(Livro) “As Egípcias” de Christian Jacq

Por Márcia Jamille Costa

 

“As Egípcias: retratos de mulheres do Egito Faraônico” (Les Egyptiennes) é um dos livros mais populares sobre a antiguidade egípcia no Brasil no que diz respeito ao tema de gênero, e também um dos poucos indicados. O seu autor é Christian Jacq e ele já escreveu romances de renome como a série Ramsés e outros materiais como “A Sabedoria viva do antigo Egito”.

Christian Jacq possui formação em egiptologia, contando inclusive com um doutorado em Sorbonne, mas mesmo com uma formação completa ele é acusado de banalizar a cultura egípcia em seus livros, embora estes possuam várias descrições de aspectos sociais. Em verdade os textos de Jacq se destacam na divulgação de um Egito místico, fantasioso, e o mais interessante: mascarado pela a descrição de fatos reais. Este é o Jaqc romancista, mas o Jacq historiador parece se perder um pouco entre a redação científica e a redação de vulgarização (não em um termo pejorativo, mas em um termo em que fala do que é feito para ser lido pelo o público de fora da academia), mais neste sentido acho que posso interceder por ele. Seus livros são para a massa e não para algo seleto como o corpo de egiptólogos em uma universidade, parece que o autor, com os anos de experiência como romancista, aprendeu a segurar a atenção dos comuns para algumas pesquisas arqueológicas. Este é o caso de parte dos seus livros de levantamento histórico onde está incluso “As Egípcias: retratos de mulheres do Egito Faraônico”.

 

 

Conheci este livro já faz alguns anos, li uma parte e não gostei, até que um parente o deu para mim e resolvi reler. Em um contexto geral ele tem uma escrita bonita e confortável, mas não é bom para usar em sala de aula, mesmo assim, para quem não conhece o assunto ou quiser algumas bibliografias referentes a gênero no antigo Egito pode ler para coletar referencias. Quem sabe, no final, não se interesse por Christian Jacq.

Eu o aconselharia para o público leigo, ou para quem gosta da cultura egípcia faraônica. As descrições que ele faz das mulheres reais e comuns (inclusive as dos campos) são fortes e envolventes, o que mostra claramente a falta de neutralidade científica de Christian Jacq, o que, a meu ver, não é um grande problema, ainda mais porque o seu público de interesse não quer saber de dados arqueológicos como medições de cerâmica ou picos de DNA, querem saber de histórias contadas da forma mais confortável e clara possível.   

Mesmo assim, acredito, ele acaba falhando em outros livros, mas isto já são outros carnavais. 

Fixa técnica:

Titulo original: Les Egyptiennes

Autor: Christian Jacq

Tradução: Maria D. Alexandre

Ano de publicação (Brasil): 2002

Editora: Bertrand Brasil

Cidade: Rio de Janeiro

ISBN: 85-286-0777-1

Palavras-chave: Mulheres, Egito, condições sociais.

 

Quer indicar uma matéria? Mande uma mensagem através do formulário de contato ou através do meu twitter [é só se cadastrar no twitter.com, entrar na minha página e clicar em “seguir” (follow)].

 

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]

6 comentários sobre “(Livro) “As Egípcias” de Christian Jacq

  1. Olá, Márcia! Gostaria de saber se você teria algo a dizer sobre o livro Akhenaton e Nefertiti – O Casal Solar, de Jacq. Uma crítica ou um comentário era o que eu precisava, pois gostaria de apresentar um pôster científico sobre o Período Amarniano. Ficarei muito grata 🙂

    • Olá Walquíria,
      Só conheço o “Nefertiti e Akhenaton: O Casal Solar” da Bertrand Brasil. O livro que você está comentando por acaso é o da Hemus?
      De qualquer forma Jacq só escreve livros vulgares, ou seja, é voltado para o público comum. Particularmente eu não gosto muito dos livros dele e prefiro utilizá-lo somente para mostrar diferentes pontos de vista entre pesquisadores, especialmente porque Jacq é extremamente subjetivista.
      E o livro da Hemus não sei, mas o da Bertrand já está um pouco defasado. É melhor você se preocupar em ler artigos para a sua pesquisa.
      Abraços e boa sorte! 😀

  2. Usei esse maravilhoso livro em meu artigo de TCC, é uma linda obra e eu sou super fan do Christian Jacq, tanto os romances quanto os livros científicos dele são ótimos!!! O que mais gosto dele é O Mundo Mágico no Antigo Egito

  3. Acredito que o livro pode ser sim utilizado em salas de aulas! Possui um texto de fácil entendimento, podendo estimulando os alunos a pesquisa sobre o tema, além de destruir as velhas concepções sobre o papel das mulheres no antigo Egito.
    Em relação a falta de neutralidade científica de Jacq, devemos lembrar do fato de que por mais que um pesquisador tente ser imparcial em suas considerações, ele sempre irá imprimir em seu texto suas convicções pessoais acerca do tema. Como dizia Luciem Febvre “A história é filha de seu tempo”.

Os comentários estão desativados.