Tutankhamon por todos os lados

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

Esta minha semana foi particularmente conturbada, desde a segunda estive mais ansiosa do que nunca com os resultados do exame de DNA de Tutankhamon que é prometido desde 2008, são dois anos, uma longa espera. Ocorreu primeiramente uma serie de mudanças de data para liberar o resultado, o que já era até que esperado, afinal uma pesquisa de tal magnitude pode ter vários imprevistos. Foi dito que seria liberado no dia 16/02/2010 embora outras fontes tenham dito que seria em 17/02/2010. Independente a notícia se espalhou no dia 17/02 e o mundo ficou olhando extasiado para a internet enquanto as informações se multiplicavam. O faraó Tutankhamon, mesmo após quase noventa décadas, sabe ainda chamar a atenção.

 

Tutankhamon viveu durante a XVIII Dinastia e reinou até os 18 a 19 anos de idade.

Durante este tempo estive esperando o resultado do exame porque ele traçaria o perfil genético de Tutankhamon e dos fetos do sexo feminino encontrados com ele (que se provou serem suas filhas) e assim tentar encontrar seus parentes entre corpos reais do seu período que ainda não tinham sido identificados. A rainha Ankhesenamon ainda não tinha sido encontrada, logo ela faz parte na preferência pela a procura. Passei estes dois anos esperando, mas infelizmente a espera não acabou.

Foram identificados os pais de Tutankhamon como sendo o esqueleto encontrado na KV-55 (que quase seguramente é de Akhenaton) e a múmia mais nova encontrada na KV-35 (A que em 2003 foi proposta como Nefertiti, mas se provou como sendo muito mais nova que a rainha e é uma das irmãs de Akhenaton). A múmia da senhora mais velha da KV-35 é a rainha Tiye, avó de Tutankhamon.

Múmia da KV-35 identificada como sendo a rainha Tiye, e avó de Tutankhamon.

Múmia da KV-35 identificada como filha de Tiye e mãe de Tutankhamon. Ainda não se sabe o seu nome.

 

Duas múmias encontradas na KV-21 foram também submetidas ao exame, não se sabe quem são, acredita-se que uma delas possa ser Ankhesenamon. Mas é aí que começa a má noticia: uma delas possui maior probabilidade de ser a rainha, mas para uma confirmação segura não há mais dados legíveis no material.

Extrair DNA de corpos tão antigos não é tarefa fácil por diversos fatores, dentre eles a contaminação do material genético e do material ser antigo. Como um resultado seguro é difícil de se obter o Supremo Conselho de Antiguidades do Egito proibiu este tipo de exame por alguns anos, mas o retomou de forma quase insegura e cética. Para que nesta situação não ocorresse o risco de dar um resultado contraditório a equipe responsável pela a análise do material de Tutankhamon se dividiu em subgrupos, onde fariam o exame independentemente. Desta forma o resultado acabou sendo praticamente incontestável.

Depois de anos de especulação a malária, ao lado de uma infecção óssea, foi o veredicto para o rei, mas as pessoas não vão parar de se questionar sobre a sua morte, vão continuar imaginando e especulando. Da mesma forma que foi apontada na década de 60 como causa de seu falecimento uma pancada na cabeça ele poderá ganhar outra causa de morte daqui a algumas décadas, mas por enquanto, com o maximo da tecnologia do nosso tempo este resultado já é bem abrangente e seguro.

Quanto a Ankhesenamon a espera continua.

Um programa da Discovery Channel denominado KING TUT Unwrapped será veiculado este próximo domingo nos EUA (sem previsão para passar no Brasil).

Saiba mais sobre o assunto:

Os Escândalos da Arqueologia Forense com Múmias e Esqueletos Egípcios, 19/02/2010 < www.arqueologiaegipcia.com.br/texto_antrop_escandalos.html>
Pesquisa sobre a terceira princesa de Amarna, 19/02/2010 < www.arqueologiaegipcia.com.br/texto_pesquisa_ankhesenamon.html>

Fontes das imagens:

Tut: Disease and DNA News, 19/02/2010 < http://www.archaeology.org/online/features/tutdna/>

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]

Um comentário sobre “Tutankhamon por todos os lados

Os comentários estão desativados.