Egiptolizando: Barbie versão Cleópatra

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

Uma dica para os pesquisadores envolvidos no estudo da Egiptomania: em setembro deste ano foi lançada nos EUA uma Barbie versão Cleópatra, especial para colecionadores.

Desenhada por Linda Kyaw, designer da Mattel, a Barbie Doll as Cleopatra retrata uma das mais afamadas rainhas da era faraônica vestidas com roupas extravagantes que consiste em duas capas (uma na cor branca e outra na cor laranja), uma saia longa de cor verde e detalhes de cor dourado e cobrindo os seios a sua própria coroa. É uma peça bacana para aqueles sem preconceituosos com a irrealidade histórica.

 

 

Não é a primeira vez que a Mattel faz uma homenagem a rainha ptolomaica, quem confere o blog já viu aqui uma postagem sobre a Barbie Elizabeth Taylor in Cleopatra.

Como a sua antecessora o preço da Barbie Doll as Cleopatra é bastante salgado, ficando por cerca de US$100. 

 

E o que acharam?

 

Márcia Jamille

Arqueóloga formada pela UFS com a monografia “Egito Submerso: a Arqueologia Marítima Egípcia” e mestra em Arqueologia também pela UFS com a pesquisa “Arqueologia de Ambientes Aquáticos no Egito: uma proposta de pesquisa das sociedades dos oásis do Período Faraônico”. É administradora do Arqueologia Egípcia e autora do livro “Uma viagem pelo Nilo”.
[Leia seu perfil]

14 comentários sobre “Egiptolizando: Barbie versão Cleópatra

    • Eu também tenho interesse, há alguns meses tomei o gosto de colecionar este tipo de coisa, comecei achar legal que exista tanto interesse no antigo Egito (antes eu até achava meio bobo).

      Sexta-feira passada ganhei uma das “Cleópatras” lançada pela Mattel. Quem sabe ela não ganha um post.

      Uma de Ankhesenamon seria um sonho, mas por enquanto estou me contentando com os filmes e livro em homenagem a ela.

    • O Filme “A Rainha Sol”, e o livro de mesmo nome. Também tem Anatolia Story, não sei se ela aparece muito, a única cena que vi foi em que ela dava uma de rainha chorona.
      Além de A Rainha Sol ela é personagem principal do livro Tutankhamun and the Daughter of Ra, além de citações em outros materiais (dos quais nunca cheguei a ter) como The Murder of King Tut: the plot to kill the child king—a nonfiction thriller, Pillar of Fire, Nefertiti (por Michelle Moran). Existem mais exemplos pelo o mundo a fora.

  1. Obrigada Marcia pelas dicas e com certeza vou correr atrás para achá-los.Gostaria para aproveitar para fazer um breve comentário,gosto muitos de animes e mangás e como o Egito entrou de repente,procurei algo que juntasse estas duas coisas e encontrei.Existe um manga chamado Ouke no Monshou,que é todo no Egito a antigo,rico em detalhes da época,se quiser talvez queira conhece-lo,é bem bacana!
    Este é um site brasileiro sobre Ouke.

    http://www.filhadonilo.com.br

    • Olá mais uma vez Natália,

      Obrigada pela indicação, procurei sobre este mangá e li o primeiro capítulo em português, é fascinante… Shoujo é terrível, fisga o público pelo pé! Foi apelação criar uma heroína arqueóloga! Não pesquisei sobre o enredo, prefiro ler a estória primeiro, gosto do gostinho da surpresa, mas obrigada mais uma vez pela a indicação, as imagens são lindas! Amei mesmo!

  2. Já que queremos uma Ankhesenamon não da pra deixa a coitadinha sozinha vamos dar um Tut,dai seria uma barbie e um ken perfeito!!!

  3. Que linda essa Barbie! Além da Ankhesenamon deveria ter uma Nefertiti também! Ai eu voltaria a ter Barbies.. hehehe

    Além disso vou atrás dos outros livros sobre a Ankhesenamon, desses só li “A Rainha Sol”, que adorei.

    Bjs,
    Luana

    • Logo vi que aqui parece estar tendo uma “superpopulação” de colecionadoras de Barbies. A Mattel definitivamente não sabe o dinheiro que está perdendo…

      @Luana: Este ano eu queria apresentar mais um trabalho sobre a Ankhesenamon, mas acho que não vai sair. Mas vamos ver não é?

Os comentários estão desativados.