Tumba intacta é descoberta em Assuã

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille | Instagram

Muitos já ouviram falar do Vale dos Reis ou do Vale das Rainhas, mas definitivamente poucos sabem da existência de um sítio arqueológico no Sul do Egito, onde foram sepultados chefes de expedições do Antigo Reino, governadores do Médio Reino e alguns dignatários do Novo Império. Localizado em Elefantina, atual Qubbet El-Hawa, oeste de Assuã, ele abrigou as sepulturas de alguns governantes da área, assim como seus familiares.

Foto: Qubbet el Hawa Project.

Foi lá onde uma missão de arqueologia da Espanha, advinda da Universidade de Jaén, descobriu uma sepultura intacta, onde foi enterrado o irmão de um dos mais importantes governadores da 12ª Dinastia (Médio Reino), Sarenput II [1][2]. Ela se livrou dos saques, das reutilizações [3] e do ataque de insetos comedores de celulose, tão comuns na região.

Foto: Qubbet el Hawa Project.

Essa não é uma descoberta da do nível de Tutankhamon, mas do ponto de vista da arqueologia ela trará informações novas acerca desse período.  Mahmoud Afifi, chefe do Departamento de Antiguidades Egípcias, descreveu a descoberta como “importante” graças a existência do espólio funerário e também porque ela poderá esclarecer mais sobre a vida das pessoas próximas a aquelas que detinham o poder na região [1].

Vídeo de divulgação da descoberta.

No local foram encontradas cerâmica e dois caixões de cedro (um dentro do outro). Neles está escrito o nome do falecido, Shemai. Também estão o da sua mãe e pai: Satethotep e Khema, respectivamente. Este último foi governador de Elefantina sob o reinado de Amenemhat II [1][2].

Foto: Qubbet el Hawa Project.

Alejandro Jiménez-Serrano, chefe da missão espanhola da Universidade de Jaén, disse que uma múmia também foi descoberta, mas ainda está sendo estudada. Ela está coberta com uma cartonagem policromada e colares. Ela também possui ainda a sua máscara mortuária [1]. Um conjunto de modelos de madeira representando barcos funerários e cenas da vida cotidiana também foram encontrados. Este tipo de representação ganhou grande importância durante este período [1].

Foto: Qubbet el Hawa Project.

Sobre esta família de governadores:

De acordo com Jiménez-Serrano, Shemai foi o irmão mais novo de Sarenput II, um dos mais poderosos governadores do Egito sob os reinados de Senusret II (Sesóstris II) e III . Também foi general e responsável por realizar cultos religiosos [1].

 

Tumba de  Sarenput II. Foto: Daniel Csörföly.

Com esta descoberta, ele ainda explica, a missão da Universidade de Jaén em Qubbet El-Hawa acrescenta mais dados a pesquisa dos 14 membros já conhecidos desta família [1]. Ano passado, os egiptólogos exumaram a múmia de Sattjeni, sobrinha de Shema, que foi titulada como “filha, mãe e esposa de governadores”. Foi filha de Sarenput II e também foi governadora, assim como o seu filho, Heqaib III [2]. Vale lembrar que no Egito os cargos eram hereditários.

 

Fontes:

[1] New discovery: Intact tomb uncovered in Aswan. Disponível em < http://english.ahram.org.eg/News/261435.aspx >. Acesso em 22 de março de 2017.

[2] Egiptólogos españoles hallan la tumba intacta del hermano de un gobernador de Elefantina. Disponível em < http://www.abc.es/cultura/abci-egiptologos-espanoles-hallan-tumba-intacta-hermano-gobernador-elefantina-201703221439_noticia.html >. Acesso em 22 de março de 2017.


[3] Reutilizações de tumbas eram comuns ao longo de todo o Período Faraônico.

Lindas imagens dos templos de Ramsés II em Abu Simbel

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

É em Abu Simbel onde encontram-se dois dos mais magníficos templos egípcios advindos da época do Novo Império, período considerado por alguns pesquisadores como a “era de ouro” da antiguidade egípcia. Datados da 19ª Dinastia, ambos foram erguidos a mando do faraó Ramsés II e é votivo a ele mesmo, sua esposa Nefertari e aos deuses Amon, Ptah, Hathor e Ra-Harakhte.

Este complexo foi construído na fronteira do Egito com o Sudão (no passado a Núbia). Um dos edifícios, o maior de todos, é composto por grandes estátuas esculpidas na rocha representando o faraó e em seu interior há um corredor que leva até a imagem do rei, que está acompanhada pelas estátuas dos deuses Ptah, Amon e Ra-Harakhte. Um detalhe interessante acerca desse templo é que duas vezes no ano o Sol ilumina a imagem de Amon, Ra-Harakhte e Ramsés. O próximo alinhamento irá ocorrer amanhã, dia 22 de outubro. Há alguns meses gravei um vídeo falando sobre esse evento. Você pode conferi-lo abaixo:

— Aproveite e leia também: Alinhamento solar no templo de Abu Simbel: 22 de fevereiro e 22 de outubro

Eles realmente são templos incríveis, por isso resolvi selecionar algumas fotografias para mostrá-las a vocês:

Abu Simbel

Abu Simbel - Great Temple

Abu Simbel - Small Temple

Sun Temple, Abu Simbel

Abu Simbel temples

Large hall of Abu Simbel

Statue of gods in Abu Simbel

Temple of Hathor

Gostou desse post? Então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais!

(Vídeo) Alinhamento Solar no Templo de Abu Simbel

Por Márcia Jamille | Instagram | @MJamille

O complexo de templos de Abu Simbel foi construído na divisa entre as terras do Egito e o antigo território núbio (hoje Sudão), por Ramsés II a partir de algum momento durante as três primeiras décadas do seu governo. Tratam-se de estruturas gigantes cavadas nas rochas na margem ocidental do Nilo: uma menor dedicada à rainha Nefertari e uma maior, para o próprio Ramsés II. E é deste que comento no vídeo.

Wikimedia Commons | User: Przemyslaw “Blueshade” Idzkiewicz.

Este evento solar ocorre duas vezes no ano e usualmente reuni várias pessoas para testemunhar esta ocorrência. Além do vídeo abaixo, também já escrevi sobre ele aqui no Arqueologia Egípcia: — Alinhamento solar no templo de Abu Simbel: 22 de fevereiro e 22 de outubro.

Inscreva-se para receber notificações de novos vídeos: clique aqui.

Youtube | Facebook | Instagram | Twitter

Alinhamento solar no templo de Abu Simbel: 22 de fevereiro e 22 de outubro

Por Márcia Jamille | @MJamille | Instagram

O templo de Abu Simbel foi construído na divisa do antigo território núbio e egípcio provavelmente no ano 24 do reinado de Ramsés II (DAVID, 2007). Sua edificação visava honrar os principais deuses – Amon, Ptah e Ra-Harakhte – além de deificar o próprio Ramsés II. Na época faraônica o edifício empregou um grande número de sacerdotes e servia de aviso para os estrangeiros advindos do Sul, mostrando a magnificência do império egípcio.

Templo de Abu Simbel. Disponível em <http://dailyinspires.com/wp-content/uploads/2013/02/Temple-of-Ramesses-II-Abu-Simbel-Wallpaper.jpg>. Acesso em 22 de outubro de 1922.

Na década de 1960 a UNESCO mobilizou uma grande campanha que arrecadou $40,000,000 para retirar o templo do seu local original e levá-lo para um local seguro, longe das enchentes provocadas pelas represas já existentes no Nilo e da própria Represa de Aswan, que até então estava ainda em projeto.

Dentro do templo de Abu Simbel. Ao final encontra-se o santuário com o quarteto de deuses. Disponível em <http://paradiseintheworld.com/wp-content/uploads/2012/10/abu-simbel-inside.jpg >. Acesso em 22 de outubro de 2014.

Foi reservada muita energia para dar ao edifício um aspecto semelhante ao que ele possuía em seu lugar original, inclusive o efeito solar que o monumento presencia atualmente duas vezes ao ano, um em 22 de fevereiro e outro em 22 de outubro. Entretanto, de acordo com a literatura, o templo original foi projetado para permitir que a luz do sol penetrasse o santuário nos dias 21 dos referidos meses e não no 22.

Quarteto de divindades sob luz artificial. Disponível em <http://hdwallpaperia.com/wp-content/uploads/2013/10/Abu-Simbel-Temple.jpg>. Acesso em 22 de outubro de 2014.

O efeito faria com que três das deidades (exceto Ptah), que ficam no santuário, fossem iluminadas por um feixe de luz. Estas datas são supostamente o aniversário de nascimento e o dia da coroação do rei, respectivamente, mas não há nenhuma evidência para apoiar isso.

Curiosidades:

Para assistir alinhamento solar pessoas invadem templo de Abu Simbel

As forças de segurança de Aswan, na manhã de sábado do dia 22 de fevereiro de 2014, não conseguiram impedir que um grande número de pessoas, que compreendiam desde egípcios a turistas, invadisse o templo. Estima-se que mais de 6,000 indivíduos foram prestigiar o fenômeno que foi associado com um dia religioso denominado “Santo dos Santos”. Enquanto alguns visitantes estavam em clima de festa, outros não ponderaram suas atitudes e forçaram a entrada no santuário.

Para ver mais fotos clique aqui.

Apesar de toda a confusão, de acordo com as fontes oficiais, o templo não sofreu danos.

Abu Simbel já virou um doodle

Para comemorar o evento em 2012 o Google transformou o templo em um doodle (uma daquelas imagens comemorativas que ficam na página inicial do navegador).

Doodle via Google. 2012.

 

Referências:

David O’CONNOR, Rita FREED e Kenneth KITCHEN. Ramsés II (Tradução de Francisco Manhães, Marcelo Neves). Barcelona: Fólio, 2007.
SILIOTTI, Alberto. Viajantes e Exploradores: A Descoberta do Antigo Egito (Tradução de Francisco Manhães, Michel Teixeira). Barcelona: Editora, 2007.

Câmara intacta por mais de 4.000 anos é aberta no Egito

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

A equipe da Universidade de Jaén (UJA), que possui uma concessão para trabalhar em escavações de Arqueologia na necrópole de Qubbet el-Hawa,  localizada em Assuã (Sul do Egito), abriu esta semana uma sepultura intacta há mais de 4.000 anos.

No local foi encontrado um sarcófago com os restos mumificados de um governante da cidade de Elefantina, que atuou durante o reinado do Amenemhat III (1818-1773 a. E. C.).

Equipe no momento da abertura da tumba. Disponível em < http://www.lasegunda.com/Noticias/Internacional/2013/06/856562/Abren-una-camara-intacta-de-mas-de-4000-anos-en-necropolis-egipcia >. Acesso em 18 de junho de 2013.

O coordenador da equipe, Alejandro Jiménez Serrano, salientou que existem problemas com a identificação do indivíduo em seu sarcófago, uma vez que no caixão interior ele é identificado como uma mulher, mas no exterior é identificado como sendo do sexo masculino.

Foi salientada a realização de um exame preliminar dos restos e o sexo do indivíduo foi confirmado como sendo de um homem que morreu com cerca de 26 anos. Serrano propôs que o erro se deu pela a possibilidade de que inicialmente o sarcófago interior seria para uma mulher, mas depois foi destinado ao atual dono.

 

Vídeo da abertura da tumba:

 

O fato de o sepulcro ter estado intacto até então é uma ótima notícia, uma vez que este é um acontecimento praticamente raro, visto os mais de duzentos anos de caça predatória de sítios arqueológicos e roubos de tumbas que já ocorriam na antiguidade.

Os ladrões de tumbas que estiveram na necrópole em que se encontra esta sepultura não foram capazes de localizá-la porque sua porta estava obstruída por cascalhos.

 

Fontes:

Abren en Egipto una cámara intacta de más de 4.000 años. Disponível em < http://www.20minutos.es/noticia/1844180/0/egipto/arqueologia/camara/ >. Acesso em 17 de junho de 2013.

Egipto: Arqueólogos españoles hallan un doble sarcógafo en una cámara de 4.000 años. Disponível em < http://actualidad.rt.com/cultura/view/97668-egipto-momia-abrir-camara-intacta >. Acesso em 18 de junho de 2013.

Abren una cámara intacta de más de 4.000 años en necrópolis egípcia. Disponível em <  http://www.lasegunda.com/Noticias/Internacional/2013/06/856562/Abren-una-camara-intacta-de-mas-de-4000-anos-en-necropolis-egipcia >. Acesso em 18 de junho de 2013.

Descobertas 20 múmias em Assuã

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

 

Já faz mais de um mês que uma equipe da Universidade de Jaén (UJA) trabalha no sítio arqueológico da necrópole de Qubbet el-Hawa localizada em Assuã (Sul do Egito). Durante este tempo os acadêmicos encontraram mais de vinte múmias de diferentes períodos, além de outros artefatos arqueológicos, dentre eles, um sarcófago de madeira.

Sarcófago encontrado pela a equipe do professor Alejandro Jiménez Serrano da Universidade de Jaén em Janeiro de 2012. Foto disponível em < http://fotos.lainformacion.com/arte-cultura-y-espectaculos/arqueologia/arqueologos-espanoles-hallan-una-veintena-de-momias-y-un-sarcofago-en-egipto_DKX4hY3kM1H8KgTdS8qb94/ > Acesso em 13 de Fevereiro de 2012.

Os trabalhos estão centrados na área da tumba de um governador da XII Dinastia (entre 1991 a.C e 1783 a.C – Médio Império), mas foram realizadas descobertas também em áreas periféricas. Esta é a quarta missão da equipe que é coordenada pelo historiador Alejandro Jiménez Serrano (que lidera pesquisadores tanto da Espanha como da Inglaterra) e seguirá até o dia 03 de março de 2012.

Até o final da temporada o professor Serrano espera fazer a descoberta de câmeras mais profundas como também de outros artefatos. Para auxiliar na campanha foram empregadas tecnologias como o do RTI (Reflectance Transformation Imaging) que digitaliza documentos e da scaner 3D que segundo o historiador auxiliam na melhor leitura dos hieróglifos.

A necrópole de Qubbet el-Hawa recebeu tumbas de altos funcionários das províncias sulistas do Egito desde períodos anteriores a VI Dinastia. É possível que alguns destes funcionários tenham vindo a servir o seu faraó reinante durante as negociações em prol de uma boa relação entre os núbios (ou quem sabe os povos do decerto ocidental) com as sociedades das margens do Nilo.

UPDATE | ERRATA- 14 de Fevereiro de 2012 – 08h36:

O título da matéria estava incorreto, foram vinte múmias e somente um sarcófago. O restante do texto permanece correto.

 

Fonte da notícia:

Arqueólogos de Jaén descubren 20 momias y un sarcófago en Asuán. Disponível em < http://www.europapress.es/sociedad/ciencia/noticia-arqueologos-jaen-descubren-20-momias-sarcofago-asuan-20120213141000.html > Acesso em 13 de fevereiro de 2012.

Arqueólogos españoles hallan una veintena de momias y un sarcófago en Egipto. Disponível em < http://noticias.lainformacion.com/arte-cultura-y-espectaculos/arqueologia/arqueologos-espanoles-hallan-una-veintena-de-momias-y-un-sarcofago-en-egipto_ADTnkDg0LcKdN7O6zy0nl1/ > Acesso em 13 de fevereiro de 2012.

 

Egito no Domingo Espetacular (Parte 01)

Por Márcia Jamille Costa | @MJamille

O Domingo Espetacular (Rede Record) estreou no dia 04/04/2010 a reportagem “Egito: Caminhos do Nilo”, que está sendo apresentada pelo o carismático Gerson de Souza. A série tem a finalidade de mostrar ao público as paisagens e pessoas que vivem às margens do segundo maior rio do mundo.

A primeira parte da matéria começa em Assuã, e lá mostra aspectos interessantes da vida dos descendentes dos núbios, como, por exemplo, a tradição de dormir durante a tarde para poder trabalhar quando o sol está brando e a criação de crocodilos (que desde a construção da represa de Assuã estão presos no lago Nasser) dentro das residências.

Próximo domingo Gerson seguirá seu caminho rumo a Luxor, a Norte.

 

Assista aqui a primeira parte: Criação de crocodilo é comum nos lares da cidade egípcia de Assuã

Em série que mostra uma viagem ao Egito, o repórter Gerson de Souza navega pelo rio Nilo e explora desertos do país. Para chegar ao primeiro destino, Assuã, ele percorreu 1.200 km de trem, partindo da capital egípcia do Cairo, visitou comunidades e mostrou a tradição e os costumes do povo egípcio. Veja o vídeo (Rede Record: 2010):