Um filme sobre a Antiguidade egípcia será gravado no Egito com atores nativos

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Dica: Fernanda Libório, via Facebook.

Após vários anos lançando filmes sobre o Egito Antigo protagonizado por atores caucasianos (em sua maioria)[1], aparentemente Hollywood está pensando fora da caixa. No último dia 10 de fevereiro (2017) a Action Film International liberou a informação de que está produzindo um filme sobre a antiguidade do país, só que desta vez contará com um elenco nativo.

Pirâmides do Platô de Gizé. Por Ricardo LiberatoAll Gizah Pyramids, CC BY-SA 2.0, Ligação

O projeto foi intitulado como “The Chosen Guard” e trata-se de uma colaboração entre produtoras norte-americanas e egípcias. Outra novidade é que o filme será rodado no próprio Egito, algo que não é comum: todas as produções hollywoodiana sobre a Antiguidade egípcia são gravadas no Marrocos, na África do Sul ou em qualquer outro lugar disponível. Isso é consequência das altas taxas cobradas para se gravar no próprio país.

A sinopse ainda não foi liberada. Porém,  do pouco que foi entregue para a imprensa a sugestão é que o enredo se passe nos dias de hoje e que conte a história do personagem fictício Sabaa, um homem escolhido pelos faraós para defender o também fictício “Templo de Ouro”, a última relíquia inexplorada da antiguidade.

As filmagens começarão em abril (2017).

Egípcios em outras produções:

Pessoalmente só conheço um caso de egípcio interpretando seus próprios antepassados no cinema, que é em “Uma noite no museu” (a trilogia), onde o ator descendente de egípcios, Rami Malek, interpreta o faraó Akhmenrah.

Fonte:

Epic Hollywood Action Movie To Be Filmed In Egypt With An All Arab Cast In April. Disponível em < http://www.cairoscene.com/ArtsAndCulture/Epic-Hollywood-Action-Movie-Filmed-Egypt-Arab-Cast-April?M=True >. Acesso em 13 de favereiro de 2017.

American Film Team to Produce “The Chosen Guard” in Egypt. Disponível em < http://www.prnewswire.com/news-releases/american-film-team-to-produce-the-chosen-guard-in-egypt-300405789.html >. Acesso em 13 de favereiro de 2017.


[1] Apesar de, aparentemente, o Egito Antigo ter sido um país fortemente mestiço (com grande inclinação para a cor negra e “oliva”), poucas são as produções que trazem não caucasianos como protagonistas. Um exemplo é “TUT” (2015), com Avan Jogia, que é descendente de indianos. Outro é “Cleópatra” (1999) com Leonor Varela, que é chilena.

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]