7 coisas que você precisa saber sobre os 59 sarcófagos lacrados encontrados no Egito

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

No dia 3 de outubro (2020) o Ministério de Turismo e Antiguidades do Egito realizou uma conferência de imprensa em Saqqara, terra que os egípcios há mais de 2000 anos transformaram em cidade dos mortos e a qual hoje é uma das paisagens arqueológicas mais importantes do país. 

Naquele dia ele anunciou para uma plateia ansiosa que uma equipe de arqueologia do Supremo Conselho de Antiguidades do país tinha desenterrado um total de 59 ataúdes (sarcófagos, como se habituou a chamar aqui no Brasil). Descoberta essa que deixou muitos egiptólogos extremamente animados, mas muitas pessoas na internet levantando várias especulações e mitos. 

Para te deixar atualizado de tudo o que ocorreu, separei 7 pontos importantes a ver com essa descoberta:

1 – Saqqara foi durante o início da era dos faraós parte da capital do Egito e após perder o seu posto tornou-se uma cidade de grande importância religiosa, além de possuir uma das mais significativas necrópoles do país. É lá onde, inclusive, está a mais antiga pirâmide do Egito: a Pirâmide de Djoser;

2 – Os sarcófagos não foram encontrados em uma única tumba, mas em diferentes poços funerários: todos eles foram encontrados divididos em três diferentes poços, cuja profundidade varia entre 10 e 12 metros. Ou seja, o Ministério de Turismo e Antiguidades somaram as descobertas;

3 – Não é a primeira vez que vários sarcófagos foram encontrados juntos: uma descoberta desse tipo ocorreu no final de 2019 em Luxor, onde 30 sarcófagos foram localizados. Outra foi a do esconderijo das múmias de Deir el-Bahari, no século XIX, onde mais de 40 múmias foram encontradas, mas infelizmente muitas delas já tinham sido saqueadas por ladrões de tumbas. Temos vídeos sobre ambas essas descobertas:

4 – Todos esses sarcófagos estão lacrados, o que permitirá reunir muitos detalhes sobre a vida no Egito Antigo. Mas, é preciso salientar que “lacrado” não quer dizer “trancado”. Quer dizer que ele está fechado exatamente como foram deixados há mais de 2000 anos e que os corpos não foram perturbados por ladrões de tumbas; 

5 – Os corpos, ao contrário dos muitos boatos levantados na internet, não serão desenfaixados. Quando um sarcófago com uma múmia é encontrado de fato o sarcófago é aberto, mas a múmia em seu interior não é mexida. O que é feito é ver a integridade das bandagens e se precisa de algum restauro. Mas, se existir a necessidade de ver o que tem dentro da múmia, um tomógrafo ou um raio-x é utilizado (são muito raras as exceções em que uma múmia precisa ser desenfaixada). 

6 – Outro boato que surgiu é que essas múmias irão para museus europeus. Porém, há décadas o governo egípcio proíbe que arqueólogos e governos estrangeiros retirem artefatos arqueológicos do país. O máximo que ocorre é serem emprestados para exposições temporárias e seguindo uma série de regras;

7 – E não! Não existe risco de liberar vírus antigos ou epidemias ao abrir sarcófagos egípcios! Isso é mito! A temperatura do Egito não propícia que isso ocorra.

Quer saber mais detalhes sobre cada um desses pontos? Assista ao vídeo que gravei para o Arqueologia pelo Mundo:

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]