Briga feia entre vizinhos: um “Casos de Família” do Egito Antigo

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

Uma das coisas mais interessantes de se estudar a antiguidade egípcia é conhecer um pouco mais sobre as pessoas que caminharam nas terras do Nilo. As histórias de alguns, infelizmente, se perderam nas areias do tempo, mas outras conseguiram chegar até nós graças aos indícios arqueológicos, como é o caso da vida de Paneb, morador da aldeia de Deir el-Medina conhecido por ter sido muito briguento e altamente perigoso em algumas situações.

Deir el Medina

Restos de residências da aldeia de Deir el-Medina

Como o registro envolvendo violência entre vizinhos no Egito Antigo é de certa forma incomum comentei em tom de brincadeira sobre o assunto no meu Twitter há um tempo:

Então, o leitor Cadu Nogueira ficou curioso e pediu para que eu escrevesse acerca aqui no A.E.:

Pode deixar Cadu, este texto aqui é para você!

O violento Paneb e o seu pai adotivo:

A citada história foi registrada no atualmente chamado de Papiro Salt 124 (Brit. Mus. 10055), datado do início da 20ª Dinastia. Nele conhecemos um pouco sobre a trajetória de vida do encrenqueiro Paneb, um jovem humilde de Deir el-Medina que, a exemplo de muitos dos seus vizinhos com a sua posição social, foi um artesão. Os trabalhadores de Deir el-Medina eram divididos em dois grupos, cada um comandado por um escriba e um capataz. O capataz de um dos grupos chamava-se Ha, o outro Neferhotep — o segundo personagem importante desta nossa história — que gerenciava justamente o grupo de Paneb.

Neferhotep era um homem de meia idade que embora casado com uma mulher chamada Wabjet não possuía filhos. Desta forma, não tinha um herdeiro para ensinar o seu ofício e deixar como herança a sua posição [1]. Ele resolveu então adotar e escolheu justamente o Paneb, embora o rapaz ainda possuísse pais vivos e que cuidavam dele. Não se sabe muitos dos detalhes, mas é fato que Paneb foi entregue para o capataz, que imediatamente o levou para viver em sua casa, com a sua nova família composta pelos irmãos e sobrinhos do Neferhotep.

Deir el MedinaRuínas de Deir el-Medina vistas de longe.

Paneb teve uma mudança radical em sua vida para melhor já que um capataz exercia um papel muito importante em Deir el-medina, podendo usufruir das melhores acomodações, roupas e alimentos. Porém, em vez de se sentir agradecido o garoto tornou-se arrogante e intratável, sendo extremamente agressivo com várias pessoas que faziam parte do seu convívio, além de exagerar no consumo de bebidas alcoólicas. Apesar disso, Neferhotep não o baniu da família.

A segunda sorte de Paneb foi ao casar-se com a filha de Ha, Uabet, o que certamente melhorou muito mais a renda familiar.

— Veja também: Trabalho no Egito antigo: greves, maus-tratos e direitos

Passaram-se cerca de doze anos após o casamento, mas um perigoso incidente abalou os moradores de Deir el-Medina. Não conhecemos os motivos, mas em um ataque de fúria Paneb perseguiu o Neferhotep pelas ruas da aldeia. O idoso conseguiu se afugentar em sua residência, mas teve que escutar gritos de ameaças de morte proferidos por seu filho, que tentava derrubar a porta enquanto alguns aldeões se esforçavam para acalmá-lo. De acordo com o testemunho posterior de um dos irmãos de Neferhotep, o Paneb “Pegou uma pedra e arrebentou a porta” e sem conseguir alcançar o pai voltou-se contra os vizinhos e “bateu em nove homens naquela noite” (DERSIN, 2007; 37). Nada pior ocorreu porque uma vigília foi montada em frente à casa do capataz.

Deir el-MedinaEm algum lugar por aqui Paneb assustou seus vizinhos e parentes.

Neferhotep decidiu denunciar o filho não a um juiz local, mas ao próprio vizir do faraó. Porém, Paneb contra-atacou de maneira ousada, denunciando o próprio vizir a um alto-funcionário. Não se sabe o teor da denúncia, mas o cenário político do Egito na época estava recheado de intrigas palacianas, o que deu a chance dos detratores do vizir de depô-lo do seu cargo antes mesmo que a análise do caso do Paneb chegasse a uma conclusão.

O que se seguiu foi outro momento inesperado: Neferhotep perdoou o filho e não o baniu como seu herdeiro, apesar dos pedidos de seus parentes que o fizesse.

Por fim, o idoso faleceu e Paneb assumiu o seu cargo como capataz. Mas ele não parou de aprontar e mais uma vez arrumou confusão na vizinhança, deitando-se com algumas mulheres casadas. Porém, agora quem o denunciou foi o seu próprio primogênito, Aapethy, que disponibilizou, inclusive, uma lista com os nomes destas mulheres [2]. Entretanto, aparentemente nada ocorreu.

Uma das suas notáveis amantes foi uma moça chamada Hunro, que era casada com um pintor, do qual se divorciou posteriormente e casou-se com outro filho adotivo de Neferhotep, adotado anos depois de Paneb. O casamento não vingou — em parte porque Hunro e Paneb permaneceram como amantes — e três anos depois veio mais um divórcio.

Reconstituição feita por Golvin. Link: http://jeanclaudegolvin.com/deir-el-medineh-2/

Entra então em cena um dos irmãos do falecido Neferhotep, Amennakht, que dedicou anos a coletar evidências dos crimes de Paneb e com tudo completo entregou os dados para as autoridades. Dentre as acusações estavam furtos, agressões, adultério, estupro e assassinato. Na de furto constava que ele tinha surrupiado um ganso de ouro de dentro da sepultura de uma das rainhas de Ramsés II. Nas palavras do tio “Jurou pelo senhor pertinente, dizendo ‘Não está comigo’. Mas foi encontrado em sua casa” (DERSIN, 2007; 43). Desta vez a justiça foi feita e ele foi demitido do cargo de capataz. Não se sabe o seu derradeiro fim, mas uma inscrição do período encontrada em um óstraco [2] pode estar nos dando a dica: “execução do chefe” (DERSIN, 2007; 44).

 

Fonte integral deste post:

DERSIN, Denise. A história cotidiana às margens do Nilo (Tradução de Francisco Manhães, Marcelo Neves, Carlos Nougué, Michael Teixeira).  1ª Edição. Barcelona: Folio, 2007.


[1] Os trabalhos no Egito eram passados de forma hereditária.

[2] Apesar da denúncia o próprio Aapethy, igualmente ao seu pai, tinha sido acusado de estupro de uma mulher da aldeia.

[3] Pedaço de pedra ou cerâmica quebrada onde eram escritas pequenas mensagens, informações breves ou rabiscos. O papiro era muito caro, então os óstracos era uma opção barata.

 

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro "Uma viagem pelo Nilo". [Leia seu perfil]

2 comentários sobre “Briga feia entre vizinhos: um “Casos de Família” do Egito Antigo

Os comentários estão desativados.