Incendiários ameaçam o Museu Egípcio

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

Estão ocorrendo uma série de protestos contra o governo do atual presidente egípcio Hosni Mubarak. Hoje a internet e as linhas de telefone foram desligadas, além de ter sido decretado toque de recolher em todo o país. Mesmo assim as manifestações no Cairo começaram no horário da tarde: carros e escritórios foram vandalizaram e em Alexandria a cede do governo foi incendiada. 

O Nobel da paz e apoiador declarado dos protestos, Mohamed El-Baradei, chegou ontem (27/01/2011) ao Egito e hoje foi posto em prisão domiciliar. Antes de ser enclaustrado El-Baradei fez uma forte incitação via Twitter:  

“Nós vamos continuar a exercer o nosso direito a protestar de forma pacifica e restabelecer a paz e a dignidade. A violência vai se voltar contra o regime” [Trad. GloboNews].

Embora a internet tenha sido inviabilizada, fora do país muitas pessoas trocaram informações via Twitter – o que pôs a palavra “Egipto” e “Mubarak” no Twitter Trends (quando uma palavra entra no TT quer dizer que está sendo muito citada entre os usuários) – e a notícia de que algumas pessoas ameaçaram incendiar o Museu Egípcio do Cairo logo foi espalhada. Outra ameaça era de que existia um plano de saquear o museu. Alguns dos protestantes fizeram um escudo humano para evitar a invasão, mas foram agredidos por possíveis incendiários. A informação que se tem até agora é de que o exército tomou o local e que montou guarda na área a fim de proteger o Museu Egípcio do Cairo e o patrimônio arqueológico lá guardado que compreende múmias reais, objetos cotidianos da era faraônica e o espólio funerário do faraó Tutankhamon.

 

Museu Egípcio do Cairo. Disponível em < http://wingstoafrica.com/egyptian-museum-cairo-2.html > Acesso em 28 de Janeiro de 2011.

 

Fonte:

Acompanhei algumas das mensagens do protesto via Twitter, mas a GlogoNews TV está fazendo uma cobertura geral.

Veja também:

Guardian: http://www.guardian.co.uk/news/blog/2011/jan/28/egypt-protests-live-updates (com atualizações ao vivo).  

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]