Google homenageia descoberta arqueológica do Egito

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

No último dia 26 de maio (2019), foi comemorado os 65 anos da descoberta da barca solar do faraó Khufu, que reinou durante a 4ª dinastia (Antigo Reino). Encontrada dentro de um fosso de pedra durante uma limpeza de rotina próxima a Grande Pirâmide (Gizé) em 1954, ela estava desmontada ao lado de uma outra embarcação, também desmontada.

Khufu solar boatBarca solar de Khufu exposta no Museu da Barca Solar de Gizé

O trabalho de montagem ficou sob a coordenação do restaurador egípcio Hag Ahmed Youssef Moustafa. Apesar da sua experiência de duas décadas trabalhando na restauração de tumbas tebanas, ele acreditava que seus conhecimentos e os conhecimentos de seus colegas cientistas seriam limitados ao lidar com a montagem de uma embarcação tão antiga.

Ele então passou três meses visitando artesãos egípcios na tentativa de identificar algo que parecesse com as técnicas de seus antepassados. Entretanto, não encontrou nada que o ajudasse diretamente, mas isso lhe deu segurança para enfim escolher a embarcação melhor preservada e dar início aos seus trabalhos. Dentre as 1200 peças que tinha que juntar estavam tábuas de cedro, esteiras de junco e cordas de linho.

Mais uma parte de uma das embarcações de Khufu é encontrada

Importantes descobertas de embarcações em tumbas egípcias

Porém, o trabalho em si não foi fácil, uma vez que ele não sabia a disposição real das peças, o que acabou o obrigando a montar e desmontar a embarcação quatro vezes. A reviravolta desta história veio quando um dos seus ajudantes percebeu que a dica do que fazer estava ali o tempo todo, deixada de presente pelos antigos egípcios: as peças que se encaixavam possuíam símbolos comuns que pareciam servir como guia para montagem.

Museu-Barco-Farao-Queops-Khufu-Ship-Piramide-Gize-Cairo-Egipto (16)

E assim, após dezesseis anos de trabalho, Hag Ahmed Youssef Moustafa e equipe conseguiram montar toda a embarcação.

Museu-Barco-Farao-Queops-Khufu-Ship-Piramide-Gize-Cairo-EgiptoÁrea externa do Museu da Barca Solar de Gizé, onde a embarcação encontra-se exposta.

Este feito foi tão notável que este ano o Google Doodles homenageou a descoberta. Representado a barca solar em um papiro, ela foi desenhada sendo mostrada de lado e de cima, enquanto é acompanhada pelo nome “Google” cujos os “o” são substituídos por um cartouche — nome dado para um desenho em forma oval em que eram postos os nomes dos faraós — com o nome do faraó Khufu em hieróglifos. A imagem de um arqueólogo também é retratada, assim como as pirâmides do Platô de Gizé e o ano da descoberta da barca.

Infelizmente a visualização deste doodle não estava disponível no território brasileiro (somente para parte da África, Europa e Ásia).

Tenha em casa: A Edições Del Prado, uma editora especializada em vendas de fascículos com imagens colecionáveis, possui uma coleção intitulada “Cenas do Egito Antigo”. Uma delas é a “barca solar de Quéops.

Clique aqui para conferir a peça ou aqui para ver as demais cenas.

Fonte:

O’CONNOR, David; FORBES, Dennis; LEHNER, Mark. Grandes civilizações do passado: terra de faraós. (Tradução de Francisco Manhães). 1ª Edição. Barcelona: Editora Folio, 2007.

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]