Em meio a surto do coronavírus, o Egito lança novo regulamento para equipes de arqueologia

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Aqui no Arqueologia Egípcia apresentei algumas das determinações do governo egípcio em relação à pandemia do novo coronavírus, para saber mais sobre o assunto clique aqui. E agora neste mês de junho o Ministério do Turismo e Antiguidades do Egito emitiu algumas novas normas visando evitar a propagação do vírus, mas dessa vez entre os trabalhadores da arqueologia, ou seja, arqueólogos e auxiliares de campo.

Abaixo estão os pontos do novo regulamento:

  • Todas as ferramentas de escavação devem ser desinfetadas regularmente;
  • O número de trabalhadores não deve exceder 30 pessoas em locais ao ar livre e quatro pessoas dentro de cada tumba ou poço de sepultamento (contando com o inspetor de arqueologia);
  • As missões arqueológicas devem fornecer os desinfetantes necessários antes do início do trabalho para garantir a segurança e a higiene durante as escavações;
  • Máscaras e luvas devem ser usadas durante o horário de trabalho o tempo todo;
  • O distanciamento físico deve ser observado durante o horário de trabalho e o chefe da missão e o inspetor devem lembrar regularmente os trabalhadores e membros da missão dos perigos do coronavírus. E também salientar as medidas de precaução que devem ser tomadas.
  • As temperaturas dos trabalhadores e membros da missão devem ser medidas todos os dias antes do trabalho, e todos devem seguir os regulamentos de saúde e preventivos, além de trazer seus próprios itens pessoais.
  • Os utensílios para comer e beber não podem ser compartilhados.

Fonte:
Egypt introduces regulations for archaeological missions amid coronavirus outbreak. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/NewsContent/9/40/372102/Heritage/Ancient-Egypt/Egypt-introduces-regulations-for-archaeological-mi.aspx >. Acesso em 15 de junho de 2020.

Apesar do adiamento da inauguração, obras do Grande Museu Egípcio não pararam: entenda o caso!

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Apesar da pandemia causada pela covid-19, as obras para finalizar o Grande Museu Egípcio não pararam. Esperava-se que esse grande edifício fosse oficialmente inaugurado no final desse ano de 2020. Entretanto, por motivos de segurança, a inauguração foi cancelada para o início de 2021. Inclusive o ministro do Turismo e Antiguidades do Egito, Khaled al-Anani, visitou as obras do museu no início de abril, para verificar o andamento do projeto.

Entretanto, por que os trabalhadores do museu não estão em quarentena?

De acordo com o ministro, o número de trabalhadores e especialistas em restauro que atuam no local foi reduzido e outras medidas preventivas foram implementadas visando limitar a propagação do coronavírus. Mais de 1.700 trabalhadores estão atuando no local para concluir cerca de 50% das tarefas diárias. Ainda de acordo com o ministro, os trabalhadores estão efetuando suas funções a distâncias seguras, além de suas temperaturas serem medidas sempre durante a chegada e saída do trabalho. Em soma, segundo o supervisor geral do Grande Museu Egípcio, Atef Moftah, as instalações estão sendo esterilizadas duas vezes por dia e os trabalhadores são obrigados a usar máscaras médicas. 

E em uma tentativa de impedir a propagação do coronavírus, o Egito fechou os sítios arqueológicos para visitação. Essa medida está tendo um enorme impacto no setor turístico, que é extremamente importante para a economia do país. 

Fontes:

Work continues for opening of Grand Egyptian Museum. Disponível em < https://travel.manoramaonline.com/travel/travel-news/2020/04/16/work-continues-opening-grand-egyptian-museum.html >. Acesso em 25 de maio de 2020.

O coronavírus atrasou a inauguração de um dos maiores museus de antiguidades do mundo

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Há mais de uma década a comunidade de arqueologia, em especial a egípcia e a clássica, tem esperado ansiosamente pela abertura do Grande Museu Egípcio, que já possui o título de o maior museu do mundo dedicado a uma única civilização da antiguidade.  

O museu não está totalmente pronto, mas alguns dos seus laboratórios já estão em funcionamento. Contudo, sua abertura oficial foi cancelada vária vezes e tínhamos a garantia de que ela iria ocorrer agora no final de 2020. Isso, inclusive, foi muito bem salientado pelo arqueólogo Zahi Hawass durante a entrevista que fiz com ele no momento da abertura do museu “Tutankhamon” em Curitiba. 

Entrevistei o arqueólogo Zahi Hawass (Vídeo)

Grande Museu Egípcio. Foto: Getty Imagens

Porém, graças à pandemia da CODVID-19 (coronavírus) a sua inauguração oficial foi mais uma vez cancelada, passado agora para o início de 2021. Atraso necessário, visto que uma das formas de contágio deste vírus é através da aglomeração de pessoas. Uma data ainda não foi definida, uma vez que o governo egípcio está focando em observar alterações no status da pandemia. 

Trabalho de conservação em um dos artefatos da tumba de Tutankhamon. Foto: Getty Imagens
Trabalho de conservação em um dos artefatos da tumba de Tutankhamon. Foto: Getty Imagens

E é uma grata surpresa saber que a arquitetura do museu de antemão já tinha como um dos objetivos justamente evitar aglomerações entre os visitantes. O Dr. Tarek Tawfik, professor associado da Faculdade de Arqueologia da Universidade do Cairo e o primeiro ex-diretor geral do projeto do Grande Museu Egípcio, em declaração para a Forbes, explicou que a amplitude do museu beneficia o distanciamento social. “Obviamente, a higiene é um grande problema”, explicou Tawfik, “mas com esse espaço, teremos um bom fluxo de visitantes e opções como a capacidade de baixar comentários com códigos QR diretamente no seu dispositivo pessoal em vez de usar o equipamento do museu”. Basicamente o visitante só precisará baixar as informações das peças em exibição diretamente em seu celular, sem a necessidade de tocar em botões ou equipamentos da exposição do museu, evitando assim algum tipo de contágio. 

Vista a partir do museu para uma das pirâmides do Platô de Gizé. Foto: Getty Imagens.

O Grande Museu Egípcio tem vista para as pirâmides do Platô de Gizé e dentro dele os visitantes encontrarão restaurantes, lojas, auditório e áreas recreativas, além das exposições de arqueologia, claro. Vários artefatos de grande valor simbólico e histórico foram transferidos para lá, tais como a maioria dos artefatos relacionados ao faraó Tutankhamon (exceto sua máscara mortuária, que será transferida do Museu do Cairo para o Grande Museu durante uma cerimônia solene) e os 30 ataúdes de madeira encontrados na vila de Al-Assasif (próxima da cidade de Luxor).  

(…) mas com esse espaço, teremos um bom fluxo de visitantes e opções como a capacidade de baixar comentários com códigos QR diretamente no seu dispositivo pessoal em vez de usar o equipamento do museu

Certamente em breve teremos mais novidades.  

Fontes:

You Won’t Have To Wait An Eternity To See King Tut At The Grand Egyptian Museum (GEM). Disponível em < https://www.forbes.com/sites/gretchenkelly/2020/04/26/you-wont-have-to-wait-an-eternity-to-see-king-tut-at-the-grand-egyptian-museum-gem/#7a1333367760 >. Acesso em 23 de maio de 2020.

De acordo com jornais, Museu Egípcio do Cairo reabrirá, porém sob rigorosas medidas anti-coronavírus

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Devido à pandemia da COVID19 (coronavírus), muitos museus ao redor do planeta têm fechado suas portas e disponibilizado passeios virtuais. Um dos países que têm adotado essa medida foi o Egito, que criou passeios virtuais de uma série de sítios e edifícios arqueológicos e atrasou a inauguração do Grande Museu Egípcio. Localizado no platô de Gizé, sua abertura oficial estava prevista para o final desse ano de 2020.

Contudo, uma notícia recente está apontando que o diretor do Museu Egípcio do Cairo teria revelado no último domingo, dia 10 de maio, que museu será reaberto aos visitantes. Porém, aplicando rigorosas medidas contra a COVID19.

The Cairo Egyptian Museum
Museu Egípcio. Foto: Planes and Places (https://flic.kr/p/8dRfKL)

O Museu Egípcio ainda não se pronunciou em suas redes sociais, entretanto, alguns veículos da mídia egípcia têm veiculado o assunto. De acordo com os portais Zawya e o Daily Newss Egypt, por exemplo, parte da famosa coleção do museu será exibida nas quatro salas que outrora abrigavam as 22 múmias reais. Múmias essas que já foram transferidas antes da pandemia para o Museu Nacional da Civilização Egípcia em Fustat.

E é importante mencionar que os visitantes não poderão ver parte dos artefatos arqueológicos que foram retirados da tumba do faraó Tutankhamon. Eles já foram transferidos para o Grande Museu Egípcio.

Rosto de um dos sarcófagos do Faraó Tutankhamon. Foto pertencente ao acervo da National Geographic. Kenneth Garrett. Setembro de 1998.

Vale salientar que o museu têm se preparado para o translado dos artefatos de Tutankhamon há mais de dois anos. Aqui no site noticiei em 2018 que eles já sabiam quais artefatos iriam substituí-lo na exposição e em 2019 o museu passou por reformas importantes.

Também foi acrescentado que atualmente está sendo preparanda uma proposta para registrar o Museu Egípcio como Patrimônio Mundial da UNESCO, uma vez que é um dos mais antigos museus do oriente. Também é salientado que novas placas com explicações sobre as exposições serão feitas visando mostrar os locais e as datas das descobertas dos artefatos arqueológicos que estarão disponíveis para visitação.

Permaneceremos no aguardo de um pronunciamento para imprensa internacional por parte do Ministério das Antiguidades e Turismo do Egito.

Fontes:

Egyptian Museum to re-open visitors under strict anti-coronavirus measures. Disponível em < https://wwww.dailynewssegypt.com/2020/05/10/egyptian-museum-to-re-open-visitors-under-strict-anti-coronavirus-measures/ >. Acesso em 13 de maio de 2020.

Egyptian Museum to re-open visitors under strict anti-coronavirus measures. Disponível em < https://www.zawya.com/mena/en/life/story/Egyptian_Museum_to_reopen_visitors_under_strict_anticoronavirus_measures-SNG_174221588/ >. Acesso em 13 de maio de 2020.

Como está a Arqueologia no Egito durante a quarentena

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Parte da economia do Egito gira em torno do turismo, mais especificamente do turismo arqueológico. Contudo, assim como muitos outros países, o Egito está obedecendo a quarentena sugerida para evitar a propagação do COVID-19 (coronavírus).

Assim sendo, alguns cidadãos e órgãos governamentais têm feito campanhas se utilizando da arqueologia realizada no país para pedir que as pessoas fiquem em casa. Um exemplo é esta campanha com a imagem de Rahotep e Nofret, um casal que viveu durante o Antigo Reino.

Outro exemplo é essa mensagem ao lado da face do faraó Tutankhamon elaborada pelo Ministério das Antiguidades e Turismo: “Por milhares de anos eu vi tudo, e aprendi que o sol sempre brilha após a tempestade. #FiqueEmCasa #FiqueSalvo”.

E só a título de curiosidade: sabemos que durante o reinado do faraó Tutankhamon ocorreu uma epidemia na região da Crescente Fértil. Infelizmente não temos muitos detalhes.

Desde o início da pandemia o Ministério das Antiguidades tem usado as pirâmides do platô de Gizé para enviar mensagens de apoio aos egípcios e pedindo que as pessoas fiquem em casa.

“Fique em Casa”

Paralelamente hotéis e áreas arqueológicas (ambos permanecem fechados, mas algumas equipes de arqueologia ainda estão trabalhando no país) estão sendo esterilizados por uma equipe especializada e de acordo com os padrões internacionais da Organização Mundial de Saúde (OMS) e com materiais certificados pelo Ministério da Saúde. 

Esterilização na área arqueológica da Pirâmide de Djoser.

Esterilização na área arqueológica da Pirâmide de Djoser.

Esterilização na área arqueológica da Pirâmide de Djoser.

Esterilização na tumba da rainha Nefertari (Vale das Rainhas)

E está sendo uma exigência os pagamentos aos trabalhadores da área de turismo que estão em quarentena. Inclusive o Ministério cancelou recentemente as licenças de dois hotéis nas cidades de Hurghada e Sharm al-Sheikh, porque o primeiro não tinha pago as dívidas dos trabalhadores e o segundo tinha demitido alguns trabalhadores.

Fonte das notícias e fotos: Comunicado de Imprensa do Ministério das Antiguidades.