. Acesso em 11 de janeiro 2017.