Arqueologia Marítima: Barco de Khufu

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

A Arqueologia Marítima, apesar do nome, não trabalha exclusivamente com os artefatos encontrados em áreas de mar, mas também em locais onde estão lagos, rios e pântanos. Além dos objetos submersos este ramo da disciplina trabalha também com objetos de uso aquático que são agregados ao dia a dia na terra. Um exemplo bem explícito era o uso de uma arca em forma de embarcação utilizada durante os festivais – a exemplo do Opet – durante a era faraônica.

Em 2010 apresentei ao Núcleo de Arqueologia da UFS o meu trabalho de conclusão de curso cujo título é “Egito Submerso: A Arqueologia Marítima Egípcia”, onde, em termos gerais, eu aponto as especificações que tornam o Egito totalmente passível de um estudo mais amplo de Arqueologia Marítima.

Os restauradores têm tido um papel muito importante para a Arqueologia Egípcia, e um dos trabalhos mais reconhecidos sem dúvida foi o realizado no Barco Solar do faraó Khufu (Quéops).

Abaixo um trecho retirado praticamente na integra da minha monografia. Fiz leves modificações e alguns grifos que não estão presentes no texto original:

Os artefatos ligados a Arqueologia Marítima encontrados em terra não merecem menos dedicação em termos de pesquisa, como mostrou o trabalho de escavação – ou seria remoção sistemática, já que estava dentro de um fosso praticamente protegido das areias do deserto – do barco do faraó Khufu. Tendo sido, em 1954, encontrada uma estrutura em pedra durante a limpeza de rotina próxima a Grande Pirâmide, pensou-se inicialmente que se tratava de um muro que cercaria o edifício, mas após uma escavação mais profunda, realizada pelo arqueólogo egípcio Kamal El Mallakh, foram encontrados dois fossos cuja parede é feita de pedra calcária e que guardava em seu interior as peças desmontadas de um barco feito de madeira de cedro (O’CONNOR et al., 2007; p. 61). Para o trabalho de montagem foi contratado o restaurador egípcio Hag Ahmed Youssef Moustafa que, apesar da sua experiência de vinte anos trabalhando na restauração de tumbas tebanas, acreditava que seus conhecimentos e os conhecimentos dos cientistas eram limitados quanto a montagem dos antigos barcos. Sobre isto escreveu “Senti-me ansioso e cheio de receio. Não sabia absolutamente nada sobre construção de barcos, e parecia que aquele trabalho necessitava mais de um carpinteiro ribeirinho que de um restaurador” (O’CONNOR et al., 2007, p. 62). Assim, durante três meses visitou artesões locais e fez modelos de navios em escala praticando para a tarefa que o esperava no platô de Giza. Quanto a um dos barcos encontrados, e o escolhido para ser montado, possuía mais de 1.200 peças que foram migradas uma a uma para um galpão próximo ao local para a sua restauração. O tratamento de preservação de cada peça variava, as esteiras de junco e as cordas de linho, por exemplo, eram tratadas em resinas para que não se esfarelassem. Ao todo foram treze camadas de madeira e todas elas fotografadas e catalogadas (O’CONNOR et al., 2007, p. 62).

Mesmo com toda a preocupação de conviver e tentar aprender com os ribeirinhos a arte de fazer barcos de madeira, a técnica dos egípcios faraônicos não foi preservada, logo Moustafa não sabia quais as disposições das peças para montá-las, mas tentou segui-las de acordo com a ordem que foram postas dentro do fosso. Como o estibordo e bombordo estavam lado a lado isto deu uma ideia de como prosseguir com o trabalho. Estando as cegas a equipe de Moustafa precisou iniciar e reiniciar o processo de montagem quatro vezes, todas com insucessos até que um dos ajudantes notasse que as peças que se encaixavam perfeitamente possuíam símbolos comuns que pareciam servir como guias. Apesar da ajuda antiga os remos não possuam as indicações e foram postos onde os restauradores supunham que seria o seu local original (O’CONNOR et al., 2007; p. 65). Ao final de dezesseis anos de trabalho a embarcação foi formada.

Como é estreito e comprido o seu desenho é de característica papiriforme, tentando imitar o aspecto dos pequenos barcos de papiro e a embarcação por inteira não utilizou nenhum tipo de metal para a sua fixação, os operários da antiguidade fizeram uso das cordas de linho, o que atesta uma maestria na construção naval faraônica, já que os antigos construtores conseguiram fazer um bom uso das cordas e de sua experiência de tal forma que as madeiras conseguiam ficar rigidamente unidas. Esta união, para nós tão incomum, ajudou a especular que o navio não foi usado de forma ritual, mas que também já navegou outrora devido ao desgaste por fricção das cordas com a madeira possivelmente causada pelo o inchaço desta última ao ficar em contato com a água. Em uma consideração Moustafa levantou que o barco pode ter transportado o corpo de Khufu de Mênfis para Giza e no final, como uma relíquia sagrada, foi guardado próximo a sua pirâmide (O’CONNOR et al., 2007, p. 64).

Hoje o barco está exposto em um museu construído em cima do fosso onde permaneceu por séculos guardado. Um segundo poço, encontrado no mesmo ano, também contém uma embarcação, mas que permanece intacta e guardada em seu local original.

Referência:

O’CONNOR, David; FORBES, Dennis; LEHNER, Mark. Grandes civilizações do passado: terra de faraós. (Tradução de Francisco Manhães). 1ª Edição. Barcelona: Editora Folio, 2007.

Imagens da embarcação de Khufu que hoje é exposta em um museu exclusivo para ela ao lado da grande pirâmide:

Retirado de El barco solar de Khufu. Disponível em < http://www.flickr.com/photos/danielcanoott/5418805166/ > Acesso em 14 de Abril de 11.

Retirado de Museu Barco Quéops Khufu Pirâmide Gizé Cairo Egipto Fevereiro 2008. Acesso em 14 de Abril de 11.

Retirado de Museu Barco Quéops Khufu Pirâmide Gizé Cairo Egipto Fevereiro 2008. Acesso em 14 de Abril de 11.

Retirado de Museu Barco Quéops Khufu Pirâmide Gizé Cairo Egipto Fevereiro 2008. Acesso em 14 de Abril de 11.

Retirado de Museu Barco Quéops Khufu Pirâmide Gizé Cairo Egipto Fevereiro 2008. Acesso em 14 de Abril de 11.

Retirado de Museu Barco Quéops Khufu Pirâmide Gizé Cairo Egipto Fevereiro 2008. Acesso em 14 de Abril de 11.

Retirado de Museu Barco Quéops Khufu Pirâmide Gizé Cairo Egipto Fevereiro 2008. Acesso em 14 de Abril de 11.

Retirado de Museu Barco Quéops Khufu Pirâmide Gizé Cairo Egipto Fevereiro 2008. Acesso em 14 de Abril de 11.

Referência para imagens (a partir da segunda): Retirado de Museu Barco Quéops Khufu Pirâmide Gizé Cairo Egipto Fevereiro 2008. Disponível em <http://www.flickr.com/photos/joaoleitao/sets/72157619662543317/> Acesso em 14 de Abril de 11.

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]

7 comentários sobre “Arqueologia Marítima: Barco de Khufu

  1. Não sei se é o mesmo barco, mas tem um documentário (se não me engano da Discovery)que reconstrói um barco egípcio (com materiais atuais) e navegam nesse barco, é muito legal. Se alguém quiser posso passar o link de onde encontrei.

    Bjs,
    Luana

  2. Pesquisando se os barcos egípicios tinham um nome específico, ou eram apenas conhecidos por Barco Solar, me deparo com seu blog.
    Além do blog ser completamente funcional e interessantíssimo, vi sua formação e acabo de descobrir que preciso ler tudo!!!
    Estou fazendo pesquisas sobre o Egito para publicar uma HQ que usa algumas referências e o blog me ajudará muito. Muito obrigado.

Os comentários estão desativados.