Veja estátua colossal de faraó ser erguida em vídeo de 360°

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Dica de Natália Barcelos, via Facebook.

Uma das coisas mais legais da tecnologia aplicada a divulgação de projetos em sítios arqueológicos é que é possível tornar o conteúdo mais interativo e consequentemente mais atrativo para o público.

Recentemente a descoberta de partes de uma estátua colossal, que provavelmente representa o faraó Ramsés II, deixou a internet em fervorosa, seja por admiração ou por susto acerca de como os artefatos foram tratados (clique aqui e aqui para saber mais acerca).

Foto: Guardian Wires

O ponto é que o assunto chamou tanta atenção que o famoso jornal The New York Times divulgou para seus leitores um vídeo em 360° registrando justamente o momento em que o torso da estátua é erguido. Para conferir clique no play e com o mouse movimente a tela para ver ao redor:

Estátuas egípcias: Símbolos de poder e da eternidade:

Antes de simples representações, a estatuária egípcia era carregada de importantes significados. Um deles, relacionado exclusivamente com o faraó e os principais membros da sua família, era o de representar a essência divina. As estátuas também eram tidas como um ótimo receptáculo para o Ka. Não é à toa que os escultores eram conhecidos como “aqueles que davam a vida” (seankh) (BRANCAGLION Jr., 2001).

A escultura egípcia comumente estava inserida em um contexto religioso (ou funerário). Elas eram feitas com brocas e cinzeis e quando colossais, como é o caso da citada nesse post, seu transporte transformava-se em um problema de engenharia. Por isso, alguns arqueólogos acreditam que elas eram levadas semi-prontas para o espaço em que seriam depositadas e lá eram finalizadas (BAINES; MALEK, 2008).

Tenha em casa: A Edições Del Prado, uma editora especializada em vendas de fascículos com imagens colecionáveis, possui uma coleção intitulada “Cenas do Egito Antigo”. Uma delas é a construção de uma grande estátua.

Clique aqui para conferir a peça ou aqui para ver as demais cenas.

Fontes bibliográficas:

BAINES, John; MALEK, Jaromir. Deuses, templos e faraós: Atlas cultural do Antigo Egito (Tradução de Francisco Manhães, Maria Julia Braga, Michael Teixeira, Carlos Nougué). Barcelona: Folio, 2008.

BRANCAGLION Jr., Antonio. Tempo, material e permanência: o Egito na coleção Eva Klabin Rapaport. Rio de Janeiro: Casa da Palavra – Fundação Eva Klabin Rapaport, 2001.

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]